Tron: o Legado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Tron: Legacy)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tron Legacy Logo.svg
Tron: o Legado (PRT/BRA)
Pôster promocional
 Estados Unidos
2010 •  cor •  125 min 
Direção Joseph Kosinski
Produção Sean Bailey
Jeffrey Silver
Steven Lisberger
Roteiro Adam Horowitz
Edward Kitsis
Elenco Jeff Bridges
Garrett Hedlund
Olivia Wilde
Bruce Boxleitner
Michael Sheen
James Frain
Beau Garrett
Gênero Ficção científica
Música Daft Punk
Cinematografia Claudio Miranda
Edição James Haygood
Companhia(s) produtora(s) Walt Disney Pictures
LivePlanet
Idealogy Inc.
Sean Bailey Productions
Distribuição Walt Disney Pictures
Lançamento 17 de dezembro de 2010
Idioma Inglês
Orçamento US$ 170 milhões[1]
Receita US$ 400 062 763[1]
Cronologia
Tron
Página no IMDb (em inglês)

Tron: Legacy (em português, Tron: o Legado) é um filme americano de ficção científica lançado em 2010, sendo a continuação do revolucionário Tron, de 1982. Foi rodado nos cinemas pela primeira vez no dia 17 de dezembro de 2010, sendo a estreia cinematográfica do diretor Joseph Kosinski. O diretor e roteirista do primeiro filme, Steven Lisberger, volta como um dos produtores, com Jeff Bridges interpretando mais uma vez o programador Kevin Flynn, enquanto Bruce Boxleitner retorna como Alan Bradley. Entre os outros membros do elenco, estão Garrett Hedlund, Olivia Wilde, Beau Garrett, e Michael Sheen. A história segue Sam, filho de Flynn, que responde a uma de seu pai, desaparecido desde 1989, e entra em uma sala secreta no abandonado Fliperama do Flynn. Assim, ele é transportado para a Grade, onde junto com seu pai e o algoritmo Quora, deve impedir o malevolente programa Clu de subjugar completamente o mundo computacional e também o real.

O interesse em criar uma sequência para Tron começou em 2005, quando a Walt Disney Pictures, após muita especulação, contratou Brian Klugman e Lee Sternthal como roteiristas, investimento feito devido ao seguimento cult que o filme de 1982 angariou.[2] Joseph Kosinski foi contratado como diretor dois anos depois e, estando muito otimista com o desenvolvimento de um filme graficamente similar a Matrix, desenvolveu um protótipo de como seria o modernizado universo da nova produção.[3] Na Comic-Con de 2008, foi apresentado uma prévia conceitual da película, chamada de TR2N. Tron: o Legado foi anunciado oficialmente na Comic-Con de 2009 com promessa da utilização substancial dos sistemas Disney Digital 3-D e IMAX 3D.[4][5] A filmagem teve início em abril de 2009, na cidade de Vancouver, Colúmbia Britânica, e durou aproximadamente 67 dias.[6] O ator Jeff Bridges, aos 61 anos, passou por um processo de rejuvenescimento digital para reinterpretar o personagem Clu, que no enredo não envelhece, mantendo a aparência que o ator tinha quando lhe interpretou no primeiro filme.[7] Além desta inovação visual, muitas outras técnicas foram utilizadas para conferir mais liberdade na criação dos efeitos, como o uso de Chroma key, CGI, jogo de luzes e a divisão da filmagem em vários sets.

O filme foi altamente promovido antes de seu lançamento, com o desenvolvimento de diversos produtos com a temática de Tron, que iam desde linhas de brinquedos até atrações em parques de diversão e shows. Foi criado também um site de divulgação com a campanha "Flynn lives" (em português: Flynn Vive) e, no dia 28 de outubro de 2010 em seletos cinemas IMAX espalhados pelo mundo, foi apresentada uma prévia de 23 minutos da película, formando uma expectativa em torno da produção.[8][9] O filme recebeu críticas mistas pelos críticos, os quais aclamaram a trilha sonora e os efeitos e criticaram a falta de desenvolvimento dos personagens e a suas representações. Tron: o Legado teve um orçamento de US$170 milhões e arrecadou US$400.062.763 mundialmente, considerado um sucesso de bilheteria.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O milionário empresário e programador Kevin Flynn (Jeff Bridges) cria um clone digital de si mesmo chamado CLU para ajudar o programa de Alan Bradley (Bruce Boxleitner), Tron, a trabalhar na Grade (Grid), que irá conter o mundo digital dentro do "ENCOM 511", o supercomputador da corporação ENCOM, que Flynn comanda.

Durante a criação da Grade, surge um novo tipo de ser vivo naquele ambiente, conhecido como ISOS, algoritmos isomórficos. CLU vê os ISOS como um vírus e planeja destrui-los, mas Flynn e Tron acreditam que eles sejam o próximo estágio da evolução digital e tentam impedi-lo. No processo, Tron é reformatado por CLU como um impiedoso soldado chamado Rinzler e Flynn fica novamente preso no mundo virtual.

CLU descobre que Flynn criou uma forma dos programas da Grade poderem se materializar no mundo real e começa a persegui-lo para obter o disco com esses dados, capaz de fazê-lo passar pelo portal, exterminar os humanos e conquistar a Terra. Para esconder o disco dele, Flynn se esconde no mundo virtual além da Grade.

Após passar 20 anos (equivalente a 100 ciclos no mundo virtual) procurando o seu próprio Criador, CLU decide enviar uma mensagem ao pager de Alan vinda do Flynn's, Arcade criado por Kevin. Com a esperança de que ele decida investigar e possa ser digitalizado para ser usado por CLU como refém a fim de forçar Flynn a entregar-lhe o disco.

Porém, é o filho de 27 anos de Flynn, Sam (Garrett Hedlund), que decide investigar e é trazido para o mundo virtual. Ele é resgatado das forças de CLU, lideradas por Rinzler, por Quorra (Olivia Wilde), que o leva até o esconderijo de seu pai, onde Sam finalmente o reencontra.

Juntos, Sam, Quorra e Kevin planejam fugir para o mundo real antes que o portal entre os dois mundos se feche, já que Flynn o programou para só poder ser aberto do lado de fora e só ficar aberto por algumas horas. Em seu caminho estão não apenas CLU e Rinzler, como também o ISO Castor (Michael Sheen), dono do clube End of Line (Fim da Linha), o clube de entretenimento do mundo virtual, que planeja entregar o trio a CLU em troca da cidade, já que sabe que CLU pretende ter o domínio do mundo real e não mais o virtual.

Quando Castor os trai, um dos guardas pega o Disco de Memoria de Kevin Flynn, fazendo com que CLU descubra todos os detalhes para saber como atravessar o portal. Quorra também foi ferida por um dos soldados negros de CLU. Durante a fuga para o portal e reparação do braço de Quorra feita por Kevin, Sam acaba descobrindo que ela é a última ISO sobrevivente do mundo digital.

Eles acabam recuperando o Disco, e usando uma nave de luz, sobrevoam o Mar da Simulação. Durante uma batalha aérea rumo ao portal, Tron retoma sua verdadeira diretriz de programação - "Lutar pelos usuários" -, impedindo CLU de abater a nave dos usuários. Eles chegam ao portal, CLU aparece na frente do caminho e Kevin se sacrifica para Sam e Quorra voltarem para a Terra.

Após sair pelo portal, Sam encontra-se com Alan Bradley dizendo que retomará a empresa de seu pai (já que ele possui a maior porcentagem das ações da empresa) e o nomeará Vice-presidente. Ao fim do filme, Sam e Quorra andam sobre a moto Ducatti do seu pai, e contemplam o nascer do Sol, a maior curiosidade de Quorra.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Olivia Wilde
Michael Sheen na Comic Con 2010 na divulgação de Tron: o legado.
De cima para baixo: Olivia wilde e Michael Sheen na Comic-Con 2010
  • Jeff Bridges como Kevin Flynn, o antigo CEO da ENCOM Internacional e criador do popular jogo de arcade Tron feito com base em suas próprias explorações e descobertas na realidade virtual desenvolvida pela ENCOM. Flynn Desapareceu em 1989 enquanto desenvolvia um "uma fronteira digital que irá remodelar a condição humana".
    • Bridges também interpreta CLU (Codificação Legítima Útil), uma encarnação mais avançada do programa de computação de Flynn, projetado como uma "replicação exata de si mesmo" dentro da Grade. Bridges o fez via maquiagem digital e dublagem, enquanto John Reardon interpreta CLU fisicamente.[10]
  • Garrett Hedlund como Samuel "Sam" Flynn, herdeiro da ENCOM que, enquanto investigando o desaparecimento de seu pai, é transportado para a grade.[11] O ator venceu um "processo de formação de elenco darwiniano" que testou centenas de atores, tendo sido escolhido por ter uma "combinação única de inteligência, desenvoltura, humor, aparência e físico" que os produtores estavam procurando para o filho de Kevin Flynn. O ator treinou bastante para fazer suas cenas de ação, através de exercícios como pular sobre carros e cansativas horas de treino em Wire fu, estilo de luta especialmente criado para cenas de ação. Sam Flynn, quando criança, é interpretado por Owen Best.[12]
  • Olivia Wilde como Quorra, um "algoritmo isomórfico" que é uma habilidosa guerreira e confidente de Kevin Flynn na grade. Flynn refere-se a ela como "aprendiz" e ensinou-a diversas coisas sobre o mundo fora da Grade, o qual ela sente muita vontade de conhecer. Ela possuí uma paixão por literatura humana, sobretudo por Julio Verne, e gosta da descrição do nascer do Sol. Quorra joga go com Flynn e diz que mesmo seu estilo mais agressivo é superado pela paciência desse.[13] Olivia Wilde descreve sua personagem como muito semelhante a Joana d'Arc.[14][15][16] Seu corte de cabelo foi influenciado pela cantora Karen O.[16] A atriz adicionou que embora "[Quorra] pudesse ter sido somente outra sensual, astuta sedutora", foi importante para ela agradar tantos homens quanto mulheres, e que a personagem tentou evitar a típica abordagem feminina ao possuir uma ingenuidade e caráter infantil adequados para um "organismo evolutivo e em aprendizado".[17] As cenas de ação da personagem levaram Wilde a malhar e treinar artes marciais.
  • Bruce Boxleitner como Alan Bradley, um executivo conselheiro da ENCOM e amigo próximo de Kevin Flynn que, após receber uma enigmática mensagem do escritório do antigo e fechado Fliperama do Flynn, encoraja Sam a investigar sua origem. Alan também foi o responsável por ser o tutor do jovem Sam, após o desaparecimento de seu amigo.[18]
    • Boxleitner também interpretou Tron, que recebeu o nome Rinzler após ser convertido por CLU. Tron é um programa de segurança originalmente desenvolvido por Bradley para monitorar o Programa Master Control da ENCOM e depois redesignado por Flynn para defender a Grade. Depois de ter sido reprogramado por CLU, passou a usar uma máscara e a carregar um disco de identidade que se divide em dois. O ator recebeu o mesmo tratamento que rejuvenesceu Jeff Bridges: Anis Cheurfa, um dublê, retrata Tron e Boxleitner faz o diálogo.[19][20] Rinzler é um nome dado devido ao autor e editor executivo J.W. Rinzler.
  • Michael Sheen como Castor/Zuze, um extravagante programa que gerencia o Clube do Fim da Linha, no topo da maior torre no sistema.[21] Sheen descreve sua performance como contendo elementos artísticos tais quais os de David Bowie, Joel Grey do musical Cabaret e um pouco de Frank-N-Furter do The Rocky Horror Show. O ator também revela que ficou muito animado quando soube que poderia fazer parte da sequência de um de seus filmes favoritos quando garoto.[22][23]
  • James Frain como Jarvis, um programa administrativo que serve como braço-direito de CLU e chefe da inteligência da segurança da Grade. Frain teve de raspar sua cabeça, embranquecer suas sobrancelhas e usar maquiagem. O refrator no capacete de Jarvis fez Frain andar "levemente com os olhos fechados; cego tropeço", o que o ator sentiu ser útil para fazê-lo entrar no personagem. O ator descreveu Jarvis como "um divertido, cômico personagem que é um pouco peculiar", considerando ele "mais humano, em relação a ser falho e absurdo", ao compará-lo com o Castor (Zuze).[24]
  • Beau Garrett como Gem, uma das quatro Sirens. As Sirens são programas femininos que operam equipando combatentes com discos ou armaduras de batalha para os jogos da Grade e outras competições. Possuem um vestuário inteiramente branco e costumam ser bem diretas. Gem é aliada do Castor e leva Sam Flynn para conhecê-lo.[25][26]
  • Yaya DaCosta, Serinda Swan e Elizabeth Mathis aparecem como Sirens, junto com Gem.[27]
  • Daft Punk como Programas de MP3, DJs do Clube do Fim da Linha. A banda foi responsável por fazer a trilha sonora do filme.
  • Cillian Murphy como Edward Dillinger Jr., filho do antigo executivo sênior da ENCOM e vilão principal de Tron, Edward Dillinger, interpretado por David Warner. É o chefe de design de software da empresa e aparenta ser um grande apoiador da diretoria sem Kevin Flynn. É visto durante uma reunião de acionistas no começo do filme.[28]
  • Jeffrey Nording como Richard Mackey, o líder da mesa executiva da empresa.
  • Steven Lisberger, criador de Tron, faz uma aparição como Shaddix, atendente no Clube do Fim da Linha.[29]

Temas[editar | editar código-fonte]

Joana d'Arc, inspiração de Quorra, personagem de Wilde.

