Undertale

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Undertale
Publicadora(s) Toby Fox
Projetista(s) Toby Fox
Compositor(es) Toby Fox
Motor GameMaker: Studio
Plataforma(s) Microsoft Windows, OS X, Linux, Playstation 4, Playstation Vita, Nintendo Switch
Data(s) de lançamento
Gênero(s) RPG eletrônico
Modos de jogo Um jogador
Página oficial

Undertale é um RPG eletrônico criado pelo desenvolvedor independente norte-americano Toby Fox. No jogo, o jogador controla uma criança humana que caiu em uma caverna, uma região grande e isolada sob a superfície da Terra, separada por uma barreira mágica. Vários monstros são encontrados durante sua missão para retornar à superfície, principalmente através do sistema de combate; o jogador navega pelos ataques bullet hell do oponente e pode optar por pacificar ou subjugar os ruins para poupá-los em vez de assassiná-los. Essas escolhas causam mudanças no diálogo, nos personagens e na história com base nos resultados.

Fox desenvolveu a totalidade da obra de forma independente, incluindo escrever e compor a partitura, com apenas arte adicional criada por outros artistas. Ela foi inspirada na série Mother e Mario & Luigi, na série de bullet hell Touhou Project, e na comédia britânica Mr. Bean. Undertale foi inicialmente planejado para durar duas horas e foi programado para ser lançado em meados de 2014, mas o desenvolvimento foi adiado através dos próximos três anos.

O jogo foi lançado para Microsoft Windows e OS X em 15 de setembro de 2015, e depois para o Linux em 17 de julho de 2016, e PlayStation 4 e PlayStation Vita em 15 de agosto de 2017. Uma versão para o Nintendo Switch foi lançada em 18 de setembro de 2018. Deste então, foi aclamado pelo seu roteiro, material temático, sistema de combate intuitivo, partitura musical e originalidade, com elogios direcionados à sua história, diálogo e personagens. Ultrapassando mais de um milhão de cópias vendidas, foi indicado a vários prêmios e reconhecimentos, incluindo Jogo do Ano por várias publicações e convenções especializadas em jogos eletrônicos. O primeiro capítulo de um jogo relacionado, Deltarune, foi lançado no final de 2018.

Jogabilidade[editar | editar código-fonte]

Captura de tela do jogo Undertale durante uma batalha.
Undertale emprega um sistema de combate híbrido de bullet hell e em turnos no qual os jogadores, controlando o coração, devem evitar ataques de inimigos enquanto decidem lutar, agir, curar ou demonstrar misericórdia.

Undertale é um RPG que usa uma perspectiva de cima para baixo.[1] Nele, o jogador controla uma criança e completa objetivos para progredir na história.[2] Ele explora um mundo subterrâneo repleto de cidades e cavernas, e é obrigado a resolver vários quebra-cabeças em sua jornada.[2][3] O mundo subterrâneo é o lar de monstros, muitos dos quais desafiam o humano em combate;[3] o jogador decide se quer matar, fugir ou fazer amizade com eles.[2][4]

Quando o jogador encontra inimigos em eventos do script ou encontro aleatórios, ele entra em um modo de batalha. Durante as batalhas, ele controla um pequeno coração que representa sua alma, e devem evitar os ataques desencadeados pelo monstro adversário de forma similar a um shooter bullet hell.[2][3] Enquanto o jogo avança, novos elementos são introduzidos, como obstáculos coloridos e batalhas com chefes que mudam a forma como o coração é controlado.[5] O jogador podem escolher atacar o inimigo, o que envolve o pressionamento de botões no tempo correto. Matar inimigos fará com que o protagonista ganhe EXP (por sua vez aumentando seu LOVE) e ouro.[6] Eles podem usar a opção ACT para executar várias ações, que variam dependendo do inimigo.[2] Se o protagonista usar as ações corretas para responder ao inimigo, ou atacá-lo até que ele tenha o HP baixo (mas ainda vivo) ele pode poupá-lo e terminar a luta sem matá-lo.[7] Para que alguns encontros com chefes sejam concluídos pacificamente, o jogador é obrigado a sobreviver até que o personagem que eles estão enfrentando tenha terminado seu diálogo. O RPG apresenta múltiplos ramos e finais na história, dependendo de escolhas que envolvem matar ou poupar os inimigos; e, como tal, é possível concluí-lo sem matar ninguém.[8]

Monstros falarão com o jogador durante a batalha, e a interface comunicará quais são os sentimentos e ações do monstro.[9] Ataques inimigos mudam com base em como o se interage com eles: caso sejam escolhidas opções não-violentas, se tornará mais fácil de desviar de ataques inimigos, enquanto eles se tornam difíceis se opções violentas forem escolhidas.[3][9] A obra conta com vários elementos metaficcionais em sua jogabilidade e história.[10] Quando o jogador participa de uma batalha de chefe em uma segunda vez após o fim do jogo, o diálogo será alterado dependendo das ações nas vezes anteriores.[11]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Undertale se passa em Underground (em tradução livre, "Subterrâneo"), uma enorme caverna subterrânea para onde monstros, que uma vez viviam harmoniosamente com os humanos na superfície, foram banidos depois de perder uma guerra com a humanidade. O Underground é selado da superfície por uma barreira mágica assimétrica criada pelos feiticeiros mais poderosos da humanidade, sendo o único ponto de entrada existente em Mount Ebott.[12] Uma criança humana[nota 1] cai no subsolo e encontra Flowey, uma flor sábia que lhes ensina a mecânica do jogo e os encoraja a aumentar seu "LV", ou "LOVE" (amor), ganhando "EXP" matando monstros.[nota 2] Quando Flowey tenta matar o humano para tomar sua alma para si mesmo, o humano é resgatado por Toriel, um monstro maternal semelhante a uma cabra, que ensina o humano a resolver quebra-cabeças e sobreviver à conflitos em Underground sem matar.[14] Ela pretende adotar o humano, querendo protegê-lo de Asgore Dreemurr, o rei de Underground.[15]

