União Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
União Brasil
"União, Brasil!"
União Brasil logo.svg
Número eleitoral 44[1]
Presidente Luciano Bivar[2]
Secretário-geral ACM Neto
Fundação 6 de outubro de 2021 (1 mês)[3]
Sede Brasília, DF
Ideologia Conservadorismo liberal[4][5]

Liberalismo econômico[6]

Espectro político Centro-direita à Direita[7][8][9]
Fusão DEM
PSL
Membros (2021) 1.085.418 filiados[10]
Governadores TBA
Prefeitos TBA
Senadores TBA
Deputados federais TBA
Deputados estaduais TBA
Vereadores TBA
Cores      Azul
     Ciano
     Amarelo
     Branco[11]
Página oficial
dem.org.br/uniaobrasil/
Política do Brasil

Partidos políticos

Eleições

A União Brasil é um partido político brasileiro em processo de formação resultante da fusão entre o Partido Social Liberal (PSL) e o Democratas (DEM), aprovada por ambas agremiações em 6 de outubro de 2021. A partir de sua aprovação pelo Tribunal Superior Eleitoral, será o partido com o maior número de membros na Câmara dos Deputados.[1][2][12][13][9][14]

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Em 2017, foi promulgada a Emenda Constitucional 97, que estabeleceu uma cláusula de barreira progressiva, para que os partidos políticos brasileiros tenham acesso gratuito ao rádio e à televisão em propaganda eleitoral, bem como ao fundo partidário. Igualmente, a emenda proibiu a formação de coligações políticas para a disputa de eleições proporcionais.[15] O objetivo da referida emenda foi diminuir o número de partidos políticos no Brasil.[16]

Desde então, alguns partidos políticos foram incorporados a outros.[17][18][19] Em 2021, o Partido Social Liberal e Democratas anunciaram a fusão. Historicamente, Democratas é um dos maiores partidos da direita brasileira, sendo sucessor do PFL, enquanto o PSL é historicamente um partido social-liberal pequeno, porém elegeu Jair Bolsonaro como presidente da república e passou a se colocar como um partido mais direitista.[20]

Fusão[editar | editar código-fonte]

A criação da UB nasce desde a fusão de DEM e PSL

As primeiras notícias que surgiram no final de 2019, durante a crise que culminou na saída de Jair Bolsonaro do PSL.[21] Na época, houve várias resistências, com ACM Neto, presidente do Democratas, afirmando que essa união não teria sentido e o Felipe Francischini, presidente da Comissão de Constituição e Justiça na Câmara dos Deputados, disse que a união faria com que ambos partidos percam espaço na política.[22][23]

Após as eleições municipais no Brasil em 2020, as negociações foram retomadas. Inicialmente, o Progressistas faria parte da fusão, porém acabou desistindo.[24] A fusão foi motivada com a saída de vários quadros fortes do Democratas, como o prefeito Eduardo Paes, ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia e o vice-governador de São Paulo Rodrigo Garcia, além dos resultados ruins do PSL nas municipais.[25]

Foi decidido que o presidente do novo partido seria Luciano Bivar e seu secretário-geral seria o ACM Neto.[26] Consequentemente, os diretório nacionais do Democratas e do PSL aprovaram a fusão por unanimidade, com definição de uma convenção nacional em outubro para oficializar a fusão.[27][28]

O nome "União Brasil" junto com o número 44 foi escolhido no final de setembro de 2021, as outras alternativas eram Partido Liberal Democrata e Brasil em Movimento. O nome foi escolhido com base em pesquisas qualitativas feitas por ambos os partidos.[29]

Em 6 de outubro de 2021, uma convenção nacional contendo representantes de ambos os partidos aprovou a fusão por aclamação e requisitou a aprovação pelo TSE.[30]

Princípios[editar | editar código-fonte]

Assim como seus antecessores, a União Brasil se posiciona na direita política.[31] O cientista político Vinícius Vieira descreve a fusão com sendo uma versão brasileira de partidos liberais, sendo focado em capitalizar o eleitorado de direita que se decepcionou com o presidente Jair Bolsonaro.[20] Vice presidente do PSL, Junior Bozzella, colocou a nova legenda como parte do polo democrático e que busca evitar a polarização política entre Luiz Inácio Lula da Silva e Jair Bolsonaro, afirmando que apoiadores radicais do Bolsonaro teriam que sair do partido.[32]

Na fundação, foi definido um manifesto que afirma as posições políticas da União Brasil, as quatro diretrizes são:

  • O valor da Democracia como sistema político pautado pela tolerância, pluralidade, respeito e diálogo;
  • O valor do Estado como garantidor dos direitos sociais básicos da população;
  • O valor da Liberdade como condição para busca de realização individual;
  • O valor da Família como esteio da pessoa e base da sociedade.