Tron: o Legado possuí muitas referências à temas religiosos, especialmente àqueles relacionados ao Cristianismo e ao budismo. A personagem de Olivia Wilde, Quorra, foi influenciada pela figura histórica Joana d'Arc.[14] Wilde procurou inspirar-se nela seis meses antes da produção do filme começar. A atriz e Joseph Kosinski, diretor do filme, colaboraram com os roteiristas na edição das personagens, assim Quorra conteria características da Joana d'Arc.[14]Wilde pontuou as características da figura: "Ela é essa guerreira improvável, muito forte, mas compassiva e completamente guiada pelo altruísmo. E também, ela pensa estar em contato com um poder maior e ter um pé em outro mundo. Todos esses foram elementos da Quorra".[14] Já que ela representa o conceito da androginia, produtores conceberam a personagem de uma perspectiva andrógina, notavelmente dando-a um corte de cabelo curto.[14]

Jeff Bridges opinou que Tron: o Legado evocava um mito moderno, complementando que ideias que aludem ao avanço tecnológico prevaleceram por todo o filme. Para Cyriaque Lamar, do site io9, a abordagem tecnológica do filme lembra o Koan.[14] "Uma das coisas que me trouxeram para este filme", afirma Bridges, "foi a ideia de ajudar a criar um mito da atualidade para nos ajudar a navegar por essas águas tecnológicas [...]. Eu gosto de gratificação imediata como todo mundo, mas isso acontece tão rápido que se você fizer uma decisão repentina, você pode seguir por um longo caminho errado. Pense naquelas garrafas plásticas de água de uso único. De onde vieram? Quem decidiu aquilo? Você pode dar um par de goles na água [...] e aquelas garrafas não desintegram completamente. Animais microscópicos comem o plástico, e os peixes comem-lho, e estamos todos conectados. Temos uma situação finita aqui.".[14]

De acordo com o roteirista Adam Horowitz, joseph Kosinski declarou que o tema geral do filme era "encontrar uma conexão humana em um mundo digital". Eles seguiram esse conceito "abordando o mundo da perspectiva do personagem, usando Kevin Flynn como um princípio organizatório e focando no relacionamento emocional de pai e filho e sua reconciliação, o que trás profundas mudanças em suas respectivas vidas individuais".[30]

Produção[editar | editar código-fonte]

Plano de fundo[editar | editar código-fonte]

Steven Lisberger, criador do primeiro filme, mudou-se de Boston, Massachusetts, para Philadelphia, Pensilvânia, na década de 70 em busca de uma carreira em animação digital.[31] Já que o campo de animação digital estava completamente concentrado em Los Angeles, Lisberger tinha muito pouca competição atuante na Costa Leste: "Ninguém até então fazia coisas de Hollywood, portantp não havia competição e ninguém nos dizendo que não podiamos fazê-la".[31] Ele então produziu o filme de ficção científica Tron para a Walt Disney Company, o primeiro loga-metragem baseado em animação por computador.[31] Embora o filme tenha recebido algum elogio crítico, ele gerou vendas modestas nas bilheterias, com o acumulativo de receita bruta norte americano sendo de $33 milhões.[32][33] O produtor Sean Bailey, que viu o filme com seu pai e Lisberger, foi cativado pelo produto finalizado.[31] Mesmo que Tron tenha tido um desempenho abaixo das expectativas da Disney, ele mais tarde legou um seguimento cult, que gerou muita especulação sobre o alegado interesse da Pixar em criar uma sequência em 1999.[34] Rumores de uma sequência do filme foram ainda mais alavancados depois de 2003, com o lançamento do jogo de tiro em primeira pessoa Tron 2.0. Lisberger indicou que uma terceira parte poderia vir a ser feita, dependendo do sucesso comercial do jogo.[35]

Bruce Boxleitner, Tron no filme original, reprisa seu papel utilizando maquiagem digital.

Roteiro[editar | editar código-fonte]

"Para nós, foi como se estivéssemos indo rever esse filme e tentar levá-lo a diante, nós éramos as crianças de Tron. Nós crescemos com ele. Ele nos influenciou. Ele realmente ajudou a nos formar e a nos deixar excitados sobre as possibilidades da tecnologia, filmes e todas essas coisas. É uma das razões de nós estarmos fazendo o que estamos - então, dessa maneira, é como podemos abordar esse filme de modo que, como roteiristas, nós mesmos temos um ponto de entrada emocional."

- Adam Horowitz[36]

Logo após contratar Kosinski, Bailey abordou a dupla de roteiristas Adam Horowitz e Edward Kitsis, que aceitaram fazer parte do projeto por terem se autodescrevidos "obcecados por Tron". Horowitz depois declarou que o desafio era "homenagear o primeiro filme, continuar a história, expandi-la e levá-la para um outro lugar e abrir espaço para novos fãs", e Kitsis alegou que o filme começaria uma mitologia completamente nova "na qual estamos apenas arranhando a superfície".[37] Hrowitz e Kitsis primeiro criaram o esboço da história, desenvolvendo e enriquecendo o roteiro com Bailey e Kosinski durante um período de dois dias, passados em La Quinta, Califórnia. Os escritores também consultaram Lisberger para ver o que pensava o criador de Tron.[38] Lisberger deu seu amém, especialmente por ter um filho da mesma idade de Sam, no que Kitsis afirmou que "foi como se nós tivéssemos topado em algo que ele estava sentindo sem nem perceber".[30] O time da Pixar contribuiu com reescritas para tomadas adicionais após ter sido mostrado um corte sem detalhamento do filme em março de 2010, o que ajudou especialmente no desenvolvimento da história de Sam.[39][40]

O time de de roteiristas citou O Mágico de Oz como uma fonte de influência temática para Tron: o Legado na escrita do enredo, com Kitsis declarando que "Ambos possuem um DNA muito parecido, no qual Tron realmente vive, de várias maneiras, tentando chegar em casa. Você é colocado nesse mundo e você quer ir para casa e o que é casa? Isso, de várias maneiras, nos insiprou". Kitsis também disse que eles tiveram de incluir uma "espinha emocional para nos levar para dentro da história ou então isso se torna somente um monte de mudanças ou piadas e assim vai", eventualmente decidindo em adicionar um destino misterioso para Flynn e dando-o uma aura lendária - "Para nós, Kevin Flynn era Steve Jobs e Bill Gates tudo em um só e John Lennon".[36] Os roteiristas decidiram criar a personagem CLU como uma representação perversa do "como você olha para trás para seu eu mais novo, (...) aquele rapaz [que] pensava conhecer tudo, mas na verdade ele não conhecia nada". Bridges gostou da ideia das perspectivas dualistas e contribuiu com os escritores para a caracterização de Flynn como um mestre zen, sugerindo que eles pegassem inspiração em diversos textos budistas.[30] Parte dos conceitos emergiram de uma reunião que os produtores tiveram com cientistas do Instituto de Tecnologia da Califórnia e o JPL para discutir conceitos como algoritmos isomórficos e a digitalização de matéria orgânica.[37]

Horowitz revelou que o filme conteria muitas batalhas de moto de luz, constatando que o enredo para as cenas eram "incrivelmente detalhados" e envolvia um intrínseco processo de colaboração.[38] Para a guerra de discos, Horowitz e Kitsis escreveram um pequeno esboço da cena e enviaram-no para Kosinski; ele resumiu sua perspectiva sobre os efeitos visuais da cena para eles.[38] "Ele descreveu elas [as guerras de disco] como plataformas ocultas que iriam então se combinar, e o modo que você iria de rodada a rodada no jogo era derrotando seu oponente, elas meio que coincidem com o que vocês veem no filme", disse Horowitz.[38] Depois de dar seu modo de ver, Kosinski enviou vários rascunhos da cena para os escritores e revisava o roteiro frequentemente. Kitsis pensou que ilustrar as histórias de personagem foi a mais difícil tarefa ao escrever Tron: o Legado.[38] Os roteiristas colaboraram com o processo criativo por toda a produção, o que foi útil, especialmente considerando as dificuldades de descrever de modo tangível um mundo digital que "em sua natureza específica, vai contra as convenções básicas de roteirizar".

Concepção[editar | editar código-fonte]

Joseph Kosinski
Steven Lisberger
Kosinski (acima), diretor de Tron: o Legado, e Steven Lisberger (abaixo), criador do filme original e produtor de sua sequência.

Planos para criar Tron:o Legado começaram a se materializar em 2005, quando a Walt Disney Studios contratou os roteiristas Brian Klugman e Lee Sternthal para escreverem o filme. De acordo com o colunista Michael Fleming da Variety, Klugman e Sternthal sentiram "que o mundo superou o conceito original de Lisberger"[2] Klugman disse sobre filme antecedente: "Ele foi lembrado não somente pela história, mas também por um estilo visual que ninguém nunca tinha usado. Nós estamos tornando-o mais atual, pegando ideias que eram além da curva e aplicando-as no presente, e sentimos que o filme tem uma chance de ressoar para um público mais jovem".[2]

Em 2007, a Disney começou a negociar com Joseph Kosinski para dirigir Tron: o Legado. Kosinski admitiu que na época ele não estava ansioso com a ideia, mas que ele começou a ficar conforme o tempo passava.[3] Ele estava em uma reunião com Sean Bailey, presidente da Walt Disney Pictures. "A Disney possui a propriedade, Tron", Bailey declarou, "Você sabe disso? Você está interessado? Qual seria sua opinião? Em um mundo pós-Matrix, como você volta para o mundo de Tron?"[3] Kosinski gostaria de se envolver na ambientação geral do filme e de não utilizar nem a Internet e nem alguma uma outra fórmula emulativa como modelo de concepção do filme; ele então pediu dinheiro emprestado a Bailey para criar um protótipo conceitual de um novo universo de Tron, que foi finalmente apresentado na San Diego Comic-Con de 2009. "Então, nós fomos para a Disney", Kosinski lembra, "e eu disse a eles 'nós podemos falar disso o dia todo, mas para nos entendermos, eu preciso mostrar a vocês como esse mundo parece. Dê-me algum dinheiro e me deixe fazer um pequeno teste que dará a vocês uma dica por alguns minutos e vejam o que vocês acham."[3]

Graduado da escola de arquitetura da Universidade de Columbia, Kosinski, com seu conhecimento de arquitetura, foi fundamental na conceitualização do universo de Tron: o Legado.[3] Sua abordagem ao cultivar um protótipo foi diferente da de outros diretores de filmes pois, de acordo com Kosinski, ele veio "De um ponto de vista do design"; "Alguns de meus diretores favoritos vieram de fora do negócio de filmes, então isso fez minha abordagem diferente da de outros diretores, mas um plano de fundo em design faz sentido para um filme como esse porque o mundo inteiro tem de ser feito a partir de um rascunho".[3] Lisberger declararia depois que ele deixou a sequência para um time de produção diferente pois "depois de trinta anos eu não quero competir comigo mesmo" e, para demonstrar como a próxima geração lidaria com os temas contido em no filme, "Se eu trouxesse meu trabalho nisso, seria um pouquinho como um daqueles filmes do Clint Eastwood onde todos os velhos vão para o espaço". Lisberger adicionou que "Eu gosto deste papel de ser o Obi-Wan ou o Yoda nesse filme mais do que ser o cara nas trincheiras", afirmando que, diferentemente de Kosinski, sua idade foi um empecilho: "Eu não posso trabalhar dezesseis horas por dia olhando para vinte e cinco monitores na maior parte do tempo".[41]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Na San Diego Comic-Con de 2008, um teaser preliminar (nomeado como TR2N e dirigido por Joseph Kosinski) foi mostrado, para surpresa dos presentes na convenção. Ele apresentava um Programa de amarelo perseguindo um Programa de azul, em perseguição de motos de luz. No fim do teaser, aparece Jeff Bridges reprisando seu papel como Kevin Flynn, só que desta vez mais velho. Também nos é revelado o rosto do Programa com traje amarelo, que parece ser idêntico ao programa CLU (lembrando um Flynn mais novo, tal qual no filme original).

Logo inicial do filme apresentado na Comic-Con de 2008, ao fim de um teaser preliminar.

