Trindade (Goiás)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outras cidades contendo este nome, veja Trindade.
Município de Trindade
"Capital da Fé"
Santuário Basílica do Divino Pai Eterno, templo católico, na noite de Natal em 2010.

Santuário Basílica do Divino Pai Eterno, templo católico, na noite de Natal em 2010.
Bandeira de Trindade
Brasão de Trindade
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 31 de agosto de 1920 (96 anos)
Fundação 16 de julho de 1920
Gentílico trindadense
Prefeito(a) Jânio Darrot (PSDB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Trindade
Localização de Trindade em Goiás
Trindade está localizado em: Brasil
Trindade
Localização de Trindade no Brasil
16° 38' 56" S 49° 29' 20" O16° 38' 56" S 49° 29' 20" O
Unidade federativa  Goiás
Mesorregião Centro Goiano IBGE/2013[1]
Microrregião Goiânia IBGE/2013[1]
Região metropolitana Goiânia
Municípios limítrofes Oeste: Santa Bárbara de Goiás;
Nordeste: Goianira;
Norte: Caturaí;
Leste: Goiânia;
Sudoeste: Campestre de Goiás;
Sudeste: Abadia de Goiás;
Sul: Guapó.
Distância até a capital 16 km
Características geográficas
Área 710,328 km² [2]
População 119 385 hab. (GO: 8º) –  estatísticas IBGE/2016[3]
Densidade 168,07 hab./km²
Altitude 756 m
Clima tropical Aw
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,699 médio PNUD/2010[4]
PIB R$ 1 443 747 mil IBGE/2013[5]
PIB per capita R$ 12 726,00 IBGE/2013[5]
Página oficial
Prefeitura www.trindade.go.gov.br
Câmara www.camaratrindade.go.gov.br

Trindade é um município brasileiro do estado de Goiás, região Centro-Oeste do país. Pertence à mesorregião do Centro Goiano e à microrregião de Goiânia e localiza-se a oeste da capital do estado, distando desta cerca de 16 km. Com uma área de aproximadamente 719 km², é o 8º mais populoso do estado goiano, com 119 385 habitantes segundo estimativas de 2016.

Localizada no centro de Goiás, Trindade surgiu do extinto município de Campinas que, em 1909, tinha como distrito Barro Preto. Após sua fragmentação, em 1920, muda-se de nome em homenagem à história dos garimpeiros Ana Rosa e Constantino Xavier, casal que encontrou uma medalha com a ilustração do Divino Pai Eterno, na mesma região em que se situa, atualmente, o Santuário Basílica, templo o qual atrai cristãos à cidade durante a Festa do Divino Pai Eterno.

A cidade tem uma temperatura anual média de 23,2 °C e vegetação predominantemente de cerrado. Em relação à frota automobilística, em 2012, foram contabilizados 40 192 veículos. Com uma taxa de urbanização da ordem de 95,81 %, seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,699, considerando-se assim como médio em relação ao país.

História[editar | editar código-fonte]

Origens e povoamento[editar | editar código-fonte]

A região, até o século XVI, era povoada por índios goyazes e, com a colonização portuguesa, seu território tornou-se parte da Capitania de São Paulo.[6] Os bandeirantes, após 1602, ocuparam os estados de Goiás, Mato Grosso e Minas Gerais à procura de metais preciosos;[7] como consequência, em 1748, foi fundada a Capitania de Goiás,[8] na qual se localizava a atual cidade de Trindade.[9][10] Em termos geográficos, o local fazia parte do Distrito de Santa Cruz, criado em 1776, o qual abrangia todo o sul da capitania.[11]

Capela construída por Ana Rosa e Constantino Xavier em 1848. Nela, estava exposto o medalhão encontrado pelos garimpeiros.

