Um Dia na Vida de Ivan Denisovich

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Odin den' Ivana Denisovicha
Um Dia na Vida de Ivan Denisovich
A edição em inglês.
Autor(es) Alexandre Solzhenitsin
Idioma Língua russa
País  Rússia
Gênero Romance
Editora Signet Classic
Lançamento 1962
Edição portuguesa
Tradução H. Silva Letra
Editora Europa-América
Lançamento 1963
Páginas 201

Um dia na vida de Ivan Denisovich é um livro do escritor russo Alexandre Solzhenitsin, que foi publicado em novembro de 1962.[1]

O livro relata a história fictícia do russo Ivan Denisovich, acusado injustamente de ter espionado a favor do alemães, após a sua captura na frente de batalha. Esta história é semelhante ao que o autor Alexander Soljenítsin passou após a guerra.

O livro descreve as impressionante condições da prisão e do sistema prisional soviético. Na sua pena de dez anos, Ivan Denisovich tem que a cada dia trabalhar no Cazaquistão sob temperaturas baixíssimas, tendo dificuldade para se alimentar devido à péssima comida, é punido por dormir por mais de alguns minutos, tem que trabalhar fazendo o uso de luvas que se rasgam com facilidade, usar sapatos de número inferior ao de seu pé e dormir em camas improvisadas com cobertores sujos e rasgados. Os prisioneiros tem que torcer para que a temperatura externa seja inferior a -41°C, para que possam ser dispensados do árduo trabalho diário.

Um dia, Soljenítsin após muito relutar procurou o editor-chefe da Noviy Mir, um poeta chamado Alexander Tvardóvski, com o seu manuscrito em mãos. Foi após a publicação deste livro que a sociedade soviética finalmente soube o que se passava com as pessoas que eram condenadas por crimes políticos. A publicação da obra foi autorizada por Nikita Kruschev, aparentemente para provar as suas acusações contra o dirigente soviético anterior, Josef Stalin.

Notas e referências

  1. Scammell, Michael (11 de dezembro de 2018). «Opinion | The Writer Who Destroyed an Empire». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331