Tribuna do Norte (Rio Grande do Norte)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção necessita de referências de fontes secundárias fiáveis publicadas por terceiros (desde agosto de 2015).
Por favor, melhore-o, incluindo referências mais apropriadas vindas de fontes fiáveis e independentes.
Fontes primárias, ou que possuem conflito de interesse geralmente não são suficientes para se escrever um artigo em uma enciclopédia.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2015).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Tribuna do Norte
Periodicidade Diário
Formato Standard
Sede Av. Tavares de Lira nº 101 Ribeira, Natal, Rio Grande do Norte
 Brasil
Fundação 24 de Março de 1950
Fundador(es) Aluízio Alves
Presidente Henrique Eduardo Alves
Editor Carlos Peixoto
Idioma Português

Tribuna do Norte é um jornal diário com sede em Natal e considerado o mais importante do Rio Grande do Norte. Além de manter um portal de notícias na internet desde 1997[1]. Tem sede à Rua Tavares de Lira nº 101 no bairro da Ribeira, em Natal, capital do Rio Grande do Norte.

História[editar | editar código-fonte]

O jornal potiguar, em circulação há 65 anos, que tem origens em um ideário formulado por seu fundador, o jornalista Aluízio Alves, cujas bases estão resumidas em um único conceito: servir ao bem público. Uma tarefa que, levada a cabo em um dos menores estados (o Rio Grande do Norte) de uma região pobre (o Nordeste brasileiro), não é destituída de sacrifícios e lutas. Desafios que estão presentes desde os primeiros momentos deste jornal.

Sua fundação ocorreu em março de 1950, foi marcada pela dificuldades de funcionamento dos equipamentos gráficos, mas também por iniciativas e conquistas. O jornal colocou-se à disposição dos projetos e iniciativas que procuraram o desenvolvimento social e econômico do Estado. Nesta linha, foi preciso assumir posições políticas, alinhando-se com os valores da democracia, da liberdade e da justiça.

Defendeu a campanha pela vinda da energia elétrica da Usina de Paulo Afonso (BA) para o RN; a fundação da Faculdade de Jornalismo; a instalação de um poló industrial; a campanha de alfabetização de adultos pelo método Paulo Freire; o acordo da Aliança para o Progresso (Brasil/EUA)

Nas décadas de 60 e 70, esse alinhamento resultou em pressões políticas e tentativas de sufocamento econômico, por parte dos governos militares.

Superados aqueles anos negros, restabelecido o estado de direito, procurou novos modelos de informação, modernizando seu formato através de investimentos em equipamentos e projetos gráfico-editoriais, mantendo o compromisso com os mesmos valores.

É um jornal brasileiro editado na cidade de Natal, capital do Rio Grande do Norte. É o jornal potiguar com maior circulação no Estado, segundo dados do IVC. Foi fundado em 1950 pelo jornalista Aluízio Alves.

Portal Tribuna do Norte[editar | editar código-fonte]

Tribuna do Norte mantém desde agosto de 1997, um portal de internet onde produz diariamente conteúdos voltados em notícias em nível municipal, estadual, nacional e internacional. De acordo com informações divulgados através da mídia kit do jornal, o portal registra mensalmente pouco mais de 10 milhões de visualizações[2], por isso é considerado o website mais visitado do Rio Grande do Norte.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Mídia Kit Jornal Tribuna do Norte» (PDF). Mídia Kit do Jornal Tribuna do Norte. Natal: Tribuna do Norte. 01 de Setembro de 2015. Consultado em 27 de Março de 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  2. «Mídia Kit do Jornal Tribuna do Norte» (PDF). Tribuna do Norte. 01 de Setembro de 2015. Consultado em 27 de Março de 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)