Se o teaser não confirmou se uma sequência de Tron estava em produção, ele confirmou que a Disney falava sério em uma continuação. Em uma entrevista para a Syfy, Bridges revelou que era improvável o teste de filmagem aparecer no filme já acabado.[42] No dia 23 de julho de 2009, a Disney revelou revelou o título do filme na Comic-con. Bridges explicou que o título é uma referência ao tema da história: "É basicamente uma história sobre a procura de um filho por seu pai". Eles também mostraram um pequeno trailer, similar ao teaser anterior só que com melhores efeitos visuais. Na época, o filme só havia terminado a produção e tinha um ano de pós-produção pela frente. Visto que nenhuma filmagem de dentro do computador (na Grade) estava pronta, eles mostraram imagens conceituais da produção. Estavam inclusos diversos elementos, como o Recognizer (naves de patrulha da Grade), que havia sido melhorados desde o último filme; imagens da Guerra de Discos, também aperfeiçoada em relação ao filme original e e também da arena de batalha, que seria mutável no decorrer de uma batalha, com 16 disputas ocorrendo simultaneamente, com as "jaulas" onde os combatentes lutam se juntando até só haver uma, na qual lutam os dois últimos sobreviventes.[5]

As motos de luz retornaram, redesenhadas por Daniel Simon.[43][44][45] Na conferência de imprensa da Comic-Con de 2008, apareceu um novo veículo chamado "Light Runner" (em português: Carro de Luz), uma versão de dois assentos da moto de luz. Diz-se ser muito rápido e tem uma habilidade única: devido a suas rodas, é capaz de sair da Grade. Tivemos também uma rápida olhada na moto pessoal de Kevin Flynn, uma "Moto de Luz de Segunda Geração", projetada em 1989 por Flynn e ainda a "coisa mais rápida da Grade". Ela incorpora o visual dos dois filmes.[5]

Um modelo de tamanho real da moto de luz foi colocado para amostra em uma barraca da Fan Expo 2009, ocorrida em Toronto, Ontario, junto da apresentação de material especial da produção.[46] As mesmas imagens conceituais apresentadas na Comic-Con foram mostradas na sessão, junto de algumas gravações de teste dos artistas marciais, que mostraram um estilo mais atlético de Guerra de Discos. Um segmento do filme mostrou Sam Flynn entrando no fliperama de seu pai, agora deteriorado, jogando Tron em uma máquina arcade, percebendo uma passagem na parede atrás da máquina e entrando nela, com sua porta fechando-se logo em seguida. A filmagem foi usada depois como parte do trailer lançado no dia 5 de março de 2010.

A personagem Yori e sua usuária, Dra. Lora Baines, não aparecem no filme, ainda que seja feita referência ao seu casamento com Alan Bradley. Os fãs fizeram um lobby para que a atriz Cindy Morgan aparecesse no filme, com ativas campanhas online como a "Yori Lives" (traduão: Yori Vive) no Facebook, o que nada tem a ver com Morgan.[47] "Tudo o que eu sei é o que vejo online" disse Morgan. "Eu estou tão emocionada e tocada e animada com a reação dos fãs e sobre as pessoas falando do primeiro [filme] e como ele se relaciona com o segundo. Eu não posso dizer-lhe o quão bom sentimento eu sinto com isso. Isso significa tanto."[47] Ninguém de Tron: o Legado tinha contatado Cindy Morgan e ela não falou diretamente com ninguém do elenco ou produção.[47] Como Dra. Lora Baines, a atriz apareceu com Bruce Boxleitner (como Alan Bradley) na conferência de imprensa da Encom em São Francisco no dia 2 de abril de 2010.

Filmagem[editar | editar código-fonte]

Vancouver, cidade onde foi feita a filmagem.

A filmagem ocorreu em Vancouver, Colúmbia Britânica, em abril de 2009, durando aproximadamente 67 dias.[48][6] Muitos locais de gravação foram montados no centro de Vancouver (Downtown Vancouver) e seus arredores. O cenário de gravação do filme foi o Canadian Motion Picture Park studio (um centro de produção de filmes) em Burnaby, cidade adjacente que faz parte da Grande Vancouver.[6] Kosinski dividiu e construiu de doze a quinze sets de filmagem, incluindo o esconderijo de Flynn, uma criação que ele ilustrou em um um guardanapo para um teste de efeitos visuais. "Eu queria construir o máximo possível. Era importante para mim que este mundo parecesse real e todo o momento que eu podia construir algo eu o fazia. Então eu contratei alguns caras com quem eu fui para a escola de arquitetura para trabalhar nos sets de filmagem para este filme e, com esperança, as pessoas que assistirem ao filme sentiram que há alguma física para esse mundo que, com esperança, os agrade, sabendo que arquitetos de verdade, na realidade, colocam essas coisas todas juntas."[6] O filme foi gravado em dual câmera 3, usando equipamentos Pace Fusion como os do Avatar de James Cameron, mas diferente das câmeras Sony F950 desse filme, Tron: o Legado usou as F35. "O benefício [da F35] é que ela tem um sensor inteiro de 35mm que lhe dá aquele belo e superficial campo de profundidade cinemático", de acordo com Kosinski.[6] As porções iniciais do filme foram gravadas em 2D, enquanto que quarenta minutos do filme foram melhorados para a qualidade IMAX.[49][50] A Digital Domain foi contratada para trabalhar nos efeitos visuais, enquanto companhias como a Prime Focus Group, DD Vancouver, e a Mr. X foram chamadas para colaborar na fase de pós-produção do filme, fase esta que só veio a terminar no dia 25 de novembro de 2010.[48][51][52]

As sequências que se passam na Grade foram completamente gravadas em 3D, utilizando câmeras especialmente projetadas para tal e empregando uma técnica 3D que combinou outras técnicas de efeitos visuais.[53] As sequências no mundo real foram filmadas em 2D e eventualmente alteradas utilizando elementos tridimensionais.[54] O produtor Bailey declarou que foi um desafio filmar Tron: o Legado em 3D porque as câmeras eram maiores e pesadas, tendo-se que levar em conta muitas variações. Apesar dessas preocupações, ele opinou que houve uma "grande razão para ir aos cinemas, porque é uma experiência que você não consegue simplesmente recriar em um iPhone ou laptop".[53] Em algumas sequências, a imagem mostra um fino padrão quadricular ou parece borrada em sua lateral. Isso não é algum tipo de interferência ou defeito de produção, mas indica que aquela cena é um flashback e simula uma forma de vídeo mais tecnologicamente antiga. Os dublês e as cenas perigosas foram coordenados pela 87Eleven, que também projetou e coordenou cenas para 300 e Watchmen. Olivia Wilde disse ter sido uma honra treinar com eles.[17][16]

Design[editar | editar código-fonte]

Projeto de como pareceria a Grade.
A Grade, universo onde se passa o filme.
De cima para baixo: Conceito gráfico da Grade e como ela é no filme.

Em relação à definição de seu método para criar Tron: o Legado, Kosinski declarou que seu objetivo principal era de fazê-lo "parecer real", complementando que ele gostaria que o público sentisse que a filmagem, na verdade, ocorreu dentro do universo ficcional.[53] Para isso, muitos sets físicos foram construídos, já que Kosinski "queria que os materiais fossem materiais de verdade: vidro, concreto e aço, para que ele [o filme] tivesse esse tipo de qualidade visceral."[55] O diretor colaborou com pessoas que se especializaram em campos fora da indústria cinematográfica, bem como arquitetura e design automobilístico.[53] Os visuais da Grade visaram uma versão mais avançada do Cyberespaço que Flynn visitara em Tron, que Lisberger descreveu como "um Galápagos visual que evoluiu por si mesmo." Como também colocado por Bailey, a Grade não teria qualquer influencia da Internet, visto que tornou-se offline do mundo real na década de 80 e "cresceu em seu próprio servidor em algo poderoso e único." Kosinski adicionou que à medida que o sistema fica mais realista, tentar-se-ia torná-lo mais próximo do mundo real com efeitos no ambiente, como chuva e vento, com o designer de produção, Darren Gilford, declarando que haveria uma justaposição entre variedade de textura e cor na introdução no mundo real em contraste com as "superfícies e linhas limpas" da Grade. Já que o time de design considerou as luzes uma parte importante da aparência de Tron - especialmente por passar-se em um mundo sombrio, descrito pelo diretor de efeitos de arte, Ben Procter, como "escuras silhuetas de objetos pingando em uma atmosfera com nuvens ao centro, em um tipo de pintura de paisagem japonesa", onde "a auto-iluminação dos objetos é a principal fonte de luz" - iluminação foi espalhada por todos os objetos dos cenários no set, incluindo o piso do esconderijo do Flynn.[55] Lisberger disse que enquanto a película original "refletia como era o cyberespaço", a sequência "seria como um dia moderno, como uma melhora contemporânea em relação à quantidade de resolução, à texturização, ao sentimento, ao estilo", dizendo ainda que "ele não tem mais aquela vibe da ilha do Pong".[41]

Os vestuários em colante vestidos pelos atores foram aproveitados a partir do vestuário usado pelo elenco do filme original.[56] Kosinski acreditava que as roupas poderiam serem feitas para serem práticas, devido à natureza computacional do filme e ao auto custo de iluminar fisicamente as roupas. Christine Bieselin Clark trabalhou com Michael Wilkinson no projeto das roupas iluminadas, que usou lâmpadas eletroluminescentes derivdas de um polímero flexível e apresentando padrões hexagonais.[53][57] As luzes passavam pela vestimenta através de Light Tape (uma fita composta de laminação Honeywell e fósforos Sylvania). Para produzir uma cor, um filme de vinil transparente da 3M era aplicado no fósforo antes da laminação.[57] Enquanto a maioria das roupas eram feitas de espuma de látex, outras eram de derivados de elastano, que foi borrifado com borracha de balão, dando por fim a ilusão de um formato bem definido e consistente. Os atores tiveram de ficar comprimidos para compensar a grande quantidade de eletrônicos.[53] Além disso, Clark e Wilkison projetaram mais de 140 fantasias utilizadas por figurantes. Os dois procuraram influência em vários designers de moda e calçados para fazerem as fantasias.[53] Na parte de trás da vestimenta fica um disco iluminado formado por 134 luzes de LED. Ele era preso à fantasia por um ímã. Todas as roupas tiveram de ser costuradas de modo que as costuras não aparecessem, visto que o time de design pensou que em um ambiente virtual as roupas só se materializavam, sem a necessidade de botões, zíperes ou abotoaduras.[55] De acordo com Neville Page, o designer dos capacetes, "Os departamentos de arte comunicaram-se muito bem entre si para realizar a visão de Joe [Joseph Kosinski]. Olharíamos sobre os ombros um do outro em busca de inspiração. O desenvolvimento das fantasias veio da tentativa de desenvolver a linguagem da forma que ela veio de dentro do filme."[57]

A maioria das roupas foram projetadas utilizando ZBrush.[57] O corpo de um ator era escaneado, depois encoberto para descobrir a localização da espuma de látex, tecidos etc. Com um CNC (Computer Numerical Cutting), uma máquina controlada por computador que realiza cortes com precisão, de látex denso, uma escala reduzida era criada para descobrir os mais perfeitos detalhes antes de começar a construção da fantasia. Ao fazer o download do escaneamento do corpo do participante, as ilustrações produzidas eram sobrepostas para providenciar como resultado um elemento que pudesse ser produzido.[57] Descrevendo o processo CNC, Chris Lavery do site Clothes on Film percebeu que ele possuía uma tendência em produzir bolhas e estrias. Clark declarou: "O [...] traje é completamente feito de uma combinações de hexágonos que nós também imprimíamos e fazíamos o tecido a partir de arquivos 3D. Ele iria para forma dura; ele iria para dentro do molde que tinha matriz em silicone. Colocaríamos eles juntos e depois injetaríamos látex no espaço negativo. O arreio de arame seria embebido no molde e produziria um torso. Nós pintávamos ele e lá estava pronto seu traje."[57]

Som e efeitos especiais[editar | editar código-fonte]

Jeff Bridges preparando-se para fazer uma cena como CLU.
Como o ator aparece rejuvenescido no filme.
Jeff Bridges preparando-se para fazer uma cena como CLU (acima). Como o ator aparece rejuvenescido no filme (abaixo)

Os sons de plateia da arena de jogos foram gravados na Comic-Con de 2010. Durante um dos painéis de Tron: o Legado, o público foi instruído, através de uma grande tela de vídeo, a fazer sons de torcida, repetir frases e a bater os pés, igual nos estádios de jogos atuais. Enquanto o público fazia os efeitos, técnicos da Skywalker Sound gravavam o ocorrido.[58]

Demorou dois anos e dez companhias para criar as 1.565 cenas com efeitos especiais colocados no filme. A maioria delas foi feita pela Digital Domain, que criou 832 efeitos sob a supervisão de Eric Barba.[59][60] O time de produção misturou várias técnicas de efeitos especiais, bem como Chroma key e CGI, para criar maior liberdade na criação de efeitos. Igual a Tron, essa abordagem foi vista como uma ampliação na fronteira tecnológica atual.[53] "Eu esta indo mais pelo instinto do que pela experiência.", disse Kosinski. Embora ele já tenha anteriormente utilizado tecnologia na produção de propagandas, esta era a primeira vez que ele usou-a simultaneamente em grande escala.[53] Darren Gilford foi posto como designer de produção, enquanto David Levy foi contratado como um artista conceitual. Levy traduziu as ideia de Kosinski em desenhos e outros projetos visuais. "A visão de Joe evoluiu os visuais do primeiro filme", ele declarou. "Ele queria que a Grade parecesse a realidade, mas com uma reviravolta."[53] Um número estimado de 20 a 25 artistas do departamento de artes desenvolveram conceitos do universo de Tron: o Legado, que variam de influências de lugares reais a sets completamente digitais. Gilford sugeriu que havia de 60 a 70 cenários no filme, divididos em 15 sets completamente construídos com diferentes níveis de ambientes criados por computadores.[53]