O humano eventualmente deixa Toriel em busca do castelo de Asgore, que contém o caminho (bloqueado pela barreira) levando ao mundo da superfície, seu objetivo. Ao longo do caminho, o humano encontra vários monstros, incluindo: os esqueletos Sans e Papyrus, dois irmãos que agem como sentinelas de Underground;[16] Undyne, a chefe da guarda real;[17] Alphys, cientista do reino; e Mettaton, um apresentador de televisão robótico que a Alphys construiu.[18] Alguns deles são combatidos, com o ser humano tendo que escolher entre matá-los ou mostrar misericórdia; se o humano os poupar, eles se tornam amigos. Durante suas viagens, o humano aprende os detalhes e a causa da guerra entre humanos e monstros, bem como a história de Asriel, filho de Asgore e Toriel.[19] Asriel fez amizade com uma criança humana chamada Chara[nota 3] que caiu no Underground e foi adotada por Asgore e Toriel. Um dia, Chara envenenou-se fatalmente tomando um chá de ervas feito com flores venenosas de ranúnculo, em uma tentativa de ser absorvida por Asriel a fim de cumprir seu plano de libertar os monstros recolhendo seis almas adicionais da superfície, que seriam então usadas com a alma de Chara para quebrar a barreira.[20] Asriel absorveu a alma de Chara e atravessou a barreira, mas a partir daí se recusou a continuar o plano, decidindo então tentar devolver o corpo de Chara para sua aldeia natal. Ele foi morto pelos seres humanos que pensaram que ele matou Chara, já que ele se recusou a se defender por conta de sua ideologia pacifista. Com seus dois filhos mortos, Asgore declarou outra guerra contra a humanidade, e continuou o plano de Chara, procurando romper a barreira matando qualquer humano que caísse no subterrâneo para coletar sete almas humanas, das quais ele atualmente tem seis.[21]

Existem três caminhos divergentes principais no final do jogo, dependendo de como se age durante encontros com monstros: a rota Neutra (Neutral run), a rota Pacifista (Pacifist run) e a rota Genocídio (Genocide run).[8][22] A execução da rota Neutra ocorre se o jogador tiver matado alguns, mas não todos os monstros, ou não tiver matado nenhum monstro. A rota Neutra tem mais de doze variações dependendo de quais monstros foram mortos. Em geral, no final da rota Neutra, o humano chega ao castelo de Asgore e descobre que ele também precisa da alma de um monstro para atravessar a barreira, sendo forçado a lutar contra Asgore para sair de Underground. Sans para o humano antes de seu confronto, revelando que "LOVE" do humano é um acrônimo para "Level Of ViolencE" (nível de violência) e "EXP" para "EXecution Points" (pontos de execução). Sans julga o humano com base na combinação de todas as resoluções durante os encontros com monstros. O humano então luta e derrota Asgore. No entanto, Flowey entra sorrateiramente, mata Asgore, rouba as almas humanas e se torna uma abominação monstruosa. Pedindo a ajuda das seis almas, o humano derrota Flowey, cai inconsciente e desperta no lado humano da barreira; ele recebe um telefonema de Sans, explicando o estado do Underground depois da partida do humano.[23]

A rota Pacifista só pode ser realizada depois que o jogador completar uma rota Neutra, e sua finalização é obtida apenas por não matar nenhum dos monstros durante a rota, enquanto faz amizade com Papyrus e Undyne.[22][24] Nela, se faz amizade com Alphys e descobre seu verdadeiro laboratório. É revelado que Asriel foi reencarnado como Flowey,[25] criado por Alphys como um receptáculo de determinação (o poder que permite ao humano e a Flowey salvar os arquivos do jogo para conseguir ressuscitar) com a intenção de surpreender Asgore. O jogador então retorna para lutar contra Asgore, mas Toriel intervém e é acompanhado pelos outros monstros que o humano fez amizade. Flowey embosca o grupo, usando as almas de todos os monstros para se tornar uma forma mais velha de Asriel, o "Deus da Hipermorte", com o objetivo de lutar contra o humano e iniciar um apocalipse. O humano se conecta com seus novos amigos durante a luta, eventualmente triunfando. Asriel volta à sua forma infantil e percebe, para sua consternação, que o humano não é Chara. O humano diz então a ele seu nome verdadeiro, Frisk. Asriel expressa seu remorso por tudo que ele fez, e usa as seis almas humanas e todas as almas de monstros para destruir a barreira. Asriel então diz que ele inevitavelmente voltará para a se tornar Flowey, e diz a Frisk para deixá-lo para trás. Frisk cai inconsciente e acorda cercado por seus amigos. Os monstros se reintegram com os humanos na superfície, enquanto Frisk tem a opção de aceitar Toriel como sua mãe adotiva ou viver por conta própria.[26]

A rota Genocídio exige que todos os monstros sejam mortos e que o protagonista maximize seu LOVE.[11][24][22] Quando Frisk chega ao castelo de Asgore, Sans tenta impedir o humano, mas Frisk o mata junto com Asgore e Flowey.[27][28] Chara se materializa diante do jogador depois que Flowey é morto e explica que ela foi ressuscitada pelo LOVE adquirido. O jogador é então convidado a se juntar a ela na destruição do universo, o que ocorre independentemente de sua escolha. Depois, o jogo não será mais jogável, mas Chara eventualmente irá oferecer restaurar o universo em troca da alma do jogador. Se a oferta for aceita, o jogo será jogável novamente; no entanto, cada rota Pacifista ou Genocídio subsequente terminará com Chara assumindo o corpo de Frisk.[29]

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Undertale foi desenvolvido por Toby Fox ao longo de 2,7 anos.[30] O desenvolvimento foi financiado através de uma campanha de crowdfunding no site Kickstarter. A campanha foi lançada em 25 de junho de 2013 com uma meta de cinco mil dólares; terminou em 25 de julho de 2013, com 51 124 dólares arrecadados por 2 398 pessoas (1 022 48% da meta original).[31] A criação de Undertale se seguiu depois que Fox desenvolveu um sistema de batalha usando o sistema de criação de jogos GameMaker: Studio.[32] Ele queria desenvolver um RPG que fosse diferente do design tradicional, que ele achava "chato de jogar".[33] Ele começou a desenvolver um jogo com "personagens interessantes", e que "utiliza o meio como um dispositivo de contar histórias ... em vez da história e as abstrações da jogabilidade serem completamente separadas".[33]

