Trivêneto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
As trés Venezas (Trivêneto)

A expressão Três Venezas (ou Triveneto) começou ser usada por alguns círculos culturais, na segunda metade do século XIX na Itália, depois da Segunda Guerra de Independência Italiana, para identificar a área geográfica constituída pelas regiões do Vêneto, Trentino-Alto Ádige e Friul-Veneza Júlia, situadas no nordeste do país.

Toda a área do Trivêneto estava sob domínio austríaco em 1863, quando o conceito das "Três Venezas" foi criado pelo glotólogo Graziadio Isaia Ascoli, para marcar a italianidade cultural (sem conotações irredentistas[1] ) da Veneza Tridentina e da Veneza Júlia, que estavam sob domínio do Império Austríaco (Império Austro-Húngaro a partir de 1867). [2]

As três Venezas de Ascoli eram inspiradas na Regio X (Venetia et Histria),[3] uma das onze regiões em que a província romana da Itália fora dividida por Augusto, em c. 7 d.C. Assim, segundo Ascoli, o nordeste da Itália correspondia a três regiões interconectadas histórica, geográfica e culturalmente, que ele chamou "as Três Venezas", delimitando-as da seguinte forma:

A criação dessas entidades geográfico-históricas, no contexto do século XIX, teve forte impacto político, reforçando a crença de que aquelas áreas periféricas do Império Austríaco eram, de jure, parte do território italiano. Assim, as denominações propostas por Ascoli para as Três Venezas logo foram assumidas pelos irredentistas italianos, que pretendiam a anexação do Trentino, bem como do Litoral austríaco, da cidade portuária de Fiume e da Dalmácia à Itália.

A Itália anexou a Venezia Euganea em 1866, após a Terceira Guerra da Independência Italiana (Paz de Praga (1866) e um controverso plebiscito. A Venezia Giulia e a Venezia Tridentina passaram a ser parte da Itália em 1919, logo após a Primeira Guerra Mundial. As denominações Venezia Giulia e Venezia Tridentina tornaram-se oficiais, aplicando-se aos territórios que a Itália obtivera da Áustria-Hungria, mediante os tratados de Saint-Germain-en-Laye (1919) e Rapallo (1920). Assim, a nomenclatura de Ascoli substitui as antigas denominações, Tirol e Litoral austríaco.

Depois da Segunda Guerra Mundial, a Itália conserva a maior parte das Três Venezas, mas perde o vale do Alto Isonzo juntamente com a parte leste de Gorizia (depois chamada Nova Gorica), a cidade de Fiume, a maior parte da região de Carso e a maior parte da Ístria para a Iugoslávia (Tratado de Paris (1947). As áreas de Trieste (Zona A) e noroestre da Ístria (Zona B) constituíram o Território Livre de Trieste: em 1954, a Itália reanexou a Zona A, enquanto a Zona B foi cedida à Iugoslávia.

O nome Venezia Tridentina cai em desuso depois do governo fascista, enquanto Venezia Giulia permanece no nome da região do Friuli-Venezia Giulia. Já o nome "Venezia Euganea" nunca chegara a ser de uso geral, embora tivesse sido empregado esporadicamente, durante o período fascista.

Para a Igreja Católica, a área corresponde à Região Eclesiástica do Trivêneto.[5]

Região Capital População área
Flag of Friuli-Venezia Giulia.jpg Friuli-Venezia Giulia Free Territory of Trieste coat of arms.svg Trieste 1.227.841 7 862,3 km²
Flag of Trentino-South Tyrol.svg Trentino-Alto Ádige Trient.JPG Trento 1.053.205 13 605,5 km²
Flag of Veneto.svg Véneto CoA Città di Venezia.png Venezia 4.927.153 18 407,42 km²


Referências

  1. Como observa Marina Cattaruzza: «A definição ... elaborada por Ascoli não se colocava em uma ótica separatista. Para o glotólogo goriziano, tratava-se, principalmente, de dar maior visibilidade à componente italiana na monarquia dos Habsburgo, evidenciando sua ascendência romana e vêneta...» (Cattaruzza, Marina L'Italia e il confine orientale (p. 20), Bologna: Società editrice Il Mulino, 2007, ISBN 978-88-15-12166-0)
  2. Após a Primeira Guerra Mundial, ambas as regiões seriam anexadas ao Reino da Itália.
  3. A denominação das regiões da Itália eram apenas numerais. No entanto, as fontes acadêmicas contemporâneas costumam fazer acréscimos ao nome oficial romano. Assim, à Regio X ('Região 10') foram acrescentados os termos Venetia (por ser uma área primitivamente habitada por vênetos), e Histria (por referência ao Hister, forma latina de Danúbio, ou aos istros, antigos habitantes da região, de origem provavelmente ilírica, sobre os quais Estrabão escreve: "Depois do Timavo, está a costa dos istros até Pula, que faz parte da Itália". E ainda: "São, portanto, os vênetos e os istros que povoam a região além do Pó até Pula ". Estrabão, Geografia, livro V, 1.9 (em francês).
  4. Posteriormente haveria mudanças no território denominado Venezia Giulia. Em 1947, o Friul foi destacado da Venezia Euganea (que passaria a se chamar, oficialmente, Vêneto), sendo integrado à Venezia Giulia. Mas esta última também perdeu territórios (inclusive a cidade de Fiume), que passaram a integrar a antiga Iugoslávia e, atualmente, pertencem à Eslovênia e à Croácia).
  5. CEI Conferenza Episcopale Italiana. Regione ecclesiastica Triveneto

Ligações externas[editar | editar código-fonte]