Trifolium alexandrinum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Como ler uma infocaixa de taxonomiaTrifolium alexandrinum
Trifolium alexandrinum eF.jpg
Classificação científica
Reino: Plantae
Clado: angiospérmicas
Clado: eudicotiledóneas
Ordem: Fabales
Família: Fabaceae
Género: Trifolium
Espécie: T. alexandrinum
Nome binomial
Trifolium alexandrinum
L.

Trifolium alexandrinum é uma espécie anual de planta com flor pertencente à família Fabaceae. Espécie com polinização alogâmica. Cultivada como planta forrageira, permite obter forragem de elevada qualidade quando usada para feno ou silagem.

A autoridade científica da espécie é L., tendo sido publicada em Centuria I. Plantarum 25. 1755.

O seu nome comum é bersim.

Portugal[editar | editar código-fonte]

Trata-se de uma espécie presente em Portugal Continental, nomeadamente no Alentejo, Beira Litoral, Douro Litoral e Estremadura e no Arquipélago dos Açores e Arquipélago da Madeira[1].

Em termos de naturalidade é introduzida nas regiões atrás indicadas.

Morfologia[editar | editar código-fonte]

Porte ereto com caules grossos e suculentos. Folhas frifolioladas, geralmente alternas.

Floração entre Maio e Agosto. Sementes avermelhado-escuras, até 2,2 mm[1].

Requisitos ambientais[editar | editar código-fonte]

Bom crescimento invernal mas exigente em humidade e pouco resistente ao frio[2], não se encontrando normalmente em altitudes superiores a 500 metros[1]. Tolerante à salinidade, solos alcalinos[3][4] e períodos curtos de encharcamento[5].

Protecção[editar | editar código-fonte]

Não se encontra protegida por legislação portuguesa ou da Comunidade Europeia.

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre plantas é um esboço relacionado ao Projeto Plantas. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. a b c Sousa, Maria Edite; Caixinhas, Maria Lisete; Forte, Paulo (2015). Trevos, Anafes e Luzernas de Portugal - estudo das formas juvenis, floração e frutificação. Lisboa: Verbo. 182 páginas 
  2. de., Muslera Pardo, E. (1984). Praderas y forrajes : producción y aprovechamiento. Madrid: Mundi-Prensa. ISBN 9788471141330. OCLC 434315034 
  3. KHÉLIL A., ZOGHLAMI; Salah, Benyoussef; M, MEZNI; MISSAOUI H., SAÏDI; S, HANCHI; M, ELAYED; F, GOUHIS; Abdelguerfi, Aissa; Laouar, Meriem (1 de janeiro de 2015). «Berseem clover (Trifolium alexandrinum L.) in the Mediterranean Basin.». Legume Perspectives. 10: 27–28 
  4. Andrés., Guerrero García, (1999). Cultivos herbáceos extensivos 6{487} ed., rev. y amp ed. Madrid: Mundi-Prensa. ISBN 9788471147974. OCLC 625763105 
  5. Hackney, B; Dear, B; Crocker, G (2007). «Berseem clover» (PDF). NSW Primefacts