Unidades das Mulheres de Êzidxan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Unidades das Mulheres de Êzidxan
País Iraque, Curdistão
Subordinação Aliança de Sinjar (2015-2017)

Partido dos Trabalhadores do Curdistão (não oficialmente)

Sigla YJÊ
Criação 5 de janeiro de 2015[1]
História
Guerras/batalhas Guerra Civil Iraquiana
Comando
Comandante-chefe Berivan Aslan
Comandantes
notáveis
Rosyar Vejin[2] (comandante de Khanasor)

"Koçber"[3] (comandante de Manbij)

As Unidades das Mulheres de Êzidxan (em curdo: Yekinêyen Jinên Êzidxan ou YJÊ) são uma mílicia feminina yazidi formada no Iraque em 2015[1] para proteger a comunidade yazidi dos ataques do Estado Islâmico e de outros grupos islamitas que consideram os yazidis como pagãos infiéis.[4]

As YJÊ tem origem nas Unidades de Resistência de Sinjar, uma milícia yazidi inicialmente agrupando homens e mulheres, tendo sido criada a 5 de janeiro de 2015 com o nome de Unidades de Proteção das Mulheres de Sinjar (em curdo: Yekîneyên Parastina Jin ê Şengalê), ou YPJ-Sinjar.[1], tendo adotado o seu nome atual a 26 de outubro de 2015.[5]

A organização segue a ideologia feminista da "jineologia", de Abdullah Öcalan, o aprisionado líder do Partido dos Trabalhadores do Curdistão,[1], e a ideia do confederalismo democrático promovida pela União de Comunidades do Curdistão (em curdo: Koma Civakên Kurdistan, KCK).[6][7]

Atividades[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 2015, as YJÊ participaram na fundação da Aliança de Sinjar, um comando conjunto para as várias forças yazidis, junto com as Unidades de Resistência de Sinjar (YBŞ), a Força de Proteção de Êzidxan(HPŞ)[8] e outras milícias yazidis independentes.[9]

Sob o comando conjunto da recém-criada aliança, as Unidades das Mulheres de Êzidxan participaram da ofensiva de novembro de 2015 em Sinjar[10] (Operação Turayi Melek Taus - Fúria de Melek Taus).[11]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d «YPJ-Sinjar founding meeting held». DİHA. 7 de janeiro de 2015. Consultado em 13 de novembro de 2015. 
  2. «YJŞ Commander: We will not leave our land to the traitors». ANF News. 3 de março de 2017. Consultado em 4 março de 2017. 
  3. «Manbij operation will continue until ISIS is completely expelled». ANF News. 15 de agosto de 2016. Consultado em 16 de agosto de 2016. 
  4. Moroz, Sarah. «The women taking on Isis: on the ground with Iraq's female fighters». the Guardian (em inglês). Consultado em 13 de novembro de 2015. 
  5. «YPJ Shengal changes its name to YJÊ». Fırat News (em inglês). 26 de outubro de 2015. Consultado em 13 de novembro de 2015. 
  6. Flanagin, Jake (13 de Outubro de 2014). «Women Fight ISIS and Sexism in Kurdish Regions». The New York Times – The Opinion Pages (em Inglés). Consultado em 21 de novembro de 2015. 
  7. «On patrol with the Sinjar Resistance Units». Reuters. Consultado em 1 de dezembro de 2016. 
  8. «Yezidi forces form alliance against IS». Êzîdî Press. 31 de outubro de 2015. Consultado em 13 de novembro de 2015. 
  9. «Independent Yezidi units join Shingal alliance». Êzîdî Press. 31 de outubro de 2015. Consultado em 13 de novembro de 2015. 
  10. «Shingal: KurdInnen starten mit vereinten Kräften Großoffensive gegen IS». Kurdische Nachrichten (em alemão). 12 de novembro 2015. Consultado em 13 de novembro de 2015. 
  11. «Massoud Barzani supervises Shingal operation» (em inglês). Kurdpress News Agency. 12 de novembro de 2015. Consultado em 13 de novembro de 2015. 
Ícone de esboço Este artigo sobre o Iraque é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.