Fox trabalhou em toda a produção de forma independente, menos algumas das artes; ele decidiu trabalhar de forma independente para evitar depender dos outros.[30] Fox tinha pouca experiência com desenvolvimento de jogos; ele e seus três irmãos frequentemente usavam o RPG Maker 2000 para fazer RPGs, embora poucos fossem completados. Fox também trabalhou em vários hacks de ROM de EarthBound enquanto cursava o ensino médio.[33] Temmie Chang trabalhou como a principal assistente artística do projeto, fornecendo a maioria dos sprites e arte conceitual.[34] Fox disse que o estilo de arte provavelmente permaneceria o mesmo se ele tivesse acesso a uma equipe maior de artistas. Ele descobriu que "há um base psicológica que diz que o público se torna mais ligado a personagens desenhados de maneira simples ao invés de em detalhes", particularmente se beneficiando do uso de piadas visuais dentro da arte.[35]

Projeto de jogo[editar | editar código-fonte]

O segmento defensivo dentro do sistema de batalha foi inspirado na série Mario & Luigi, bem como em bullet hells, como a série Touhou Project.[36] Ao trabalhar no sistema de batalha, Fox começou a criar uma mecânica que ele pessoalmente gostaria.[37] Ele queria que Undertale tivesse um sistema de batalha tão envolvente quanto Super Mario RPG (1996) e Mario & Luigi: Superstar Saga (2003). Fox não queria que grinding fosse necessário em nenhum momento do jogo, deixando-o opcional para os jogadores. Ele também não quis introduzir missões de entrega, pois envolvem retrocesso dos passos, o que ele não gosta.[30] Em termos de dificuldade na jogabilidade, Fox garantiu que era fácil e agradável. Ele pediu a alguns amigos inexperientes com atiradores do tipo bullet hell para testar o produto, e descobriu que eles eram capazes de completá-lo. Ele sentiu que a dificuldade é otimizada, particularmente considerando as complicações envolvidas na adição de outra opção de dificuldade.[38]

O sistema de diálogo foi inspirado por Shin Megami Tensei (1992),[36] particularmente a mecânica de jogabilidade através da qual os jogadores podem conversar com monstros para evitar conflitos. Fox pretendia expandir esse mecanismo, pois falhar na negociação resultava em lutar se tornando um requisito. "Eu quero criar um sistema que satisfaça o meu desejo de falar com monstros", disse ele.[3] Quando ele começou a desenvolver essa mecânica, o conceito de completar o jogo sem matar nenhum inimigo "simplesmente evoluiu naturalmente".[39] No entanto, ele nunca considerou remover a opção de lutar durante o desenvolvimento.[39] Quando questionado sobre a dificuldade de jogar sem matar, Fox respondeu que é "o ponto crucial de um dos principais temas deste jogo", pedindo aos jogadores que pensem sobre eles mesmos.[39]

Roteiro[editar | editar código-fonte]

Para o roteiro, Fox foi parcialmente influenciado pelas bobagens da cultura da internet, bem como por comédias como Mr. Bean (1990-1995).[30] Ele também foi inspirado pela atmosfera inquietante de EarthBound (1994).[30] O desejo de Fox de "subverter conceitos que são inquestionáveis em muitos jogos" influenciou ainda mais o desenvolvimento de Undertale.[39] Fox descobriu que a escrita se tornou mais fácil depois de estabelecer a voz e o humor de um personagem. Ele também sentiu que criar o mundo era um processo natural, pois expressava as histórias daqueles que estavam dentro dele.[35] Fox sentiu a importância de fazer os monstros no enredo "se sentirem como um indivíduo".[36] Ele citou a série Final Fantasy (1987-presente) como o oposto; "todos os monstros em RPGs como Final Fantasy são os mesmos ... não tem sentido para isso".[36]

A personagem Toriel, que é uma das primeiras a ser introduzida na história, foi criada como uma paródia de personagens de tutoriais. Fox não gostava muito do uso da acompanhante Fi em The Legend of Zelda: Skyward Sword (2011), em que as respostas aos quebra-cabeças eram frequentemente reveladas cedo. Fox também sentia que jogos eletrônicos geralmente não têm personagens maternos; na série Pokémon (1996-presente), assim como Mother (1989) e EarthBound, Fox sentiu que as mães são usadas como "símbolos e não como personagens".[33] Em resposta, Fox pretendia que a personagem Toriel fosse "uma mãe que esperançosamente age como uma mãe", e "genuinamente se importa" com as ações dos jogadores.[33]

Música[editar | editar código-fonte]

"Hopes and Dreams", uma canção de uma das últimas lutas contra chefes do jogo, foi elogiada por reintroduzir muitos dos temas anteriores do jogo num estilo diferente.[40][41]

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

A trilha sonora da obra foi inteiramente composta por Fox. Músico autodidata, ele compôs a maioria das faixas com pouca iteração; o tema principal, "Undertale", foi a única música a passar por várias iterações em desenvolvimento. A trilha sonora foi inspirada pela música de RPGs do Super NES,[30] como EarthBound,[42] bem como a webcomic Homestuck, para o qual a Fox forneceu algumas das músicas.[30] Fox também afirmou que ele tenta se inspirar em todas as músicas que ele ouve,[37] particularmente aquelas em jogos eletrônicos. De acordo com a Fox, mais de 90% das músicas foram compostas especificamente para o jogo.[32] "Megalovania", a música usada durante a batalha contra Sans, já havia sido usada em Homestuck e em um dos hacks de ROM EarthBound de Fox.[41] Para cada seção da narrativa, Fox compôs a música antes da programação, pois ajudou a "decidir como a cena deveria ser".[32] Ele inicialmente tentou usar um tracker para compor a trilha sonora, mas achou difícil de usar. Ele finalmente decidiu tocar segmentos da música separadamente e conectá-los numa faixa.[42] Para comemorar o aniversário de um ano do jogo, a Fox lançou cinco obras musicais não utilizadas em seu blog em 2016.[43]

