Trilogia Realista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Machado-450.jpg Este artigo é parte da série
Trilogia Realista de Machado de Assis
Pix.gif
Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881)
Quincas Borba (1891)
Dom Casmurro (1899)
Ver também: Realismo no Brasil

A crítica moderna chama de trilogia realista os três romances que marcaram um novo estilo na obra de Machado de Assis, a saber Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881), Quincas Borba (1891) e Dom Casmurro (1899), e que decisivamente também inovaram a literatura brasileira, introduzindo o Realismo no Brasil e precedendo outros elementos da literatura contemporânea.

Embora seja chamada de "realista", os críticos não deixam de notar que a riqueza de gêneros e elementos nessas obras também adere resíduos do Romantismo e impressionistas. Além disso, nessas obras Machado de Assis não compactua com o esquematismo determinista dos realistas, nem procura causas muito explícitas ou claras para a explicação das suas personagens e situações. Para os críticos, os três livros asseguraram ao autor o acesso à posteridade,[1] além de serem considerados por alguns como os melhores de toda a sua obra.[2]

Influência[editar | editar código-fonte]

Wiki letter w.svg
Por favor melhore esta seção, expandindo-a. Mais informação pode ser encontrada nos artigos correspondentes noutras línguas e também na página de discussão.

Inovação[editar | editar código-fonte]

A publicação de Memórias Póstumas de Brás Cubas, o primeiro romance da trilogia, marcou uma nova espécie de texto na literatura nacional e também rara na universal. Machado de Assis rompe com duas tendências literárias dominantes de seu tempo: a dos realistas que seguiam a teoria de Flaubert, do "romance que narra a si próprio" e que apaga o narrador atrás da objetividade da narrativa; e a dos naturalistas que, na esteira de Zola, pregavam o "inventário maciço da realidade", observada nos menores detalhes.[3] Ao invés disso, Machado de Assis constrói um livro em que cultiva o incompleto, o fragmentário, intervindo na narrativa para conversar diretamente com o leitor e comentar o próprio romance e suas personagens e fatos.[3]

Características[editar | editar código-fonte]

Como nota José Guilherme Merquior, os estilos dos livros assemelham-se numa coisa: "capítulos curtos, marcados pelos apelos ao leitor em tom mais ou menos humorístico e pelas digressões entre graves e gaiatas".[4] Além disso, os críticos não deixam de notar que os três livros criticam a sociedade do seu tempo:

  • Memórias Póstumas de Brás Cubas tece críticas aos beneficiários da escravidão no Segundo Império, ricos, que não trabalhavam e que por isso lutavam e esperavam sua herança familiar, personificados no personagem Brás Cubas e nos outros;[5][6][7]
  • Dom Casmurro — que recebeu diversas interpretações ao longo do tempo — provavelmente é a obra machadiana que mais tenha sido interpretada de maneiras diferentes e vastas, destaque para a interpretação feminista de Helen Caldwell, mas a maioria dos críticos concordam que a obra, por um lado, retrata um brasileiro entre o liberalismo e as antigas tradições da monarquia escravocata, e, por outro lado, destrói a imagem da amada, Capitu, que seria símbolo de um novo tempo e um risco ao status quo, por ser menina pobre, livre e inteligente (embora alguns poucos tenham afirmado que ela realmente o traiu);[8][9][10]
  • e, por fim, Quincas Borba, cuja crítica mais explícita é ao cientificismo e à lei do mais forte e da seleção natural (muito famosa na época, por influência de Charles Darwin), através do filósofo Quincas Borba, teórico do fictício Humanitismo, onde o homem mais esperto recebe vantagem sobre o menos esperto nas sociedades.[11][12]