Ao invés de utilizar-se de técnicas de maquiagem, como aquelas usadas em Uma Mente Brilhante, para dar a Jeff Bridges uma aparência mais jovem, o personagem CLU foi completamente gerado por computador. Para mostrar que essa versão foi criada algum tempo depois dos eventos do filme original, os artistas de efeitos visuais basearam-se na aparência de Bridges no filme Against All Odds (Paixões Violentas BRA ou Vidas em Jogo POR), lançado dois anos após Tron, em 1984.[61] O time de efeitos visuais contratou o maquiador de efeitos Rick Baker para construir um molde à imagem da cabeça do Bridges mais jovem para servir de base para o posterior trabalho em CGI. Mas eles logo descartaram o projeto, pois eles desejavam outro mais jovial. Não havia tempo para fazer outro molde, então o time fez um digitalmente.[62] No set, primeiro Bridges atuaria, sendo seguido pelo dublê John Reardon, que imitaria suas ações. A cabeça de Reardon foi substituída na pós-produção pela versão digital do jovem Jeff Bridges.[61] Barba, que esteve envolvido em uma experiência semelhante no filme The Curious Case of Benjamin Button (O Curioso Caso de Benjamin Button BRA ou O Estranho Caso de Benjamin Button POR), disse que eles utilizaram quatro microcâmeras com sensores infravermelhos para capturas todos os 134 pontos no rosto de Bridges que seriam a base dos movimentos faciais, um processo similar ao usado em Avatar.[63] Demorou mais de dois anos para não somente criar a semelhança de CLU, mas também os movimentos dos personagens, como os dos músculos). Bridges disse que foi uma experiência surreal, declarando ser "Igual o primeiro Tron, mas de verdade!"[64]

Música[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Tron: Legacy (trilha sonora)
Para a trilha sonora, Daft Punk foi além da música exclusivamente eletrônico e incorporou elementos orquestrais.

A trilha sonora é composta pela dupla francesa Daft Punk - que inclusive faz aparição em uma das cenas do filme - e harmonizada pelo maestro americano Joseph Trapanese, com uma orquestra de 85 músicos.[65][66][67] Jason Bentley foi o supervisor de músicas do filme.[68][69] Um fã de música eletrônica, Joseph Kosinski declarou que "ao invés de ir com tradicional compositor de filmes, eu preferia tentar algo fresco e inovador", adicionando que "havia um monte de interesse de diferentes bandas eletrônicas que eu sigo de trabalhar no filme", mas ele eventualmente acobou escolhendo Daft Punk.[70] Kosinski decidiu não replicar a trilha sonora de Tron, composta por Wendy Carlos. Kosinski também disse que ele sabia que a banda era "mais que só caras de música de dança" por outros projetos, como o filme Daft Punk's Electroma.[52] O duo foi primeiramente contratado pelos produtores em 2007, quando Tron: o Legado estava nos estágios iniciais de produção.[71] Visto que eles estava viajando em um tour naquele momento, os produtores não obtiveram sucesso na contratação do grupo. Eles foram novamente abordados por Kosinski, finalmente aceitando fazer parte do filme um ano depois.[71] Kosinski declarou a dupla era grande fã do filme original e que seu encontro com eles "foi quase como se eles estivessem me entrevistando para terem certeza de que eu iria manter Tron: o Legado."[70]

A trilha começou a ser produzida antes mesmo de a produção começar e é um afastamento notável de seus trabalhos anteriores, já que Daft Punk deu mais ênfase para elementos de orquestra, ao invés de fazerem somente o uso de sintetizadores.[70][72] "Sintetizadores são um nível muito baixo de inteligência artificial", explicou Guy-Manuel de Homem-Christo, "enquanto que você tem um estradivário que viverá por mil anos. Nós sabíamos desde o começo que não havia jeito de nós irmos fazer a trilha desse filme com dois sintetizadores e uma máquina de ritmos."[72] "Derezzed" foi tirado do álbum e lançado como um single solo.[73] O álbum foi lançado pela Walt Disney Records no dia 3 de dezembro de 2010 e vendeu 71 mil cópias em sua primeira semana nos Estados Unidos.[74] Alcançando a sexta colocação na Billboard 200, o álbum eventualmente alcançou uma certificação de ouro pela Recording Industry Association of America, indicando envios de 500 mil copias.[74][75] Um álbum de remixes da trilha sonora, chamado Tron: Legacy Reconfigured, foi lançado em 5 de abril de 2011, coincidindo com o lançamento do filme em DVD.[76][77]

Marketing[editar | editar código-fonte]

No dia 21 de julho de 2009, muitos sites de notícias de filmes postaram que eles haviam recebido, por email, um par de "moedas" do "Fliperama do Flynn" junto com um Pen-drive. Seu conteúdo era um GIF animado que mostrava linhas de código CSS. Qutro delas eram colocadas juntas e parte do código era solucionada, revelando o URL do site Flynnlives.com, um site fictício mantido por ativistas que acreditam que Kevin Flynn está vivo, embora esteja desaparecido desde 1989.[78] Clicando em uma diminuta aranha na parte inferior do site, o usuário é levado para um relógio que mostra uma contagem regressiva que atinge o zero no dia 23 de julho de 2009, às 21:30 no PDT (Horário do Pacifico). Foi encontrado um endereço dentro dos termos da Seção de Uso. Ele está localizado em San Diego, Califórnia, perto de centro de convenção da cidade, onde a Comic-Con 2009 ocorreu e algumas imagens e informações da sequência foram lançadas. O Fliperama do Flynn foi reaberto naquele endereço, com várias máquinas arcade do Space Paranoids e uma variedade de jogos da década de 80. Uma moto de luz em tamanho real estava presente no evento.[8]

Um outro site viral foi encontrado: homeoftron.com. Ele apresenta um pouco da história do Fliperama do Flynn, bem como uma seção de memórias de fãs.[79] No dia 19 de dezembro de 2009, um novo poster foi revelado, bem como a segunda foto de cena do filme.[80] Houve Banners que promoveram a presença do filme na Comic-Con 2010, em seu terceiro ano seguido de comparecimento à convenção anual.[81]

A Disney também fez parceria com a Coca-Cola e Norelco (marca americana de barbeadores) para Tron: o Legado.[82][83] A subsidiária da Disney, Marvel Comics, fez estampas especiais de seus super-heróis em camisetas Tron, e a Nokia teve trailers do filme pré-carregados em celulares Nokia N8, enquanto fazia promoção para o comparecimento na première do filme em Londres.[84][85] Quando Sam pega uma lata da cerveja da Coors no filme, ne verdade, não havia marketing indireto algum, com a cerveja aparecendo porque Kosinski "só gostou da cor e pensou que aparecia bem em cena."[86]

Atrações[editar | editar código-fonte]

Monotrilho com pinturas de Tron passando por Epcot no Walt Disney World Resort.

No Walt Disney World Resort na Florida, um trem de monotrilho foi decorado com uma arte especial que mostra motos de luz com rastros coloridos, bem como o logotipo do filme. Esse monotrilho com a temática Tron, antigamente o monotrilho "Coral", foi renomeado para "Tronorail" e revelado em março de 2010.[87] No Disney California Adventure, parte do Disneyland Resort na Califórnia, um evento noturno chamado "ElecTRONica" teve inicio no dia 8 de outubro de 2010 e foi programado para ter fim em maio de 2011, mas foi estendido até abril de 2012 devido à resposta positiva dos visitantes.[88][89] Entre outras coisas, nesse evento encontrava-se um recriação do Fliperama do Flynn e do Clube do Fim da Linha, além da apresentação de algumas cenas antes do lançamento do filme. Os ganhadores do America's Best Dance Crew (um programa de televisão no qual apresentam-se dançarinos), os Poreotics, dançaram no ElecTRONica.[90]

No dia 29 de outubro de 2010, o show noturno World of Color no Disney California Adventure Park foi aberto ao público depois de seu segundo show com um encerramento apresentando a música "The Game Has Changed" (composta por Daft Punk para o filme) e usando novos efeitos, como projeções do filme em brinquedos do parque. Um evento especial do World of Color teve início no dia 1º de novembro de 2010, no qual haveria varias atrações com o tema de Tron: o Legaado.[91] Em 12 de dezembro, o programa Extreme Makeover: Home Edition (sobre reconstrução de casas após desastres) fez um quarto com o tema baseado no filme para um jovem.[92]

A Disney estava envolvida com o Hotel de gelo de Jukkasjärvi, Suécia, através da associação com os designers Ian Douglas-Jones, da I-N-D-J, e Ben Rousseau para criar "The Legacy of the River" (O Legado do Rio, em tradução livre), uma suíte altamente tecnológica inspirada em Tron: o Legado. A suíte utiliza um cabos eletroluminescentes para aproximar-se do estilo do filme. Ela possui mais de 60 metros quadrados de gelo de 100mm de espessura que pesam aproximadamente seis toneladas. 160 metros desse cabeamento especial foi rotacionado, prensado e colado com poderosa neve e água para criar complexas formas geométricas. Espera-se que o hotel de gelo tenha recebido 60 mil visitantes para a temporada de inverno, que durou de dezembro de 2010 a abril de 2011.[93] Em 19 de novembro de 2010, uma loja pop up (de curta duração para vender o máximo possível de itens) do filme foi aberta no Royal-T Cafe, na Califórnia. A loja apresentava muitos produtos criados por colaboração, como tie-ins do filme feitos por marcas como Oakley, Hurley e Adidas. O ambiente era decorado de forma temática e o café adjacente tinha um cardápio tie-in com pratos inspirados em Tron. A loja ficou aberta até 23 de dezembro de 2010. [94]

Merchandising[editar | editar código-fonte]

Produtos eletrônicos e linhas de brinquedos inspirados pelo filme foram lançados durante a primavera de 2010.[95] Linhas de joias, calçados e vestuários inspirados em Tron também foram lançadas e, inclusive, a Disney veio a criar uma loja pop-up para vendê-las em Culver City, Califórnia.[96][97] Controles customizados baseados no filme foram lançados para Xbox 360, PlayStation 3 e Wii.[98] Um romance gráfico tie-in chamado Tron: Betrayal foi lançado pela publicadora Disney Publishing Worldwide no dia 16 de novembro de 2010.[99] A revista conta com 11 páginas que recontam a história do filme de 1982 e mais uma história que se passa entre o filme original e sua sequência. A IGN criticou a história em quadrinhos e deu a nota "aceitável" de 6.5 de 10.[100]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Em 28 de outubro de 2010, uma prévia de 23 minutos do filme foi apresentada em muitos cinemas IMAX pelo mundo. Os ingressos para esse evento esgotaram em uma hora no dia 8 de outubro. Ingressos reserva para o evento também foram todos vendidos assim que a apresentação começou. Produtos originais do filme também ficou disponível para venda.[9] Anunciado pela página oficial do filme no Facebook, entrevistas no tapete vermelho da estreia do filme foram transmitidas ao vivo pela Internet.[101] Tron: o Legado foi lançado nos cinemas no dia 17 de dezembro de 2010, nos Estados Unidos e Reino Unido. O filme estava originalmente previsto para ser lançado em 26 de dezembro, mas foi antecipado devido à alta demanda, tendo sido apresentado em IMAX 3D e Disney Digital 3-D. O longa-metragem também foi lançado em cinemas selecionados que apresentavam cadeiras feitas pela D-BOX, com tecnologia de movimento "motion code", e lançado em 50 cinemas com sistema de áudio Losono, criando um "som 3D".[102]

No dia 10 de dezembro de 2010, em Toronto, Ontário, uma estreia especial foi realizada por George Stroumboulopoulos. Organizada por Twitter e aberta para as cem primeiras pessoas que aparecessem na CN Tower. Depois do término do filme, a torre ficou iluminada em azul, em referência à Grade.[103] Em 13 de dezembro, em cidades selecionadas nos Estados Unidos, uma apresentação gratuita do filme inteiro ficou disponível para as pessoas que primeiro chegassem aos cinemas. Broches gratuitos do movimento "Flynn Lives" foram entregues aos participantes. O anúncio das sessões foi feito na página "Flynn Lives" no Facebook.[104] Em 21 de janeiro de 2011, o designer alemão Michael Michalsky organizou estreia do filme na Alemanha, feita durante o Berlin Fashion Week.[105]

Capa brasileira do DVD escolhida por fãs.