A trilha sonora de Undertale foi bem recebida pelos críticos como parte de seu sucesso, em particular pelo uso de vários leitmotive para os vários personagens usados em várias faixas.[44][45] Em particular, "Hopes and Dreams", o tema de chefe ao lutar com Asriel na rota onde o jogador evita matar qualquer monstro, traz de volta a maioria dos temas dos personagens principais, e é "uma maneira perfeita de coroar sua jornada", de acordo com Nadia Oxford da USgamer.[41] Oxford observa que essa faixa em particular demonstra a capacidade da Fox de "transformar músicas antigas em experiências completamente novas", usadas ao longo da trilha sonora.[41] Tyler Hicks da GameSpot comparou a música a "melodias baseadas em bits".[46]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

O jogo foi lançado em 15 de setembro de 2015 para o Microsoft Windows e OS X,[47] e em 17 de julho de 2016 para o Linux.[48] Fox expressou interesse em lançar Undertale em outras plataformas, mas inicialmente não conseguiu portá-lo para as plataformas da Nintendo sem reprogramá-lo devido à falta de suporte do motor para essas plataformas.[30] Um patch foi lançado em janeiro de 2016, corrigindo bugs e alterando a aparência de ataques azuis para ajudar os jogadores daltônicos a vê-los melhor.[49] A Sony Interactive Entertainment anunciou durante a E3 2017 que Undertale obteria um lançamento para o PlayStation 4 e PlayStation Vita, uma localização japonesa, e uma versão de varejo publicada pela Fangamer. Essas versões foram lançadas em 15 de agosto de 2017.[50][51][52] Uma versão de Nintendo Switch foi revelada durante um Nintendo Direct em março de 2018, embora nenhuma data de lançamento tenha sido dada;[53][54] O lançamento de Undertale no Switch destacou um acordo feito entre a Nintendo e a YoYo Games para permitir aos usuários do GameMaker Studio 2 exportar diretamente seus jogos para o Switch.[55] O port é esperado para ser lançado em 15 de setembro de 2018 no Japão,[56] e em 18 de setembro de 2018 no resto do mundo.[57] Todos os ports de console são publicados por cortesia da localizadora japonesa 8-4 em todas as regiões.[58][59]

Outras mídias de Undertale e merchandise foram lançados, incluindo estatuetas de brinquedo e brinquedos de pelúcia baseados em personagens da história.[60] A trilha sonora oficial foi lançada em 2015 simultaneamente com o seu lançamento.[61] Além disso, dois álbuns oficiais de Undertale foram lançados: o álbum de metal de 2015 Determination de RichaadEB e Ace Waters,[62][63] e o álbum de jazz de 2016 Live at Grillby's de Carlos Eiene, mais conhecido como insaneintherainmusic.[64] Outro álbum de duetos de jazz baseado nas canções de Undertale, Prescription for Sleep, foi apresentado e lançado em 2016 pelo saxofonista Norihiko Hibino e pelo pianista Ayaki Sato.[65] Uma edição em vinil 2xLP da trilha sonora de Undertale, produzida por iam8bit, também foi lançada no mesmo ano.[66]

Recepção[editar | editar código-fonte]

 Recepção
Resenha crítica
Publicação Nota
Destructoid 10/10[2][67]
Giant Bomb 5 de 5 estrelas.[68]
Game Informer 9.5/10[69]
GameSpot 9/10[46]
IGN 10/10[70]
PC Gamer 91/100[71]
USgamer 5 de 5 estrelas.[72]
Pontuação global
Publicação Nota média
Metacritic (PC) 92/100[73]
(PS4) 92/100[74]

Undertale recebeu aclamação da crítica e foi rapidamente considerado um jogo eletrônico cult por diversas publicações.[75][76] O agregador de análises Metacritic calculou uma pontuação média de 92 de 100, baseado em 43 análises.[73] Metacritic o classifica como o terceiro jogo de Windows mais bem avaliado lançado em 2015,[73] e entre os 50 melhores de todos os tempos.[77] Elogios foram particularmente direcionados para o roteiro, personagens únicos e sistema de combate. Tyler Hicks, da GameSpot, declarou que é "um dos RPGs mais progressistas e inovadores que vieram faz muito tempo",[46] e Kallie Plagge, da IGN, chamou de "uma experiência magistralmente trabalhada".[70] Até o final de 2015, em um relatório preliminar da Steam Spy, Undertale foi um dos jogos mais vendidos na Steam, com 530.343 cópias vendidas.[78] No início de fevereiro de 2016, ele ultrapassou um milhão de vendas,[79] e em julho de 2018, tinha um total estimado de três milhões e meio de jogadores na Steam.[80] As vendas japonesas de PlayStation 4 e PlayStation Vita ultrapassaram as 100,000 cópias vendidas em fevereiro de 2018.[81]

O produto recebeu várias críticas positivas, como em Game Rankings, onde recebeu uma pontuação total de 94,11% baseado em 28 avaliações.[82] Destructoid disse que ele tinha uma excelente jogabilidade, personagens, escrita e trilha sonora, e deu ao título uma pontuação de avaliação de 10 de 10.[83] The Escapist deu uma avaliação positiva de 5 de 5 estrelas dizendo que ele traz uma ótima jogabilidade, com uma moral boa, onde o jogador tem que optar por ser do bem ou do mau, com uma trilha sonora fantástica e uma história complexa e bonita.[84] Na página da Steam, as análises foram muito positivas.[85]

Daniel Tack de Game Informer chamou o sistema de combate do jogo de "incrivelmente sutil", comentando a singularidade de cada encontro com o inimigo.[69] Austin Walker, de Giant Bomb, elogiou a complexidade do combate, comentando que é "não convencional, inteligente e ocasionalmente muito difícil".[68] Ben "Yahtzee" Croshaw de The Escapist elogiou a capacidade da obra de misturar "elementos de combate ao vivo e baseados em turnos de uma forma que realmente funciona".[86] Plagge, da IGN, elogiou a capacidade de evitar o combate, optando por conversas amistosas.[70] Jesse Singal, do The Boston Globe, achou que a habilidade de fazer com que o jogador simpatize com os monstros durante o combate, se eles optassem por ações não violentas, era "indicativo da doçura mais ampla e fundamental no núcleo" de Undertale.[87]

