Tubarão-peregrino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaTubarão-peregrino
Espécime de tubarão-peregrino a recolher alimento por filtração
Espécime de tubarão-peregrino a recolher alimento por filtração
Comparação entre um tubarão-peregrino e um mergulhador
Comparação entre um tubarão-peregrino e um mergulhador
Estado de conservação
Espécie em perigo
Em perigo [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Chondrichthyes
Subclasse: Elasmobranchii
Ordem: Lamniformes
Família: Cetorhinidae
Género: Cetorhinus
Blainville, 1816
Espécie: C. maximus
Nome binomial
Cetorhinus maximus
Gunnerus, 1765
Distribuição geográfica
Distribuição natural de tubarão-peregrino
Distribuição natural de tubarão-peregrino
Sinónimos
  • Cetorhinus blainvillei (Capello, 1869)
  • Cetorhinus maximus infanuncula (Deinse & Adriani, 1953)
  • Cetorhinus normani (Siccardi, 1961)
  • Halsydrus pontoppidiani (Neill, 1809)[2]
  • Polyprosopus macer (Couch, 1862)[3]
  • Scoliophis atlanticus (Anônimo, 1817)[4]
  • Selachus pennantii (Cornish, 1885)
  • Squalis gunneri (Blainville, 1816)[3]
  • Squalis shavianus (Blainville, 1816)[3]
  • Squalus cetaceus (Gronow, 1854)
  • Squalus elephas (Lesueur, 1822)
  • Squalus gunnerianus (Blainville, 1810)[3]
  • Squalus homianus (Blainville, 1810)[3]
  • Squalus isodus (Macrì, 1819)
  • Squalus maximus (Gunnerus, 1765)[3]
  • Squalus pelegrinus (Blainville, 1810)[3]
  • Squalus rashleighanus (Couch, 1838)
  • Squalus rhinoceros (DeKay, 1842)[3]
  • Squalus rostratus (Macri, 1819)[3]
  • Tetraoras angiova (Rafinesque, 1810)[3]
  • Tetroras angiova (Rafinesque, 1810)[3]
  • Tetroras maccoyi (Barrett, 1933)[3]

O tubarão-peregrino ou tubarão-frade[5][6][7] (nome científico: Cetorhinus maximus)[8] é uma espécie de tubarões lamniformes, única representante do género Cetorhinus e da família monotípica dos cetorrinídeos (Cetorhinidae). Com até 12 metros de comprimento, este tubarão planctívoro é o segundo maior peixe conhecido, apenas menor que o tubarão-baleia.[9]

Um alimentador de filtro de movimento lento, de tal ordem que o seu nome comum em inglês (Basking) deriva do hábito de se alimentar à superfície, parecendo estar a aquecer-se nas águas mais quentes. Possui adaptações anatómicas à alimentação por filtragem, como a boca muito alargada e rastros branquiais altamente desenvolvidos. Tem um focinho cónico e as fendas branquiais estendem-se em redor da cabeça. Serve-se dos rastros branquiais, escuros e parecidos com cerdas, para capturar o plâncton à medida que a água filtra pela boca e sobre as brânquias. Conta com numerosos e muito pequenos dentes, os quais amiúde se chegam a embrincar em fileiras de 100. Os dentes têm uma única cúspide cónica, são curvados para trás e são os mesmos em ambos os maxilares, superior e inferior.[4]

Esta espécie tem o menor tamanho de cérebro em relação ao peso de qualquer tubarão, o que reflete o seu estilo de vida relativamente passivo.[10] A espécie tem distribuição cosmopolita, embora migrando sazonalmente em função das disponibilidades de plâncton, sendo encontrado nas águas temperadas de todos os oceanos.[9] Com base em rastreamento por satélite, descobriu-se que os tubarões-peregrinos, ao contrário do que julgava com base em teorias anteriores, não hibernam.[11] O tubarão-peregrino tem sido um peixe comercialmente importante como fonte de alimento, especialmente na caça às barbatanas, mas também para a confecção de rações animais e para a extracção de óleo de fígado. A superexploração desta espécie reduziu as populações até ao ponto de algumas desaparecerem e outras necessitarem de proteção.[12]

Nomes comuns[editar | editar código-fonte]

Dá ainda pelos seguintes nomes comuns: frade,[13][14] peixe-frade[15] (não confundir com a espécie Pomacanthus paru, que no Brasil também dá por este nome), padre[16] e carago[17] (também grafado peixe-carago). Regionalmente, em Cabo Verde, além dos nomes comuns «frade» e «peixe-carago», é ainda conhecido pelos regionalismos albafar[14] (não confundir com a espécie Hexanchus griseus, que é conhecida por este nome no resto da lusofonia[18]) e relengueiro.[14] Regionalmente, no Brasil, também pode ser conhecido como cação-peregrino-argentino.[19]

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

O tubarão-peregrino é o único membro existente da família monotípica dos cetorinídeos (Cetorhinidae), parte da ordem dos lamniformes.[20][21] Johan Ernst Gunnerus descreveu pela primeira vez a espécie como Squalus maximus, a partir de um espécime encontrado na Noruega, nomeando-o.[22] Seguindo sua descrição inicial, mais tentativas de nomeação incluíram: Squalus isodus, em 1819 pelo zoólogo italiano Saverio Macri (1754–1848); Squalus elephas, de Charles Alexandre Lesueur em 1822; Squalus rashleighanus, de Jonathan Couch em 1838; Squalus cetaceus, de Laurens Theodorus Gronovius em 1854; Cetorhinus blainvillei pelo biólogo português Felix Antonio de Brito Capello (1828–1879) em 1869; Selachus pennantii, de Charles John Cornish em 1885; Cetorhinus maximus infanuncula, pelos zoólogos holandeses Antonius Boudewijn Deinse (1885–1965) e Marcus Jan Adriani (1929–1995) em 1953; e Cetorhinus maximus normani, por Siccardi em 1961.[23] Essa enorme quantidade de nomes se deve ao fato de os naturalistas trabalharem então quase exclusivamente com peças naturalizadas e que “é muito difícil manter esses animais em museus; se deformam à medida que secam e perdem um pouco de seu caráter; isso explica por que os números dados por diferentes autores diferem tanto uns dos outros.[22]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Relativamente ao nome científico:[24]

  • O nome genérico, Cetorhinus, vem do grego antigo, resultante da aglutinação dos étimos κῆτος (cetos),[25] que significa «monstro marinho» ou «baleia», e ῥινός (rhinos),[26] que significa «nariz» ou «tromba».
  • Do que toca ao epíteto específico, maximus,[27] este provém do latim e significa «maior».[23]

Relativamente aos nomes comuns:

  • O epíteto popular, peregrino, que é partilhado com o francês (pèlerin), tem origens morfológicas. Segundo Alfred Brehm, "chama-se peregrino pela semelhança que queríamos encontrar entre os colares do manto do peregrino (o pelerine) e as dobras flutuantes formadas pela borda livre das membranas interbranquiais desse tubarão".[28]
  • O epíteto popular, frade, segue essencialmente o mesmo raciocínio que no epiteto «peregrino», em que se associam as dobras flutuantes formadas pela borda livre das membranas interbranquiais desse tubarão aos hábitos monacais dos frades.[29][8]
  • O regionalismo «relengueiro»,[30] usado em certas partes de Cabo Verde, provém da palavra portuguesa «relengo»[31] ou «relego»,[32] que significa «moderação; calma; sossego», tratando-se portanto de uma alusão à forma lenta e pachorrenta com esta espécie se desloca na água, quando se está a alimentar.
  • Quanto ao nome popular em inglês, Basking (refastelante),[33] deriva do hábito de se alimentar à superfície, parecendo aquecer-se nas águas mais quentes.[4]

História evolutiva[editar | editar código-fonte]

Os membros mais antigos conhecidos de cetorinídeos (Cetorhinidae) são membros do extinto gênero Keasius, do Eoceno Médio da Antártida, do Eoceno do Oregão e possivelmente do Eoceno da Rússia. Membros do gênero moderno Cetorhinus aparecem durante o Mioceno, com membros das espécies modernas aparecendo durante o Mioceno Tardio. A associação do Pseudocetorhinus do Triássico Superior da Europa com os cetorinídeos é duvidosa.[34][35]

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

O tubarão-peregrino é um tubarão costeiro-pelágico encontrado em todo o mundo em águas boreais a temperadas. Vive ao redor da plataforma continental e ocasionalmente entra em águas salobras.[36] É encontrado desde a superfície até pelo menos 910 metros (2 990 pés). Prefere temperaturas de 8 a 14,5°C (46,4 a 58,1°F), mas foi confirmado que atravessa as águas muito mais quentes no equador.[37] Muitas vezes é visto próximo à terra, inclusive em baías com aberturas estreitas. O tubarão segue as concentrações de plâncton na coluna de água, por isso é frequentemente visível na superfície.[38] Migra caracteristicamente com as estações do ano.[4]

Em todo o mundo, estão presentes de forma localizada ao largo das costas de 50 países.[39] No Atlântico Norte, são observados de sudeste a sudoeste através do norte, desde o Senegal e vários países da Europa (incluindo o mar Mediterrâneo), passando pela Noruega, Suécia e Rússia, até à Islândia, Canadá (Terra Nova, Nova Escócia, Nova Brunsvique), a costa leste dos Estados Unidos e o golfo do México mais a oeste. No Pacífico Norte, também são observados de sudoeste a sudeste com uma ponta norte, do Japão, China e ilhas Aleutas, ao Alasca, Colúmbia Britânica e costa oeste dos Estados Unidos e México (Baixa Califórnia e norte do golfo da Califórnia).[40][41][42]

Anatomia e aparência[editar | editar código-fonte]

Cladograma parcial dos Lamniformes

 Alopias

 Tubarão-peregrino (''Cetorhinus maximus)

 Lamna nasus

 Anequim (Isurus oxyrinchus)

 Tubarão-branco (Carcharodon carcharias)

Morfologia geral[editar | editar código-fonte]

O tubarão-peregrino atinge regularmente 7–8,5 metros (23–28 pés) de comprimento com alguns indivíduos atingindo 9–11 metros (30–36 pés).[43][44][45] O comprimento médio de um adulto é de cerca de 7,9 metros (26 pés) pesando cerca de 4,65 toneladas (4,58 toneladas longas; 5,13 toneladas curtas). Avistamentos históricos sugerem que tubarões-peregino com cerca de 12 metros (39 pés) de comprimento, incluindo três exemplares estimados em ~ 40 fod (12,5 metros (41 pés)) e um ~ 45 fod (14 metros (46 pés)), foram relatados entre 1884 e 1905, mas essas estimativas visuais carecem de boas evidências.[46][47][48] Um espécime de 12,27 metros (40,3 pés) preso em uma rede de arenque na Baía de Fundy, Canadá, em 1851, foi creditado como o maior registrado.[49] Seu peso foi estimado em 16 toneladas (16 toneladas longas; 18 toneladas curtas).[50][51] Um estudo que analisa o crescimento e a longevidade do tubarão-peregrino sugeriu que indivíduos maiores que ~ 10 metros (33 pés) são improváveis.[52] Esta é a segunda maior espécie de peixe existente, depois do tubarão-baleia.[9]

Perfil da cabeça de tubarão-peregrino mostrando o focinho protuberante

Eles possuem o típico plano corporal lamniforme de tubarão e foram confundidos com tubarões-brancos.[53] Em repouso, caracteriza-se por suas fendas branquiais alongadas, ocupando praticamente toda a altura da cabeça, seu focinho pontudo e sua boca larga. Quando caça, é visto com a boca escancarada, fendas branquiais distendidas lateralmente, filtrando o plâncton, enquanto deixa aparecer na superfície da água a barbatana dorsal e a parte superior da barbatana caudal, que tem a forma de meia-lua. O corpo é fusiforme, terminando gradativamente em um ponto para trás desde a origem da primeira nadadeira dorsal – onde atinge seu maior diâmetro – até o pedúnculo caudal. A cabeça, curta em relação ao tronco, é ligeiramente comprimida lateralmente ao nível da boca. O focinho é muito curto, pontiagudo e cônico, prolongado em probóscide, truncado na frente e terminando em uma ponta com numerosas ampolas de Lorenzini na superfície dorsal. Os olhos, localizados um pouco atrás da origem da boca, são pequenos, sem membrana nictitante ou pregas suboculares.[54][39] As fendas branquiais do tubarão-peregrino são muito grandes, estendendo-se da parte superior da cabeça até o nível da garganta. O primeiro é o mais longo, o quinto o mais curto. Os rastros branquiais cobrem a face interna dos arcos branquiais. Por seu número e sua forma de barbatana, constituem uma peneira eficaz que filtra o plâncton na água engolida. A boca é grande e ocupa quase todo o comprimento da cabeça. Arredondado no adulto, é quase transversal no jovem. A articulação da mandíbula é muito flexível nas sínfises, conferindo-lhe grande extensibilidade lateral. Os dentes são pequenos, medindo três milímetros de comprimento em um tubarão de quatro metros, por apenas seis milímetros em um indivíduo de 10 metros e têm forma de gancho.[55]

Barbatanas[editar | editar código-fonte]

Exemplar com a boca aberta

A origem da primeira barbatana dorsal localiza-se um pouco à frente da metade do comprimento (caudal excluído). Forma um triângulo equilátero. A borda anterior é reta ou levemente convexa; a borda posterior é ligeiramente côncava, às vezes muito ligeiramente convexa. A parte superior é arredondada sem ser pontiaguda. A borda posterior é livre por cerca de um quarto de seu comprimento na base. O meio desta barbatana é aproximadamente equidistante entre a ponta do focinho e o centro deprimido da forquilha caudal. A segunda dorsal é muito menor; sua altura atingindo apenas cerca de um quarto da primeira. Localiza-se aproximadamente na origem do terço posterior do comprimento total. Seus três lados são sensivelmente iguais; o ápice é bem arredondado, a borda posterior côncava. O comprimento da aresta livre é igual ao comprimento da base desta aleta.[39]