Com o fim do ciclo do ouro, no final do século XVIII, as atividades econômicas se voltaram para a agropecuária, principalmente a agricultura de subsistência. Assim, a região conquistou importância socioeconômica para o estado e sua população começou a aumentar gradativamente.[12] O alferes Joaquim Gomes da Silva estabeleceu sua fazenda e construiu a primeira capela, dedicada a Nossa Senhora da Conceição, por volta da década de 1840 no arraial das Campininhas das Flores (atual Campinas, Guapó e Trindade).[13][14] Simultaneamente, o casal mineiro de garimpeiros Ana Rosa e Constantino Xavier se mudaram para um local próximo ao Córrego Barro Preto, que daria nome ao futuro arraial e distrito. Às margens do curso-d'água, em 1843, eles encontraram um medalhão com a ilustração da Santíssima Trindade coroando a Virgem Maria.[15] A partir daí, os mineiros o expuseram publicamente e inúmeras pessoas imigravam para o arraial de Barro Preto a fim de reverenciar a imagem em devoção.[16]

Por volta de 1848, Rosa e Xavier planejaram a construção de uma capela coberta por folhas de buriti, onde ficaria o medalhão à disposição de todos que desejassem vê-lo.[17] Com o objetivo de atrair mais indivíduos, o garimpeiro pediu ao escultor José Joaquim da Veiga Vale, que morava em Pirenópolis, para produzir uma réplica maior da imagem.[18] Assim, a adoração à figura do Divino Pai Eterno foi o principal fator que contribuiu para o povoamento do lugar.[19]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Em 12 de dezembro de 1894, padres redentoristas originários do estado de Baviera, na Alemanha, se instalaram no Distrito de Barro Preto para planejar a romaria que iria se iniciar a destino da igreja, a qual estava sob administração do Pe. Francisco Inácio de Sousa, nomeado por D. Eduardo Duarte e Silva. Em 1900, os padres saíram do lugar por causa de um conflito entre fazendeiros, orientado pelo coronel Anacleto Gonçalves; porém, o embate não durou muito tempo. Após a inauguração da Igreja Matriz de Campinas e a transferência da romaria para Campininhas em 1901, a repercussão de Barro Preto diminuiu consideravelmente e, três anos depois, as autoridades eclesiásticas ordenaram que o evento voltasse a ser realizado no local de origem com a presença dos redentoristas.

Os missionários Redentoristas, naturais de Baviera, em Trindade.

Campinas é elevada à categoria de município em 1907, tendo os arraiais de Barro Preto e São Sebastião do Ribeirão incorporados a ele. Dois anos após o estabelecimento do município, o distrito de Barro Preto se muda de nome para Trindade, ainda subordinada a Campinas, pela lei municipal nº 5 de 12 de março de 1909. Com estilo barroco, em 1912, foi inaugurada a Igreja Matriz de Trindade, construída por um dos missionários redentoristas, o Pe. Antão Jorge, com a intenção de receber os romeiros que prestavam homenagens ao Divino Pai Eterno.[20]

Conforme a lei estadual nº 662 de 16 de julho de 1920, Trindade é elevada à categoria de vila, com instalação formal em 31 de agosto de 1920, tendo seu território desmembrado de Campinas e a constituição de dois distritos: Trindade e Ribeirão. Em 20 de julho de 1927, pela lei estadual nº 825, recebe o título cidade. Com a construção de Goiânia, volta a condição de distrito em 1935 e seu território é anexado a nova capital do estado pelo decreto-lei estadual nº 1233 de 31 de outubro de 1938, sendo elevado novamente à categoria de município cinco anos depois, ratificado pelo decreto-lei estadual nº 8305 em 31 de dezembro de 1943. Campestre de Goiás se torna um distrito e é anexado ao município de Trindade em 1963, mas no mesmo ano é feito o desmembramento dos dois municípios.[21][22]

Expansão religiosa[editar | editar código-fonte]

Como comemoração do centenário do encontro do medalhão, em 1943, o arcebispo D. Emanuel Gomes de Oliveira lançou a Pedra Fundamental da Catedral Santíssima Trindade, que simbolizou o início da construção da Santuário Basílica do Divino Pai Eterno. As obras, todavia, demoraram para serem finalizadas, após projetos de D. Fernando Gomes dos Santos apresentados depois da inauguração da Arquidiocese de Goiânia em 1957. Assim, em 1974, as construções foram concluídas, destinando os cristãos ao novo templo e intensificando a repercussão da Festa do Divino Pai Eterno. Dentre os sacerdotes que serviam ao santuário, destacou-se o padre alemão Pelágio Sauter, que além de seus trabalhos em Trindade, desenvolveu atividades em Goiânia e São Paulo. Outra implantação organizada por clérigos foi a Vila São Cottolengo, fundada em 1950, com o objetivo de abrigar pessoas pobres que necessitavam de ajuda. A instituição também recebeu contribuições das Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo, uma sociedade de vida apostólica comunitária.

