Uapixanas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: se procura pela língua da família linguística aruaque falada pelos Uapixanas, veja Língua uapixana.
Uapixanas
Borduna - Uapixana 1924 MN 01.jpg
Borduna uapixana armazenada em 1924 no Museu Nacional, no Rio de Janeiro
População total

13 000

Regiões com população significativa
 Brasil
Guiana
 Venezuela
Povos Indígenas No Brasil
Línguas
língua uapixana, língua inglesa, língua portuguesa, língua espanhola
Religiões

Os uapixanas, também conhecidos como Wapichana, Wapixana, Wapishana, vapidianas, vapixianas, vapixanas, oapixanas e oapinas, são um grupo indígena que habita o leste do estado brasileiro de Roraima,[1] mais precisamente as áreas indígenas Anta, Araçá, Barata/Livramento, Bom Jesus, Boqueirão, Canauanim, Jaboti, Jacamim, Malacacheta, Mangueira, Manoá/Pium, Moskow, Pium, Ponta da Serra, Raimundão, Raposa/Serra do Sol, São Marcos, Serra da Moça, Sucuba, Tabalascada, Truaru, e as terras indígenas Anaró e Muriruh, bem como a Guiana e a Venezuela. Vivem ao lado dos macuxis e constituem a maior população aruaque do norte amazônico.[2]

História[editar | editar código-fonte]

A partir do século XVIII, os uapixanas começaram a sofrer o assédio de portugueses, neerlandeses e ingleses, que capturavam os indígenas para estes se transformarem em mão de obra escrava nas fazendas do Brasil e da Guiana.[3] Em 1997, Joênia Wapixana se formou em direito e se tornou a primeira advogada brasileira indígena.[4]

Cosmologia[editar | editar código-fonte]

Segundo os mitos uapixanas, no princípio todos os seres falavam. Nessa época, a palavra teria força criadora, e teria sido capaz de criar todos os elementos da natureza, como rios, cachoeiras e montanhas. Com o decorrer do tempo, a fala teria perdido essa capacidade criadora. Além disso, a maior parte dos seres teria perdido a habilidade de falar, e somente a espécie humana teria preservado essa capacidade. Os uapixanas também creem na existência de um princípio vital chamado udorona, presente na fala, no sangue e na respiração.[5]

Referências

  1. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 752.
  2. Povos indígenas no Brasil. Disponível em https://pib.socioambiental.org/pt/povo/wapichana/2001. Acesso em 26 de junho de 2016.
  3. Povos indígenas no Brasil. Disponível em https://pib.socioambiental.org/pt/povo/wapichana/2001. Acesso em 26 de junho de 2016.
  4. Portal Brasil. Disponível em http://www.brasil.gov.br/governo/2014/02/joenia-wapixana-e-a-primeira-mulher-indigena-formada-em-direito. Acesso em 26 de junho de 2016.
  5. Povos indígenas no Brasil. Disponível em https://pib.socioambiental.org/pt/povo/wapichana/2005. Acesso em 26 de junho de 2016.