Tribunal Russell

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
DoVan Ngoc, de 9 anos, exibe terríveis machucados do napalm no Vietnã.

O Tribunal Russell, também conhecido como Tribunal Internacional de Crimes de Guerra, Tribunal Russell-Sartre, ou Tribunal de Estocolmo, foi um evento organizado pelo filósofo britânico Bertrand Russell e mediado pelo filósofo e escritor francês Jean-Paul Sartre. Junto com Lelio Basso, Ken Coates, Ralph Schoenman, Julio Cortázar e muitos outros, o tribunal investigou e avaliou as políticas externas dos Estados Unidos e a intervenção militar no Vietnã, seguida da derrota de 1954 das forças francesas em Diên Biên Phu e o estabelecimento do Vietnã do Norte e do Sul. O tribunal não investigou supostou crimes de guerra cometidos pelos Vietcongs; Schoenman comentou: "Lord Russell pensaria nisso tanto quanto julgar os judeus do gueto de Wasaw por sua insurreição contra os nazistas."[1]

Bertrand Russell justificou:

If certain acts and violations of treaties are crimes, they are crimes whether the United States does them or whether Germany does them. We are not prepared to lay down a rule of criminal conduct against others which we would not be willing to have invoked against us.
— Justice Robert H. Jackson, Chief Prosecutor, Nuremberg War Crimes Trials[2]

O tribunal foi constituido em novembro de 1966 e conduzido em duas sessões em 1967, em Estocolmmo, Suécia, e em Roskilde, Dinamarca. O livro de Bertrand Russell sobre a situação no Vietnã, War Crimes in Vietnam, foi publicado em janeiro de 1967, e incluiu pós escritos explicando o porquê de sua linha investigativa.[3] O tribunal foi amplamente ignorado nos Estados Unidos.

Tribunais posteriores foram criados nas décadas seguintes sob o mesmo modelo usando a denominação Russell Tribunal. E.g. Russell Tribunal na América Latina focou-se nas violações de direitos humanos nas ditaduras da Argentina e do Brasil (Rome, 1973), no golpe militar do Chile (Rome, 1974–76), nos Direitos Humanos na Psiquiatria (Berlin, 2001), no Iraque (Brussels, 2004), e na Palestina (Barcelona, 2009–12). Uma audiência do tribunalRussell-Sartre Tribunal foi anunciada em Veneza (23 de agosto de 2014) sobre violações dos direitos humanos na guerra no leste da Ucrânia.[4]

Composição e origem[editar | editar código-fonte]

Representates de 18 países participaram em duas sessões do tribunal, formalmente auto-denominado Tribunal Internacional de Crimes de Guerra. O comitê do tribunal consistiu de 25 personagens notáveis, predominantemente de organizações pacifistas de esquerda. Muitos desses indivíduos eram ganhadores do prêmio Nobel, e outros prêmios, especialmente de reconhecimento nos campos sociais e humanitários. Não havia representação direta dos Estados Unidos ou do Vietnã nesses 25 membros, embora alguns deles fossem cidadãos estadunidenses.

Mais de 30 indivíduos testemunharam e acrescentaram informações a este tribunal. Entre eles estavam militares dos Estados Unidos e representantes de diferentes facções vietnamitas. O financiamento do tribunal veio de várias fontes, incluindo uma grande contribuição do governo do Vietnã do Norte após a solicitação de Russel a Ho Chi Minh.[5]

Foi seguido por outro tribunal, conhecido como Tribunal de Russel II na América Latina, que teve três encontros em Roma (1974), Bruxelas (1975) e Roma novamente (1976), falando predominantemente do Brasil e Chile.

Na sessão de encerramento do tribunal de Russell Tribunal II, a criação de três novas instituições foi anunciada: a Fundação Internacional pelos Direitos e Liberdades dos Povos, e Liga Internacional pelos Direitos e Libertações dos Povos, e o Tribunal Popular Permanente.




Membros do Tribunal[editar | editar código-fonte]






Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Off With Their Hands». Newsweek. 15 de maio de 1967 
  2. Watling, John (1970) Bertrand Russell. Oliver & Boyd.
  3. B. Russell, "War Crimes in Vietnam".
  4. Russell-Sartre Tribunal in re East Ukraine, ridus.ru; accessed 18 August 2015.
  5. Griffin, Nicholas (julho de 2002). The Selected Letters of Bertrand Russell: The Public Years, 1914–1970. [S.l.]: Routledge 

Outras fontes[editar | editar código-fonte]

  • Against The Crime of Silence: Proceedings of The Russell International War Crimes Tribunal, edited by J. Duffett, O’Hare Books, New York, 1968.
  • Radical Son: A Generational Odyssey, by David Horowitz, Free Press, New York, 1997.
  • War Crimes in Vietnam, by Bertrand Russell, 1967, see Postscript.
  • North Vietnam: A Documentary, by John Gerassi, Allen & Unwin, London, 1968.
  • Russelltribunalen. Directed by Staffan Lamm. 2003/2004.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]