Two-step flow

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Two-step flow é uma teoria de comunicação proposta por Paul Lazarsfeld, Bernard Berelson e Hazel Gaudet. Em português é chamada também de a teoria do fluxo comunicacional em duas etapas, que enfatiza o papel dos formadores de opinião comunitários como construtores da opinião pública em escala micro.

Assim, o Two-step flow, também conhecido como modelo dos dois tempos, mostra que a influência dos meios de comunicação é seletiva, dependente de opiniões preexistentes e das relações interpessoais do receptor. As reações variam de indivíduo para indivíduo e a idéia de que a sociedade é representada por uma grande massa homogênea, antes defendida na teoria da Seringa Hipodérmica (Agulha Hipodérmica) já não existe mais. A eficácia da notícia e seus efeitos agora dependem da credibilidade do comunicador, que tem o poder de sensibilizar os seus receptores, distribuídos em pequenos grupos.


Conceito[editar | editar código-fonte]

O modelo em duas etapas diz que a maioria das pessoas não é diretamente influenciada pelos meios de comunicação de massa, mas sim que eles formam suas opiniões com base em líderes de opinião que interpretam as mensagens da mídia e as colocam no contexto. Os líderes de opinião são aqueles inicialmente expostos a um conteúdo de mídia específico, e quem o interpreta com base em sua própria opinião. Eles então começam a infiltrar essas opiniões através do público geral que se tornaram "seguidores de opinião".[1] Esses "líderes de opinião" ganham sua influência através de mais meios de comunicação de elite, em oposição aos principais meios de comunicação.[2] Neste processo, a influência social é criada e ajustada pelos ideais e opiniões de cada grupo específico de "mídia de elite", e pelos ideais e opiniões opostos deste grupo de mídia e em combinação com fontes populares de mídia de massa. Portanto, a influência principal nessas opiniões é principalmente uma persuasão social.[3]

Referências

  1. Baran, Stanley. «Theories of Mass Communication». Introduction to Mass Communication. McGraw Hill. Consultado em 1 de julho de 2011 
  2. Katz & Lazarsfeld (1955). «Personal Influence». New York: Free Press 
  3. Staubhaar, LaRose, Davenport (2009). Media Now. Belmont, Ca: Wadsworth Cengage Learning. pp. 415–416. ISBN 978-0-495-56595-6