Há críticos que também se focam nos temas e elementos de existencialismo, reflexão e afins que essas obras possuem. De fato, a trilogia foi muito influenciada por filósofos como Blaise Pascal, Montaigne e Schopenhauer.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Pimentel, 1962, p.62.
  2. Andrade, 2001, p.79-80.
  3. a b Andrade, 2001, p.80-81.
  4. Apud Gonzaga e Araújo, 2001, p.7
  5. Facioli, 2008, p.81.
  6. Duarte, 2007, p.203.
  7. Schwarz, 2000, p.126.
  8. Saraiva, 2005, pp.103 e seguintes.
  9. Caldwell, 2002, p.29.
  10. Castello, 1969, p.150.
  11. José Guilherme Merquior, "Gênero e estilo das Memórias Póstumas de Brás Cubas", revista Colóquio, nº 8, Lisboa.
    Apud Andrade, 2001, p.117.
  12. Andrade, 2001, p.83.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Vários autores. Brasil/Brazil, Edição 31, Brown University. Center for Portuguese and Brazilian Studies, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Ed. Mercado Aberto, 2004.
  • Vários autores. Art: revista da Escola de Música e Artes Cênicas da UFBA., Edição 19. Ed. A Escola, 1992.
  • Achcar, Francisco (análise e comentários). "Introdução a Machado de Assis" In: ASSIS, Machado de. Memórias Póstumas de Brás Cubas. Editora Sol, 1999.
  • Andrade, Fernando Teixeira de (análise). "Memórias Póstumas de Brás Cubas" in: Os Livros da Fuvest I. São Paulo: Ed. Sol, 2001, pgs. 73-121.
  • Araújo, Homero e Gonzaga, Sergius (editores), Machado de Assis, Dom Casmurro. Ed. Novo Século, 2001. ISBN 8586880191
  • Ascher, Nelson. "Machado de Assis: Má Influência?" in: Revista Veja 24 set., 2008, p. 172.
  • Bosi, Alfredo. Machado de Assis. Publifolha, 2002. ISBN 8574024295
  • Bernardo, Gustavo. Literatura e ceticismo, volume 2004. Annablume, 2005. ISBN 8574195464
  • Bosi, Alfredo. Brás Cubas em três versões: estudos Machadianos. Editora Companhia das Letras, 2006. ISBN 8535908560
  • Callado, Antonio. Crônicas de fim do milênio. Ed. F. Alves, 1997. ISBN 8526503847
  • Candido, Antonio. Vários escritos. in: "Esquema de Machado de Assis". São Paulo: Duas Cidades, 1970.
  • Castello, José Aderaldo. Realidade e ilusão em Machado de Assis (Volume 6 de Coleção Ensaio). Companhia Editôra Nacional, 1969.
  • Chalhoub, Sidney. Machado de Assis, historiador. Editora Companhia das Letras, 2003. ISBN 8535904352
  • Costa, Flávio Moreira da. Os subúrbios da criação. Polis, 1979.
  • Duarte, Eduardo de Assis (ed.), Assis, Machado de. Machado de Assis afro-descendente escritos de caramujo (antologia). Pallas Editora, 2007. ISBN 8534704082
  • Facioli, Valentim. Um defunto estrambótico: análise e interpretação das Memórias póstumas de Brás Cubas. EdUSP, 2008. ISBN 8531410835, 9788531410833.
  • Facioli, Valentim. Várias histórias para um homem célebre (biografia intelectual). In: Alfredo Bosi et al., A. Machado de Assis. São Paulo: Ática, 1982, p. 9-59.
  • Faoro, Raymundo. Machado de Assis: A Piramide e o trapézio. Editora Globo, 2001. ISBN 8525034304
  • Faraco, Carlos Emílio e Moura, Francisco Mato. Português Projetos. São Paulo: Editora Ática, 2009.
  • Faraco, Carlos Emílio e Moura, Francisco Mato. Língua e Literatura, vol. 2. 15ª Edição. Ática, 1995.
  • Fernandes, Rinaldo de e Gaudenzi, Tripoli. O Clarim e a oração: cem anos de Os sertões. Geração Editorial, 2002. ISBN 8575090550
  • Flórido, Eduardo Giffoni. As grandes personagens da história do cinema brasileiro, Volume 2. Fraiha, 2002.
  • França, Eduardo Melo. Ruptura Ou Amadurecimento: Uma AnÁlise Dos Primeiros Contos de Machado de Assis. Editora Universitária UFPE, 2008. ISBN 8573155515
  • Gomes Jr., Luiz Carlos. "Uma análise do conhecimento casmurro" in: Revista A Palo Seco, Ano 1, n. 1, 2009, pgs. 55-67.