A barbatana caudal mede entre 20 e 25% do comprimento total. Em forma de meia-lua, seu lobo superior, muito mais desenvolvido que o inferior, é endireitado como em todos os lamnídeos (Lamnidae). A borda posterior, inclinada a 60° em relação à horizontal, é quase reta com entalhes subterminais bem marcados. O comprimento do lobo inferior da barbatana caudal é igual a 60-65% do lobo superior. A inclinação de sua borda posterior é de aproximadamente 70° em relação à horizontal.[55]

Gravura de Jonathan Couch; a coloração do tubarão-peregrino muda de azul-ardósia, na parte superior, para branco, na parte inferior

A barbatana anal é pequena, colocada ventralmente atrás da segunda dorsal e do mesmo tamanho que esta. A sua origem localiza-se na perpendicular resultante da extremidade posterior desta barbatana. As duas nadadeiras pélvicas, cuja origem está localizada a 2/3 da distância da ponta do focinho à origem da nadadeira caudal, também são triangulares equiláteras. Sua altura é igual a aproximadamente 2/3 da altura da primeira dorsal.[55] Os peitorais são fortes. Originam-se imediatamente atrás da quinta fenda branquial e o comprimento de sua borda anterior, muito levemente convexa, é igual a um sétimo do comprimento total, ou seja, um quinto do comprimento da ponta do focinho na origem do caudal.[39]

Aparência[editar | editar código-fonte]

A parte superior do animal varia de enegrecida a marrom-acinzentada ou cinza-azulada. A cor desbota nos flancos e na barriga, que gradualmente se tornam brancas. A parte inferior é muitas vezes salpicada de manchas pálidas atrás da cabeça e ao nível do abdome. Os flancos podem ser cobertos por faixas e manchas claras.[55] Casos de albinismo foram relatados. A pele é espessa, coberta por pequenos dentículos dérmicos córneos, dispostos em faixas ou placas com espaços nus entre eles. Esses dentículos são eretos com ápice curvo, crista mediana na face anterior e base alargada e plissada.[39]

Ecologia e comportamento[editar | editar código-fonte]

Gravura mostrando um espécime de tubarão-peregrino (macho)
C. maximus a alimentar-se próximo da superfície na ilha Dursey, Irlanda

Os tubarões-peregrinos são tubarões lentos (alimentando-se a cerca de 2 nós (3,7 quilômetros por hora; 2,3 milhas por hora))[56] Embora seja grande e lento, pode abrir brechas na água, pulando totalmente para fora.[57] Esse comportamento pode ser uma tentativa de desalojar parasitas ou comensais.[4] Não hibernam e são ativos o ano todo.[11][58][59] No inverno, geralmente se movem para profundidades mais profundas, até 900 metros (três mil pés), e foram rastreados fazendo movimentos verticais consistentes com a alimentação de zooplâncton durante o inverno.[60]

Alimentação[editar | editar código-fonte]

A alimentação do tubarão-peregrino é é passiva, com o animal ingerindo grandes quantidades de água ao se movimentar com a boca aberta. É um animal filtrador quase exclusivamente planctívoro (alimenta-se de zooplâncton), como mostra o exame do conteúdo estomacal de animais ativos na superfície do mar.[61] Casualmente também se alimenta de invertebrados (como camarão) da zona afótica e peixes muito pequenos (como Mallotus villosus, cavalinha, Sardina pilchardus e arenque-comum).[55] Na primavera e no verão, fica onde estão os leitos de plâncton em águas de 11 a 14°C.[61] Calculou-se que um espécime de 5 metros de comprimento (16 pés) pode filtrar até 500 toneladas curtas (450 toneladas) de água por hora nadando a uma velocidade observada de 0,85 metros por segundo (3,1 km/h; 1,9 mph).[62] A água ingerida sai pelas fendas branquiais e o alimento fica preso nos longos e finos rastros branquiais dispostos em cada arco branquial. Eles são então engolidos, enquanto a água filtrada e expelida sai pelas fendas branquiais regenerando o oxigênio do sangue.[55]

Os tubarões-peregrinos não se alimentam indiscriminadamente de zooplâncton. Amostras coletadas na presença de indivíduos que se alimentam registraram densidades de zooplâncton 75% mais altas em comparação com áreas adjacentes sem alimentação.[63] Os tubarões-peregrinos alimentam-se preferencialmente em manchas de zooplâncton dominadas por pequenos crustáceos planctônicos copépodes chamados calanoides (em média 1 700 indivíduos por metro cúbico de água). Os tubarões-peregrinos às vezes se reúnem em grupos de até 1 400 vistos ao longo do nordeste dos Estados Unidos.[64] Amostras coletadas perto de tubarões que se alimentam continham 2,5 vezes mais indivíduos de Calanus helgolandicus por metro cúbico, que também foram 50% mais longos. Ao contrário do tubarão-boca-grande e do tubarão-baleia, o tubarão-peregrino depende apenas da água que empurra através de suas guelras nadando; o tubarão-boca-grande e o tubarão-baleia podem sugar ou bombear água através de suas guelras.[23]

Migração[editar | editar código-fonte]

A marcação por satélite do sistema Argos de 20 tubarões-peregrinos em 2003 confirmou que se movem milhares de quilômetros durante o verão e o inverno, buscando as manchas de zooplâncton mais ricas, muitas vezes ao longo das frentes oceânicas.[11][61] Perdem e renovam seus rastros branquiais em um processo contínuo, em vez de em um curto período.[62] Um estudo de 2009 marcou 25 tubarões na costa do cabo Cod, Massachussetes, e indicou que pelo menos alguns migram ao sul no inverno. Permanecendo em profundidades entre 200 e mil metros (660 e 3 280 pés) por muitas semanas, os tubarões marcados cruzaram o equador para chegar ao Brasil. Um indivíduo passou um mês perto da foz do rio Amazonas. Eles podem empreender essa jornada para ajudar na reprodução.[37][65][66]

Em 23 de junho de 2015, um tubarão-peregrino de 6,1 metros de comprimento (20 pés), 3 500 (7 716 libras) foi capturado acidentalmente por um arrastão de pesca no estreito de Bass perto de Portland, Vitória, no sudeste da Austrália. Foi o primeiro exemplar capturado na região desde a década de 1930, e apenas o terceiro relatado na região em 160 anos.[67][68] O tubarão inteiro foi doado ao Museu de Vitória para pesquisa, em vez de as barbatanas serem vendidas para uso na sopa de barbatana.[69][70] No mar Mediterrâneo, suspeita-se que os tubarões-peregrinos frequentem sazonalmente as águas da bacia Lígure-Provençal, em frente ao Golfo do Leão. Esta área é a única biorregião de floração de plâncton não costeira no Mediterrâneo,[71] e torna-se a área mais produtora de plâncton deste mar durante a primavera. O destaque dos movimentos desse setor em relação à alimentação foi feito a partir de um estudo estatístico das observações.[72]

Comportamento social[editar | editar código-fonte]