Os críticos elogiaram a escrita e a narrativa da obra, com Plagge, da IGN, chamando-o de "excelente".[70] Croshaw de The Escapist considerou Undertale o jogo mais bem escrito de 2015, escrevendo que é "por um lado hilário ... e também, no final, bastante sincero".[86] Ben Davis, do Destructoid, elogiou os personagens e o uso da comédia, e comparou seu tom, personagens e histórias a Cave Story (2004).[2] Richard Cobbett, do PC Gamer, fez comentários semelhantes, escrevendo que "mesmo seus momentos mais fracos ... simplesmente funcionam".[71]

Os visuais receberam reações mistas. Walker de Giant Bomb chamou-o de "simples, mas comunicativo".[68] Plagge, da IGN, escreveu que o jogo "nem sempre é bonito" e "frequentemente feio", mas sentiu que a música e as animações compensam.[70] Croshaw de The Escapist observou que "oscila entre o básico e funcional, e o simplesmente ruim".[86] Outros comentadores gostaram dos gráficos: Daniel Tack, da Game Informer, sentiu que os visuais combinavam apropriadamente com os personagens e configurações,[69] enquanto Richard Cobbett, da PC Gamer, elogiou a habilidade dos visuais em transmitir emoção.[71]

Cerca de um ano após o lançamento, Fox comentou que ficou surpreso com o quão popular o seu produto se tornou e, embora tenha apreciado a atenção, ele ficou estressado com isso. Fox disse: "Não me surpreenderia se eu nunca fizer um jogo tão bem sucedido novamente. Por mim, tudo bem."[88]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Undertale recebeu vários prêmios e indicações de várias publicações jornalísticas de jogos. Ganhou Jogo do Ano de The Jimquisition[89] e Zero Punctuation,[90] bem como Jogo do Mês de Rock, Paper, Shotgun.[91] Ele venceu a votação de Melhor Jogo de Todos os Tempos de GameFAQs,[92] e recebeu o prêmio de Melhor Jogo de PC da Destructoid[93] e da IGN.[94] No Independent Games Festival Awards, ganhou o Prêmio do Público,[95] enquanto o SXSW Gaming Awards o classificou como o Jogo de Crowdfunding Mais Gratificante, e concedeu-lhe o Prêmio de Inovação Cultural Matthew Crump.[96]

O site IGN incluiu o título na posição de número 68 no ranking dos "100 melhores RPGs de todos os tempos" (Top 100 RPGs of All Time).[97]

Notas

  1. O jogo não define se a criança humana é do sexo masculino ou feminino, deixando aberto para interpretação pessoal.
  2. Em jogos de RPG, "LV" e "EXP" são abreviações para "nível [de experiência]" e "pontos de experiência", respectivamente, e é desejável que eles sejam incrementados.[13]
  3. Esse personagem é nomeado pelo jogador no início do jogo. O nome "Chara" é referido como "o nome verdadeiro" se for escolhido. O jogo também não define se Chara é do sexo masculino ou feminino, deixando aberto para interpretação pessoal. "Chara" também pode ser uma sigla da palavra "Character", que significa personagem em inglês.

