UNOSAT (satélite)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
UNOSAT
Missão
Operação Brasil UNOPAR
Contratantes principais Brasil UNOPAR
Tipo de missão Observação da Terra
Planeta orbitado Terra
Lançamento 25 de agosto de 2003
Veículo de Lançamento Brasil VLS-1 V3
Local do Lançamento Brasil Centro de Lançamento de Alcântara, Maranhão
Fim da missão 23 de agosto de 2003
Massa 8,83 kg
Resultado Falha (Acidente de Alcântara)
Elementos Orbitais
Tipo Órbita heliossíncrona
Inclinação 16º
Apogeu 750 km
Perigeu 750 km
Período orbital 100,0 minutos
Excentricidade 0,00000

O UNOSAT foi o primeiro nanossatélite de aplicações científicas brasileiro, projetado, desenvolvido, construído e testado por pesquisadores e estudantes trabalhando na Universidade Norte do Paraná (Unopar).[1]

Características[editar | editar código-fonte]

O objetivo primário do UNOSAT era transmitir mensagens de voz e um pacote de dados de telemetria em protocolo AX25.[1]

O satélite científico UNOSAT possuia as seguintes características:[1]

Gerais[editar | editar código-fonte]

  • Formato: paralelepípedo com 46 x 25 x 8,5 cm
  • Massa: 8,83 kg
  • Órbita: heliossícrona
  • Estabilização: por rotação a 120 rpm
  • Precisão: 1 grau
  • Altitude: 750 km

Carga útil[editar | editar código-fonte]

A instrumentação embarcada no UNOSAT era basicamente composta por: coletores de dados e transmissores.

Os seguintes dados seriam transmitidos para terra:[1]

  • Mensagem em voz identificando o satélite
  • Telemetria
  • Temperatura dos painéis solares
  • Temperaturas das baterias recarregáveis
  • Temperatura do transmissor e do computador de bordo
  • Tensão das baterias
  • Aceleração centrípeta

Missão[editar | editar código-fonte]

Como o UNOSAT estava previsto para ser lançado como carga útil secundária junto com o satélite SATEC e seria impossível para o lançador colocá-los em órbitas distintas, ambos os satélites foram ligados mecanicamente, embora houvesse autonomia elétrica e de telemetria entre os dois.[2] Esse satélite, foi perdido na explosão do veículo lançador VLS-1 V3, em 23 de Agosto de 2003 numa explosão, três dias antes da data prevista para o lançamento. Esse evento veio a ficar conhecido como Acidente de Alcântara.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d «Satélites desenvolvidos no Brasil serão lançados ainda este ano». Inovação Tecnológica. 30 de abril de 2003. Consultado em 26 de julho de 2013 
  2. «Satélite brasileiro de tecnologia (Satec) pronto para ser lançado ao espaço pelo VLS-1». Jornal da Ciência. 14 de abril de 2003. Consultado em 26 de julho de 2013. Arquivado do original em 9 de setembro de 2007 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]