Os tubarões-peregrinos são geralmente solitários, mas durante os meses de verão, em particular, se agregam em áreas densas de zooplâncton, onde se envolvem em comportamento social. Podem formar cardumes segregados por sexo, geralmente em pequenos números (três ou quatro), mas supostamente até 100 indivíduos.[4][73] Pequenos grupos na baía de Fundy e nas Hébridas foram vistas nadando em círculos; seu comportamento social nos meses de verão foi estudado e acredita-se que represente namoro.[74]

Relações interespecíficas[editar | editar código-fonte]

A lampreia-marinha (Petromyzon marinus)

Os tubarões-peregrinos adultos não têm predadores conhecidos, mas os jovens são provavelmente vulneráveis ​​a grandes predadores marinhos, como a orca (Orcinus orca) ou o tubarão-branco (Carcharodon carcharias).[39] Num caso excepcional, um exemplar de 2,5 metros foi descoberto no estômago de um cachalote (Physeter macrocephalus) dos Açores.[75] Além dos copépodes ectoparasitas usuais de tubarões, os tubarões-peregrinos no Atlântico Norte costumam ter lampreias-marinhas (Petromyzon marinus) presas à pele. Embora as lampreias sejam aparentemente incapazes de perfurar a pele coberta de dentículos do tubarão, são "irritantes" o suficiente para induzir o comportamento de limpeza esfregando em uma superfície ou mesmo pulando para desalojá-las. De fato, observações e fotografias recentes indicam que os tubarões-peregrinos podem saltar total ou parcialmente para fora da água para destacar parasitas ou comensais, como lampreias ou rêmoras. Esses comportamentos são observados em tubarões sozinhos ou em grupos, o que parece evocar uma forma de comunicação intraespecífica,[39] pois a energia despendida parece enorme para um resultado pouco convincente.[76]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

Exemplar juvenil encontrado encalhado na praia em Lossiemouth, Escócia

Os tubarões-peregrinos são ovovivíparos: os embriões em desenvolvimento dependem primeiro de um saco vitelino, sem conexão placentária. Seus dentes aparentemente inúteis podem desempenhar um papel antes do nascimento, ajudando-os a se alimentar dos óvulos não fertilizados da mãe (um comportamento conhecido como oofagia).[77] É pensado que o período de gestação dura mais de um ano (talvez dois a três anos), com um número pequeno, embora desconhecido, de jovens nascidos totalmente desenvolvidos em 1,5-2 metros (4 pés 11 polegadas - 6 pés 7 polegadas). Uma fêmea capturada carregava 6 embriões.[78] Junto do tubarão-cobra (Chlamydoselachus anguineus), tem a gestação mais longa entre os animais, e o período entre as ninhadas é de dois a quatro anos.[79] Os filhotes devem nascer no inverno, pois raramente há vestígios deles em abril-maio.[39] Análises do cortejo sexual e cicatrizes apontam que o acasalamento deve ocorrer na primavera: nesta época do ano, os tubarões-peregrinos podem ser observados nadando em pares ou trios, um atrás do outro, geralmente com uma fêmea na frente e os machos atrás. Notou-se que os focinhos dos machos perseguidores e seus clásperes estavam esfregados com sangue, enquanto a fêmea não apresentava sangue no focinho, mas apresentava uma abrasão da região cloacal.[55]

O avistamento dos juvenis é difícil. É provável que permaneçam em águas profundas até que o animal atinja um tamanho de 2-3 metros. Os juvenis são reconhecíveis pela cabeça que é notavelmente diferente da do adulto: esticada, formando um focinho carnudo, grosso e pontudo, cuja extremidade às vezes é curvada em forma de gancho. Atingem a maturidade por volta dos 12 a 16 anos no caso dos machos; sua puberdade se manifesta externamente pelo desaparecimento gradual do tubo e pelo desenvolvimento dos clásperes já presentes em indivíduos de 3,50 a 4 metros e que chegam a 60 centímetros a 1 metro de comprimento em adultos. No caso das fêmeas, a maturidade é atingida por volta dos 16 aos 20 anos.[80] As fêmeas maduras são maiores que os machos no mesmo estágio, como é o caso de muitas outras espécies de tubarões. A vida útil do tubarão-peregrino é provavelmente em torno de 50 anos.[81][82]

Conservação[editar | editar código-fonte]

Exemplar capturado no Pacífico em 1915

A maior ameaça atual para este tubarão é a pesca intensiva dos países asiáticos. No entanto, fora da Ásia, as atividades pesqueiras (quando um tubarão-peregrino fica preso em uma rede de arrasto, morre ou é morto pelo pescador) e colisões com barcos são os fatores que mais ameaçam as populações.[83] De fato, devido ao seu crescimento lento, seu longo período de gestação e sua maturidade sexual tardia, é incapaz de absorver as perdas causadas durante o século XX e possui uma baixa diversidade genética.[84] Em tempos considerados uma praga ao longo da costa canadiana do Pacífico, os tubarões-peregrinos foram alvo de um programa de erradicação promovido pelo governo entre 1945 e 1970. A partir de 2008, estão em curso esforços para determinar se os tubarões ainda vivem na área e monitorizar sua potencial recuperação.[85]

Na Nova Zelândia, eram historicamente abundantes; no entanto, após as capturas acessórias em massa registradas nas décadas de 1990 e 2000,[86] as confirmações da espécie tornaram-se muito escassas.[36] Os planos de manejo foram declarados para promover a conservação efetiva.[87][88] Em junho de 2018, o Departamento de Conservação classificou o tubarão-frade como "Ameaçado - Nacionalmente Vulnerável" sob o Sistema de Classificação de Ameaças da Nova Zelândia.[89] A população do leste do Oceano Pacífico norte é uma das espécies de preocupação do Serviço Nacional de Pesca Marinha dos Estados Unidos, ou seja, é uma das espécies sobre as quais a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica do governo tem algumas preocupações em relação à sua situação e às ameaças, mas para as quais informações insuficientes estão disponíveis para indicar uma necessidade para listar as espécies sob a Lei de Espécies Ameaçadas dos EUA (ESA).[90] No Brasil, foi classificada em 2005 como vulnerável na Lista de Espécies da Fauna Ameaçadas do Espírito Santo;[91] em 2010 como vulnerável no Livro Vermelho da Fauna Ameaçada no Estado do Paraná;[92] em 2014 como criticamente em perigo na Portaria MMA N.º 444 de 17 de dezembro de 2014;[93] e em 2018, como criticamente em perigo no Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).[94][6] Na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN / IUCN) é classificada como em perigo.[1]

Relações com o ser humano[editar | editar código-fonte]

Devido à sua dieta planctívora, os tubarões-peregrinos são inofensivos para os seres humanos. Seu comportamento não é agressivo e não atacam mergulhadores ou barcos. No entanto, devido ao seu tamanho, têm uma força tremenda e podem ferir um mergulhador em movimento de fuga ou defesa. Além disso, sua pele coberta de dentículos é abrasiva como uma lixa.[39]

A era da caça ao tubarão-peregrinos[editar | editar código-fonte]

