Universidade Columbia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Universidade de Colúmbia)
Ir para: navegação, pesquisa
Universidade Columbia
Columbia University in the City of New York
Latim:Universitas Columbiae Neo Eboracensis[1]
Lema In lumine Tuo videbimus lumen[2]
("Graças à tua luz, vemos a luz.")
Fundação 1754
Tipo de instituição Privada
Localização Upper Manhattan, Nova Iorque,NY,  Estados Unidos
Docentes 3,763 (2013)
Reitor(a) John Henry Coatsworth
Presidente Lee C. Bollinger[3]
Total de estudantes 01 (2013)
Graduação 8,365 (2013)
Pós-graduação 18,568 (2013)
Campus Urbano (1,21 km²)
Cores da escola Azul e Branco         
Mascote Columbia Lions
Orçamento anual US$9,0 bilhões (2016)[4]
Página oficial www.columbia.edu

A Universidade Columbia (em inglês: Columbia University ou, oficialmente, Columbia University in the City of New York) é uma instituição de ensino superior privada localizada na cidade de Nova Iorque, Estados Unidos.

Columbia é a mais antiga instituição de ensino superior do estado de Nova Iorque, a quinta mais antiga dos Estados Unidos, e uma das nove Universidades Coloniais fundadas antes da Revolução Americana.[5][6] Uma das oito universidades que compõe a prestigiosa Ivy League (as outras sendo Harvard, Princeton, Yale, Pensilvânia, Cornell, Dartmouth e Brown), foi fundada no ano de 1754 como King's College por intermédio de carta régia de Jorge II da Grã-Bretanha e rebatizada como Columbia College em 1784, visto o caráter patriótico do nome, um nome alternativo para América. Desde sua fundação, a instituição têm formado inúmeros cidadãos de destaque na história do país e do mundo. Além disto, figura até aos dias atuais como uma das mais seletivas instituições de ensino superior dos Estados Unidos. Contano com taxa de admissão de 5.8%, a Universidade de Columbia mantém-se como a terceira mais seletiva universidade do país e a segunda mais seletiva das universidades integrantes da Ivy League.[7]

Inicialmente, a universidade foi fundada quase no fim da ilha de Manhattan, em terreno da igreja Trinity Church. No seguinte século, se mudaria para mais ao norte da ilha, onde atualmente ergue-se o Rockefeller Center. Finalmente, no ano de 1896, mudou-se pela última vez, desta vez para o bairro Morningside Heights, onde ocupa uma área de 32 acres (13 hectares) de propriedade.[8][9]

Ex-alunos notáveis de Columbia incluem 5 Pais Fundadores dos Estados Unidos – entre os quais, um autor da Declaração de Independência e um autor da Constituição dos Estados Unidos; 9 juízes da Suprema Corte dos Estados Unidos;[10] 43 Prêmios Nobel; 20 bilionários;[11] 39 vencedores dos Prêmios da Academia[12] e 29 chefes de Estados, incluindo 3 Presidentes dos Estados Unidos.[13]

História[editar | editar código-fonte]

Era Colonial[editar | editar código-fonte]

Sede do King's College, em 1770.
Alexander Hamilton, Delegado no Congresso Continental e o primeiro Secretário do Tesouro, foi um dos primeiros alunos notáveis do King's College.[14]

Debates e propostas sobre a fundação de uma universidade na Província de Nova Iorque começaram a ascender em 1704, quando o então governador Lewis Morris escreveu à Sociedade para Propagação do Evangelho no Exterior - o corpo missionário da Igreja da Inglaterra, tentando persuadi-los de que Nova Iorque era o local ideal para a construção de um instituição educacional superior.[15] Contudo, somente após a fundação da Faculdade de Nova Jérsei (atual Universidade Princeton), na margem oposta do Hudson, as autoridades da cidade de Nova Iorque consideraram seriamente a fundação de uma universidade própria. Em 1746, a assembleia geral de Nova Iorque aprovou um ato de levantamento de fundos para financiar a nova instituição. Em 1751, a assembleia elegeu uma comissão de dez moradores da região, sete dos quais eram membros da Igreja da Inglaterra, para dirigir os fundos angariados na fundação da faculdade.[16]