Home media[editar | editar código-fonte]

Tron: o Legado foi lançado pela Walt Disney Studios Home Entertainment em Blu-ray, DVD e download digital na América do Norte em 5 de abril de 2011.[76][106] O longa-metragem ficou disponível em DVD com disco único, DVD com dois discos, um combo Blu-ray e um box set com quatro discos, adicionando um Blu-ray 3D e um cópia digital. Um box set com 5 discos, contendo os dois filmes da franquia, também foi lançado. Outro, o The Ultimate Tron Experience, recebeu uma embalagem colecionável que se assemelhava a um disco de identidade.[107] O download digital de Tron: o Legado está disponível em alta definição ou na definição padrão, incluindo versões com ou sem os extras digitais.[106]

Uma prévia da serie de animação de dez episódios Tron: Uprising está disponível em todas as versões lançadas. O filme foi o segundo lançamento da Walt Disney Studios Home Entertainment que incluiu o Disney Second Screen, uma ferramenta disponível para computador ou iPad que possibilita o acesso a conteúdo adicional enquanto o usuário vê o filme.[108] Quarenta minutos do filme foram gravados em proporção 2.35:1 e depois melhorados verticalmente para IMAX.[50] Essas cenas são apresentadas em 1.78:1 de um modo semelhante ao lançamento em Blu-ray do The Dark Knight.[109]

No Brasil, Tron: o Legado ficou disponível para ser alugado nas locadoras em DVD e Blu-ray no dia 18 de março de 2011, só sendo possível comprá-lo a partir do dia 18 de junho. Os fãs, através de uma votação no Facebook que ocorreu do dia 3 ao dia 21 de março, foram capazes de escolher a capa da edição nacional em Blu-ray do filme, contando com duas opções para escolha.[110][111]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

Logo após o lançamento, vários analistas comerciais anteviram que Tron: o Legado iria gerar uma receita bruta de 40-50 milhões de dólares durante seu final de semana de estreia, número que o comentarista Ben Fritz, do Los Angeles Times, disse que seria "concreto, mas não espetacular."[112] Embora o estúdio esperasse atrair uma ampla audiência, o filme atraia principalmente os homens: "As mulheres pareciam estar mais hesitantes sobre a sequência de ficção científica", escreveu Fritz.[112] Escrevendo para os Box Office Mojo, Brandon Gray atribuiu a expectativa do pré-lançamento a "expectivas indesejáveis do filme vindas de 'fanboys'", visto que o filme de 1982 foi considerado um sucesso de bilheteria quando lançado, com uma comunidade de fãs que formou um nicho.[113] O filme foi o mais lucrativo do mês, embora que outros filmes, excetuando-se o segundo colocado As Crônicas de Nárnia: A Viagem do Peregrino da Alvorada que começou com US$ 24 milhões, arrecadaram bem menos.[114]

Na América do Norte, o filme arrecadou US$43,6 milhões durante seu final de semana de estreia.[115] No seu primeiro dia, o longa arrecadou US$17,6 milhões, incluindo US$3,6 milhões durante apresentações à meia-noite que ocorreram em 2 mil cinemas, 29% deles com tela IMAX, e chegou ao topo da lista para o fim de semana, a frente de Yogi Bear e How Do You Know.[115][116] Tron: o Legado gerou uma receita bruta de US$68 milhões durante sua primeira semana, passando da marca dos US$100 milhões no seu 12º dia de lançamento.[117][118] Em 27 dias o filme passava dos US$ 290 milhões (a causa da baixa foi a forte nevasca nos Estados Unidos).[119]

Fora da América do Norte, a sequência arrecadou US$23 milhões no final de semana de estreia, gerando em média US$6 mil por cinema.[120] De acordo com a Disney, 65% da arrecadação estrangeira foi originária de 5 mercados chave: Japão, Austrália, Brasil, Reino Unido e Espanha.[120] O filme se saiu melhor no Japão, onde arrecadou US$4,7 milhões de 350 cinemas.[120] Ao fim de sua exibição nos cinemas, depois de cera de dois meses, o filme arrecadou US$400.062.763 mundialmente; US$172.062.763 na América do Norte e US$228 milhões nos outros países.[1]

No Brasil, o filme arrecadou US$1,9 milhão de 440 cinemas em sua estreia e um total de R$3 milhões em seu primeiro fim de semana.[120] Em seu segundo final de semana, o filme manteve-se na liderança da bilheteria, conseguindo R$1,68 milhão.[121] Contudo, em sua terceira semana, o filme perdeu a primeira posição para De Pernas pro Ar, que arrecadou R$ 2,2 milhões.[122]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Em seu lançamento, o filme recebeu críticas mistas por parte dos críticos, que elogiaram os efeitos visuais, o design de produção e a trilha sonora, mas criticaram o desenvolvimento de personagens, performance do elenco e a história. O site Rotten Tomatoes, agregador de críticas, relatou que 51% dos comentaristas fizeram críticas positivas ao filme, baseado em 231 críticas. Alcançando uma nota de 5.9/10, o consenso do site foi: "Tron: o Legado gaba-se de seus visuais estonteantes, mas sues personagens humanos e história ficam perdidos no meio de seu design de produção de ponta."[123] No Metacritic, que emite uma nota entre 0 e 100 baseados em comentários de críticos mainstream, Tron: o Legado alcançou uma classificação média de 49, baseado em 40 críticas.[124]

Os efeitos visuais foram citados como o destaque central do filme. Na sua crítica de 3 estrelas, Roger Ebert do Chicago Sun-Times sentiu que o ambiente era artisticamente belo e adicionou que que sua trilha sonora mostrou uma "força eletrônica" que complementou os visuais.[125] O colunista Peter Travers da revista Rolling Stone ecoou esses sentimentos, concluindo que os efeitos eram do "calibre de prêmio".[126] J. Hoberman do The Village Voice notou que enquanto foi extensivamente melhorado, Tron: o Legado reteve os visuais simplificados que foram vistos em seu antecessor.[127] Para o The New York Post, Kyle Smith disse haver momentos em que "rasguei [seu] equilíbrio fleumático costumeiro e [...] pensei: Ei, isto é mesmo excitante."[128] Alguns críticos, no entanto, não ficaram tão impressionados com os efeitos visuais do filme. Manohla Dargis do The New York Times assegurou que a pesar de sua notabilidade ocasional, as "cores caleidoscópicas vibrantes que deram ao primeiro filme seu soco visual foram substituídas por uma paleta monótona de vidro preto e azul e queimaduras de laranja e amarelo".[129] Joe Morgenstern do The Wall Street Journal denunciou que a ênfase dos produtores no avanço tecnológico poderia ter sido usada de outras formas, como na trama.[130]

David Bowie em 1987
Michael Sheen como Castor
A atuação de Michael Sheen como Castor foi muito elogiada, com seu personagem sendo comparado ao cantor David Bowie.

A atuação de diversos membros do elenco foi frequentemente mencionada nas críticas. A representação de Michael Sheen como Castor foi particularmente aclamada pelos críticos, devido a sua extravagância, atraiu comparações ao cantor e compositor inglês David Bowie, bem como a personagens fictícios como o Alex do Laranja Mecânica.[131][132] Dargis e Carrie Rickey do The Philadelphia Inquirer estão entre os jornalistas que elogiaram sua atuação.[131] Dargis legou a Sheen uma performance excepcional para um elenco aparentemente "desinteressante".[129] Para o crítico Gary Thompson do Philadelphia Daily News, o filme ficou humorado com as cenas envolvendo Castor.[133] Com os outros membros do elenco, especialmente Garrett Hedlund, Olivia Wilde e Jeff Bridges, os comentários refletiram diversas atitudes. O filme recebeu "um pouco de impulso" de Wilde, de acordo com Carrie Rickey.[131] Wesley Morris do The Boston Globe chamou Hedlund de "galã inefetivo".[132] Para o comentarista Andrew O'Hehir do Salon.com, mesmo Bridges, uma pessoa que ele considera como o ator que é "um dos mais amados e distinto da America" estava "estranho e complicado", diferente do Tron original.[134]

Os críticos ficaram divididos em relação ao desenvolvimento de personagem e o enredo de Tron: o Legado. Érico Borgo do site Omelete disse que os visuais e músicas não seriam capazes de salvar a produção, pois "Faltaram aparas no texto, revisões de situações e diálogos" e os "personagens são mal-desenvolvidos, a começar pelo protagonista, Sam.", muito embora elogie Wilde e Sheen.[135] Já Dana Stevens, do Slate, adicionou que: "Tron: o Legado é o tipo de filme de ataque sensorial que tende a me por para dormir, do jeito que os bebês dormem para bloquear estímulo em excesso. Eu confesso que eu posso ter cochilado durante uma ou duas cenas de batalha climática só para ser acordada de sobressalto por um frisbee de neon que estava vindo."[136] Embora tenha proclamado que o enredo de Tron: o Legado e seu antecessor seja irregular, Ian Buckwater do National Public Radio foi leniente a respeito da sequência devido à sua natureza amigável ao jovem.[137] Em contraste às respostas negativas, Michelle Alexander do Eclipse adorou o enredo da produção, uma reação que foi semelhante a de Rossiter Drake da revista 7x7, que escreveu que ele "boiando" por seu enredo "algumas vezes confuso, mas difícil de resistir."[138][139] Larushka Ivan-Zadeh do jornal Metro reclamou do enredo subdesenvolvida, dizendo "Em 2010, problemas em torno da natureza imersiva de jogar e o poder consumista da tecnologia moderna são mais pertinentes que nunca, então é frustrante que o roteiro nada faça com eles." Contudo, ele disse que "é o melhor filme 3D desde Avatar e uma trilha sonora super excitante do Daft Punk, no entanto, faz sê-lo incrível de assistir."[140]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Tron: o Legado ganhou um prêmio por "Melhor Trilha Original" do Austin Film Critics Association.[141] O filme também foi nomeado para "Excelência em Design de Produção para um Filme de Fantasia" pelo Art Directors Guild e por "Melhor Edição de Som" pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas.[142][143] Ele foi para a lista final do Oscar de melhores efeitos visuais, embora não tenha sido nomeado.[144][145]

Prêmio Data Indicado(s) Categoria Resultado
83º edição do Oscar[143] 27 de fevereiro de 2011 Gwendolyn Yates Whittle e Addison Teague Melhor edição de som Nomeado
Art Directors Guild[142] 5 de fevereiro de 2011 Darren Gilford Excelência em Design de Produção para um Filme de Fantasia Nomeado
Austin Film Critics Association[141] 22 de dezembro de 2010 Daft Punk Melhor Trilha Original Vencedor
Costume Designers Guild[146] 22 de fevereiro 2011 Michael Wilkinson e Christine Bieselin Clark Excelência em Filme de Fantasia Nomeado
Las Vegas Film Critics Society[147] 16 de dezembro de 2010 Daft Punk Melhor Trilha Original Nomeado
Melhores Efeitos Visuais Nomeado
MTV Movie Awards[148] 5 de junho de 2011 Olivia Wilde Melhor Estrela de Sucesso Nomeado
37º Saturn Awards[149] 23 de junho de 2011 Melhor filme de ficção científica Nomeado
Jeff Bridges Melhor Ator Vencedor
Garrett Hedlund Melhor ator coadjuvante Nomeado
Daft Punk Melhor música Nomeado
Michael Wilkinson Melhor fantasia Nomeado
Darren Gilford Melhor design de produção Vencedor
Eric Barba, Steve Preeg, Karl Denham, Nikos Kalaitzidis Melhores efeitos visuais Nomeado
Teen Choice Awards[150] 5 de junho de 2011 Olivia Wilde Mulher de sucesso Nomeado
Visual Effects Society Awards[151] 19 de fevereiro de 2011 Eric Barba, Lisa Beroud, Steve Gaub, Steve Preeg Efeitos visuais extraordinários em um filme com recurso de efeitos visuais Nomeado
Jonathan Litt, Juan S. Gomez, Kevin Sears, Sonja Burchard pela Guerra de Discos Ambiente excepcionalmente criado em um longa-metragem Nomeado
Paul Lambert, Sonja Burchard, Kym Olsen, Sarahjane Javelo Chase Excelente composição em um filme com recursos visuais Nomeado

Sequência interrompida e outras mídias[editar | editar código-fonte]

Sequência[editar | editar código-fonte]

Steven Lisberger declarou em 28 de outubro de 2010, antes do lançamento do filme, que uma sequência estava em planejamento e que Adam Horowitz e Edward Kitsis, roteiristas do longa, estava nos estágios iniciais da produção de um roteiro para uma sequência.[152][153] Perry Nemiroff do Cinema Blend especulou que Tron 3 poderia ser, na verdade, o primeiro de uma nova trilogia.[154] Em 13 de janeiro de 2011, o site Ain't It Cool News noticiou que o filme estava perto de ter sua sequência anunciada, como parte do plano da Disney para o futuro de Tron.[155] No dia 21 de janeiro, Tron-Sector noticiou um rumor sem fontes que uma sequêncio de o Legado havia recebido sinal verde e um teaser seria revelado nos discos DVD e Blu-ray que viriam a ser lançados.[156] Harry Knowles falou sobre o teaser, chamando-o de "extra de DVD" e dizendo que ele havia sido filmado antes do Dia de Ação de Graças, ou seja, antes de novembro de 2010.[157] Em abri de 2011, o diretor Joseph Kosinski falou sobre a sequência: "Nós estamos trabalhando na história agora. Uma vez que nós tenhamos um roteiro, nós estamos contentes com isso, nós iremos levá-lo para as forças que veem se podemos voltar para a Grade. Eu acho que nós continuaremos na parte em que Tron: o Legado terminou, com Sam e Quorra no mundo real e o que aquilo significa e as possibilidades que abre para o próximo capítulo. É esse relacionamento entre os dois que é o próximo passo."[158] Em 31 de março, Kosinski declarou que o roteiro do filme estaria pronto em duas semanas e seu título preliminar era TR3N.[159]

