Uma Outra Estação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Uma Outra Estação
Álbum de estúdio de Legião Urbana
Lançamento 18 de julho de 1997 (1997-07-18)
Gravação 1996—97
Gênero(s)
Duração 60:22[1]
Idioma(s)
Formato(s)
Gravadora(s) EMI
Produção [2]
Certificação Platina[3]
Cronologia de Legião Urbana
A Tempestade ou O Livro dos Dias
(1996)
Mais do Mesmo
(1998)
Singles de Uma Outra Estação
  1. "As Flores do Mal"
    Lançamento: 1997

Uma Outra Estação é o oitavo e último álbum de estúdio da banda brasileira de rock Legião Urbana, lançado em julho de 1997, nove meses após a morte de seu líder, Renato Russo, e o fim das atividades do grupo. Foi o segundo álbum de menor vendagem do grupo perdendo apenas para V (1991), mas mesmo assim foi certificado com Disco de Platina duplo pela ABPD,[3] por conta de suas vendas significativas de mais de 750 mil cópias.[4]

Contexto[editar | editar código-fonte]

Em 22 de outubro de 1996, 11 dias após a morte do vocalista, violonista e tecladista Renato Russo, o guitarrista Dado Villa-Lobos, o baterista Marcelo Bonfá e o diretor artístico da EMI Music, João Augusto, anunciaram o fim das atividades do grupo que, por contrato, ainda devia três títulos à gravadora.[5]

Em março do ano seguinte, Dado decidiu trabalhar nas canções que sobraram das sessões para o disco anterior, A Tempestade ou O Livro dos Dias. Um total de 28 faixas foram gravadas, mas apenas 15 constaram no disco final.[5] O guitarrista assinou a produção com Tom Capone, que já havia auxiliado a banda na gravação do disco anterior, quando era diretor do AR Estúdios, embora não constasse nos créditos.[2]

Informações das faixas[editar | editar código-fonte]

A primeira canção, "Riding Song", conta com a participação do ex-baixista Renato Rocha, que integrou o grupo entre 1984 e 1989. Sua letra é formada por apenas dois versos ("Eu já sei o que eu vou ser / Ser quando crescer"), escritos e cantados por Dado. Conta com trechos de uma entrevista da época do álbum Dois, na qual os quatro integrantes (incluindo Rocha) se apresentam.[6]

A canção "La Maison Dieu" é uma crítica aos militares e à tortura praticada durante o regime militar (vigente no país entre 1964 e 1985).[7]

A faixa-título do disco anterior acabou saindo apenas neste.[2] O álbum traz também algumas canções vetadas anteriormente, como "Clarisse", criada na época do A Tempestade ou O Livro dos Dias e que fala sobre uma garota de 14 anos que se corta com um canivete trancada no banheiro. Ela foi considerada muito pesada na época.[2][8] Outro exemplo é "Dado Viciado", criada nos primórdios da banda e que retrata a transformação pela qual passa um usuário de heroína, mas que acabou deixada de lado por medo de que as pessoas achassem que seu título se referisse ao guitarrista Dado Villa-Lobos.[2]

A canção que encerra o disco, "Travessia do Eixão", é a única (junto com os instrumentais "Schubert Ländler" e "High Noon (Do Not Forsake Me)") não composta pelos integrantes da Legião Urbana. Além disto, ela conta com a participação do baixista Bi Ribeiro, d'Os Paralamas do Sucesso, que gravou o baixo acústico nela e em "Antes das Seis".[2]

"Schubert Ländler" é uma vinheta instrumental composta por Franz Schubert, tocada por Carlos Trilha, e é a faixa mais curta da banda, com apenas 1 minuto e 9 segundos de duração. Esta versão da música (o solo de piano "Schubert Ländler Piano") foi escolhida por Renato após dúzias de takes de gravação. Carlos foi à Biblioteca Nacional para obter uma partitura e nunca entendeu por que Renato solicitou que ele tocasse a peça.[9]

