Tufão Paka

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Tufão Paka
colspan="2" class="" style="text-align:center; background-color:#fdaf9a

text-align:center; background-color:#ff6060" | Tufão

(AMJ)

Categoria 5 (EFSS)

O super tufão Paka em 15 de Dezembro de 1997
Formação 28 de Novembro de 1997
Dissipação 23 de Dezembro de 1997
Vento mais forte (1 min) 160 nós (296 km/h, 184 mph)
Vento mais forte (10 min) 100 nós (185 km/h, 115 mph)
Pressão mais baixa 901 hPa (mbar) ou 676 mmHg
Danos $580 milhões de dólares (valores em 1997)
Inflação $745 milhões de dólares (valores corrigidos em 2007)
Fatalidades Nenhuma
Áreas afetadas Ilhas Marshall, Guam, Ilhas Marianas
colspan="2" style="text-align:center; background-color:#fdaf9a

background-color:#ff6060" | Parte da
Temporada de tufões no Pacífico de 1997

O tufão Paka (designação internacional: 9728, designação do JTWC: 05C, designação filipina: Rubing[1] , também conhecido como super tufão Paka) foi o último ciclone tropical nas temporadas de furacões e tufões no Pacífico de 1997. Paka também é o ciclone tropical mais intenso já registrado no pacífico noroeste no mês de Dezembro.[2] Paka, que é um nome havaiano para Pat,[3] formou-se em 28 de Novembro de 1997 de um cavado a uma grande distância a sudeste do arquipélago do Havaí. A tempestade deslocou-se para oeste durante uma boa parte de seu período de existência e em 7 de Dezembro, o ciclone adentrou a bacia do Pacífico noroeste.[4] Uma boa parte de sua trajetória foi influenciada por flutuações em sua intensidade e em 10 de Novembro, o ciclone intensificou-se num tufão assim que passava sobre as Ilhas Marshall.[5] Em 16 de Novembro, Paka atingiu Guam e Rota com ventos de até 230 km/h e fortaleceu-se ainda mais, alcançando o pico de intensidade em 18 de dezembro, sobre águas abertas. Logo em seguida, Paka sofreu uma rápida tendência de enfraquecimento e dissipou-se em 23 de Dezembro.

O tufão Paka inicialmente afetou as Ilhas Marshall, onde causou chuvas fortes e $80 milhões de dólares em prejuízos (valores em 1997 - $100 milhões de dólares, corrigidos em 2007). Depois, paka passou logo ao norte de Guam,[5] onde ventos fortes destruíram cerca de 1.500 construções e danificou outras 10.000: 5.000 pessoas ficaram desabrigadas e a ilha experimentou a completa interrupção de eletricidade após a passagem do tufão. Os danos na ilha totalizaram $500 milhões de dólares (valores em 2007 - $645 milhões de dólares, valores corrigidos em 2007), que garantiram a retirada de seu nome. Paka também provocou leves danos nas Ilhas Marianas do Norte e no geral, o tufão não causou fatalidades.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Furacão Catrina Portal da
meteorologia

Referências

  1. The United Nations Task Force on El Niño, et. al (1999). "The 1997-1998 El Niño Event: A Scientific and Technical Retrospect" (PDF). Organização Meteorológica Mundial (em inglês). Consult. 19-04-2007. 
  2. Agência Meteorológica do Japão (2007). "Best Track for Western North Pacific Tropical Cyclones" (PDF) (em inglês). Consult. 27-10-2007. 
  3. Benjamin C. Hablutzel, Hans E. Rosendal, James C. Weyman, Jonathan D. Hoag (1997). "The 1997 Central Pacific Tropical Cyclone Season". Centro de Furacões do Pacífico Central (em inglês). Consult. 29-04-2007. 
  4. Hurricane Research Division (2007). "Eastern North Pacific Tracks File 1949-2007". NOAA (em inglês). Consult. 06-03-2006. 
  5. a b Joint Typhoon Warning Center (1999). "Super Typhoon Paka (05C) ATCR" (em inglês). Consult. 29-04-2007. 
Ícone de esboço Este artigo sobre ciclones tropicais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.