Tristão de Alencar Araripe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Marechal Tristão de Alencar Araripe.
Tristão de Alencar Araripe
Presidente da província do Rio Grande do Sul
Período 4 de abril de 1876 a 5 de fevereiro de 1877
Antecessor(a) José Antônio de Azevedo Castro
Sucessor(a) João Dias de Castro
Presidente da província do Grão-Pará
Antecessor(a) João Lourenço Pais de Sousa
Sucessor(a) João Antônio de Araújo Freitas Henriques
Dados pessoais
Nascimento 7 de outubro de 1821
Icó
Morte 3 de junho de 1908 (86 anos)
Rio de Janeiro
Nacionalidade Brasileiro
Progenitores Mãe: Ana Tristão de Araripe
Pai: Tristão Gonçalves de Alencar Araripe
Alma mater Faculdade de Direito do Largo de São Francisco
Ocupação Escritor, magistrado e político
Assinatura Assinatura de Tristão de Alencar Araripe
Títulos nobiliárquicos
Oficial da Imperial Ordem da Rosa 24 de janeiro de 1874

Tristão de Alencar Araripe (Icó, 7 de outubro de 1821Rio de Janeiro, 3 de junho de 1908) foi um escritor, magistrado, jurista, heraldista e político brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do coronel Tristão Gonçalves de Alencar Araripe (revolucionário da Confederação do Equador) e de D. Ana Tristão de Araripe - intitulada, Ana "Triste", após a morte do marido - foi estudar Direito na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, na então Província de São Paulo, tendo se graduado em 4 de novembro de 1845.

Passou por diversos cargos públicos, como juiz municipal de Fortaleza, em 1847; juiz de Direito de Bragança, na então Província do Pará, em 1854; juiz especial do Comércio, de Recife; desembargador das Relações da então Província da Bahia e da Província de São Paulo (das quais foi presidente) e da Corte; presidente do Rio Grande do Sul e da Província do Pará; ministro do Supremo Tribunal de Justiça; ministro da Justiça e da Fazenda (no governo do generalíssimo Deodoro); chefe de polícia na então Província do Espírito Santo (1856), Pernambuco (1858) e Ceará; conselheiro de Estado; presidente das províncias do Rio Grande do Sul e da então província do Pará por decreto de 30 de agosto de 1885, assumindo em 5 de outubro de 1885 e sendo exonerado do cargo em 16 de março de 1886; deputado da província do Ceará (em três legislaturas); oficial da Imperial Ordem da Rosa, por decreto de 24 de janeiro de 1874; e Membro de inúmeras associações culturais dentre elas o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e da Sociedade de Geografia do Rio de Janeiro. Nomeado ministro do Supremo Tribunal Federal permaneceu no cargo até a sua aposentadoria, em 25 de janeiro de 1892.

Foi casado com sua prima-irmã Argentina Franklin de Alencar Lima, com quem teve oito filhos, entre os quais, Araripe Júnior, advogado e intelectual brasileiro e Argentina de Alencar Araripe, casada com João Tomé da Silva.

Faleceu na cidade do Rio de Janeiro, em 3 de julho de 1908, sendo sepultado no Cemitério São Francisco Xavier.

O 13º Batalhão de Infantaria Blindado, sediado em Ponta Grossa, Paraná, leva o nome de "Batalhão Tristão de Alencar Araripe", em homenagem a seu sobrinho neto e homônimo, Marechal Tristão de Alencar Araripe (1894-1969), que foi Comandante da Quinta Região Militar e Governador de Fernando de Noronha (1943-1944).

É autor do desenho do brasão de Fortaleza e ainda compoz projetos de escudos, alguns excelentes, para todos os Estados e principais cidades do Brasil tais como Ouro Preto/MG, Curitiba/PR[1].

Bibliografia publicada[editar | editar código-fonte]

Tem uma vasta obra literária, histórica e jurídica publicada, as vezes com o pseudônimo de Philopoemen. Algumas de suas obras mais importantes são:

  • Eleição de 1853 (Pernambuco Philopoemen, 1863);
  • Males Presentes (Pernambuco Philopoemen, 1864);
  • História da Província do Ceará, desde os tempos primitivos até 1850 (Tipografia do Jornal do Recife, 1867);
  • O Rei e o Partido Liberal (Recife, 1869);
  • Negócios do Ceará (Tipografia Imp. e Const. De J. Villeneuve& Cia., 1872);
  • A Questão Religiosa, o Beneplácio e a Desobediência (1873);
  • Como cumpre escrever a história pátria (1876);
  • Patriarcas da Independência (1876);
  • Consolidação do Processo Criminal do Império do Brasil (1876);
  • Primeiras linhas sobre o processo orfanológico (1879);
  • Pater-famílias no Brasil nos tempos coloniais (1880);
  • Visconde do Rio Branco na Maçonaria (1880);
  • Guerra Civil no Rio Grande do Sul (1881);
  • Notícias sobre a Maioridade (1882);
  • 25 de março. O Ceará no Rio de Janeiro (1884);
  • Classificação das leis do processo criminal e civil (1884);
  • Código Civil Brasileiro (1885);
  • Neologia e Neografia Geográfica do Brasil (1885);
  • Expedição do Ceará em auxílio do Piauí e Maranhão (1885);
  • Independência do Maranhão (1885);
  • Movimento Colonial da América (1893);
  • Primeiro navio francês no Brasil (1895);
  • Cidades petrificadas e inscrições lapidares no Brasil (1896);
  • Primazias do Ceará (1903).
Traduções
  • Ataque e tomada da cidade do Rio de Janeiro pelos franceses em 1711, sob o comando de Duguay-Trouin;
  • Vida do Padre Estanislau de Campos;
  • História de uma viagem à terra do Brasil, por João de Leri;
  • Relação verídica e sucinta dos usos e costumes dos Tupinambás, por Hans Staden;
  • Comentários de Álvaro Nunes Cabeça de Vaca, por Pedro Fernandes;
  • História do Ceará – 2ª Parte (inédita).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
José Antônio de Azevedo Castro
Presidente da província do Rio Grande do Sul
4 de abril de 1876 — 5 de fevereiro de 1877
Sucedido por
João Dias de Castro
Precedido por
João Lourenço Pais de Sousa
Presidente da província do Pará
1885 — 1886
Sucedido por
João Antônio de Araújo Freitas Henriques
Precedido por
Manoel Fellipe Monteiro
Ministros do Supremo Tribunal de Justiça
1886 — 1890
Sucedido por
Precedido por
Ministros do Supremo Tribunal Federal
28 de fevereiro de 1891 — 25 de janeiro de 1892
Sucedido por
Antônio Joaquim de Macedo Soares
Precedido por
Ruy Barbosa
Ministro da Fazenda do Brasil
22 de janeiro a 4 de julho de 1891
Sucedido por
Henrique Pereira de Lucena
Precedido por
Cesário Alvim
Ministro do Interior do Brasil
22 de maio a 23 de novembro de 1891
Sucedido por
José Higino Duarte Pereira


Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. RIBEIRO, Clóvis (1933). Brazões e Bandeiras do Brasil. São Paulo: São Paulo Editora