True Crime: New York City

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
True Crime: New York City
Desenvolvedora Luxoflux
Publicadora(s) Activision
Compositor(es) Sean Murray
Plataforma(s) PlayStation 2, Xbox, GameCube, Windows, Java ME
Série True Crime
Data(s) de lançamento GameCube, PS2 e Xbox
Windows
Gênero(s) Ação
Modos de jogo Single-player
Número de jogadores [1]
Classificação BBFC (Reino Unido)
Inadequado para menores de 17 anos i ESRB (América do Norte)
Inadequado para menores de 15 anos i OFLCA (Austrália)
Inadequado para menores de 18 anos i PEGI (Europa)
Inadequado para menores de 18 anos i USK (Alemanha)
Mídia DVD, Nintendo optical disc
Idioma Inglês

True Crime: New York City é um jogo eletrônico de aventura urbana desenvolvido pela Luxoflux e publicado pela Activision para Playstation 2, Xbox e GameCube e em novembro de 2005 lançado para Microsoft Windows em 2006. É o segundo jogo da série True Crime, precedido por True Crime: Streets of LA.

No jogo, Marcus é um bandido que quase foi morto por um traficante e teve sua vida salva por um policial. 5 anos depois, Marcus é promovido a policial e defende as ruas de Nova York.

Por conter agressão física, sangue, uso de drogas, palavras fortes e cenas sexuais, recebeu a classificação máxima permitida para jogos eletrônicos por todos os mecanismos de classificação que o avaliaram.

História[editar | editar código-fonte]

Marcus Reed (protagonista) é membro de uma gangue. Herdou de seu pai, agora encarceirado, o império criminoso de Nova York. Reed é traído por um amigo e dado como morto após uma emboscada. Coberto de sangue e feridas, Marcus aparece inesperadamente na casa do traidor para vingar. Após um sangrento tiroteio com membros da gangue, Reed encontra o traidor e o mata. Reed é quase morto no final da matança, porém é salvo por Terry Higgins, o detetive que possui a sua guarda. Isaiah Reed (pai de Marcus) e Higgins, foram amigos por muito tempo.

No momento em que salva Marcus, Higgins diz a Reed que ele deveria se envergonhar do nível em que chegou. Embora Reed ofereça-se voluntariamente para que Higgins o prenda, Higgins recusa. Ele diz que está indo encobrir o envolvimento de Reed no tiroteio, mas esta será a última vez que ele limpará os rastros de Marcus, e que na próxima vez deixará a polícia de Nova York resolver. Reed concorda, e sai para cuidar de seus ferimentos. Higgins suspira e diz, "Feliz Natal".

Cinco anos depois, Marcus Reed é um oficial da NYPD, tendo trabalhado por quatro anos para se tornar um dos melhores policiais de rua da delegacia com Higgins o orientando e tutoriando. Reed agora quer uma insígnia de detetive e uma transferência a OCU (Organized Crime Unit), para isso, faz um teste e passa com êxito. Mas na cabeça de Higgins, Reed ainda não está pronto. Por isso, o leva para as ruas para alguns princípios básicos e posteriormente para a prisão, para visitar o pai de Reed. A visita na prisão é cortada por uma chamada telefônica para Higgins - um contato de um caso que ele está trabalhando o chama para uma reunião em outra parte da cidade. Higgins, então, tem pressa para chegar ao local marcado. Ao chegar no local e antes de sair do carro, Higgins instrui Marcus a entrar armado se ele não sair em seis minutos. Conforme Higgins caminha para o edifício com uma maleta, Reed se abaixa para pegar alguns dos cigarros de Higgins que tinham caído do porta-luvas, e, de repente, uma enorme explosão joga o carro pelos ares.

Ao voltar à delegacia, Reed é informado de que Higgins foi morto na explosão. Reed então tem seu lugar negado na OCU e é informado de que terá que voltar às ruas como policial, enquanto o departamento investiga a morto de Higgins. Reed retoma as suas funções e é contatado por um agente do FBI, Gabriel Whitting, que solicita um encontro em estacionamento no centro. Whitting informa que um membro da OCU é um traidor e, provavelmente, organizou a morte de Higgins. Whitting não sabe quem é o traidor, mas ele sabe que o traidor estava trabalhando com quatro peixes-grandes do crime: Magdalena Cartel, Clube do Presidente, Palermo Mob e Shadow Tong. Whitting quer que Reed investigue sobre esses quatro grupos para rastrear o assassino. Depois de receber uma pasta com informações sobre o Cartel Magdalena, Reed inicia a sua missão de vingança.