A faixa "Sagrado Coração", apesar de ter sua letra no encarte, não possui registro da voz de Renato, já que este não resistira até a gravação. Esta música teve a coautoria de Carlos Trilha (que chorou ao ouvir a versão final, sem a voz de Renato[9]) reconhecida pela família de Renato Russo em 2009 após um internauta, fã do cantor, ter enviado a Carlos uma entrevista informal do Renato Russo feita pelo jornalista Marcelo Fróes. Nesta entrevista, Renato Russo afirma que fez esta música junto com Carlos Trilha.[9] Em outubro de 2010, o álbum foi relançado em um box especial e também em LP (vinil). Esta edição traz o encarte modificado e um texto explicativo sobre o assunto.[qual?] Este texto por produzido pela jornalista Christina Fuscaldo, com ajuda de depoimentos de todos os músicos envolvidos na gravação dos oito discos.[10]

As principais canções do álbum tocadas nas rádios foram "As Flores do Mal", "Antes das Seis" e, em menor grau, "Marcianos Invadem a Terra".[11][12] Esta última, fruto da fase "Trovador Solitário" de Renato Russo, só havia sido registrada em estúdio em 1993, quando Dinho Ouro Preto lançou seu segundo disco solo, autointitulado.[13]

Capa e encarte[editar | editar código-fonte]

A capa de Uma Outra Estação traz uma ilustração de Marcelo inspirada por Brasília, a cidade natal da banda.[2]

A primeira página do encarte trazia a frase: "Ouça este disco da primeira à última faixa. Esta é a história de nossas vidas".[14] A penúltima tinha uma lista de instituições e a mensagem: "Sinta-se bem contribuindo com as seguintes instituições que precisam da sua ajuda".[2] O encarte marca também a volta da frase Urbana Legio Omnia Vincit ("Legião Urbana vence tudo", em latim), que figurou em todos os discos do grupo exceto A Tempestade ou O Livro dos Dias.[14]

Faixas[editar | editar código-fonte]

Todas as músicas compostas por Dado Villa-Lobos, Renato Russo e Marcelo Bonfá, exceto onde especificado[1].

TítuloMúsica Duração
1. "Riding Song"    3:02
2. "Uma Outra Estação"    3:58
3. "As Flores do Mal"    4:32
4. "La Maison Dieu"    6:53
5. "Clarisse"    10:32
6. "Schubert Ländler"  Schubert 1:09
7. "A Tempestade"    4:14
8. "High Noon (Do Not Forsake Me)"  Dimitri Tiomkin, Ned Washington 1:29
9. "Comédia Romântica"    2:55
10. "Dado Viciado"  Renato 2:32
11. "Marcianos Invadem a Terra"  Renato 2:36
12. "Antes das Seis"  Dado, Renato 3:10
13. "Mariane"  Renato 3:15
14. "Sagrado Coração"  Renato, Carlos Trilha 6:29
15. "Travessia do Eixão"  Nonato Veras, Nicolas Behr 3:36
Duração total:
60:22[1]

Formação[editar | editar código-fonte]

Músicos convidados[editar | editar código-fonte]

Vendas e certificações[editar | editar código-fonte]

País Certificação Vendas
 Brasil (Pro-Música Brasil)

Platina[3]

300.000+[4]

Notas e referências

  1. a b c Fuscaldo 2016, p. 105.
  2. a b c d e f g h i Fuscaldo 2016, p. 103.
  3. a b c «Legião Urbana». ABPD. Consultado em 28 de março de 2010 
  4. a b «DISCO DO LEGIÃO É TESTAMENTO PARA OS FÃS». Legiao.skooterweb. 7 de agosto de 1997. Consultado em 7 de outubro de 2016 
  5. a b Fuscaldo 2016, p. 100.
  6. Fuscaldo 2016, p. 101-102.
  7. MEPR. «Um justo protesto da Legião Urbana». mepr.org.br. Consultado em 2 de fevereiro de 2016 
  8. Santos, Valmir. «"Clarisse" autobiografa arte de Renato Russo | Teatrojornal» (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2020 
  9. a b c Fuscaldo 2016, p. 102.
  10. Álbuns da Legião Urbana são relançados em CD e Vinil
  11. http://www.abpd.org.br/home/certificados/
  12. http://www.abpd.org.br/home/numeros-do-mercado/
  13. Fuscaldo 2016, p. 159.
  14. a b Fuscaldo 2016, p. 104.