A partir de 1988, um desfile anual de carreiros (popularmente chamado de Romaria dos Carreiros) recebeu espaço no evento religioso com centenas de carros de boi. Como incentivo, as melhores apresentações são condecoradas no Carreiródromo Ada Cira.

Modernização e história recente[editar | editar código-fonte]

Economicamente, a cidade se destacou na confecção de roupas e na fabricação de refrigerantes e bebidas não-alcoólicas, impulsionadas a partir da década de 1980, com a ascensão de indústrias e investimentos por empresários. A confecção representou, em 2000, 20% do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços arrecadado pelo município; enquanto a produção de bebidas conquistou espaço após a instalação do Grupo Imperial em 1997 e da Refrescos Bandeirantes (fabricante da Coca-Cola), em vista da posição geográfica estratégica e o incentivo fiscal.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O sistema hidrográfico regional apresenta uma malha de drenagem com escoamento geral de norte para sul integrando-se a bacia do Rio Paranaíba, principal curso d’água de toda a bacia. A região em questão é drenada por contribuintes que escoam para a margem esquerda do Rio dos Bois principal manancial de influência no município. Os Principais córregos e ribeirões são:

  • Córrego Barro Preto
  • Córrego Barro Branco
  • Ribeirão Arroizal
  • Ribeirão Fazendinha
  • Rio Santa Maria
  • Córrego dos Pereiras
  • Ribeirão Rio do Peixe
  • Córrego do Sabão
  • Córrego do Dengo

Relevo[editar | editar código-fonte]

O município de Trindade acha-se a 780m de altitude. A região possui topografia classificada como suave ondulado, tendo uma superfície topográfica pouco movimentada, com predominância de declives de 3,9 %, no sentido S-N e uma diferença máxima de cotas de 24 m. As elevações mais destacadas são as serras da Taboca, de Trindade.

Vegetação[editar | editar código-fonte]

A área do município está inserida no bioma Cerrado, que é entendido como um complexo de formações vegetativas que vão desde o campo limpo, até o cerradão, além da formação denominada campo aberto, representada por gramas nativas, árvores e palmeiras de pequeno porte. O Cerrado constitui-se no segundo maior bioma do Brasil e da América do Sul, englobando a terça parte de todos os organismos vivos do Brasil e 10% dos animais e das plantas que ocorrem no mundo. Entre as árvores mais conhecidas estão o Jatobá e o Ipê .

Clima[editar | editar código-fonte]

O padrão climático da região é do tipo tropical, caracterizado por apresentar duas estações bem definidas - uma chuvosa, de outubro a março (primavera / verão), e outra seca, de abril a setembro (outono / inverno). Em janeiro e fevereiro, que são os meses de maior precipitação, podem ocorrer períodos de interrupção total caracterizando o “veranico”, como é conhecido, que se faz acompanhar de desastres na agricultura. O total pluviométrico anual para costuma ser próximo a 1.600mm, a temperatura média anual é de 23,2°C, a insolação é de 2588,1 horas/ano, a velocidade média dos ventos é de 3,7 km/h e a umidade relativa é de 66%.

A temperatura raramente fica abaixo de 10°C e acima de 35°C,a maior temperatura deve ficar entre 35 e 39°C,e a mínima entre 15 e 20°C,no verão,a temperatura fica mais baixa devido as chuvas,no inverno,principalmente no mês de agosto,a temperatura pode chegar a 34°C.