Finais[editar | editar código-fonte]

Good Cop Ending: Victor Navarro chega à Estação Grand Central para encontrar Marcus Reed e Gabriel Whitting espera em seu armário. Whitting diz para Navarro que ele tem um mandado e pede para que ele abra o seu armário. Navarro faz isso, revelando uma mala e algumas roupas de golfe. Navarro insulta Reed, porém a bolsa cai, revelando milhões de dólares em dinheiro. Navarro é preso e Whitting diz para Reed obter algum descanso. Descendo na estação de metrô, no entanto, Reed é cumprimentado pela pessoa que ele menos espera: Higgins, vivo e bem. Marcus então percebe a verdade: Higgins era o traidor. Ele sabia que Whitting estava atrás dele, então forjou a sua morte e armou para que Navarro fosse culpado por seus crimes. Quando Reed havia prendido os chefes do crime, ele tinha involuntariamente protegido Higgins da vingança que sofreria das gangues. Higgins tenta fazer com que Reed junte-se a ele e gaste o dinheiro no México, mas Reed está nervoso com Higgins.

Incomodado pela atitude de Reed, Higgins mostra uma pasta cheia de imagens do tumulto de Reed cinco anos atrás, ameaçando divulgar as imagens se Reed revelar os crimes de Higgins. Reed responde "eu vou fazer minha parte de pé, como meu pai" e ordena que Higgins se entregue. Higgins então entra em um vagão e Reed o segue na perseguição. Higgins começa a desprender os vagões e tenta fugir. Irritado, Reed atira descontroladamente no vagão de Higgins, acertando uma das rodas e fazendo o vagão virar. O restante do trem choca-se com o vagão, Reed corre desesperadamente em direção à parte traseira do trem, fugindo da grande explosão. Mais tarde, Reed conversa com Whitting e Dixon quando o cadáver de Higgins é empurrado por uma maca. Depois, Whitting promete dar ao pai de Reed outra chance com a D.A.. O jogo acaba com o pai de Marcus narrando o fim da história, dizendo o quanto ele se orgulhava de ver como o filho permaneceu com sua honra intacta, apesar de ter dois maus exemplos na frente dele (King e Higgins).

Bad Cop Ending: Victor Navarro chega à Estação Grand Central para encontrar Marcus Reed e Gabriel Whitting espera em seu armário. Whitting diz para Navarro que ele tem um mandado e pede para que ele abra o seu armário. Navarro faz isso, revelando uma mala e algumas roupas de golfe. Navarro insulta Reed, porém a bolsa cai, revelando milhões de dólares em dinheiro. Navarro é preso por Whitting no local. Conforme Navarro é levado, Marcus insulta Navarro, dizendo "Não deixe o sabonete cair". Furioso, Navarro agarra uma arma de um dos oficiais e atira em Whitting, matando-o. Marcus persegue Navarro dentro de um trem e após um breve tiroteio, Navarro e Reed tem uma luta corporal. Marcus, ganha a luta ao jogar Navarro para fora do comboio. Enquanto o corpo de Navarro é carregado, Dixon comenta que ela nunca teria ligado Navarro a um policial corrupto. Ela aconselha Reed a obter algum descanso.

Quando Reed se senta no banco, Higgins aparece. Reed revela que ele sabia que Higgins era o traidor desde que ele derrubou o último grande chefão do crime. Higgins pergunta por que Marcus matou Navarro, ao passo que Reed diz que simplesmente odiava Navarro. Higgins cumprimenta Reed, dizendo que eles são similares, e convida Reed a ir ao México com ele. Reed, porém, fica furioso por Higgins ter usado ele. Higgins entrega a Reed um saco cheio de dinheiro, mas Reed atira na cabeça de Higgins por sua traição e diz "Bastardos sem lealdade... não merecem viver". Reed começa a entrar no metrô com o dinheiro, mas para e se senta no banco, olhando para a sua insígnia com vergonha e aguardando a sua punição.

Recursos[editar | editar código-fonte]

Veículos[editar | editar código-fonte]

Você pode comprar novos veículos na delegacia ou nas várias concessionárias espalhadas por toda a cidade. Você pode comprar um antigo carro enferrujado por algumas centenas de doláres, ou um brilhante carro esportivo por milhares de dólares. Estranhamente, o carro que mais aparece no jogo é um Ford Crown Victoria, enquanto outros não aparecem com tanta facilidade.

