Ultracargo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ultracargo
Logo da Ultracargo
Empresa de capital fechado
Fundação 1966 (52 anos)
Sede São Paulo, Brasil
Proprietário(s) Grupo Ultra
Empregados 613
Produtos Derivados de petróleo
Faturamento R$ 346,5 milhões (2014)
Website oficial http://www.ultracargo.com.br

Ultracargo, empresa pertencente ao Grupo Ultra, é a maior empresa brasileira de armazenagem de granéis líquidos, operando principalmente com estocagem de produtos químicos, petroquímicos, biocombustíveis e óleo vegetal.[1]

Possui instalações nos portos de Santos (SP), Rio de Janeiro(RJ), Paranaguá (PR), Aratu (BA), Itaqui (MA) e Suape (PE), além de terminais em Paulínia (SP).

História[editar | editar código-fonte]

O embrião da Ultracargo foi a fundação em 1966 da Transultra, que atuava com transporte rodoviário e armazenamento de produtos químicos. No ano de 1978 foi fundado o Tequimar,[2] (Terminal Químico de Aratu S/A), no porto de mesmo nome, na Bahia. As atividades de Transultra e Tequimar foram posteriormente unidas em uma só operação de logística para graneis líquidos, dando origem à Ultracargo.

No ano de 1986 teve início a construção da segunda unidade mais antiga da Ultracargo, no Terminal de Suape (PE),[3] numa área de 45 mil metros quadrados. Em 1999 tiveram início as operações do Terminal de Paulínia. Em Julho de 2005, a Ultracargo inaugurou o terminal intermodal de Santos, [4] [5] sua segunda instalação portuária a integrar os modais de transporte rodoviário, ferroviário e marítimo, com capacidade de armazenamento de 33,5 mil m³ para produtos químicos, 40 mil m³ para álcool e 38 mil m³ para óleos vegetais.

No ano de 2008, a Ultrapar através da Ultracargo, anunciou a compra da União Terminais, antes controlada pela Unipar. A combinação de suas operações anteriores com as da União Terminais dobrou o tamanho da Ultracargo em termos de EBITDA, tornando-a a maior empresa de armazenagem para granéis líquidos do Brasil e reforçando sua escala de operação.[6] Com esta aquisição, a Ultracargo aumentou sua presença no porto de Santos, principal porto do país, e passou a estar estrategicamente posicionada nos portos do Rio de Janeiro e de Paranaguá, onde não possuía operações.

Em Dezembro de 2009, o Grupo Ultra, por meio da Ultracargo, adquiriu terminal para armazenagem para graneis líquidos com capacidade de 83 mil m³ localizado no porto de Suape, Pernambuco. Esta aquisição fortaleceu a posição da Ultracargo na região do porto de Suape, reforçando sua escala de operação e representando mais um passo na implementação da estratégia da Ultracargo para fortalecer sua posição como relevante provedora de armazenagem para granéis líquidos no Brasil.[7]

Em Março de 2010, o Ultra vendeu seus negócios de logística interna, armazenamento de sólidos e transporte rodoviário da Ultracargo para a Aqces. Esta transação permitiu à Ultracargo concentrar-se exclusivamente no negócio de armazenamento para graneis líquidos, segmento em que ocupa posição de liderança [8] (Uol Notícias).

Em Setembro de 2011, a expansão do terminal de Suape [9] (O Globo ) da Ultracargo entrou em operação, aumentando a capacidade de armazenagem em 26 mil m³. Este projeto foi parte do plano de expansão da Ultracargo iniciado em 2010.

Em Julho de 2012, a Ultracargo adquiriu do Noble Group Limited. um terminal no porto de Itaqui, aumentando em 55 mil metros cúbicos a capacidade da Ultracargo. O porto de Itaqui está situado em um local estratégico [10] por possuir uma logística eficiente, incluindo acesso a ferrovias, que é responsável pelo abastecimento de combustíveis para os estados de Maranhão, Piauí e Tocantins, onde o consumo de combustível tem crescido acima da média nacional. Essa aquisição[11] marcou a entrada da Ultracargo nesse importante mercado e aumentou sua escala operacional. A Ultracargo passou a ser a única operadora em seu segmento com presença em todos os principais portos para a movimentação de graneis líquidos no Brasil. A Ultracargo iniciou em 2010 um projeto de expansão de sua capacidade de armazenamento. Desde então, concluiu expansões em Santos e Aratu. Em abril de 2015, um incêndio atingiu seis tanques contendo gasolina e etanol em uma extremidade do terminal operado pela Ultracargo em Santos. As operações de combate às chamas se estenderam por oito dias. Não houve vítimas.[10]

Regiões e Portos de atuação[editar | editar código-fonte]

  • Regiões Norte, Nordeste, Sul e Sudeste do Brasil.
  • Porto de Santos (SP).
  • Porto de Suape (PE).
  • Porto do Rio de Janeiro (RJ).
  • Porto de Paranaguá (PR).
  • Porto de Itaqui (MA).
  • Porto de Aratu (Camaçari, BA)
  • Paulínia (SP) - Terminal líquido.

Referências

  1. «ULTRACARGO patrocina Museu Pelé». Exame. Consultado em 29 Maio 2015. 
  2. «História da Companhia». Didaticativa. Consultado em 29 Maio 2015. 
  3. «Tequimar investe R$ 30 mi na expansão em Suape». Pernambuco. Consultado em 29 Maio 2015. 
  4. «SAAB: Historico de Sucesso No Tequimar». Fluxo. Consultado em 29 Maio 2015. 
  5. «Eichenberg Implanta Divisao de Projetos». Fiescnet. Consultado em 29 May 2015.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  6. «Informações sobre Empresas Classificadas por ramo de Atividade». EconoInfo. Consultado em 29 Maio 2015. 
  7. «Ultrapar investirá R$ 40 milhões». TN Petroleo. Consultado em 29 Maio 2015. 
  8. «Lucro da Ultrapar cresce 58% no 1º trimestre, para R$ 194 milhões». G1 Economia. Consultado em 29 Maio 2015. 
  9. «Ultrapar investirá R$ 1,044 bilhão em expansão orgânica neste ano». O Globo. Consultado em 29 Maio 2015. 
  10. a b «Simulação mostra a dificuldade para apagar chamas em Santos». G1 Globo. Consultado em 29 Maio 2015. 
  11. «Dona dos postos Ipiranga compra terminal portuário por R$ 160 milhões». Exame. Consultado em 29 Maio 2015. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]