Nuvola apps kweather.svg Médias meteorológicas para Trindade (GO) Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
Média alta °F 85 86 86 86 84 83 84 88 89 88 86 84
Média baixa °F 67 67 67 65 62 58 57 61 65 67 67 67
Precipitação polegadas 9.86 8.5 8.35 4.27 1.15 0.2 0.43 0.22 1.46 5.57 9.14 11.05
Média alta °C 29.4 30.2 30.2 30 29.1 28.6 28.8 31.2 31.8 31.1 29.8 29.1
Média baixa °C 19.7 19.7 19.6 18.5 16.5 14.6 14.1 15.9 18.2 19.5 19.7 19.7
Precipitação mm 250.5 215.8 212 108.4 29.2 5 11 5.6 37.1 141.6 232.2 280.7
Fonte: Tempo Agora (período: 1961-1990)[23]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional
Censo Pop.
1940 7 616
1950 8 247 8,3%
1960 13 265 60,8%
1980 30 609
1991 54 072 76,7%
2000 81 457 50,6%
2010 104 488 28,3%
Est. 2016 119 385 46,6%
Fonte: Instituto Brasileiro de
Geografia e Estatística
(IBGE)[3]

Em 2016, a população do município, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), era de 119 385 habitantes, sendo o 8º mais populoso do estado e o 258º do Brasil. Apresenta uma densidade populacional de 147,02 habitantes por km².

No mesmo ano, o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) de Trindade é considerado médio pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), cujo valor é 0,699. Considerando apenas a longevidade, o valor do índice é de 0,822 (classificado como elevado), enquanto o do Brasil é 0,849; de renda, 0,682 e de educação, 0,608.

Religião[editar | editar código-fonte]



Circle frame.svg

Religiões em Trindade (2010)[24]

  Catolicismo Romano (60.22%)
  Protestantismo (30.45%)
  Sem religião (5.93%)
  Espiritismo (1.69%)
  Testemunhas de Jeová (0.71%)
  Outras religiões (1%)

É considerada a capital católica do estado. As novenas têm início nove dias antes do primeiro domingo do mês de julho. Nesta ocasião, ocorre uma romaria com afluência de milhares de turistas e devotos do Divino Pai Eterno.

Todavia, o Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística constatou em 2010 que: 60,22% da população residente era católica romana, 30,45 era protestante, 5,93% era sem religião, 1,69% espírita e 0,71% de Testemunhas de Jeová e 1% eram os membros de todas as demais religiões.[25] O resultado mostra que o número de católicos na cidade foi levemente inferior a média nacional naquele ano que era de 64,6% e o de protestantes foi superior a média brasileira de 22,2%.[26]

Dentro dos 30,45% de protestantes na cidade em 2010, 1.499 pessoas (1,43%) da população trindadense era composta por Evangélicos de Missão, dentre os quais os maiores grupos foram: 1.105 (1,05%) batistas; 280 (0,26%) presbiterianos e 114 (0,1%) de adventistas.

Os pentecostais contaram 22.427 pessoas (21,46%) da população local, dentre os quais destacam-se: as Assembleias de Deus com 12.878 pessoas (12,32%); Igreja Universal do Reino de Deus com 1.150 (1,10%); Igreja Pentecostal Deus é Amor com 1.029 pessoas (0,98%), Congregação Cristã no Brasil com 998 (0,95%) e demais grupos pentecostais não nominados pelo censo (que incluem Igreja Internacional da Graça de Deus, Igreja Apostólica Fonte da Vida, Ministério Internacional da Restauração, Igreja Verbo da Vida, entre outras) com 6.214 pessoas (5,94%).

Trindade foi a cidade com maior número de islâmicos no último censo residentes Estado de Goiás (empatada com Anápolis ), com 105 pessoas, o que corresponde a cerca de 0,1% da população da cidade É uma das quatro cidade goianas (juntamente com Anápolis, Jataí e Goiânia) com mesquitas ou mussalas.[27][28]

Povo[editar | editar código-fonte]

De imigração predominantemente da região do Triângulo Mineiro, tendo em suas raízes grande cultura trazida de Minas Gerais e Portugal.

