Tritsch-Tratsch-Polka

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Tritsch-Tratsch-Polka, op. 214 de Johann Strauss II

A Tritsch-Tratsch Polka (op. 214) é uma obra do compositor e Mestre de capela austríaco Johann Strauss filho (ou II). Esta polka veloz foi composta em Viena no ano de 1858 depois do regresso triunfante da sua digressão de concertos de Verão pela Rússia.


Génese[editar | editar código-fonte]

Tendo Johann Strauss completado a temporada de 1858 com três concertos estivais no Palácio de Pavlovsk, perto de São Petersburgo, pouco depois do seu regresso a Viena, o Wiener Allgemeine Theaterzeitung de 24 de Setembro de 1858 relatou: «O Senhor Mestre de Capela Johann Strauss, durante sua estada em S. Petersburgo neste ano completou as seguintes composições: " Mes adieux à St. Petersbourgh" - Valsa, Bon-Bon " - Polka francesa e "Tritsch-Tratsch" - polka veloz, "Danças Szechenyi" - Valsa». Na verdade, esta foi listada, mas não em Pavlovsk como "Mes adieux à St. Petersbourgh" (Adeus a S. Petersburgo (Op. 210)),uma vez que a composição ainda não tinha sido concluída.

Também no concerto no Jardim Popular de Viena a 21 de Novembro, poucos dias após o retorno de Johann Strauss à sua cidade natal foram, incluídas algumas peças ao seu reportório - muitas das quais compostas durante a sua estadia de verão na Rússia, mas ainda não a Tritsch-Tratsch. A vida amorosa e as aventuras românticas do "Rei das Valsas" começavam então a tornar-se objecto de murmúrios e de muitas conversas por parte dos habitantes de Viena. A própria figura de Johann Strauss adquiria um carácter jocoso e divertido nas revistas humorísticas da Viena de 1858, entre as quais sobressaía uma com o nome de Tritsch-Tratsch. O próprio nome desta revista baseia-se no burlesco de Johann Nestroy e pode considerar-se a resposta musical de Strauss a esta assoberbar de tagarelices sobre si mesmo.

Poucos dias depois, a 24 de Novembro de 1858 a Polka Tritsch-Tratsch é finalmente desvendada. Juntamente com o seu irmão Josef, Johann Strauss, dá um concerto perto da sua casa natal em St. Ulrich, num restaurante chamado "Zum Großen Zeisig", conhecido pelas suas performances musicais populares. Actualmente situa-se no sétimo Novo distrito de Viena, no nº. 2 da Burggasse.

O Teatro-Jornal do dia 27 de Novembro escreveu o seguinte sobre o mais recente trabalho: «Há anos, que não surgia uma melodia de dança com tal frescura, cor humorística e instrumentação picante». Nota interessante para o facto de que Carl Haslinger o editor que publicou as pautas para piano, vendeu-as numa questão de horas!

A peça é alegre e de um grande elevado espírito, tal como muitas das polkas de Johann Strauss.

Hipóteses para o nome[editar | editar código-fonte]

O título pode ser interpretado como "Bisbilhotice", "Murmúrio" ou "Tagarelar", e pode referir-se à paixão dos vienenses - sobretudo as mulheres - pelos mexericos. Strauss pode ainda referir-se, tal como foi dito anteriormente à peça do autor e dramaturgo austríaco Johann Nestroy, Der Tritschtratsch, que estreara em 1833 e que ainda estava em palco na altura em que a Polka foi composta. Muitos observam que o título poderá referir-se ao caniche da sua primeira mulher (Henrietta Treffz) também chamado Tritsch-tratsch, mas esta teoria etimológica não está devidamente comprovada.

Referências[editar | editar código-fonte]

Baseado no texto original de Peter Kemp, The Johann Strauss Society of Great Britain. Usado com permissão.

Literatura[editar | editar código-fonte]

  • Franz Mailer: Johann Strauß. Kommentiertes Werkverzeichnis. Pichler, Wien 1999, ISBN 3-85431-195-8, S. 326.

Links externos[editar | editar código-fonte]