Trilema de Münchhausen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Trilema de Münchhausen, também conhecido como Trilema de Agripa (referência ao cético grego de mesmo nome), é um termo cunhado pela filosofia para ressaltar a alegada impossibilidade de se provar qualquer verdade garantida mesmo nos campos da lógica e matemática. É o nome de um argumento da teoria do conhecimento que remonta ao filósofo Hans Albert e, mais tradicionalmente, segundo Diógenes Laércio,1 a Agripa o Cético.

O termo é uma ironia dirigida ao Barão de Münchhausen, que supostamente escapou de um pântano em que se encontrava atolado ao puxar seu próprio cabelo.

Trata-se de um trilema porque apresenta um impasse diante de três alternativas, nenhuma das quais é considerada aceitável para a meta de demonstrar fundamento filosófico para uma teoria:

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Hans Albert, Tratado da razão crítica, Coleção Biblioteca Tempo Universitário, Edições Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, 1976.
  • Artigos científicos de Hans Albert podem ser encontrados (em alemão, inglês e francês) em http://www.hansalbert.de.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Diogenes Laërtius, ix.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]