  • Hollanda, Sérgio Buarque de. Cobra de Vidro. Livraria Martins Editôra, 1944. Original de Universidade da Califórnia.
  • Júnior, Raimundo Magalhães. Vida e obra de Machado de Assis: Maturidade. Civilização Brasileira, 1981.
  • Klotzel, André (comentários). Memórias póstumas de Brás Cubas. Sá Editora, 2001. ISBN 8588193094
  • Kosovski, Ester. O "crime" de adultério (Volume 3 de Série jurídica). Mauad Editora Ltda, 1997. ISBN 8585756586
  • Lago, Pedro Correa do. Coleção Princesa Isabel: Fotografia do século XIX. Capivara, 2008.
  • Lucas, Fábio. O Nucleo E a Periferia de Machado de Assis. São Paulo: Editora Manole Ltda, 2009. ISBN 8520429459
  • Lyra, Bernadette. A nave extraviada. Annablume, 1995. ISBN 8572050426
  • Macedo, Helder. Machado de Assis: entre o lusco e o fusco.
  • Maguiña, Carlos García-Bedoya. Memorias de JALLA 2004 Lima: sextas jornadas andinas de literatura latinoamericana, Volume 2. Universidad Nacional Mayor de San Marcos, 2005. ISBN 9799972463036
  • Merquior, José Guilherme. De Anchieta a Euclides: breve história da literatura brasileira-I (Volume 182 de Coleção Documentos brasileiros). Livraria J. Olympio Editora, 1977.
  • Moisés, Massaud. A líteratura brasileira através dos textos. Editora Cultrix, 2000. ISBN 8531602297
  • Neto, José Raimundo Maia. O ceticismo na obra de Machado de Assis. Ed. Annablume, 2007. ISBN 8574197394
  • Nobile, Ana Paula Franco. A recepção crítica de O amanuense Belmiro, de Cyro dos Anjos (1937). Annablume, 2006. ISBN 857419557X
  • Oliveira, Maria Rosa Duarte de e Mariano, Ana Salles. Recortes machadianos. Editora da PUC-SP, 2003. ISBN 8528302822
  • Resende, Otto Lara. Bom dia para nascer: crônicas. Companhia das Letras, 1993. ISBN 857164313X
  • Paschoal, Márcio. Os atalhos de Samanta. Editora Record, 2004. ISBN 8501068462
  • Payne, Judith A e Fitz, Earl E.. Ambiguity and Gender in the New Novel of Brazil and Spanish America: A Comparative Assessment. University of Iowa Press, 2005. ISBN 1587293579
  • Patto, Maria Helena. Introdução à Psicologia Escolar. Casa do Psicólogo, 2006. ISBN 8585141972
  • Pimentel, Antônio Fonseca. Machado de Assis, e outros estudos. Irmãos Pongetti, 1962.
  • Pereira, Lúcia Miguel. História da literatura brasileira: prosa de ficção, de 1870 a 1920. Editora Itatiaia, 1988.
  • Rangel, Maria Lúcia Silveira Rangel. "As Personagens Femininas em Machado de Assis" (1 de junho de 2000). In: LB – Revista Literária Brasileira, nº 17, ed.10.
  • Schwarz, Roberto. "A novidade das Memórias póstumas de Brás Cubas". In: SECCHIN, A. C.; ALMEIDA, J. M. G.; SOUZA, R. M. (org.) Machado de Assis. Uma Revisão. Rio de Janeiro: In-Fólio,1988.
  • Schwarz, Roberto. Um mestre na periferia do capitalismo: Machado de Assis. Livraria Duas Cidades, 1990.
  • Schwarz, Roberto. Um mestre na periferia do capitalismo: Machado de Assis. Editora 34, 2000. ISBN 8573261773
  • Simões, João Gaspar. Literatura, literatura, literatura: de Sá de Miranda ao concretismo Brasileiro (Volume 6 de Colecção Problemas). Portugália, 1964.
  • Sontag, Susan. Questão de Ênfase. Editora Companhia das Letras, 2005. ISBN 8535906169
  • Teixeira, Jerônimo. "Machado: Um Verdadeiro Imortal" in: Revista Veja, 24 set., 2008.
  • Terra, Ernani e Nicola, José de. Português: de olho no mundo do trabalho. São Paulo: Editora Scipione, 2006.
  • Vorobow, Bernardo e Adriano, Carlos e Rodrigues, Antônio Medina. Julio Bressane: cinepoética. Massao Ohno Ed., 1995.
  • Watt, Ian. The Rise of the Novel: Studies in Defoe, Richardson and Fielding. Berkeley: University of California Press, 1957.
  • Zilberman, Regina. As pedras e o arco: fontes primárias, teoria e história da literatura. Editora UFMG, 2004. ISBN 8570414110