Há muito que estes tubarões são alvo de pesca regular nas regiões onde surgem perto das costas (costas da Noruega, Escócia, Irlanda, Canadá, Massachussetes e Califórnia nos Estados Unidos). Por um lado, seu fígado (representando 15 a 20% do peso do animal) é rico em óleo; por outro lado, sua carne é comestível, sua pele bronzeada dá um couro grosso e resistente.[4] No entanto, a sua escassez, a abundância nos mercados de óleo de outros peixes a preços baixos e o abastecimento mais fácil nas costas mais remotas, fez com que esta pesca fosse gradualmente abandonada. Na França, foi apenas durante a Segunda Guerra Mundial e algum tempo depois experimentou um renascimento da atividade com a escassez de substâncias gordurosas de origem animal e as dificuldades de abastecimento. Na altura, "foi frito, embora fosse aconselhável queimar as cebolas antes para tirar seu cheiro particular. Essas frituras eram boas e ninguém se incomodou".[55]

Durante a ocupação alemã, a carne do tubarão-peregrino, que como tantos outros tubarões levava o nome genérico de "bezerro do mar", era pouco valorizada como alimento. No entanto, foi fatiada fresca e enviada aos mercados. Levava bem o sal e também era vendida e comida salgada e até levemente defumada. Ao mesmo tempo, “repetidamente, as fábricas de conservas de alimentos tentaram prepará-lo em latas herméticas com uma camada de molho de tomate. Os resultados não foram felizes, o produto não sendo de sabor agradável e sua consistência semelhante à da borracha, tornando-o inconsumível”. Os óleos de fígado têm cor semelhante aos óleos de amendoim. Infelizmente, como todos os óleos de peixe, têm odor que aumenta se deixado no ar. No entanto, "durante estes anos de restrições alimentares, a população de Bela Ilha (costa atlântica da França) utilizou o óleo de fígado peregrino para cozinhar e, em particular, para a preparação de batatas fritas. Nenhum acidente deve ser deplorado e ninguém parece ter ficado indisposto”. Ao mesmo tempo, ao contrário dos óleos de fígado de bacalhau, pescada, tamboril, etc., o de tubarão-peregrino tem apenas um teor de vitamina A muito baixo (de 0 a mil unidades por grama).[55]

Métodos de pesca[editar | editar código-fonte]

Três cenários levaram os pescadores a trazerem os tubarões-peregrinos ao porto:[55]

  • um adulto enredado em redes destinadas à cavalinha ou arenque;
  • um juvenil preso numa rede de arrasto;
  • arpoando.

Ao pescar o próprio tubarão-peregrino, as pequenas embarcações precisavam chegar o mais próximo possível do animal em mar calmo, período em que o tubarão pode ser facilmente abordado. Na época, o arpão era lançado à mão com vários graus de sucesso. A localização do ponto de impacto é crucial. Se o golpe for no ombro, o animal é muito difícil de matar. O mais habilidoso visa o focinho para evitar que mergulhe. O ideal é atingir o corpo, próximo à barbatana dorsal, para lesar os intestinos, ou próximo à cauda, ​​para ferir as vértebras dorsais. Na Irlanda, o animal era imobilizado pelo entalhe do pedúnculo caudal, que se rompe devido aos esforços desesperados do animal para se libertar21. Enfraquecido sob o efeito da hemorragia, o animal é então trazido de volta ao barco após 4 a 5 horas de esforço. Quando está perto do barco, é finalizado com um grande cutelo. Morto, é levado a reboque. Uma vez no porto, o é cortado em pedaços de 40 a 50 quilos, separados pelo fígado. Para além desta pesca arcaica e improdutiva, algumas pescarias desenvolveram métodos industriais de caça ao tubarão-peregrino.[55]

Importância econômica[editar | editar código-fonte]

O estranho e "maravilhoso" peixe descrito no Harper's Weekly, edição de 24 de Outubro de 1868, era provavelmente um tubarão-peregrino

No passado, esse tubarão era caçado em todo o mundo principalmente por sua carne e pelo óleo de seu fígado. Hoje, a pesca praticamente cessou, exceto na China e no Japão. As barbatanas são vendidas como ingrediente à sopa de tubarão. No mercado asiático, as barbatanas frescas podem custar até mil dólares, enquanto as formas secas normalmente são vendidas por 700 dólares por quilo. O fígado é comercializado no Japão como afrodisíaco ou como alimento, e seu óleo é utilizado como excipiente e substância gordurosa para cosméticos.[23] Na Europa, antigas regiões que praticavam sua pesca passaram a valorizá-la como patrimônio natural com o desenvolvimento do ecoturismo. No entanto, devido à sua raridade e fragilidade, não existem "safáris aquáticos" como os que podem ser organizados para observação de baleias. Assim, na ilha de Man no mar da Irlanda, a observação de tubarões é bem supervisionada para não prejudicá-los.[95] Na Cornualha, aproveitando a regularidade das aparições do animal, a partir de junho, são feitos passeios de barco à "natureza".[96]

Como consequência do rápido declínio das suas populações, o tubarão-peregrino foi incluído entre as espécies protegidas em diversas regiões oceânicas e o comércio de produtos derivados da sua captura foi restrito no Apêndice II da Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies Silvestres Ameaçadas de Extinção (CITES). A captura da espécie está interdita nos Açores, Reino Unido, Malta, Nova Zelândia,[97] Flórida e águas norte-americanas do Golfo do México, e, desde 2008, está sujeita a restrições de captura e descarga nas águas da União Europeia.[78] Desde Março de 2010 que está incluída no Anexo I da CMS Migratory Sharks Memorandum of Understanding.[98]

Criptozoologia[editar | editar código-fonte]

Durante a época de reprodução, pode-se observar alguns indivíduos, em fila única, nadando a uma velocidade de 4 a 5 nós, em intervalos de doze ou quinze metros. Como de costume, esses tubarões balançam sua barbatana dorsal levantada frouxamente na superfície da água, o lobo externo da cauda emergindo levemente e ondulando da mesma maneira. Esta visão, somada ao imaginário dos pescadores, deu origem a vários relatos de cobras marinhas. Da mesma forma, à medida que se decompõe, o cadáver do tubarão-peregrino assume uma forma incomum. Essas carcaças foram usadas em várias ocasiões (o monstro de Stronsay, a carcaça de Zuiyo-maru) por criptozoólogos como prova da existência de plessiossauros ainda vivos. Com efeito, sob a ação das ondas ou rasgado pela ondulação nas rochas, o cadáver perde os seus elementos mais frágeis, nomeadamente a mandíbula, os arcos branquiais, a maior parte do esqueleto da cabeça, ficando apenas a coluna vertebral, a caixa craniana, nadadeiras peitorais e ventrais com cinturas torácica e pélvica.[55][99]

