Saltar para o conteúdo

Tumba de Ciro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Tumba de Ciro
Apresentação
Tipo
Fundação
Estilo
Arquitetura aqueménida (en)
Material
Patrocinador
Dimensões (A × L)
11,1 × 12,3 e 5,35 m
Uso
mesquita (a partir de século XIV)
Estatuto patrimonial
Património Nacional Iraniano (en)Visualizar e editar dados no Wikidata
Localização
Localização
Pasargad County (en)
 Irão
Coordenadas
Mapa
Tumba de Ciro, em Pasárgada.

A tumba de Ciro ou túmulo de Ciro é o local de sepultamento de Ciro II, o Grande [1] do Império Aquemênida, também chamado de Ciro II da Pérsia;[2] que foi um shahenshah ou imperador que fundou o primeiro Império Persa sob a Dinastia Aquemênida. Este império se espalhou durante seu reinado, conquistando a maior parte do sudoeste da Ásia, bem como grande parte da Ásia Central, do Egito e do Helesponto ao rio Indo no leste, para criar a maior nação que já existiu.[3] A tumba data do ano 528 a.C., sendo a mais antiga estrutura isolada sismicamente conhecida.

Vista frontal da pequena entrada.

A tumba de Ciro é um dos dois modelos de tumbas que existiam na arte persa do período aquemênida. Ele está localizado no vale de Pasárgada, no Irã. Construída com blocos de pedra em base escalonada. Carece de ornamentação, dominando a simplicidade no design. Os persas não se caracterizavam por ter uma arquitetura funerária como era o caso de outras culturas, como a egípcia.[4] A sua altura é de 11 metros. O interior era uma sala retangular com 3,17 m de comprimento, 2,10 m de largura e 2,10 m de altura. Uma porta de verga de 1,40 m de altura e 0,78 m de largura conduzia a esta sala.[5] O acesso ao túmulo, inicialmente por esta porta, levava a uma modesta câmara mortuária que ficava no fundo de uma passagem estreita. Sua arquitetura parece ser de inspiração frígia ou lídia.[6]

Toda a construção é feita com placas de arenito cuidadosamente fixadas com grampos.[5] Segundo autores antigos, os soldados de Alexandre, o Grande entraram na tumba e descobriram o corpo embalsamado de Ciro, ricamente vestido, espalhado sobre uma cama coberta com tapeçarias preciosas, cercado por vasos de ouro e outras peças valiosas.[5]

A tumba de Ciro foi transformada em mesquita no século XI pelos reis Atabegue de Fars. Em 1971, por ordem do Serviço Arqueológico Iraniano, cada elemento arquitetônico reaproveitado na época pós-aquemênida foi devolvido à construção original.[6]

Uma construção semelhante foi encontrada em Gur-e Dokhtar, que foi atribuída a um dos primeiros reis aquemênidas.[6]

O outro modelo é o da tumba de Dario I em Naqsh-e Rostam, esculpida na rocha como os hipogeus egípcios. É uma construção simples e pequena, que não atinge os 11 metros de altura no total. Assenta sobre uma base construída em pedra calcária quadrangular. A construção de três metros de comprimento tem a forma de edícula, com frontão e telhado de duas águas, relacionada com a arte grega da Ásia Menor. A ornamentação é escassa. É inspirado nas construções funerárias da Lídia.

Referências

  1. R.M.Ghias Abadi, 2004.
  2. Jenofonte.
  3. A. Kuhrt, 1995.
  4. Borobio, Luis (2009). Historia sencilla del Arte (em español). Madrid: Rialp S.A. ISBN 978-84-321-3761-7 
  5. a b c Dandamaev & Lukonin 1980, p. 355.
  6. a b c Solé, Bachs & Castelreanas 1988, p. 308.
  • Bachs, Elisenda; Castelreanas, A. (1988). Los grandes descubrimientos de la arqueología. 3. Barcelona: Planeta-De Agostini. ISBN 84-395-0686-4  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda); |sobrenome3= e |ultimo3= redundantes (ajuda)
  • R.M.Ghias Abadi (2004) Achaemenid Inscriptions, segunda edición, publica Shiraz Navid ISBN 964-358-015-6
  • Amelie Kuhrt (1995) The Ancient Near East: ca. 3000-330 BC, capítulo 13, p. 647, Routledge ISBN 0-415-16762-0
  • Jenofonte, Anábasis I. IX; cf. M.A.Dandamaev Cyrus II, dentro de la Encyclopaedia Iranica
  • Lukonin, V.G.; Dandamaev (1980). Cultura y economía del Irán antiguo. Sabadell: Ausa. ISBN 84-86329-68-X  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)

Ligações externas

[editar | editar código-fonte]