Universidade Federal de Viçosa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou se(c)ção:
Universidade Federal de Viçosa
Brasão oficial da Universidade Federal de Viçosa.gif
UFV
Lema Ediscere, Scire, Agere, Vincere
(Estudar, Saber, Agir, Vencer)
Fundação 30 de março de 1922 (96 anos)
Tipo de instituição Pública Federal
Localização Viçosa, Minas Gerais
Reitor(a) Nilda de Fátima Ferreira Soares
Vice-reitor(a) João Carlos Cardoso Galvão
Docentes 1.241[1]
Total de estudantes 20.970[1]
Ensino técnico [1]
Graduação 14.576[1]
Pós-graduação 4.609[1]
Campus
Cores da escola Ouro e Sable             
Orçamento anual R$ 645.691.085,85 (2013)[1]
Página oficial www.ufv.br

A Universidade Federal de Viçosa (UFV) é uma universidade pública brasileira, com sua sede localizada na cidade de Viçosa, no estado de Minas Gerais.

É um centro reconhecido principalmente pelas ciências agrárias e ciências exatas, reconhecida pelo MEC como a 6ª melhor universidade do Brasil baseando-se na prova do ENADE de 2014.

É considerada uma das melhores universidades do Brasil, sendo que no Índice Geral dos Cursos da Instituição (IGC) feita pelo Ministério da Educação em 2009 foi eleita a 2ª melhor do Brasil e a 1ª de Minas.[2]

Em dezembro de 2017 o curso de Medicina da UFV foi considerado o mais bem-avaliado e o único do Brasil avaliado com conceito máximo pelo INEP.[3][4]

História[editar | editar código-fonte]

A Universidade teve seu começo como Escola Superior de Agricultura e Veterinária (ESAV) criada em 1922, mas com início de funcionamento apenas em 1927. Em 1948, foi transformada em Universidade Rural do Estado de Minas Gerais (UREMG). Com as pesquisas científicas nas ciências agrárias logo se tornou conhecida ao redor do país e foi federalizada em 1969, quando ganhou seu nome atual.[carece de fontes?]

Artur Bernardes em 1920 determinou ao embaixador José Cochrane de Alencar, "providenciar a contratação, para criar uma Escola Agrícola moderna no Brasil", o que resultou no convite ao professor Peter Henry Rolfs para 'fundar, organizar e dirigir uma Escola Agrícola moderna. Aceito o convite, P. H. Rolfs passou a servir ao Estado de Minas a partir de 1921.[carece de fontes?]

O professor Rolfs foi contratado com a função de fundar, organizar e dirigir a Escola. Com uma titulação considerável para a época, e com profundo conhecimento e experiência no trato da agricultura moderna dos Estados Unidos, Rolfs veio com a função de implantar na ESAV um modelo agrícola moderno, pautado nos métodos científicos pragmáticos dos “Land Grant Colleges”, os quais proporcionariam um grande progresso para a agricultura local, regional e nacional. A ESAV foi criada com o intuito de ser um ícone da ciência agrária no Brasil, sendo necessário em seu início recursos humanos e físicos que dessem suporte para receberem o inovador método de ensino que importaram dos Estados Unidos. Pensando na excelência do ensino que seria oferecido pela instituição, a Escola foi povoada em seu início por professores de diferentes partes do mundo e do Brasil além de funcionários e alunos que vieram de diferentes partes do Brasil, inclusive da própria Viçosa.[carece de fontes?]

A história da UFV está intimamente relacionada à atuação da Aliança para o Progresso e da USAID no Brasil, servindo de modelo para a posterior atuação daquelas agências na ESALQ e na UFRGS. Os Acordos MEC-USAID permitiram um grande avanço científico na agricultura brasileira e o controle de problemas sociais nas zonas rurais do Brasil durante a Guerra Fria.[5]

Museu[editar | editar código-fonte]

Em 1995, a UFV adquiriu a Casa de Arthur Bernardes, também chamada de Memorial Arthur Bernardes. O prédio foi tombado pelo IEPHA e foi residência de férias do então presidente Arthur da Silva Bernardes. Transformado em museu, o espaço tem eventos artísticos e culturais.[carece de fontes?]