As primeiras aulas ocorreram em julho de 1754, ministradas pelo primeiro presidente da universidade, Dr. Samuel Johnson. Johnson era o único instrutor da primeira classe da faculdade, que consistia somente em oito docentes.[17] A primeira sede da instituição funcionou num prédio anexo à Igreja da Trindade, hoje na porção sul da Broadway, em Manhattan.[18] Tendo como data oficial de fundação o dia 31 de outubro de 1754, a instituição foi batizada como King's College por carta régia de Jorge II da Grã-Bretanha, tornando-se a primeira instituição de nível superior do estado de Nova Iorque e a quinta a ser fundada no país.[19]

Em 1763, Johnson foi sucedido por Myles Cooper, um graduado do The Queen's College de Oxford e um defensor ferrenho do partido Tory. No tenso cenário política da Revolução Americana, seu principal oponente ideológico foi um docente da classe de 1777, Alexander Hamilton.[14] Quando da eclosão da Guerra da Independência em 1776, a faculdade suspendeu suas atividades por oito anos. A suspensão permaneceu durante a ocupação de Nova Iorque pelas tropas britânicas até a sua rendição e partida em 1783. Durante a campanha militar, a biblioteca da universidade foi loteada e seu prédio utilizado como hospital militar por tropas americanas e britânicas.[20] Após o conflito, a liderança expulsou os Lealistas da universidade, que teve seu nome modificado para Columbia College, visando reforçar os ideais nacionalistas americanos. Os Lealistas, por sua vez, liderados pelo Bispo Charles Inglis, fundaram o King's Collegiate School, em Windsor.[21]

Século XVIII[editar | editar código-fonte]

Sede da Escola de Direito da Universidade Columbia, no início do século XIX.
Na década de 1780, o nome da instituição foi modificado para homenagear Colúmbia, personificação do ideal revolucionário americano.

Após o período revolucionário, a universidade voltou-se ao estado de Nova Iorque na tentativa de restaurar seus anos de atividade, prometendo modificar o que fosse necessário para suprir as demandas estaduais. A legislatura estadual concordou em assistir financeiramente à faculdade e, em 1 de maio de 1784, aprovou "um ato concedendo certos privilégios à instituição anteriormente conhecida como King's College". O ato estabeleceu uma Comissão de Regentes com finalidade de supervisionar a reestruturação da faculdade e, numa tentativa de demonstrar seu apoio ao governo federal emergente, a legislatura estipulou que "a faculdade na Cidade de Nova Iorque a partir de então seria chamada e conhecida pelo nome Columbia College", uma referência à personificação da América. A Comissão de Regentes concluiu a constituição da faculdade em fevereiro de 1787 e, logo em seguida, elegeu um comitê revisor, liderado por John Jay e Alexander Hamilton. Em abril do mesmo ano, uma nova carta foi adotada pela instituição, sendo a que se mantém até a atualidade.

Em 21 de maio de 1787, William Samuel Johnson, filho de Samuel Johnson, foi eleito por unanimidade para a presidência do Columbia College. Antes de presidir a universidade, Johnson havia sido membro do Primeiro Congresso Continental e delegado na Convenção de Filadélfia. Durante certo período na década de 1790, em que Nova Iorque foi capital federal e estadual, a universidade voltou ao seu auge. George Washington e John Adams, os primeiros presidente e vice-presidente, respectivamente, estiveram presentes na cerimônia de inauguração da universidade em 6 de maio de 1789.