Referências

  1. a b c Rigby, C. L., Barreto, R., Carlson, J., Fernando, D., Fordham, S., Francis, M. P., Herman, K., Jabado, R. W., Liu, K. M., Marshall, A., Romanov, E. & Kyne, P. M. (2021) [amended version of 2019 assessment]. «Cetorhinus maximus». Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas. 2019: e.T4292A194720078 
  2. a b Burton, Maurice. Under the Sea. Nova Iorque: F. Watts. p. 147 
  3. a b c d e f g h i j k l m Jordan, David Starr; Evermann, Barton Warren. The Fishes of North and Middle America - A Descriptive Catalogue of the Species of Fish-like Vertebrates Found in the Waters of North America, North of the Isthmus of Panama · Parte 1. Washington: Escritório de impressão do governo dos Estados Unidos. p. 51 
  4. a b c d e f g h Compagno, Leonard J. V. (2001). Sharks of the World: An annotated and illustrated catalogue of shark species known to date. Roma: Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura. p. 91 
  5. a b Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Bird and Mammal - Evolution Systematics and Ecology Lab (ed.). «Cetorhinus maximus (Tubarão-frade)». Fauna Digital - Rio Grande do Sul 
  6. a b «Cetorhinus maximus (Gunnerus, 1765)». Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira (SIBBr). Consultado em 15 de abril de 2022. Cópia arquivada em 10 de julho de 2022 
  7. S.A, Priberam Informática. «TUBARÃO-FRADE». Dicionário Priberam. Consultado em 24 de abril de 2022 
  8. a b Schmidt, Carl Christian (1990). Multilingual dictionary of fish and fish products. Oxônia: OECD - Organisation for Economic Co-operation and Development. 368 páginas. ISBN 0852382162 
  9. a b c «Basking Shark». Oceana - Protecting the World's Oceans. Consultado em 15 de abril de 2022 
  10. Kruska, D. C. (1988). «Brain of the basking shark (Cetorhinus maximus)». Brain Behav. Evol. 32 (6): 353–63. PMID 3228691. doi:10.1159/000116562 
  11. a b c Sims, D. W.; Southall, E. J.; Richardson, A. J.; Reid, P. C.; Metcalfe, J. D. (2003). «Seasonal movements and behaviour of basking sharks from archival tagging: no evidence of winter hibernation» (PDF). Marine Ecology Progress Series. 248: 187–196. Bibcode:2003MEPS..248..187S. doi:10.3354/meps248187Acessível livremente 
  12. Sims, D. W. (2008). «Sieving a living: A review of the biology, ecology and conservation status of the plankton-feeding basking shark Cetorhinus maximus». Advances in Marine Biology. 54: 171–220. ISBN 978-0-12-374351-0. PMID 18929065. doi:10.1016/S0065-2881(08)00003-5 
  13. Monod, Théodore; Hureau, J. C (1979). Check-list of the fishes of the North-eastern Atlantic and of the Mediterranean (Clofnam) with supplement 1978 = Catalogue des poissons de l'Atlantique du nord-est et de la Méditerranée (Clofnam) avec supplément 1978 (em English). Paris: Unesco. 394 páginas. OCLC 6215254 
  14. a b c Reiner, Francisco (1996). «Catálogo dos peixes do Arquipélago de Cabo Verde». Publicações Avulsas do IPIMAR. ISSN 0872-914X. Consultado em 24 de abril de 2022 
  15. S.A, Priberam Informática. «PEIXE-FRADE». Dicionário Priberam. Consultado em 24 de abril de 2022 
  16. «padre - Nomen.at - animals and plants». nomen.at. Consultado em 24 de abril de 2022 
  17. S.A, Priberam Informática. «carago». Dicionário Priberam. Consultado em 24 de abril de 2022 
  18. Infopédia. «albafar | Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Porto Editora. Consultado em 24 de abril de 2022 
  19. «Cação-peregrino-argentino - Nomen.at - animals and plants». nomen.at. Consultado em 24 de abril de 2022 
  20. Shimada, Kenshu (2005). «Phylogeny of lamniform sharks (Chondrichthyes: Elasmobranchii) and the contribution of dental characters to lamniform systematics». Paleontological Research. 9 (1): 55-72 
  21. Martin, A. P.; Naylor, G. J. P. (1997). «Independent origin of filter-feeding in megamouth and basking sharks (order Lamniformes) inferred from phylogenetic analysis of cytochrome b gene sequences». In: Yano, K.; Morrissey, J. F.; Yabumoto, Y.; Nakaya, K. Biology of Megamouth Shark. Tohylo: Imprensa da Universidade de Tocai. pp. 39–50 
  22. a b Gervais, Henri-Paul (1876–1877). Les poissons : synonymie, description, frai, pêche, iconographie des espèces composant plus particulièrement la faune française. 3. Londres: J. Rothschild. pp. 189–193 
  23. a b c d C. Knickle; L. Billingsley; K. DiVittorio. «Biological Profiles basking shark». Florida Museum of Natural History. Consultado em 24 de agosto de 2006. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2006 
  24. Yarrell, William (1836). A History of British Fishes. II. Londres: John Van Voorst. p. 397 
  25. «κῆτος - WordSense Dictionary». www.wordsense.eu (em inglês). Consultado em 24 de abril de 2022 
  26. «ῥινός - WordSense Dictionary». www.wordsense.eu (em inglês). Consultado em 24 de abril de 2022 
  27. «maxĭmus - ONLINE LATIN DICTIONARY - Latin - English». www.online-latin-dictionary.com. Consultado em 24 de abril de 2022 
  28. Brehm, Alfred Edmund (1885). Les poissons et les crustacés. Paris: J.-B. Baillière et fils. p. 146 
  29. Santos, Ricardo S.; Porteiro, Filipe M.; Barreiros, João P. (1997). «Marine Fishes of the Azores : annotated checklist and bibliography : a catalogue of the Azorean marine ichthyodiversity». Arquipélago - Life and Marine Sciences (Supplement 1). ISSN 0873-4704. Consultado em 24 de abril de 2022 
  30. «Relengueiro - Nomen.at - animals and plants». nomen.at. Consultado em 24 de abril de 2022 
  31. S.A, Priberam Informática. «relengo». Dicionário Priberam. Consultado em 24 de abril de 2022 
  32. S.A, Priberam Informática. «relego». Dicionário Priberam. Consultado em 24 de abril de 2022 
  33. Infopédia. «basking | Tradução de basking no Dicionário Infopédia de Inglês - Português». Infopédia - Porto Editora. Consultado em 24 de abril de 2022 
  34. Welton, Bruce J. (agosto de 2013). «Cetorhinus cf. C. maximus (Gunnerus) (Lamniformes: Cetorhinidae), A Basking Shark from the Late Miocene Empire Formation, Coos Bay, Oregon». Bulletin, Southern California Academy of Sciences (em inglês). 112 (2): 74–92. ISSN 0038-3872. doi:10.3160/0038-3872-112.2.74 
  35. Sepkoski, Jack (2002). «A compendium of fossil marine animal genera (Chondrichthyes entry)». Bulletins of American Paleontology. 364: 560. Consultado em 9 de janeiro de 2008. Arquivado do original em 10 de maio de 2012 