Ingresso[editar | editar código-fonte]

Universidade Federal de Viçosa (Minas Gerais)
Red pog.svg
Viçosa
Red pog.svg
Florestal
Red pog.svg
Rio Paranaíba
Localização dos Campi

O ingresso na Universidade Federal de Viçosa pode ocorrer das seguintes formas:

  • SiSU: Sistema de Seleção Unificada, através do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).
  • Mobilidade Acadêmica: alunos de outras instituições de Ensino Superior podem pedir o Requerimento de Inscrição nos Programas  de  Mobilidade  Acadêmica.
  • Intercâmbio: alunos de outros países podem ingressar na UFV através de contratos e acordos promovidos com embaixadas internacionais, sendo estes alunos transferidos de universidades de seu país de origem ou não, e tendo sido aprovados no processo seletivo de seu país de origem.
  • PASES e Transferencia Externa- Programas extintos em 2013. As vagas dessas modalidades foram direcionadas para o Sisu, Sistema de Seleção Unificada, através do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Alunos Notáveis[editar | editar código-fonte]

  • Renato Casagrande, ex-Governador do Espírito Santo formado em Engenharia Florestal pela UFV
  • Ney Franco, Técnico de Futebol formado em Educação Física pela UFV
  • Luiz Claudio Costa, Ex-Ministro Interino da Educação, formado em Engenharia, ex-Reitor e, atualmente, Professor da UFV

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Divisões Administrativas[editar | editar código-fonte]

A administração da universidade é dividida em Pro-Reitorias subordinadas à Reitoria e Vice-Reitoria:

  • Pró-Reitoria de Administração
  • Pró-Reitoria de Assuntos Comunitários
  • Pró-Reitoria de Ensino
  • Pró-Reitoria de Extensão e Cultura
  • Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas
  • Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação
  • Pró-Reitoria de Planejamento e Orçamento

Divisões Acadêmicas[editar | editar código-fonte]

A universidade é divida em centros e estes são divididos em departamentos, que são responsáveis pelos cursos de graduação e pós-graduação. Os centros e Departamentos são:

Campus Rio Paranaíba[editar | editar código-fonte]

O campus da UFV situado no município de Rio Paranaíba, MG, foi criado no dia 25 de julho de 2006 pelo Conselho Universitário da UFV - Resolução nº 8/2006. Ele está localizado a 1,3 km da Rodovia BR-354 no km 310. Esse campus começou a oferecer, a partir de 2007, os cursos de graduação em Agronomia (diurno) e Administração (diurno/noturno). Além dos 44,5 ha de terra, o campus tem um prédio de 3.200 m² e uma casa sede de 300 m². Pequenas reformas serão feitas para adaptações necessárias ao bom funcionamento dos dois cursos. A UFV está providenciando também toda a infra-estrutura de laboratórios, mobiliário, biblioteca e sistema de comunicação para que o serviço a ser prestado ao público seja do mesmo padrão do oferecido no campus de Viçosa.

Campus Florestal[editar | editar código-fonte]

O campus da UFV situado no município de Florestal, MG, foi criado em 1939, pelo então Presidente da República Getúlio Vargas, sendo chamado de Fazenda-Escola de Florestal e destinava à formação de capatazes e administradores de fazendas.

Em 1943 o estabelecimento foi vinculado ao Departamento de Ensino Técnico da Secretaria de Agricultura e passou a abrigar menores, aos quais ministrava ensino primário e profissional agrícola.

Cinco anos depois a Fazenda-Escola foi transformada em Escola Média de Agricultura de Florestal, que inicia suas atividades no ano seguinte, oferecendo o Curso Médio de Agricultura, destinado à formação de técnicos agrícolas.

A Escola foi incorporada à Universidade Rural do Estado de Minas Gerais (UREMG) em 1955.

No ano de 1981 foi aprovado o novo regimento interno da Escola, que passou a ser denominada Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal (CEDAF).

Referências

  1. a b c d e f UFV. «UFV em números». Consultado em 4 de fevereiro de 2018. 
  2. «Indicador de qualidade das instituições de educação superior». www.inep.gov.br. Inep - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Consultado em 4 de fevereiro de 2018.. Cópia arquivada em 13 de setembro de 2008 
  3. Antunes, Rafael (28 de novembro de 2017). «Medicina da UFV obtém conceito máximo em avaliação do MEC». G1 
  4. «Os melhores e piores cursos de medicina do Brasil, segundo o MEC | EXAME». exame.abril.com.br. Consultado em 29 de março de 2018. 
  5. Ribeiro, Maria das Graças Martins (2009). «A USAID e o ensino agronômico brasileiro: o caso da Universidade Rural do Estado de Minas Gerais». Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Humanas. 4 (3): 453–463. ISSN 1981-8122 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]