Umaro Sissoco Embaló

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Umaro El Mokhtar Sissoco Embaló
Umaro El Mokhtar Sissoco Embaló
Presidente da Guiné-Bissau
Período 27 de fevereiro de 2020
a atualidade
Antecessor José Mário Vaz
Primeiro-ministro da Guiné-Bissau
Período 18 de novembro de 2016
a 16 de janeiro de 2018
Antecessor Baciro Djá
Sucessor Artur Silva
Dados pessoais
Nascimento 23 de setembro de 1972 (48 anos)
Bissau, Guiné-Bissau
Nacionalidade guineense
Alma mater Universidade Complutense de Madrid
Partido Movimento para Alternância Democrática
Religião Muçulmano
Profissão Politólogo
Serviço militar
Serviço/ramo Exército
Graduação General de Brigada

Umaro El Mokhtar Sissoco Embaló (Bissau, 23 de setembro de 1972) é um político da Guiné-Bissau, atual presidente do país desde 2020. Anteriormente, foi Primeiro-ministro de 2016 até 2018, especializado nas questões africanas e no Médio Oriente.[1] Foi nomeado primeiro-ministro a 18 de novembro de 2016 pelo presidente guineense José Mário Vaz, tendo tomado posse a 13 de dezembro de 2016.[2]

Foi destituído do cargo em 16 de janeiro de 2018 da função do Primeiro Ministro da Guiné-Bissau.[3] Presidente da República da Guiné-Bissau

Biografia[editar | editar código-fonte]

Umaro Sissoco Embaló frequentou a licenciatura em relações internacionais, pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa, com mestrado em ciências políticas pelo Instituto de Estudos Internacionais de Madrid, e doutoramento em relações internacionais pela Universidade Complutense de Madrid.[1][4]

É poliglota e domina fluentemente o português, o espanhol, o francês, o árabe e o suaíli.[5]

Formou-se também como general de brigada no curso de capacitação de quadros de oficiais militares que o país mantém com o Brasil, Cuba e Portugal, concluindo sua formação no exterior.[5]

A 18 de novembro de 2016 foi nomeado primeiro-ministro,[6][7] tendo tomado posse do cargo no dia 13 de dezembro de 2016.[8]

O novo primeiro-ministro da Guiné-Bissau assumiu o posto com um boicote do seu próprio partido, o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), que através do seu Comité Central deu-lhe um voto de desconfiança de cento e doze votos a favor e onze contra no dia 26 de novembro de 2016.[9][10]

Como chefe de governo, pôde contar com apoio de somente do Partido para a Renovação Social, a segunda maior bancada da Assembleia Nacional Popular da Guiné-Bissau[3].

Em 13 de janeiro de 2018, após entrar em rota de colisão com o presidente José Mário Vaz, em função deste ter-se colocado ao lado das demandas de João Fadiá (Ministro das Finanças) e Botche Candé (Ministro do Interior)[11], Embaló solicitou sua demissão do cargo, tendo sido efetivada em 16 de janeiro de 2018[3].

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Umaro Sissoco Embaló

Precedido por
Baciro Djá
Primeiro-ministro da Guiné-Bissau
2016 – 2018
Sucedido por
Artur Silva
Precedido por
José Mário Vaz
Presidente da Guiné-Bissau
2020 – presente
Sucedido por
Incumbente