Em 7 de junho de 2011, foi noticiado que o roteirista David DiGilio havia sido contratado para esboçar um roteiro para a sequência de Tron: o Legado. Esperava-se que os roteiristas Adam Horowitz e Edward Kitsis retornassem, mas foram obrigados a desistir devido ao trabalho que estavam desenvolvendo na série Once Upon a Time da ABC. Já não havia certeza se Kosinski dirigiria a sequência.[160] No dia 8 de março de 2012, Bruce Boxleitner sugeriu que o próximo filme poderia começar a ser filmado em 2014, depois que Kosinski terminasse seu trabalho no filme Oblivion.[161] Dia 4 de junho do mesmo ano, Horowitz e Kitsis confirmaram que estavam desenvolvendo uma sequência e que a personagem Quora retornaria para o filme, bem como em uma participação em Tron: Uprising.[162] Em 5 de dezembro, Jesse Wigutow foi contratado para reescrever o roteiro do filme.[163] Logo depois, foi confirmado que Bruce Boxleitner e Garret Hedlund voltariam para o terceiro filme.[164]

Em março de 2015, foi-se revelado que a Disney havia dado sinal verde para o terceiro filme, com Hedlund reprisando seu papel como Sam e Kosinski retornando para dirigir a sequência e, em abril, Olivia Wilde também foi confirmada no filme. A filmagem era esperada ter início em Vancouver a partir de outubro daquele ano.[165] Contudo, em maio, o The Hollywood Reporter afirmou que a Walt Disney Studios escolheu não fazer um terceiro filme, notícia confirmada por Wilde o mês seguinte.[166][167] No fim de julho, Boxleitner declarou que frequentemente ouvia a respeito da pré produção de Tron 3 enquanto gravava a série de Cedar Cove em Vancouver, estando desapontado ao ouvir sobre o cancelamento. Ele disse que a Disney decidiu "jogar segura" e explorar outras de suas propriedades, falando que isso destruiu seu interesse em continuar com a franquia, já que "tem sido muito sobe e desce para mim. Eu preferiria só não continuar. Eu não quero repetir minha carreira mais."[168] Em setembro, Hedlund declarou que lhe contaram que o terceiro longa não estava "completamente morto", mas em tom de brincadeira sugeriu que ele poderia ser lançado daqui a 30 anos, fazendo referência ao intervalo de quase 30 anos entre o Tron original e sua sequência.[169]

No dia 28 de fevereiro de 2017, durante uma sessão de perguntas e respostas com Joseph Kosinski, ele revelou que Tron 3 não estava descartado, dizendo estar em um "freezer criogênico".[170] Poucos dias depois, revelou-se que a Disney estaria supostamente procurando recomeçar a franquia, com Jared Leto protagonizando um novo filme onde seria Ares, personagem originada do roteiro de TR3N.[171]

Jogos eletrônicos[editar | editar código-fonte]

Na mesma Comic-Con onde foi confirmada a data de lançamento do filme, também foi confirmado que um jogo eletrônico estaria sendo produzido pela Disney Interactive.[172][173] O jogo chamado Tron: Evolution foi lançado inicialmente em 25 de novembro de 2010 na Austrália e no dia seguinte na Europa e só passou a ser distribuído nos Estados Unidos junto do lançamento do filme, em 7 de dezembro.[174]

A Disney contratou a n-Space para desenvolver uma série de jogos online baseada em Tron: o Legado para o Wii. Em novembro de 2010 era lançado Tron Evolution: Battle Grids, jogo com modo multiplayer para Wii, no qual o jogador pode jogar diversos jogos da Grade ou ainda um modo história.[175] No jogo de RPG de ação Kingdom Hearts 3D: Dream Drop Distance e em sua posterior remasterização, Kingdom Hearts HD 2.8 Final Chapter Prologue, uma parte da história se passa na Grade, com alguns personagens do filme fazendo rápidas aparições.[176] Há por fim o jogo Tron RUN/r, do estilo corrida interminável, em que o usuário controla uma moto de luz por um cenário linear e coleta itens que fornecem pontos, tentando alcançar a maior pontuação.[177]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Tron: Uprising

Tron: Uprising, uma série de animação derivada, estreou dia 7 de junho de 2012 no canal Disney XD dos Estados Unidos.[178] Os roteiristas Adam Horowitz e Eddie Kitsis revelaram que a série conta a história do que aconteceu na Grade entre o filme original e a sequência.[179] O ator Bruce Boxleitner faz a voz de Tron e Olivia Wilde a de Quora. Também estão presentes os dubladores (do original em inglês) Elijah Wood, Lance Henriksen, Mandy Moore, Emmanuelle Chriqui, Paul Reubens e Nate Corddry.[178][180]

Manga[editar | editar código-fonte]

