Unidade 731

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Complexo da Unidade 731, Harbin
Um dos prédios da Unidade 731, em Harbin, aberto à visitação.

Unidade 731 (731部隊, Nana-san-ichi Butai?) foi uma unidade secreta de pesquisa e desenvolvimento de guerra biológica e química do Exército Imperial Japonês que realizou experimentação humana letal durante a Segunda Guerra Sino-Japonesa (1937-1945), parte da Segunda Guerra Mundial. Foi responsável por alguns dos crimes de guerra mais notórios realizados pelo Império do Japão. A Unidade 731 ficava no distrito de Pingfang de Harbin, a maior cidade do Estado fantoche japonês da Manchúria (agora no nordeste da China).

Foi oficialmente conhecido como o Departamento de Prevenção de Epidemia e Purificação de Água do Exército de Guangdong (関東軍防疫給水部本部, Kantōgun Bōeki Kyūsuibu Honbu?). Originalmente criada sob a polícia militar Kempeitai do Império Japonês, a Unidade 731 foi comandada até o fim da guerra pelo general Shiro Ishii, um oficial do Exército de Guangdong. A própria instalação foi construída entre 1934 e 1939 e adotou oficialmente o nome "Unidade 731" em 1941.

Alguns historiadores estimam que até 250.000[1] homens, mulheres e crianças[2][3] - dos quais ao menos 600 todos os anos foram fornecidos pelos Kempeitai[4] - foram submetidos à experimentos realizados pela Unidade 731 apenas no prédio de Pingfang, que não inclui vítimas de outros locais de experiências médicas, como a Unidade 100.[5]

Os participantes da Unidade 731 atestam que a maioria das vítimas que foram usadas como cobaias eram chinesas, enquanto uma pequena porcentagem eram de prisioneiros de guerra soviéticos, mongóis, coreanos e aliados.[6] Quase 70% das pessoas que morreram no campo de Pingfang eram chinesas, incluindo civis e militares.[7] Cerca de 30% das vítimas eram soviéticas.[8] Alguns outros eram nativos do Sudeste Asiático e de ilhas do Pacífico, na época colônias do Império do Japão e um pequeno número de prisioneiros de guerra aliados.[9] A Unidade recebeu apoio generoso do governo japonês até o final da guerra em 1945.

Em vez de serem julgados por crimes de guerra, os pesquisadores envolvidos na Unidade 731 receberam imunidade secreta dos Estados Unidos em troca dos dados que eles reuniram através da experimentação humana.[10] Outros que foram presos pelas forças soviéticas foram julgados nos julgamentos de crimes de guerra de Khabarovsk, em 1949. Os estadunidenses não julgaram os pesquisadores para que a informação e a experiência adquiridas por eles em armas biológicas pudessem ser cooptadas no programa de guerra biológica dos Estados Unidos, como aconteceu com pesquisadores nazistas na Operação Paperclip.[11] Em 6 de maio de 1947, Douglas MacArthur, como Comandante Supremo das Forças Aliadas, escreveu a Washington, DC afirmando que "dados adicionais, possivelmente algumas declarações de Ishii, provavelmente podem ser obtidos informando os japoneses envolvidos de que a informação será mantida nos canais de inteligência e não será empregada como "provas de crimes de guerra"."[10] Os relatos de vítimas foram, em grande parte, ignorados ou desacreditados no Ocidente como propaganda comunista.[12]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Japan unearths site linked to human experiments. Some historians estimate up to 250,000 people were subjected to experiments., http://www.theguardian.com/world/2011/feb/21/japan-excavates-site-human-experiments
  2. David C. Rapoport. "Terrorism and Weapons of the Apocalypse". In James M. Ludes, Henry Sokolski (eds.), Twenty-First Century Weapons Proliferation: Are We Ready? Routledge, 2001. pp. 19, 29
  3. Khabarovsk War Crime Trials. Materials on the Trial of Former Servicemen of the Japanese Army Charged with Manufacturing and Employing Biological Weapons, Moscow: Foreign Languages Publishing House, 1950. p. 117
  4. Yuki Tanaka, Hidden Horrors, Westviewpress, 1996, p.138
  5. «[IAB8] Imperial Japanese Medical Atrocities». osaka-cu.ac.jp 
  6. «In North Korea: Wonder & Terror». chinafile.com. 4 de junho de 2015 
  7. «旧日本軍の731部隊(細菌部隊)人体実験に朝鮮人». korea-np.co.jp 
  8. Seiichi Morimura, The Devil's Gluttony, 1981
  9. The devil unit, Unit 731. 731部隊について
  10. a b Hal Gold, Unit 731 Testimony, 2003, p. 109
  11. Harris, S.H. (2002) Factories of Death. Japanese Biological Warfare, 1932—1945, and the American Cover-up, revised edn. Routledge, New York, U.S.
  12. The World: Revisiting World War II Atrocities; Comparing the Unspeakable to the Unthinkable. New York Times

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Unidade 731