  36. a b «Basking shark». Departamnto de Conservação. Consultado em 6 de maio de 2022. Cópia arquivada em 18 de abril de 2021 
  37. a b Skomal, Gregory B.; Zeeman, Stephen I.; Chisholm, John H.; Summers, Erin L.; Walsh, Harvey J.; McMahon, Kelton W.; Thorrold, Simon R. (2009). «Transequatorial Migrations by Basking Sharks in the Western Atlantic Ocean». Current Biology. 19 (12): 1019–1022. PMID 19427211. doi:10.1016/j.cub.2009.04.019Acessível livremente 
  38. Sims, D. W.; Southall, E. J.; Tarling, G. A.; Metcalfe, J. D. (2005). «Habitat-specific normal and reverse diel vertical migration in the plankton-feeding basking shark». Journal of Animal Ecology. 74 (4): 755–761. doi:10.1111/j.1365-2656.2005.00971.xAcessível livremente 
  39. a b c d e f g h i Compagno, Leonard J. V. (2001). Sharks of the World: An annotated and illustrated catalogue of shark species known to date. Roma: Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura. p. 88-96 
  40. Owen, R. E. (1984). Distribution and ecology of the basking shark Cetorhinus maximus (Gunnerus, 1765). Ilha de Rodes, Estados Unidos: Universidade da Ilha de Rodes 
  41. Lien, J.; Fawcett, L. (1986). «Distribution of basking sharks, Cetorhinus maximus, incidentally caught in inshore fishing gear in Newfoundland». Otava. Canadian Field-Naturalist. 100 (2): 246–251 
  42. Kenney, R. D.; Owen, R. E.; Winn, H. E. (1985). «Shark distributions off the Northeast United States from marine mammal surveys». Copeia: 220–223 
  43. Hernández, Sebastián; Vögler, Rodolfo; Bustamante, Carlos; Lamilla, Julio (2010). «Review of the occurrence and distribution of the basking shark ( Cetorhinus maximus) in Chilean waters». Marine Biodiversity Records (em inglês). 3: e67. ISSN 1755-2672. doi:10.1017/S1755267210000540 
  44. Schwartz, F. J. (2010). «Basking and whale sharks of North Carolina». Journal of the North Carolina Academy of Science. 126: 84–87. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  45. Matthews, L. Harrison; Parker, H. W. (1950). «Notes on the anatomy and biology of the Basking Shark (Cetorhinus maximus (Gunner)).». Proceedings of the Zoological Society of London (em inglês). 120 (3): 535–576. ISSN 1469-7998. doi:10.1111/j.1096-3642.1950.tb00663.x 
  46. Collett, Robert (1905). Christiania Videnskabs-Selskabs Forhandlinger. Meddelelser om Norges Fiske i Aarene 1884–1901 (3die Hoved-Supplement til "Norges Fiske", III Slutning). Oslo: Christiania Dybwad 
  47. Castro, José I. (2011). The sharks of North America. Oxônia: Imprensa da Universidade de Oxônia. ISBN 978-0-19-539294-4. OCLC 777927872 
  48. Coles, R. J. (1915). «Notes on the sharks and rays of Cape Lookout, N. C». Proceedings of the Biological Society of Washington. 28: 89–94 
  49. McClain, C. R.; Balk, M. A.; Benfield, M. C.; Branch, T. A.; Chen, C.; Cosgrove, J.; Dove, A. D. M.; Gaskins, L. C.; Helm, R. R.; Hochberg, F. G.; Lee, F. B.; Marshall, A.; McMurray, S. E.; Schanche, C.; Stone, S. N.; Thaler, A. D. (2015). «Sizing ocean giants: patterns of intraspecific size variation in marine megafauna». PeerJ. 3: e715. doi:10.7717/peerj.715 
  50. Wood, Gerald (1983). The Guinness Book of Animal Facts and Feats. Londres: Guinness Superlatives Limited. p. 256. ISBN 978-0-85112-235-9 
  51. «Sharks in the Bay of Fundy, New Brunswick». Consultado em 17 de outubro de 2014 
  52. Pauly, D. (2002). Growth and Mortality of the Basking Shark Cetorhinus maximus and their Implications for Management of Whale Sharks Rhincodon typus. Elasmobranch biodiversity, conservation, and management : proceedings of the international seminar and workshop, Sabah, Malaysia, July 1997. Gland, Switzerland: IUCN. ISBN 2-8317-0650-5. OCLC 50526779 
  53. «Basking Shark». Universidade Estadual de São Francisco. Consultado em 17 de outubro de 2014 
  54. «Basking shark». redorbit.com. 19 de março de 2007. Consultado em 17 de outubro de 2014 
  55. a b c d e f g h i j k l Chenard, M.; Desbrosses, P.; Le Gall, J. (1951). «Le Pèlerin (Cetorhinus maximus Gunner) et sa pêche». Ifremer. Revue des Travaux de l'Institut des Pêches Maritimes: 94-95 
  56. Sims, D. W. (2000). «Filter-feeding and cruising swimming speeds of basking sharks compared with optimal models: they filter-feed slower than predicted for their size» (PDF). Journal of Experimental Marine Biology and Ecology. 249 (1): 65–76. PMID 10817828. doi:10.1016/s0022-0981(00)00183-0 
  57. Pelagic Shark Research Foundation. «PSRF Shark Image Library». PSRF. Consultado em 15 de abril de 2022 
  58. «Basking Shark». Shark Trust. Consultado em 15 de abril de 2022. Cópia arquivada em 20 de julho de 2012 
  59. Skomal, Gregory B.; Wood, G.; Caloyianis, N. (2004). «Archival tagging of a basking shark, Cetorhinus maximus, in the western North Atlantic». Plemua. J. Mar. Biolog. Assoc. 84: 795–799 
  60. Shepard, E. L. C.; Ahmed, M. Z.; Southall, E. J.; Witt, M. J.; Metcalfe, J. D.; Sims, D. W. (2006). «Diel and tidal rhythms in diving behaviour of pelagic sharks identified by signal processing of archival tagging data». Marine Ecology Progress Series. 328: 205–213. Bibcode:2006MEPS..328..205S. doi:10.3354/meps328205Acessível livremente 
  61. a b c Sims, David W.; Quayle, V. A. (1998). «Selective foraging behaviour of basking sharks on zooplankton in a small-scale front». Nature, Moulinsart. 393: 460-464. doi:10.1038/30959 
  62. a b Sims, DW (1999). «Threshold foraging behaviour of basking sharks on zooplankton: life on an energetic knife-edge?». Proceedings of the Royal Society B. 266 (1427): 1437–1443. PMC 1690094Acessível livremente. doi:10.1098/rspb.1999.0798 
  63. Sims, D. W.; Merrett, D. A. (1997). «Determination of zooplankton characteristics in the presence of surface feeding basking sharks Cetorhinus maximus» (PDF). Marine Ecology Progress Series. 158: 297–302. Bibcode:1997MEPS..158..297S. doi:10.3354/meps158297Acessível livremente 
  64. «Swarms of Huge Sharks Discovered, Baffling Experts». 12 de abril de 2018 
  65. Scales, Helen (28 de outubro de 2010). «Giant Shark Mystery Solved: Unexpected Hideout Found». National Geographic. Consultado em 6 de maio de 2022. Cópia arquivada em 19 de fevereiro de 2010 