Referências

  1. a b «The RPS Advent Calendar, Dec 16th: Undertale». Rock, Paper, Shotgun (em inglês). 16 de dezembro de 2015. Consultado em 16 de maio de 2016. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2015 
  2. a b c d e f g Davis, Ben (24 de setembro de 2015). «Review: Undertale». Destructoid (em inglês). ModernMethod. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2016 
  3. a b c d e Hudson, Laura (24 de setembro de 2015). «In Undertale, you can choose to kill monsters — or understand them». Boing Boing (em inglês). Happy Mutants. Consultado em 20 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2016 
  4. Smith, Adam (15 de outubro de 2015). «Conversations With Myself: On Undertale's Universal Appeal». Rock, Paper, Shotgun (em inglês). Consultado em 16 de maio de 2016. Cópia arquivada em 16 de maio de 2016 
  5. Cobbett, Richard (21 de setembro de 2015). «The RPG Scrollbars: Undertale». Rock, Paper, Shotgun (em inglês). Consultado em 31 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2016 
  6. Bogos, Steven (2 de junho de 2013). «Undertale is an EarthBound Inspired Indie RPG». The Escapist (em inglês). Defy Media. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2016 
  7. Couture, Joel (22 de setembro de 2015). «Guilt, Friendship, and Carrot Monsters — Undertale and the Consequences of Easy Violence». IndieGames.com (em inglês). UBM TechWeb. Consultado em 20 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2016 
  8. a b Farokhmanesh, Megan (7 de julho de 2013). «UnderTale combines classic RPG gameplay with a pacifist twist». Polygon (em inglês). Vox Media. Consultado em 25 de setembro de 2015. Cópia arquivada em 26 de setembro de 2015 
  9. a b Welhouse, Zach (8 de outubro de 2015). «Undertale – Review». RPGamer (em inglês). Consultado em 21 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 21 de janeiro de 2016 
  10. Muncy, Jack (18 de janeiro de 2016). «The Best New Videogames Are All About … Videogames». Wired (em inglês). Condé Nast. Consultado em 18 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 27 de março de 2016 
  11. a b Grayson, Nathan (28 de setembro de 2015). «Players Still Haven't Figured Out All Of Undertale's Secrets». Kotaku (em inglês). Gawker Media. Consultado em 17 de fevereiro de 2016. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2016 
  12. Toby Fox (15 de setembro de 2015). Undertale (0.9.9.5). Cena: Introdução 
  13. Moore, Michael E. (2011). Basics of Game Design (em inglês). [S.l.]: A K Peters. p. 142. ISBN 9781568814339 
  14. Toby Fox (15 de setembro de 2015). Undertale (0.9.9.5). Fase: Ruins - Entrance 
  15. Toby Fox (15 de setembro de 2015). Undertale (0.9.9.5). Fase: Ruins - Home. ASGORE... Do not let ASGORE take your soul. 
  16. Toby Fox (15 de setembro de 2015). Undertale (0.9.9.5). Fase: Snowdin - Box Road 
  17. Toby Fox (15 de setembro de 2015). Undertale (0.9.9.5). Fase: Waterfall - Quiet Area 
  18. «The Dark Side of Pacifism in 'Undertale'». PopMatters (em inglês). 15 de março de 2016 
  19. «Why Undertale's End-Game Tops All Other RPG Finales». USgamer.net (em inglês). Consultado em 15 de setembro de 2018 
  20. Toby Fox (15 de setembro de 2015). Undertale (0.9.9.5). Fase: True Lab - Bedroom 
  21. Toby Fox (15 de setembro de 2015). Undertale (0.9.9.5). Fase: Castle Elevator 
  22. a b c Oxford, Nadia (15 de agosto de 2017). «Why Undertale's End-Game Tops All Other RPG Finales». US Gamer. Consultado em 15 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2017 
  23. Toby Fox (15 de setembro de 2015). Undertale (0.9.9.5). Fase: The End (rota neutra) 
  24. a b Hughes, William (9 de dezembro de 2015). «Undertale dares players to make a mistake they can never take back». The A.V. Club. The Onion. Consultado em 2 de março de 2016. Cópia arquivada em 25 de março de 2016 
  25. Schreier, Jason. «Undertale Has One Of The Greatest Final Boss Fights In RPG History». Kotaku (em inglês) 
  26. Toby Fox (15 de setembro de 2015). Undertale (0.9.9.5). Fase: The End (rota pacifista) 
  27. «Undertale - como desbloquear todos os finais e como aceder ao modo difícil». Eurogamer.pt 
  28. Toby Fox (15 de setembro de 2015). Undertale (0.9.9.5). Fase: Last Corridor (rota genocida) 
  29. Toby Fox (15 de setembro de 2015). Undertale (0.9.9.5). Fase: Throne Entrance (rota genocida) 
  30. a b c d e f g h Turi, Tim (15 de outubro de 2015). «GI Show – Yoshi's Woolly World, Star Wars: Battlefront, Undertale's Toby Fox». Game Informer (em inglês). GameStop. Consultado em 20 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 20 de janeiro de 2016 
  31. Suszek, Mike (29 de julho de 2013). «Crowdfund Bookie, July 21–27: Terminator 2, UnderTale, Last Dream». Engadget (em inglês). AOL Tech. Consultado em 20 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2016 
  32. a b c Feeld, Julian (9 de outubro de 2015). «INTERVIEW: TOBY FOX OF UNDERTALE». Existential Gamer (em inglês). Feeld. Consultado em 20 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2016 
  33. a b c d e Hogan, Sean (25 de maio de 2013). «Toby Fox's Undertale – DEV 2 DEV INTERVIEW #1». Seagaia (em inglês). Consultado em 20 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 20 de janeiro de 2016 
  34. Fox, Toby (25 de junho de 2013). «UnderTale by Toby Fox». Kickstarter (em inglês). Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2016 
  35. a b Bennett, David (22 de outubro de 2015). «Behind the humor of Toby Fox's Undertale». Kill Screen (em inglês). Kill Screen Media. Consultado em 20 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2016 
  36. a b c d Bogos, Steven (25 de junho de 2013). «Undertale Dev: "Every Monster Should Feel Like an Individual"». The Escapist (em inglês). Defy Media. Consultado em 20 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2016 
  37. a b Isaac, Chris (10 de dezembro de 2015). «Interview: Undertale Game Creator Toby Fox». The Mary Sue (em inglês). Consultado em 20 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2016 
  38. Scarnewman, Bobby; Aldenderfer, Kris; Fox, Toby (15 de dezembro de 2015). Toph & Scar Show S1 SEASON FINALE – ft. Creator of Undertale, Toby Fox, and Storm Heroes. YouTube (em inglês). Google. Em cena em 41:54. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2017 
  39. a b c d Couture, Joel (27 de outubro de 2015). «Thinking for Ourselves – Toby Fox on Fighting and Introspection in Undertale». IndieGames.com (em inglês). UBM TechWeb. Consultado em 20 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2016 
  40. Schreier, Jason (5 de janeiro de 2016). «Undertale Has One Of The Greatest Final Boss Fights In RPG History». Kotaku (em inglês). Gawker Media. Consultado em 22 de abril de 2016. Arquivado do original em 28 de abril de 2016 
  41. a b c d Oxford, Nadia (21 de abril de 2016). «naote Block Beat Box: Listening to Hopes and Dreams from Undertale». USgamer (em inglês). Gamer Network. Consultado em 22 de abril de 2016. Arquivado do original em 2 de maio de 2016 