Domicílios / salário[29] ( %)
Sem Rendimentos 10,1 %
Até 1 23,6 %
1 a 2 28,5 %
2 a 3 14,2 %
3 a 5 13,2 %
5 a 10 7,5 %
Acima de 10 2,9 %

Economia[editar | editar código-fonte]

Principais atividades econômicas de Trindade em 2014.

Indicadores socioeconômicos[editar | editar código-fonte]

PIB municipal (2013)
[5] R$ 1.443.747,000 bilhão
PIB per capita (2013)
[5] R$ 12.726,00
Composição do PIB (2013)[30]
  • Valor adicionado bruto da agropecuária: R$ 44,675 milhões
  • Valor adicionado bruto da indústria: R$ 407,732 milhões
  • Valor adicionado bruto dos serviços: R$ 534,552 milhões
  • Impostos sobre produtos líquidos de subsídios: R$ 165,968 milhões
  • Valor adicionado bruto da Administr., saúde e educ.públicas e segurid.social, a preços correntes: 290,820 milhões

Política e administração[editar | editar código-fonte]

A administração municipal se dá pelos poderes Executivo e Legislativo. O poder executivo do município de Trindade é representado pelo prefeito, consoante determinação da Constituição Brasileira de 1988. O primeiro prefeito do município foi Anacleto Gonçalves de Almeida, entre 1920 e 1923, e o atual é Jânio Darrot, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), eleito em 2012 com 46 004 votos (44,36% dos eleitores), tendo como vice Gleyson Cabriny. Já o poder legislativo é constituído pela câmara municipal, composta por dezessete vereadores eleitos para mandatos de quatro anos (em observância ao disposto no artigo 29 da Constituição, que disciplina este número para municípios com mais de oitenta mil habitantes). Cabe à casa elaborar e votar leis fundamentais à administração e ao Executivo, especialmente o orçamento participativo, conhecido como Lei de Diretrizes Orçamentárias.

Cultura e sociedade[editar | editar código-fonte]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Santuário Velho do Divino Pai Eterno, também conhecido como Igreja Matriz.

Alguns dos principais símbolos e atrações turísticas da cidade são:

Educação[editar | editar código-fonte]

No campo da educação, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) médio entre as escolas públicas de Trindade era, no ano de 2013, de 5,4 (numa escala de avaliação que vai de nota 1 a 10). No mesmo ano, a distorção idade-série entre alunos do ensino fundamental, ou seja, com idade superior à recomendada, era de 11% nos anos iniciais e 25,1% nos anos finais e, no ensino médio, a defasagem chegava a 29,3%.

Educação de Trindade em números (2015)
Nível Matrículas Docentes Escolas (total)
Ensino pré-escolar 2 667 122 37
Ensino fundamental 16 471 679 52
Ensino médio 4 364 250 14