Uma versão em mangá de Tron: o Legado foi lançada no Japão pela Earth Star Entertainment em 30 de junho de 2011.[181]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «Tron Legacy»  Box Office Mojo
  2. a b c Fleming, Michael (12 de janeiro de 2005). «Mouse uploads 'Tron' redo». Variety. Reed Business Information. Consultado em 22 de abril de 2012 
  3. a b c d e f Radish, Christina (26 de setembro de 2010). «Director Joseph Kosinski Exclusive Interview TRON: LEGACY; Reveals the Extent of the Re-shoots». Collider. Consultado em 22 de abril de 2012 
  4. Marcelo Forani (23 de julho de 2009). «Tron - Coletiva de Imprensa - Comic-con 2009 [Atualizado]». Omelete. Consultado em 14 de janeiro de 2019 
  5. a b c Sciretta, Peter (23 de julho de 2009). «Comic-Con: Tron 2 Retitled TRON Legacy; IMAX 3D; Concept Art and New Scene Revealed». SlashFilm. Consultado em 7 de janeiro de 2013 
  6. a b c d e Mottle, Jeff. «Interview with Joe Kosinski (Director of TRON Legacy)». CGarchitect. Consultado em 14 de junho de 2012 
  7. «Tecnologia de filme "Tron" diminui a idade do ator Jeff Bridges». Folha.com. 7 de dezembro de 2010. Consultado em 7 de dezembro de 2010 
  8. a b Woerner, Meredith (21 de julho de 2009). «First Tron 2 Viral: Flynn Lives – Tron 2». io9. Gawker Media. Consultado em 6 de abril de 2012 
  9. a b «TRON: Legacy Exclusive 23 minute Screening». Consultado em 28 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 15 de outubro de 2010 
  10. Ellwood, Gregory. «'Tron Legacy' director talks Daft Punk and explicitly not making another 'Matrix'». Uproxx 
  11. Kit, Borys (7 de janeiro de 2009). «Little known actor lands lead in 'Tron' sequel». Reuters/Hollywood Reporter. Reuters. Consultado em 24 de dezembro de 2010 
  12. Installing the Cast. Tron: Legacy Blu-Ray: Walt Disney Home Video. 2011 
  13. «Tron, Captured « American Go E-Journal». Usgo.org. 23 de dezembro de 2010. Consultado em 29 de abril de 2011 
  14. a b c d e f g Lamar, Cyriaque (14 de dezembro de 2010). «Jeff Bridges and Olivia Wilde say Tron Legacy is all about religion». Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  15. Gilchrist, Todd (17 de dezembro de 2010). «Olivia Wilde on Inspiration and Empowerment in 'Tron: Legacy'». Wall Street Journal. In other interviews you talked about Joan of Arc being the inspiration for Quorra. 
  16. a b c Thompson, Bob (15 de dezembro de 2010). «TRON actress juggles TV, movie roles». Ottawa Citizen. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2013. There was Joan of Arc, because we wanted her to have an androgynous feel. But also Karen O of [the pop group] Yeah Yeah Yeahs, who, at the time, had this really funky, asymmetric bob. 
  17. a b Sciretta, Peter (10 de dezembro de 2010). «Interview: Olivia Wilde Talks 'Tron: Legacy'». /Film. Arquivado do original em 14 de dezembro de 2010 
  18. «Encom International». Encom International. Consultado em 26 de dezembro de 2010. Arquivado do original em 10 de julho de 2011 
  19. «15 Easter eggs to watch out for in Tron Legacy». io9. Gawker Media. 20 de dezembro de 2010. Consultado em 26 de dezembro de 2010 
  20. Suleiman Pottruck, Daniela (22 de dezembro de 2010). «Flippin' ANIS CHEURFA – and the high-flying art that landed him on the 'grid» (em inglês). Brave New Hollywood. Consultado em 14 de Janeiro de 2019 
  21. «Michael Sheen confirmed for Tron Legacy» (em inglês). Coming Soon. 29 de julho de 2009. Consultado em 5 de dezembro de 2009 
  22. Iley, Chrissey (6 de dezembro de 2010). «Michael Sheen interview for Tron: Legacy». The Daily Telegraph. London: Telegraph Media Group. there’s Ziggy [Stardust] in there, there’s a bit of Joel Grey from Cabaret and a bit of Frank-N-Furter from the Rocky Horror Show. I like the idea of being a popular-culture jukebox of all of these things. 
  23. Iley, Chrissey (6 de dezembro de 2010). «Michael Sheen interview for Tron: Legacy». Daily Telegraph. The Telegraph. Consultado em 4 de maio de 2012 
  24. Radish, Christina (27 de dezembro de 2010). «James Frain Exclusive Interview TRON: LEGACY». Collider. Consultado em 7 de janeiro de 2013 
  25. «Images From The New 'Tron Legacy' Trailer; MTV Movie News». MTV. Viacom. 9 de março de 2010. Consultado em 9 de março de 2010. Arquivado do original em 14 de março de 2010 
  26. Cutler, Rodney (16 de novembro de 2010). «Beau Garrett Hot - Video and Pics of Tron's Beau Garrett». Esquire. Consultado em 29 de abril de 2011. Arquivado do original em 13 de maio de 2011 
  27. Mosthof, Mariella (18 de dezembro de 2010). «ANTM Alum Yaya DaCosta Lands Role in Tron: Legacy» (em inglês). Wet Paint. Consultado em 14 de Janeiro de 2019 
  28. Jagernauth, Kevin (7 de dezembro de 2010). «Which Actor Makes A Surprise Cameo In 'Tron: Legacy' (And Is Maybe Set Up As A Future Villain)?». The Playlist. Indiewire. Consultado em 14 de janeiro de 2019 
  29. Eric "Quint" Vespe (16 de março de 2010). «Quint visits the set of TRON: LEGACY!». This club featured cameos by Daft Punk (as DJs, naturally) and original director Steven Lisberger. 
  30. a b c Jensen, Jeff (3 de dezembro de 2010). «'TRON: Legacy' and 'Lost' writers discuss rebooting the sci-fi landmark and their new TV projects». Entertainment Weekly. Consultado em 3 de janeiro de 2013 
  31. a b c d Boucher, Geoff (12 de dezembro de 2012). «'Tron: Legacy' is a heritage moment for Steven Lisberger». Los Angeles Times. Tribune Company. Consultado em 22 de abril de 2012 
  32. Ebert, Roger (1 de janeiro de 1982). «Tron». Chicago Sun-Times. Consultado em 9 de julho de 2008. Arquivado do original em 7 de abril de 2016 
  33. Tron: o Legado (em inglês) no Rotten Tomatoes
  34. Berry, Richard (24 de julho de 1999). «Pixar Studios to remake Disney's Tron?». ZDNet. Consultado em 22 de abril de 2012. Arquivado do original em 18 de abril de 2001 
  35. Breznican, Anthony (17 de setembro de 2003). «'Tron 2.0' video game is sequel to cult sci-fi movie». The Boston Globe. The New York Times Company. Consultado em 22 de abril de 2012 
  36. a b Cook, Tommy (30 de outubro de 2010). «Screenwriters Edward Kitsis and Adam Horowitz Interview TRON: LEGACY». Collider. Consultado em 23 de abril de 2012 
  37. a b Launching the Legacy. Tron: Legacy Blu-Ray: Walt Disney Home Video. 2011 
  38. a b c d e Weintraub, Stev (4 de dezembro de 2010). «Exclusive Interview with TRON: LEGACY Screenwriters Edward Kitsis and Adam Horowitz». Collider. Consultado em 23 de abril de 2012 
  39. Sperling, Nicole (21 de julho de 2010). «'Tron: Legacy' exclusive: Disney looks to Pixar for help; hires screenwriters Michael Arndt and Brad Bird to beef up script». Entertainment Weekly. Consultado em 3 de janeiro de 2013 
  40. Vary, Adam B. (20 de novembro de 2010). «'TRON: Legacy': Disney's Big Gamble». Entertainment Weekly. Consultado em 3 de janeiro de 2013 
  41. a b Weintraub, Steve (15 de março de 2010). «Steven Lisberger On Set Interview TRON LEGACY – Read or Listen Here». Collider.com. Consultado em 26 de setembro de 2012 
  42. Castro, Adam-Troy. «Jeff Bridges reveals the secret of his two Tron Legacy roles». Sci Fi Wire. Consultado em 14 de janeiro de 2018 
  43. Anders, Charlie Jane (2 de março de 2009). «More Details About Tron 2's Shakespearean Tragedy – With Lightcycles!». [o9. Gawker Media. Consultado em 25 de abril de 2009 
  44. Woerner, Meredith (14 de abril de 2009). «Tron 2's Budget Falls Short Of 300 Million, Dashing Our Dreams Of Building Actual Light Cycle». io9. Gawker Media. Consultado em 25 de abril de 2009 
  45. Newitz, Annalee (19 de fevereiro de 2009). «The Space Car Artist Who Will Make the Tron 2 Lightcycles Throb». io9. Gawker Media. Consultado em 25 de abril de 2009 
  46. «FanExpo Toronto Tron Display». The Movie Blog. 31 de agosto de 2009. Consultado em 7 de Janeiro de 2019 
  47. a b c Topel, Fred (18 de fevereiro de 2010). «Tron's Cindy Morgan talks: Why she's not in Legacy». Syfy Wire. Consultado em 7 de Janeiro de 2019 
  48. a b Billington, Alex (9 de abril de 2009). «Disney's Tron 2 Also Going to Cost $300 Million to Make?!». FirstShowing.com. Consultado em 4 de maio de 2012 
  49. «'Tron 2' 3D in 2010». Ugo (em inglês). Hearst Corporation. 7 de outubro de 2008. Consultado em 25 de abril de 2009. Cópia arquivada em 19 de fevereiro de 2010 
  50. a b «Tron Legacy: An IMAX 3D experience». IMAX Corporation. 5 de novembro de 2010. Consultado em 23 de julho de 2012 
  51. Cohen, David S. (4 de agosto de 2009). «Disney unveils 'Tron' effects studio – Entertainment News, Technology News, Media». Variety. Consultado em 14 de agosto de 2009 
  52. a b Bentley, Jason (29 de novembro de 2010). «Tron: Legacy Soundtrack Preview». KCRW. Consultado em 7 de janeiro de 2013 
  53. a b c d e f g h i j k «MAKING OF TRON: LEGACY (2010) Movie» (em inglês). Artooz. Consultado em 25 de abril de 2012. Cópia arquivada em 10 de maio de 2012 
  54. Nunez, Ryan (6 de janeiro de 2013). «"Tron:Legacy" Sets A New Standard For 3D». Neon Tommy. Consultado em 15 de dezembro de 2010 
  55. a b c Visualizing Tron (Blu-Ray). Tron: Legacy Blu-Ray: Walt Disney Home Video. 2011 
  56. Sciretta, Peter (10 de abril de 2009). «First Costumed Tron 2 Actor Revealed». Show Hype. Consultado em 12 de março de 2010 
  57. a b c d e f Laverty, Chris (9 de novembro de 2010). «Tron Legacy: Light Suit Costume». Clothes on Film. Consultado em 14 de junho de 2012 
  58. «Skywalker Sound and the Final Mix of TRON: Legacy» (em inglês). Sound and Picture. 21 de dezembro de 2010. Consultado em 14 de Janeiro de 2019 
  59. «Tron Legacy». Cineflex. Consultado em 29 de julho de 2011 
  60. Desowitz, Bill (20 de dezembro de 2010). «Creating a New Legacy for Tron». Animation World Network. Consultado em 29 de julho de 2011 
  61. a b Nakashima, Ryan (7 de dezembro de 2010). «Disney's 'Tron' movie reverse-ages Jeff Bridges». MSNBC (em inglês). MSN. Consultado em 22 de abril de 2012. Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2010 
  62. Ditzian, Eric (17 de dezembro de 2010). «'Tron Legacy' And Jeff Bridges: Behind Film's Most Challenging Effect». Viacom. MTV. Consultado em 22 de abril de 2012 
  63. «What Will Tron: Legacy's 3D VFX Look Like in 30 Years?». Consultado em 22 de abril de 2012 
  64. Cornet, Roth. «Behind The Scenes Of 'TRON: Legacy' – The Actors Talk About Making the Film». Screenrant. Consultado em 22 de abril de 2012 
  65. «SDCC: Comic-Con: Disney 3D Hits Hall H!». 23 de junho de 2009. Consultado em 23 de junho de 2009 
  66. Prince, David (4 de março de 2009). «Daft Punk Scores TR2N Soundtrack». Billboard. Consultado em 27 de abril de 2009 
  67. BRASIL, Marcus Vinícius. «Com trilha de 'Tron', Daft Punk mistura orquestra e música eletrônica». G1 
  68. Roberts, Randall (15 de novembro de 2010). «KCRW and Disney to host preview of Daft Punk's 'Tron: Legacy' score on Saturday [Updated]». Los Angeles Times. Consultado em 6 de abril de 2012 
  69. Tharp, Debbie (23 de novembro de 2012). «Daft Punk's Classical Meets Cyberpunk Approach to "Tron: Legacy" (arquivado)». Culture Mob. Consultado em 25 de abril de 2012 
  70. a b c Horowitz, Josh (20 de janeiro de 2010). «'Tron Legacy' Director Joseph Kosinski Raves About 3-D And Daft Punk». Viacom. MTV.com. Consultado em 14 de janeiro de 2019 
  71. a b Tewksbury, Drew (16 de dezembro de 2010). «Daft Punk Pull Back the Curtain on 'Tron: Legacy' Soundtrack». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 30 de abril de 2012 
  72. a b «Daft Punk: 'Why we dropped synths for strings for 'TRON' soundtrack'». NME. IPC Media. 6 de outubro de 2009. Consultado em 6 de outubro de 2009 
  73. «Teaser trailer with "Derezzed" by Daft Punk». 26 de outubro de 2010. Consultado em 26 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2010 
  74. a b Caulfield, Keith. «Boyle's 'Gift' Keeps Giving on Billboard 200, 'Tron' Hits Top 10». Billboard. Consultado em 5 de janeiro de 2011 
  75. «RIAA Gold and Platinum Search for Tron: Legacy». Recording Industry Association of America. 22 de dezembro de 2011 
  76. a b Sluss, Justin (4 de fevereiro de 2011). «The original "TRON" and "TRON Legacy" on Blu-ray in April» (em inglês). High Def Disc News. Consultado em 5 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 18 de julho de 2011 
  77. «Disney TRON: LEGACY Hits The Grid - Tuesday, April 5». Consultado em 5 de outubro de 2014 
  78. «Who Is The Most Amazing?». FlynnLives.com. Consultado em 4 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 22 de maio de 2013 
  79. «Home of Tron». Home of Tron. Consultado em 14 de agosto de 2009 
  80. «Poster and first still for TRON: LEGACY». Quietearth.us. 9 de dezembro de 2009. Consultado em 9 de março de 2010 
  81. Goldberg, Matt (29 de junho de 2010). «TRON: LEGACY Advertising Already Hitting the Streets of San Diego Before 2010 Comic-Con». Collider.com. Consultado em 4 de julho de 2010 
  82. McWilliams, Jeremiah (16 de setembro de 2010). «Coke Zero to market itself around "Tron: Legacy"». Atlanta Business News. ajc.com. Consultado em 26 de janeiro de 2011 
  83. Quinton, Brian (14 de dezembro de 2010). «'Tron: Legacy' Facebook Promo Puts Fans in the Movie». Promo Magazine. Consultado em 26 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2013 
  84. Montano, Jay (28 de novembro de 2010). «Video: Nokia N8 cameo in TRON: Legacy – Win exclusive tickets to Première in London and Hollywood!» (em inglês). Mynokiablog.com. Consultado em 14 de Janeiro de 2019 
  85. «Marvel Unveils TRON Variant Covers Iron Man, Spider-Man, Wolverine and more get the TRON treatment». Marvel Comics. 18 de outubro de 2010. Consultado em 26 de janeiro de 2011 
  86. Barnes, Brooks (28 de novembro de 2010). «Coors Cameo in a Futurist Film». The New York Times. Consultado em 26 de janeiro de 2011 
  87. Smith, Thomas (10 de março de 2010). «Disney Monorail Trains to Feature 'TRON: LEGACY' Art». Disney Parks Blog. Consultado em 1 de setembro de 2010 
  88. Himmelberg, Michele (14 de fevereiro de 2011). «ElecTRONica at Disney California Adventure Park Extended Through Labor Day». Disney Parks Blog. Consultado em 25 de julho de 2011 
  89. «First Look at ElecTRONica». Disney Parks Blog. 1 de setembro de 2010. Consultado em 1 de setembro de 2010 