  66. Gore, Mauvis A.; Rowat, David; Hall, Jackie; Gell, Fiona R.; Ormond, Rupert F. (23 de agosto de 2008). «Transatlantic migration and deep mid-ocean diving by basking shark». Biol. Lett., Londres. 4 (4): 395–398. doi:10.1098/rsbl.2008.0147 
  67. Howard, Brian Clark (23 de junho de 2015). «Rare, Huge Basking Shark Caught Off Australia». National Geographic 
  68. «Rare, giant basking shark caught off Australian coast». CNN. 23 de junho de 2015 
  69. «Rare 3500kg basking shark caught is donated to science». The Australian. 23 de junho de 2015 
  70. Osborne, Hannah (23 de junho de 2015). «Australia: Rare 6.3m Basking shark donated to science instead of being sold for its fins». International Business Times 
  71. Lavigne, Héloïse; D'Ortenzio, Fabrizio; Migon, Christophe; Claustre, Hervé (2013). «Enhancing the comprehension of mixed layer depth control on the Mediterranean phytoplankton phenology». Journal of Geophysical Research: Oceans. 118 (7): 3416–3430. ISSN 2169-9291. doi:10.1002/jgrc.20251 
  72. Carpaye, Tanguy (outubro de 2019). «On the occurrence of the basking shark Cetorhinus maximus (Chondrichthyes, Cetorhinidae) off the French Mediterranean coast» 
  73. Darling, James D.; Keogh, Kathleen E. (1994). «Observations of basking sharks, Cetorhinus maximus, in Clayoquot Sound, British Columbia». Otava. Canadian Field Naturalist. 108 (2): 199-210 
  74. Sims, D. W.; Southall, E. J.; Quayle, V. A.; Fox, A. M. (2000). «Annual social behaviour of basking sharks associated with coastal front areas». Proceedings of the Royal Society B. 267 (1455): 1897–1904. PMC 1690754Acessível livremente. PMID 11052542. doi:10.1098/rspb.2000.1227 
  75. Würtz, Maurizio; Repetto, Nadia (1999). Dauphins et Baleines. Traduzido por Duverne, Marie-Paule. Paris: Gründ. p. 122–125. ISBN 2-7000-3421-X 
  76. «Breaching». Consultado em 15 de abril de 2022. Cópia arquivada em 23 de março de 2011 
  77. Martin, R. Aidan. «Biology of the Basking Shark(Cetorhinus maximus)». ReefQuest Centre for Shark Research. Consultado em 8 de junho de 2008. Cópia arquivada em 28 de maio de 2008 
  78. a b «Basking Shark Factsheet». The Shark Trust. Consultado em 7 de julho de 2006. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2013 
  79. Parke, H. W.; Stott, F. C. (24 de novembro de 1965). «Age, size and vertebral calcification in the basking shark, Cetorhinus maximus (Gunnerus)». Leyde. Zoologische Mededelingen. 40 (34): 305-319 
  80. Bigelow, Henry B.; Schroeder, W. C. (1948). Fishes of the western North Atlantic Part I. Lancelets, cyclostomes, sharks, Sears Foundation for Marine Research. New Haven: Fundação Sears para Pesquisa Marinha, Universidade de Yale. p. 576 
  81. Archipelagos Wildlife Library. «Basking Shark ( Cetorhinus maximus )». Archipelagos Wildlife Library. Consultado em 30 de abril de 2013. Arquivado do original em 22 de janeiro de 2013 
  82. Born Free Foundation. «Basking Shark Facts». Born Free Foundation. Consultado em 30 de abril de 2013. Arquivado do original em 19 de fevereiro de 2013 
  83. «Comité sur la situation des espèces en péril au Canada, Évaluation et Rapport de situation du Cosepac sur le Pèlerin (Cetorhinus maximus) (population du Pacifique) au Canada» (PDF). Otava: Cosepac. 2007. p. 35 
  84. Hoelzel, A. R.; Shivji, M. S.; Magnussen, J.; Francis, M. P. (2006). «Low worldwide genetic diversity in the basking shark (Cetorhinus maximus)». Londres. Biol. Lett. 2: 639–642 
  85. Colonist, Times (21 de agosto de 2008). «B.C. scientists hunt for elusive shark». Consultado em 15 de abril de 2022. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2012 
  86. Francis, M. P.; Smith, M. H. (2010). «Basking shark (Cetorhinus maximus) bycatch in New Zealand fisheries, 1994–95 to 2007–08» (PDF). New Zealand Aquatic Environment and Biodiversity Report No. 49 
  87. MacFarlane, Trudy (18 de junho de 2010). «Submission on Management Options for Basking Sharks» (PDF). Ministério da Pesca, Nova Zelândia. Cópia arquivada (PDF) em 23 de janeiro de 2016 
  88. «Management Options for Basking Sharks to Give Effect to New Zealand's International Obligations». Ministério da Pesca, Nova Zelândia 
  89. Duffy, Clinton A. J.; Francis, Malcolm; Dunn, M. R.; Finucci, Brit; Ford, Richard; Hitchmough, Rod; Rolfe, Jeremy (2018). Conservation status of New Zealand chondrichthyans (chimaeras, sharks and rays), 2016 (PDF). Wellington, New Zealand: Department of Conservation. 9 páginas. ISBN 978-1-988514-62-8. OCLC 1042901090 
  90. «Proactive Conservation Program: Species of Concern». noaa.gov. 5 de maio de 2017 
  91. «Lista de Espécies da Fauna Ameaçadas do Espírito Santo». Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (IEMA), Governo do Estado do Espírito Santo. Consultado em 7 de julho de 2022. Cópia arquivada em 24 de junho de 2022 
  92. Livro Vermelho da Fauna Ameaçada. Curitiba: Governo do Estado do Paraná, Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Paraná. 2010. Consultado em 2 de abril de 2022 
  93. «PORTARIA N.º 444, de 17 de dezembro de 2014» (PDF). Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ministério do Meio Ambiente (MMA). Consultado em 24 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 12 de julho de 2022 
  94. «Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção» (PDF). Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ministério do Meio Ambiente. 2018. Consultado em 3 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 3 de maio de 2018 
  95. «Welcome to the Manx Basking Shark Watch website». Consultado em 15 de abril de 2022. Cópia arquivada em 23 de fevereiro de 2011 
  96. Bushill, Alex (9 de junho de 2009). «Sharks basking in the limelight». BBC News. Consultado em 15 de abril de 2022. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2010 
  97. «Fishing (Reporting) Regulations 2001, Schedule 3, Part 2C Protected Fish Species». NZ Government 
  98. «MEMORANDUM OF UNDERSTANDING ON THE CONSERVATION OF MIGRATORY SHARKS» (PDF) 
  99. Kuban, Glen (maio de 1997). «Sea-monster or Shark?: An Analysis of a Supposed Plesiosaur Carcass Netted in 1977». Reports of the National Center for Science Education. 17 (3): 16–28. Cópia arquivada em 14 de março de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Tubarão-peregrino