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais (19 de julho de 2013). «Divisão Territorial do Brasil». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 30 de setembro de 2013. 
  2. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (15 de janeiro de 2013). «Área territorial oficial». Arquivado desde o original em 16 de julho de 2014. Consultado em 16 de julho de 2014. 
  3. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (30 de agosto de 2016). «Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1º de julho de 2016». Arquivado desde o original (PDF) em 30 de agosto de 2016. Consultado em 30 de agosto de 2016. 
  4. Atlas do Desenvolvimento Humano (29 de julho de 2013). «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Arquivado desde o original (PDF) em 1º de agosto de 2013. Consultado em 1º de agosto de 2013. 
  5. a b c d «Goiás - Trindade - produto interno bruto dos municípios - 2013». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.  Texto "trindade" ignorado (Ajuda); Texto "produto-interno-bruto-dos-municipios-2013 " ignorado (Ajuda); Parâmetro desconhecido |acesso data= ignorado (|acessodata=) (Ajuda)
  6. Quintela, Antón Corbacho (2006). «Os índios 'Goyá', os fantasmas e nós». Faculdade de Artes Visuais da Universidade Federal de Goiás. Consultado em 5 de agosto de 2016. «região próxima da Serra Dourada» 
  7. Garcia, Ledonias Franco; Amado, Janaína (1995). «História de Goiás em documentos: Colônia». Goiânia: Ed. da Universidade Federal de Goiás. p. 20. ISBN 9788572740401. 
  8. Barbo, Leonora de Castro e Schlee, Andrey Rosenthal (2011). «As estradas coloniais na Cartografia Setecentista da Capitania de Goiás» (PDF). Universidade de Brasília. Consultado em 5 de agosto de 2016. 
  9. Chaim, Marivone Matos (1974). «Os aldeamentos indígenas na Capitania de Goiás: sua importância na política de povoamento, 1749-1811». Virginia: Oriente. p. 12-15. 
  10. de Salles, Gilka Vasconcelos Ferreira (1983). «Economia e escravidão na Capitania de Goiás». Goiânia: CEGRAF. p. 326-356. ISBN 9788572740036. 
  11. Gomes, Luisa (29 de junho de 2014). «Museu preserva memória da origem religiosa de Trindade, em Goiás». G1. Consultado em 5 de agosto de 2016. 
  12. Jacób, Amir Salomão (2003). «A Santíssima Trindade do Barro Preto: historia da romaria de Trindade». Goiânia: Ed. da Universidade Católica de Goiás. p. 47. ISBN 9788571031845. 
  13. «Campininha das Flores: narrativa de um drama social». Universidade de São Paulo. Consultado em 5 de agosto de 2016. 
  14. Moreira, Antônio (13 de dezembro de 2011). «Mineiro Antônio Moreira lança edição ampliada do livro que conta a história da cidade que virou bairro de Goiânia». O Popular. Consultado em 5 de agosto de 2016. 
  15. «Às margens do Barro Preto, Trindade protege nascente». Sistema FAEG. 22 de outubro de 2015. Consultado em 5 de agosto de 2016. 
  16. «A religiosidade trinitária do povo goiano». Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Consultado em 5 de agosto de 2016. 
  17. «Nossa História». Faculdades e Colégio Aphonsiano. Consultado em 5 de agosto de 2016. 
  18. Salgueiro, Heliana Angotti (1983). A singularidade da obra de Veiga Valle Ed. da Universidade Católica de Goiás [S.l.] p. 48-49. 
  19. «Caracterização do estado de Goiás e competências do PEHIS» (PDF). Secretaria de Saúde. Plano de Habitação de Interesse Social do Estado de Goiás. Consultado em 5 de agosto de 2016. 
  20. «Homologado tombamento da Igreja Matriz do Divino Pai Eterno, em Trindade, Goiás». Ministério da Cultura. 24 de setembro de 2014. Consultado em 5 de agosto de 2016. 
  21. «Rilda Teles: Um Olhar Geográfico e Cultural Sobre a Festa do Divino Pai Eterno em Trindade-GO» (PDF). Consultado em 8 de fevereiro de 2011. 
  22. «IBGE - Formação Administrativa de Trindade-GO» (PDF). Consultado em 8 de fevereiro de 2011. 
  23. Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). «Climatologia para a cidade de Trindade - GO». Tempo Agora. Arquivado desde o original em 26 de setembro de 2012. Consultado em 26 de setembro de 2012. 
  24. (http://cidades.ibge.gov.br/xtras/temas.php?lang=&codmun=522140&idtema=91&search=goias%7Ctrindade%7Ccenso-demografico-2010:-resultados-da-amostra-religiao-)
  25. «IBGE: Religião em Trindade». Consultado em 10 Jun. 2016.  Texto "trindade" ignorado (Ajuda); Texto "censo-demografico-2010:-resultados-da-amostra-religiao-" ignorado (Ajuda)
  26. «Censo 2010: Religiões no Brasil». Consultado em 10 Jun. 2016. 
  27. «Mussala em Trindade». Consultado em 10 Jun. 2016. 
  28. «Mussala em Trindade». Consultado em 10 Jun. 2016. 
  29. «UEG - Seminário "Olhares sobre a UEG":Estudo sobre necessidades sociais e higiênicas nos municípios da Região Metropolitana de Goiânia» (PDF). Consultado em 9 de fevereiro de 2011. 
  30. |titulo= Goiás - Trindade - produto interno bruto dos municípios - 2013 |publicado=Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística |acesso data= 14 de janeiro de 2016}}

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Goiás é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.