  90. Trowbridge, Robin (29 de novembro de 2010). «Poreotics Dance Crew Back at ElecTRONica December 1». Disney Parks Blog. Consultado em 10 de Janeiro de 2019 
  91. Hust Rivera, Heather (1 de novembro de 2010). «Video: 'World of Color TRON: Legacy Encore'». Disney Parks Blog. Consultado em 10 de Janeiro de 2019 
  92. «Mariah Carey welcomes home Gaston family in 'Extreme Makeover' moment in Pensacola». 24 de outubro de 2010. Consultado em 14 de janeiro de 2019 
  93. Hart, Hugh (8 de dezembro de 2010). «Tron: Legacy Inspires Sci-Fi Suite in Swedish Ice Hotel». Wired.com. Wired.com. Consultado em 26 de janeiro de 2011 
  94. Flans, Lindsay (19 de novembro de 2010). «Disney's TRON: Legacy Pop-Up Shop At The Royal/T Cafe». Huffington Post. Consultado em 26 de janeiro de 2011 
  95. «Disney Reveals Tron Legacy Electronics and Toys». Coming Soon Dot Net. 22 de junho de 2010. Consultado em 18 de janeiro de 2011 
  96. «Disney Unveils High End TRON-Inspired Couture Collection of Jewelry, Shoes and Accessories for Women». Disney Consumer Products. 13 de outubro de 2010. Consultado em 18 de janeiro de 2011 
  97. «Disney Launches Official TRON Pop-Up Shop At Royal/T In Los Angeles». Disney Consumer Products. 3 de novembro de 2010. Consultado em 18 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  98. Lowe, Scott (13 de dezembro de 2010). «Tron Controllers Review. Are these Xbox 360, PlayStation 3, and Wii controllers ready for The Grid?». IGN. News Corporation. Consultado em 6 de maio de 2012 
  99. Jai Nitz (2010). Tron:Betrayal (em inglês) 1 ed. [S.l.]: Marvel Comics. ISBN 978-1-4231-3463-3 
  100. Schedeen, Jesse (6 de outubro de 2010). «Tron: Betrayal #1 Review - Comics Review». IGN. Consultado em 26 de dezembro de 2010 
  101. Baratti, L. (5 de dezembro de 2010). «Watch TRON: Legacy Premiere Streaming Live From London's Leicester Square» (em inglês). Exec Digital. Consultado em 6 de maio de 2012. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2013 
  102. Nathan, Ian (2010). «Tron: Legacy». Empire magazine, Australia. 117. 54 páginas 
  103. McKechnie, Brian (17 de dezembro de 2010). «Talking With Bruce Boxleitner About 'TRON: Legacy'». City News. Consultado em 26 de janeiro de 2011 
  104. Lussier, Germain (13 de dezembro de 2010). «See 'TRON: Legacy' For Free TONIGHT, Monday December 13». Slashfilm. Consultado em 10 de Janeiro de 2019 
  105. Drier, Melissa (30 de novembro de 2010). «Michalsky to Screen 'Tron' Film After Fashion Show». WWD Fashion. Women's Wear Daily. Consultado em 6 de maio de 2012 
  106. a b Weintraub, Steve. «TRON and TRON: LEGACY DVD/Blu-ray Details». Consultado em 23 de março de 2011 
  107. Calonge, Juan. «TRON: Legacy 3D Blu-ray and TRON Blu-ray Announced». Consultado em 23 de março de 2011 
  108. Stein, Scott (13 de abril de 2011). «Hands-on with Second Screen: Bonus Blu-ray features on your iPad» (em inglês). Cnet. Consultado em 14 de Janeiro de 2019 
  109. Seebacher, Steve (31 de março de 2011). «Tron - 2D / Tron Legacy - 3D (Blu-ray) review». High Def Digest. Consultado em 21 de julho de 2012 
  110. «Escolha a capa do Blu-ray de TRON: O LEGADO». Blog do Jotacê. 4 de março de 2011. Consultado em 10 de Janeiro de 2019 
  111. «Público brasileiro poderá escolher nova capa do Blu-ray de "Tron: O Legado"». ArteView. 3 de Março de 2011. Consultado em 10 de Janeiro de 2019 
  112. a b Fritz, Ben (17 de dezembro de 2010). «Box office projector: 'Tron' to beat 'Yogi Bear' and 'How Do You Know'». Los Angeles Times. Tribune Company. Consultado em 28 de dezembro de 2010 
  113. Gray, Brandon (18 de janeiro de 2011). «'True Grit,' 'Inception' Impress Most in Tepid 2010». Box Office Mojo. Consultado em 8 de abril de 2011 
  114. Germain, David (13 de dezembro de 2010). «Narnia cruises to No.1 at US box office». The Australian. Consultado em 11 de Janeiro de 2019 
  115. a b McClintock, Pamela (19 de dezembro de 2010). «'Tron: Legacy' Wins Soft Box Office; James L. Brooks' 'How Do You Know' Disappoints». The Hollywood Reporter. Prometheus Global Media. Consultado em 15 de junho de 2012 
  116. McClintock, Pamela (17 de dezembro de 2010). «Tron Earns $3.6 Million in Midnight Showing». The Hollywood Reporter. Prometheus Global Media. Consultado em 15 de junho de 2012 
  117. Gray, Brandon (24 de dezembro de 2010). «Seven-Day Summary: 'Tron' Dominates, 'Fockers' Dwindle». Box Office Mojo. Consultado em 24 de dezembro de 2010 
  118. Lussier, Germain (31 de dezembro de 2010). «IMAX Accounts for 25% of Tron: Legacy's $100 Million Box Office» (em inglês). Slash Film. Consultado em 14 de Janeiro de 2019 
  119. Finke, Nikki (27 de dezembro de 2010). «Blizzards Slow Xmas Weekend Box Office: FEW HOLIDAY GIFTS: 'Little Fockers' Soft; 'True Grit' Surprise #2; 'Tron 3D' Only #3; 'Gulliver's Travels 3D' Bombs As Expected». Deadline. Consultado em 11 de Janeiro de 2019 
  120. a b c d Segers, Frank (19 de dezembro de 2010). «'Tron: Legacy' Draws $23 Mil Overseas, Hits No. 1 in Europe, Latin America and Australia». he Hollywood Reporter. Prometheus Global Media. Consultado em 11 de Janeiro de 2019 
  121. Hessel, Marcelo (28 de dezembro de 2010). «Bilheteria Brasil: As Crônicas de Nárnia toma de volta o primeiro lugar». Omelete. Consultado em 11 de Janeiro de 2019 
  122. «"De Pernas pro Ar" lidera bilheteria no Brasil no final de semana». IGN. Último Segundo. 4 de janeiro de 2011. Consultado em 11 de Janeiro de 2019 
  123. «Tron Legacy Movie Reviews». Rotten Tomatoes. Flixster. Consultado em 22 de janeiro de 2018 
  124. «TRON: Legacy reviews». Metacritic. CBS Interactive. Consultado em 18 de dezembro de 2010 
  125. Roger, Ebert (15 de dezembro de 2010). «Tron: Legacy Movie Review & Film Summary (2010)». Chicago Sun-Times. Consultado em 23 de abril de 2017 
  126. Travelers, Peter (16 de dezembro de 2010). «Tron: Legacy». Rolling Stone. Jann Wenner. Consultado em 29 de maio de 2012 
  127. Hoberman, J. (15 de dezembro de 2010). «Tron: Legacy and the Joys of the 3-D CGI Head Trip». Village Voice. Village Voice Media. Consultado em 29 de abril de 2012 
  128. Smith, Kyle (16 de dezembro de 2010). «'Tron: Legacy' is a mind-bending matrix, but script is a blight». New York Post. Consultado em 4 de maio de 2012 
  129. a b Dargis, Manohla (17 de dezembro de 2010). «Tron: Legacy (2010)». The New York Times Company. The New York Times. Consultado em 29 de maio de 2012 
  130. Morgenstern, Joe (17 de dezembro de 2010). «Computer Epic 'TRON' Lacks Heart Drive». Wall Street Journal. Consultado em 25 de abril de 2012 
  131. a b c Carrie, Fisher (16 de dezembro de 2010). «Great graphics of 'TRON: Legacy' lack luster on silver screen». The Philadelphia Inquirer. Consultado em 30 de abril de 2012 
  132. a b Morris, Wesley (16 de dezembro de 2010). «Tron: Legacy». The New York Times Company. The Boston Globe. Consultado em 30 de abril de 2012 
  133. Thompson, Gary (16 de dezembro de 2010). «'Tron': 3-D effects, 1-D everything else». Philadelphia Daily News. Consultado em 30 de abril de 2012 
  134. O'Hehir, Andrew (16 de dezembro de 2010). «'TRON: Legacy:' A $170 million insult». Salon.com. Consultado em 22 de junho de 2012 
  135. Borgo, Érico (8 de dezembro de 2010). «Tron: O Legado - Crítica». Omelete. Consultado em 11 de Janeiro de 2019 
  136. Stevens, Dana (16 de dezembro de 2010). «Tron: Legacy». Slate. The Washington Post Company. Consultado em 29 de abril de 2012 
  137. Buckwater, Ian (17 de dezembro de 2010). «In 'Tron' Reboot, A Dubious Legacy Re-Digitized». NPR. Consultado em 29 de abril de 2012 
  138. Alexandria, Michelle (19 de dezembro de 2010). «Tron: Legacy on iMax 3D Doesn't Disappoint! Michelle's Review». Eclipse. Consultado em 14 de janeiro de 2019 
  139. Drake, Rossiter (18 de dezembro de 2010). «Flynn Lives, Rages Against the Machine in 'TRON: Legacy'». 7x7. Consultado em 26 de dezembro de 2010 
  140. Ivan-Zadeh, Larushka (16 de dezembro de 2010). «Tron: Legacy - The grid game that unfortunately lacks spark». Metro. Consultado em 6 de maio de 2012 
  141. a b «2010 Austin Film Critics Association Awards». Austin Film Critics Association. 22 de dezembro de 2010. Consultado em 6 de maio de 2012 
  142. a b «2010 Art Directors Guild Awards» (em inglês). Art Directors Guild. Consultado em 6 de maio de 2012. Cópia arquivada em 14 de julho de 2011 
  143. a b «2010 Academy Awards». Academia de Artes e Ciências Cinematográficas. 25 de janeiro de 2011. Consultado em 6 de maio de 2012 
  144. Bettinger, Brendan (5 de janeiro de 2011). «Oscar Visual Effects Shortlist Includes INCEPTION, SCOTT PILGRIM, TRON: LEGACY and Four More». Collider. Consultado em 16 de junho de 2012 
  145. «Hereafter boots TRON: Legacy off Oscar shortlist». 27 de janeiro de 2011. Consultado em 16 de junho de 2012 
  146. B., Adam (20 de janeiro de 2011). «'Black Swan,' 'True Grit,' 'TRON: Legacy' land Costume Design Guild award nominations». Entertainment Weekly. Consultado em 25 de janeiro de 2011 
  147. Knegt, Peter. «"Social Network" Express Hits Las Vegas, Dallas Critics». Consultado em 25 de abril de 2012 
  148. «Best Breakout Star». MTV. Consultado em 5 de junho de 2011 
  149. Chitwood, Adam. «Inception Wins Big at the 2011 Saturn Awards». Collider. Consultado em 24 de junho de 2011 
  150. «Teen Choice Awards 2011 Nominees Announced: Harry Potter vs Twilight» (em inglês). Huffpost. 29 de junho de 2011. Consultado em 14 de Janeiro de 2019 
  151. «9th Annual VES Awards» (em inglês). Visual Effects Society. Consultado em 6 de abril de 2012. Cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2012 
  152. Sciretta, Peter (6 de abril de 2010). «Screenwriters Return for Tron Legacy Sequel». Slash Film. Consultado em 29 de dezembro de 2010 
  153. Cornet, Roth (29 de outubro de 2010). «Steven Lisberger Talks 'Tron: 3' & the Global 'Tron' Phenomena». Screen Rant. Screen Rant, LLC. Consultado em 29 de dezembro de 2010 
  154. Nemiroff, Perry (6 de abril de 2010). «Tron: Legacy Sequel Already Planned, A Trilogy Could Be Next». Cinema Blend. Consultado em 29 de dezembro de 2010 
  155. Knowles, Harry (13 de janeiro de 2011). «The Grapevine says, Disney is about to Green Light a TRON LEGACY sequel...». Ain't it Cool News. Consultado em 16 de janeiro de 2011 
  156. «TRON 3 Green Lit: Teaser Trailer on DVD & Blu-Ray». 21 de janeiro de 2011. Consultado em 21 de janeiro de 2011 
  157. Knowles, Harry (22 de janeiro de 2011). «TRON 3 teaser details... its true!». aintitcool.com. Consultado em 23 de janeiro de 2011 
  158. Schaefer, Sandy (10 de abril de 2011). «'TRON 3' Story Details From Joseph Kosinski» (em Ingês). Screen Rant. Consultado em 14 de Janeiro de 2019 
  159. «Director Joseph Kosinski Talks TRON 3; Two Weeks Away from Draft With "Much Broader Appeal," Still Working on Title». Collider. Consultado em 5 de outubro de 2014 
  160. Borys, Kit (7 de junho de 2011). «'Tron: Legacy' Sequel in Motion with New Writer (Exclusive)». The Hollywood Reporter. Consultado em 9 de junho de 2011 
  161. DeSaulnier, Jordan (4 de maio de 2012). «IAR Exclusive: Bruce Boxleitner Gives an Update on 'TRON' Sequel and Animated Series». I Am Rogue. Consultado em 4 de maio de 2012 
  162. Keck, William. «Keck's Exclusives First Look: Tron Reboots Olivia Wilde's Quorra». Yahoo!. TV Guide. Consultado em 19 de junho de 2012 
  163. Borys, Kit. «'Tron' Sequel Back on the Grid at Disney (Exclusive)». The Hollywood Reporter. Consultado em 5 de dezembro de 2012 
  164. Wickman, Kase (13 de dezembro de 2012). «Confirmed: Garrett Hedlund Will Star in 'Tron 3'». MTV Networks. MTV News. Consultado em 14 de janeiro de 2019 
  165. Chan, Kenneth (10 de março de 2015). «Tron 3 to be film in Vancouver this fall». Vancity Buzz. Consultado em 12 de Janeiro de 2019 
  166. Ford, Rebecca (29 de maio de 2015). «Disney Not Moving Forward With 'Tron 3' (Exclusive)». The Hollywood Reporter. Prometheus Global Media. Consultado em 30 de maio de 2015 
  167. Nessif, Bruna (2 de junho de 2015). «Olivia Wilde Confirms Tron 3 Is Not Happening, But Here's the Good News...». E! Online. Consultado em 4 de agosto de 2015 
  168. Topel, Fred (30 de julho de 2015). «Exclusive: Bruce Boxleitner on 'Tron 3′ – "I'm Done With It. I've Moved On"». Slashfilm. Consultado em 4 de agosto de 2015 
  169. Siegel, Lucas (24 de setembro de 2015). «EXCLUSIVE: Tron 3 "Not Totally Dead," Says Garrett Hedlund». Comicbookmovie.com. Consultado em 25 de setembro de 2015 
  170. Celestino, Mike (1 de março de 2017). «Disney's 'Tron 3' in "cryogenic freeze" says 'Tron: Legacy' director at fan screening». InsidetheMagic.net. Consultado em 3 de março de 2017 
  171. Kit, Borys (3 de março de 2017). «'Tron' Reboot: Jared Leto Circling Lead Role at Disney (Exclusive)». The Hollywood Reporter. Consultado em 3 de março de 2017 
  172. Borgo, Érico (15 de setembro de 2009). «Tron Legacy terá game». Omelete. The Enemy. Consultado em 14 de Janeiro de 2019 
  173. Paur, Joey (12 de setembro de 2009). «TRON: LEGACY Will Get a Video Game» (em inglês). Geek Tyrant. Consultado em 14 de Janeiro de 2019 
  174. «TRON: Evolution - Release Data» (em inglês). Gamefaqs. Consultado em 21 de junho de 2012 
  175. «TRON: Evolution - Battle Grids for Wii Reviews». Metacritic. Consultado em 18 de julho de 2016 
  176. «Kingdom Hearts 3D Visits Tron: Legacy World, The Grid - Siliconera» (em inglês). Siliconera. 9 de fevereiro de 2012. Consultado em 26 de novembro de 2017 
  177. Storm, Steven (4 de dezembro de 2015). «Jogo baseado em Tron é anunciado para PC durante o The Game Awards». IGN. Consultado em 12 de Janeiro de 2019 
  178. a b Schneider, Michael (4 de novembro de 2010). «Disney XD orders 'Tron: Legacy' toon». Variety. Consultado em 9 de novembro de 2010 
  179. Gilchrist, Todd. «TRON: Legacy' Screenwriters Discuss Stars, Story of the Upcoming TV Series». Box Office. Consultado em 24 de dezembro de 2010. Cópia arquivada em 24 de fevereiro de 2013 
  180. Risley, Matt. «Tron: Uprising- Horowitz Reveals A-List Line-Up». Sky Movies. News Corporation. Consultado em 16 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 21 de março de 2012 
  181. «コミック版 トロン:レガシー» (em japonês). Earth Star Entertainment. Consultado em 5 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]