  42. a b Scarnewman, Aldenderfer & Fox 2015, 1:15:10
  43. Leack, Jonathan (15 de setembro de 2016). «Undertale Dev Celebrates 1 Year Anniversary With Unreleased Music». Game Revolution (em inglês). Crave Online. Consultado em 15 de setembro de 2016. Arquivado do original em 14 de setembro de 2016 
  44. Yu, Jason (6 de abril de 2016). «An Examination of Leitmotifs and Their Use to Shape Narrative in UNDERTALE – Part 1 of 2». Gamasutra (em inglês). UBM TechWeb. Consultado em 21 de abril de 2016. Arquivado do original em 21 de abril de 2016 
  45. Yu, Jason (14 de abril de 2016). «An Examination of Leitmotifs and Their Use to Shape Narrative in UNDERTALE – Part 2 of 2». Gamasutra (em inglês). UBM TechWeb. Consultado em 21 de abril de 2016. Cópia arquivada em 2 de maio de 2016 
  46. a b c Hicks, Tyler (20 de novembro de 2015). «Undertale Review». GameSpot (em inglês). CBS Interactive. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2016 
  47. a b Orland, Kyle (28 de dezembro de 2015). «The best video games of 2015, as picked by the Ars editor». Ars Technica. Condé Nast. p. 4. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2016 
  48. Fox, Toby (17 de julho de 2016). «UnderTale on Twitter: "UNDERTALE is now available for Linux on Steam! Also, the game's still on sale for the next 24 hours, so..."». Twitter. Consultado em 17 de julho de 2016. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2017 
  49. Frank, Allegra (21 de janeiro de 2016). «Undertale's first patch claims to fix bugs, but fans found hidden content». Polygon. Vox Media. Consultado em 2 de maio de 2016. Cópia arquivada em 7 de abril de 2016 
  50. Matulef, Jeffrey (13 de junho de 2017). «Undertale is coming to PS4 and Vita this summer». Eurogamer. Gamer Network. Consultado em 12 de junho de 2017. Cópia arquivada em 13 de junho de 2017 
  51. Jenni (18 de julho de 2017). «Undertale Coming To The PlayStation 4 And Vita On August 15, 2017». Siliconera. Consultado em 18 de julho de 2017. Cópia arquivada em 8 de agosto de 2017 
  52. Frank, Allegra (15 de agosto de 2017). «Undertale's trophies are perfectly hilarious». Polygon. Consultado em 15 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2017 
  53. «世界的な大ヒットタイトル『UNDERTALE』がNintendo Switchで発売!». Nintendo (em inglês). Consultado em 11 de março de 2018. Cópia arquivada em 10 de março de 2018 
  54. Glagowski, Peter (8 de março de 2018). «Undertale will 'eventually' be on Switch». Destructoid. Consultado em 8 de março de 2018. Cópia arquivada em 9 de março de 2018 
  55. Good, Owen (9 de março de 2018). «Undertale coming to Switch brings indie games' GameMaker Studio engine with it». Polygon. Consultado em 9 de março de 2018. Cópia arquivada em 9 de março de 2018 
  56. Soejima (1 de agosto de 2018). «記念すべき9月15日に『UNDERTALE』発売へ!» (em Japanese). Nintendo Co., Ltd. Consultado em 28 de agosto de 2018 
  57. Schreier, Jason (28 de agosto de 2018). «A Ton Of New Indie Games Are Heading To Switch Soon». Kotaku. Consultado em 28 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 28 de agosto de 2018 
  58. «Breaking Down Borders: Undertale's Journey to Japan and Back». PlayStation.Blog (em inglês). Consultado em 15 de setembro de 2018 
  59. «8-4 | Gameography». 8-4.jp. Consultado em 15 de setembro de 2018 
  60. Rowen, Nic (9 de fevereiro de 2016). «Get your name in early for these Undertale figures». Destructoid. ModernMethod. Consultado em 2 de maio de 2016. Cópia arquivada em 10 de março de 2016 
  61. «UNDERTALE Soundtrack». Steam. Valve Corporation. Consultado em 2 de maio de 2016. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2016 
  62. Grayson, Nathan (6 de janeiro de 2016). «Undertale has an officially sanctioned fan album, and it's awesome.». Kotaku. Gawker Media. Consultado em 2 de maio de 2016. Cópia arquivada em 31 de março de 2016 
  63. RichaadEB; Waters, Ace. «Determination». Bandcamp. Consultado em 2 de maio de 2016. Cópia arquivada em 14 de abril de 2016 
  64. Gwaltney, Javy (6 de fevereiro de 2016). «Official Undertale Jazz Album Live At Grillby's Released». Game Informer. GameStop. Consultado em 2 de maio de 2016. Cópia arquivada em 2 de maio de 2016 
  65. Hamilton, Kirk (5 de dezembro de 2016). «Undertale just got a nice new musical tribute». Kotaku. Consultado em 5 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2016 
  66. «Undertale Soundtrack Coming to Vinyl». IGN. 26 de agosto de 2016. Consultado em 26 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 27 de agosto de 2016 
  67. Peterson, Joel (15 de agosto de 2017). «Review: Undertale (PS4)». Destructoid. Enthusiastic Gaming. Consultado em 16 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2017 
  68. a b c Walker, Austin (25 de setembro de 2015). «Undertale Review». Giant Bomb (em inglês). CBS Interactive. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2015 
  69. a b c Tack, Daniel (1 de outubro de 2015). «An Enchanting, Exhilarating Journey – Undertale». Game Informer (em inglês). GameStop. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2016 
  70. a b c d e Plagge, Kallie (12 de janeiro de 2016). «Undertale Review». IGN (em inglês). IGN Entertainment. Consultado em 13 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2016 
  71. a b c Cobbett, Robert (29 de setembro de 2015). «Undertale review». PC Gamer (em inglês). Future US. Consultado em 29 de setembro de 2015. Cópia arquivada em 29 de setembro de 2015 
  72. Mackey, Bob (30 de setembro de 2015). «Undertale PC Review: The Art of Surprise». USgamer (em inglês). Gamer Network. Consultado em 31 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2015 
  73. a b c «Undertale for PC Reviews». Metacritic (em inglês). CBS Interactive. Consultado em 28 de julho de 2017. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2016 
  74. «Undertale». Metacritic. CBS Interactive. Consultado em 16 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 11 de setembro de 2017 
  75. Allen, Eric Van (22 de outubro de 2015). «Undertale Fan Makes a Sequel... In a Wrestling Game?». Paste (em inglês). Paste Media Group. Consultado em 21 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2016 
  76. LaBella, Anthony (24 de setembro de 2015). «You Should Play Undertale». Game Revolution (em inglês). CraveOnline. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 20 de janeiro de 2016 
  77. «Best PC Video Games of All Time». Metacritic (em inglês). CBS Interactive. Consultado em 28 de julho de 2017. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2016 
  78. Wawro, Alex (22 de dezembro de 2015). «GTA 5 leads Steam Spy's list of best-selling 2015 Steam games». Gamasutra (em inglês). UBM TechWeb. Consultado em 22 de dezembro de 2015. Cópia arquivada em 24 de dezembro de 2015 
  79. Grubb, Jeff (13 de abril de 2016). «Stardew Valley is one of the best-selling PC games of the year as it surpasses 1M copies sold». GamesBeat (em inglês). VentureBeat. Consultado em 22 de abril de 2016. Arquivado do original em 22 de abril de 2016 