O manifesto também definiu 44 princípios base do partido. Na economia, o partido defende a austeridade fiscal, privatizações e cortes de impostos, porém posiciona-se contra o Estado mínimo, afirmando que o Estado tem um papel importante em áreas como educação, saúde e programas de transferência de renda. Em questões sociais, posiciona-se como favorável a preservação da família e da cultura brasileira, defendendo também o aumento da participação das mulheres e minorias raciais na política. Além disso, o partido afirma que a existência de mudanças climáticas é evidente e que o governo deve realizar ações imediatas para mitigar isso.[11]

Referências

  1. a b Teo Cury; Gustavo Uribe (29 de setembro de 2021). «Partido criado pela fusão PSL-DEM deve se chamar "União Brasil" e adotar nº 44». BBC. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  2. a b Renato Alves (6 de outubro de 2021). «Convenção marca junção de PSL-DEM e surgimento do União Brasil». Consultado em 6 de outubro de 2021 
  3. Olavo Soares (5 de outubro de 2021). «Convenção Coletiva formaliza fusão do PSL e DEM, criando o União Brasil». Gazeta do Povo. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  4. Marco Aurélio Nogueira (7 de outubro de 2021). «Uma fusão para mexer nas peças do jogo político». Estadão. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  5. João Almeida Moreira (6 de outubro de 2021). «Direita cria maior partido do Brasil para fazer frente a Lula e Bolsonaro». Diário de Notícias. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  6. «Manifesto União Brasil» (PDF). Democratas. 6 de outubro de 2021. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  7. Israel Medeiros (6 de outubro de 2021). «Qual deve ser a cara do novo União Brasil, partido resultado da fusão de DEM e PSL?». Correio Braziliense. Consultado em 9 de outubro de 2021 
  8. Fábio Matos (6 de outubro de 2021). «Marcos Rogério reitera apoio a Bolsonaro e vê União Brasil na 'centro direita'». Revista Oeste. Consultado em 9 de outubro de 2021 
  9. a b Fernanda Boldrin (6 de outubro de 2021). «Fusão pode ser referência de uma direita sem Bolsonaro». Nexo Jornal. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  10. «Estatísticas do eleitorado – Eleitores filiados». TSE. Consultado em 6 de novembro de 2021 
  11. a b «"A miríade de partidos que temos confunde o eleitor, favorece o fisiologismo", diz manifesto do União Brasil». O Antagonista. 6 de outubro de 2021. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  12. Felipe Camargo; Ana Livia Esteves (28 de setembro de 2021). «Fusão PSL-DEM pode impactar opções partidárias de Bolsonaro?». Sputnik News. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  13. «PSL e DEM devem formar "União Brasil" e ter número 44». Poder 360. 29 de setembro de 2021. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  14. «União Brasil fortalece muito pré-candidatura de ACM Neto ao governo', diz Bruno Reis». 6 de outubro de 2021. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  15. «Emenda Constitucional nº 97 de 4 de outubro de 2017». 4 de outubro de 2017. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  16. Maria do Socorro Sousa Braga (13 de novembro de 2020). «O Brasil está no caminho para reduzir o número de partidos?». Nexo jornal. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  17. «Plenário do TSE aprova incorporação do PRP ao Patriota». 28 de março de 2019. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  18. «O Plenário aprova incorporação do PPL ao PCdoB». 28 de maio de 2019. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  19. «O Plenário aprova incorporação do PHS ao Podemos». 19 de setembro de 2019. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  20. a b «Direita cria maior partido do Brasil para fazer frente a Lula e Bolsonaro». DN. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  21. «DEM articula fusão com ala pró-Bivar do PSL - Política». Estadão. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  22. «ACM Neto nega fusão do DEM com o PSL: 'Não tem sentido'». R7. 20 de outubro de 2019. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  23. «'Todo mundo perde', diz Francischini sobre eventual fusão PSL- DEM». Valor Econômico. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  24. «PP, PSL e DEM: o que se sabe sobre fusão para criar "superpartido"». Gazeta do Povo. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  25. «Fusão PSL-DEM: o que está por trás do acordo para criar novo partido». Gazeta do Povo. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  26. «Bivar será presidente e ACM Neto secretário-geral, após fusão DEM-PSL». Diário do Poder. 22 de setembro de 2021. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  27. «Cúpula do DEM aprova convenção nacional em outubro para confirmar fusão com PSL». G1. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  28. «PSL aprova fusão com Democratas. Siglas oficializam união no próximo dia 6». Folha PE. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  29. «União Brasil será nome de partido formado por fusão de DEM e PSL». Folha de S. Paulo. 30 de setembro de 2021. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  30. «DEM aprova, por aclamação, fusão com PSL; novo partido se chamará União Brasil». G1. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  31. «'Fusão pode ser referência de uma direita sem Bolsonaro'». Nexo Jornal. Consultado em 6 de outubro de 2021 
  32. «Bozzella diz que fusão entre PSL e DEM vai alavancar candidatura da terceira via». O Antagonista. 3 de outubro de 2021. Consultado em 6 de outubro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre União Brasil