New York City[editar | editar código-fonte]

Uma das principais diferenças dos jogos anteriores de mundo aberto para esse é o fato de o jogador ter acessibilidade em muitos imóveis do cenário, enquanto nos outros jogos o personagem ficava restrito a acessar somente os locais relacionados à história do jogo. Estes imóveis no True Crime: New York City incluem restaurantes, hotéis, edifícios de apartamentos, farmácias, lojas de roupas, lojas de automóveis, academias de luta, lojas de disco e muito mais. Os crimes aleatórios ocorrem muitas vezes, além das ruas, no interior dos edifícios. O jogador também podem comprar alimentos (o que aumenta a saúde).

Pontes como a Brooklyn Bridge, que levam para fora da ilha estão presentes, porém trancadas. Parques, como Washington Square Park e Central Park são acessíveis, ao passo que a Estátua da Liberdade não é, mas pode ser vista no Battery Park.

Na Times Square há as familiares luzes de neon brilhante e o Naked Cowboy pode ser encontrado tocando seu violão. Há também uma réplica da estande da TKTS. O Grand Central Terminal pode ser utilizado a qualquer momento, porém o metrô não para ali a maior parte do jogo. Na história do jogo, o outro grande ponto de referência que é caracterizado como um cenário é o Museu Americano de História Natural.

Outras edificações marcantes como o Empire State Building, o Waldorf-Astoria Hotel, a Sede da Organização das Nações Unidas, a Catedral St. Patrick, o Rockfeller Center e o Chrysler Building estão presentes, mas não são acessíveis ao jogador e algumas áreas, especialmente ao norte de Manhattan (tais como o campus da Columbia University), não são recriados exatamente como na vida real. O Museu Guggenheim, o edifício municipal Manhattan, o Edifício Met-Life, o Museu Metropolitano de Artes Metropolitan Museum of Art, também o CBGB clube de música famoso no final dos anos 70, onde lançaram bandas como os Ramones, onde neste à uma missão para desbloquear clubes para lutas e o Citigroup Center, caracterizam a precisão do jogo. O espaço do World Trade Center é descrito em 2005 na condição limpo e fechado.

Através do uso da câmera debug, foi descoberto que existem versões incompletas do The Bronx, Roosevelt Island, Queens e Brooklyn. Estas áreas são, na sua maioria inacessíveis, já que as tentativas de retirar o jogador de Manhattan acabam fazendo o jogo falhar. No entanto, algumas seções desses bairros inacabados permitem ao jogador andar normalmente, e até mesmo dirigir um veículo, em alguns casos.

Transporte[editar | editar código-fonte]

Além de viajar a pé ou em veículos, como no primeiro True Crime, o jogador agora tem a capacidade de utilizar o amplo e preciso sistema de metro de Nova York. Embora tanto a Brady Games e o guia do mapa do metrô mostrem as várias linhas de metrô utilizando diferentes cores como na vida real, o jogador não precisa transferir para o jogo as linhas diferentes para chegar às diversas estações espalhadas pela cidade.

As estações são todos apresentadas na mesma base de configuração. A estação Grand Central Terminal é inacessível durante a maior parte do jogo (embora ela possa ser vista pelos portões que bloqueiam as escadas), mas é isso ocorre pela história do jogo. Infelizmente, a alta densidade populacional de Manhattan não está representada no jogo e isto estende-se as estações de metrô e aos trens que estão completamente vazios, exceto no último trem na última missão.

Os jogadores também podem pegar uma carona nos famosos táxis amarelos de NYC e ir a qualquer lugar da ilha.

Bônus do jogo[editar | editar código-fonte]

Em semelhança ao jogo anterior, este apresenta um bônus depois de o jogo ser completamente terminado. Desta vez, você deve escapar Manhattan. A cidade está em um motim contra você (ou seja, Redman)

Você tem 3 minutos para escapar de Lower Manhattan Hell's Kitchen, mas você pode adicionar mais 5 segundos e saúde matando civis. Ainda no bloqueio de seu caminho haverá o famoso Beetlejuice. O motim envolve todos os tipos de arma, desde SMG'S até lança foguetes.

A dificuldade é grande, pois seu único meio de transporte é o carro do inimigo e o Hummer H1 do Redman. Além disso, as armas que você pega durante o percurso e que estão espalhadas por Manhattan não podem ser transportadas no carro. O carro não pode ser consertado e não existe a possibilidade de acertar um tiro de precisão, o que significa que muitas balas serão disperdiçadas para matar um civil.