  80. Orland, Kyle (6 de julho de 2018). «Valve leaks Steam game player counts; we have the numbers». Ars Technica. Condé Nast. Consultado em 11 de julho de 2018. Cópia arquivada em 10 de julho de 2018  Lista completa. Arquivado em 11 de julho de 2018 no Wayback Machine.
  81. Romano, Sal (15 de fevereiro de 2018). «Undertale PS4 and PS Vita sales top 100,000 in Japan». Gematsu. Consultado em 15 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2018 
  82. «Undertale for PC - GameRankings». www.gamerankings.com (em inglês). Consultado em 11 de janeiro de 2017 
  83. «Review: Undertale». Destructoid (em inglês). Consultado em 11 de janeiro de 2017 
  84. «Undertale Review - The Pinnacle of Classic RPG Storytelling». The Escapist (em inglês) 
  85. «Poupa 50% em Undertale no Steam». store.steampowered.com. Consultado em 11 de janeiro de 2017 
  86. a b c Croshaw, Ben (28 de outubro de 2015). «Undertale May Be This Year's Best Written Game». The Escapist (em inglês). Defy Media. Consultado em 27 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 29 de outubro de 2015 
  87. Singal, Jesse (12 de fevereiro de 2016). «Best game ever? No, but 'Undertale' warrants the hype». The Boston Globe (em inglês). Boston Globe Media Partners. Consultado em 12 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 22 de março de 2016 
  88. Wawro, Alex (14 de setembro de 2016). «Undertale dev reflects on what it's like to have your game become a phenomenon». Gamasutra. Consultado em 14 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2017 
  89. a b Sterling, Jim (21 de dezembro de 2015). «The Jimquisition Game of the Year Awards 2015». The Jimquisition. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 20 de janeiro de 2016 
  90. a b «Top 5 Games of 2015». The Escapist. Defy Media. 7 de janeiro de 2016. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2016 
  91. a b «Game of the Month: October – Undertale». Rock, Paper, Shotgun. 30 de outubro de 2015. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2016 
  92. a b Frank, Allegra (16 de dezembro de 2015). «Undertale wins GameFAQs' Best Game Ever contest». Polygon. Vox Media. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2016 
  93. a b Hansen, Steven (22 de dezembro de 2015). «Destructoid's award for Best PC Game of 2015 goes to...». Destructoid. ModernMethod. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2016 
  94. a b «PC Game of the Year». IGN. IGN Entertainment. 12 de janeiro de 2016. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2016 
  95. a b «Her Story takes home top honors at the 18th annual IGF Awards». Gamasutra. UBM TechWeb. 16 de março de 2016. Consultado em 16 de março de 2016. Cópia arquivada em 11 de abril de 2016 
  96. a b c Sarkar, Samit (21 de março de 2016). «The Witcher 3 takes top honors at yet another award show, the SXSW Gaming Awards». Polygon. Vox Media. Consultado em 5 de junho de 2016. Cópia arquivada em 6 de abril de 2016 
  97. IGN. «Top 100 RPGs of All Time» (em inglês). Consultado em 16 de maio de 2018 
  98. «Global Game Awards 2015». Game-Debate. 27 de novembro de 2015. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2016 
  99. Peckham, Matt (1 de dezembro de 2015). «Top 10 Video Games». Time. Time Inc. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2016 
  100. a b c Nunneley, Stephany (4 de dezembro de 2015). «The Game Awards 2015 – Game of the Year goes to The Witcher 3». VG247. Videogaming247. Consultado em 15 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2016 
  101. Diver, Mike (4 de dezembro de 2015). «The Best 20 Video Games of 2015». Vice. Vice Media. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2016 
  102. O'Donnell, Steven; Bendixsen, Stephanie (15 de dezembro de 2015). «Game of the Year – Part 1». Australian Broadcasting Corporation. Consultado em 17 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2016 
  103. «Game of the Year 2015 Countdown: #20 – #16». GameSpot. CBS Interactive. 18 de dezembro de 2015. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2016 
  104. «The Escapist's Best Games of 2015». The Escapist. Defy Media. 25 de dezembro de 2015. p. 3. Consultado em 17 de fevereiro de 2016. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2016 
  105. «Giant Bomb's 2015 Game of the Year Awards: Day One Text Recap». Giant Bomb. CBS Interactive. 28 de dezembro de 2015. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2016 
  106. «Giant Bomb's 2015 Game of the Year Awards: Day Three Text Recap». Giant Bomb. CBS Interactive. 30 de dezembro de 2015. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2016 
  107. «Giant Bomb's 2015 Game of the Year Awards: Day Five Text Recap». Giant Bomb. CBS Interactive. 1 de janeiro de 2016. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2016 
  108. «Best Story». IGN. IGN Entertainment. 12 de janeiro de 2016. Consultado em 17 de fevereiro de 2016. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2015 
  109. a b c Frank, Allegra (13 de janeiro de 2016). «DICE Awards finalists include Fallout 4, Witcher 3, Life is Strange and more». Polygon. Vox Media. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2016 
  110. a b c Nunneley, Stephany (8 de janeiro de 2016). «The Witcher 3, Metal Gear Solid 5 lead nominees for GDC 2016 Awards». VG247. Videogaming247. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2016 
  111. a b c Nunneley, Stephany (6 de janeiro de 2016). «Her Story, Undertale, Darkest Dungeon receive multiple 2016 IGF Award nominations». VG247. Videogaming247. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2016 
  112. a b c Frank, Allegra (25 de janeiro de 2016). «Bloodborne, Metal Gear Solid 5 among SXSW Gaming Award nominees». Polygon. Vox Media. Consultado em 17 de fevereiro de 2016. Cópia arquivada em 25 de janeiro de 2016 
  113. Nunnely, Stephany (10 de março de 2016). «Rocket League, The Witcher 3, Fallout 4, others up for BAFTA Best Game Award». VG247. Videogaming247. Consultado em 10 de março de 2016. Cópia arquivada em 2 de maio de 2016 
  114. Weber, Rachel (7 de abril de 2016). «Fallout 4 wins best game at BAFTAs». GamesIndustry.biz. Gamer Network. Consultado em 7 de abril de 2016. Cópia arquivada em 2 de maio de 2016 
  115. Allen, Thomas J. (21 de março de 2016). «2015 Winners». National Academy of Video Game Trade Reviewers. Consultado em 22 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2017 
  116. Carroll, Dan (12 de agosto de 2016). «Vote for the Dragon Awards!». Dragon Con. Consultado em 6 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 27 de agosto de 2017 
  117. Good, Owen (31 de dezembro de 2016). «Steam Awards names its first-ever winners». Polygon. Consultado em 31 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 1 de janeiro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Saiba mais sobre Undertale
nos projetos irmãos da Wikipedia:

Search Wikiquote Citações no Wikiquote
Search Commons Imagens e media no Commons