Atualidade[editar | editar código-fonte]

Columbia sempre figurou entre as 20 melhores instituições de ensino superior do mundo e recentemente, 2014, foi considerada a 4º melhor universidade dos Estados Unidos, segundo o US News & World Report,[22] e como a 12º melhor universidade do mundo pelo Times Higher Education.[23]

Hoje a universidade tem mais de 132.000 m² só no seu campus principal. Columbia é dividida em várias escolas de graduação/profissionais como por exemplo: Columbia College (CC), The Fu Foundation School of Engineering and Applied Sciences (SEAS), The School of General Studies (GS), The Business School (BS), entre outras.[24] Além do campus principal há o campus de Ciências Médicas, localizado no bairro de Washington Heights. Várias residências estudantis estão localizadas dentro do próprio campus e o alojamento nestas é garantido a todos os alunos de graduação.

A universidade atualmente opera postos de pesquisa em 8 localidades ao redor do mundo, com o objetivo de fomentar e facilitar a troca de conhecimento e propor soluções para problemas globais. Os primeiros centros foram inaugurados em Março de 2009 em Pequim e Amã, sendo em seguida inaugurados centros em Paris e Bombaim, em Março de 2010, e Nairóbi, em Janeiro de 2012. Outros centros foram abertos em Istambul, Santiago e Rio de Janeiro, Brasil[25] em 2012 e 2013, respectivamente.

Campi[editar | editar código-fonte]

De acordo com a revista New York, a Universidade Columbia é a maior proprietária de terras na cidade de Nova Iorque, atrás somente da Arquidiocese de Nova Iorque.

Morningside Heights[editar | editar código-fonte]

Low Memorial Library

A grande maioria das atividades acadêmicas da Universidade Columbia estão sediadas no campus de Morningside Heights, sendo ainda reminiscente da visão de seu presidente Seth Low de que deveria haver um centro universitário onde todas os cursos pudessem ser ministrados.[26] Toda a área do campus foi projetada pela firma "McKim, Mead & White" - dos arquitetos Charles Follen McKim, William Rutherford Mead e Stanford White - dentro dos princípios do movimento Beaux-Arts no continente americano.[27] O campus principal da universidade expande-se em uma área equivalente a seis quarteirões da cidade de Nova Iorque, ocupando 32 acres (ou 13 hectares) no distrito de Morningside Heights, na região ao norte do Central Park, em Manhattan.[27][28][29] A universidade detém ainda 7.800 apartamentos na região, destinados a servir como residência para docentes e discentes e abrigar estrutura de pesquisa.[27] O complexo educacional abriga ainda cerca de duas dúzias de dormitórios para estudantes, interligados por uma extensa rede de túneis construídos no século XIX.[30][31]

Butler Library, considerada uma das mais belas bibliotecas universitárias dos Estados Unidos.[32]
Alma Mater, de Daniel Chester French, nos degraus da Low Memorial Library.

A Biblioteca Murray Butler, conhecida simplesmente como Biblioteca Butler (Butler Library, em inglês), é a maior biblioteca pertencente à Universidade Columbia, abrigando mais de 2.000 volumes, e está sediada numa das maiores construções do complexo universitário.[33][34] Originalmente proposta pelo antigo presidente Nicholas Murray Butler para ser o "South Hall", uma expansão da Low Memorial Library, sua construção foi financiada por Edward Harkness, filantropo e investidor do sistema de faculdades de Yale. Projetado pro James Gamble Rogers em estilo neoclássico, o prédio foi concluído em 1934 e rebatizado em 1946 para homenagear seu idealizador e vencedor do Nobel da Paz.[35] A fachada do prédio contém uma série de colunas de ordem jônica, sobre as quais estão gravados nomes de renomados escritores, filósofos e pensadores, em sua grande maioria recorrentes para os docentes do Columbia College.[36] Em dados de 2012, o sistema bibliotecário de Columbia continha mais de 11 milhões de volumes, sendo o oitavo maior sistema de bibliotecas e a quinta maior biblioteca universitária dos Estados Unidos.[37][38][39]

Diversos prédios do campus de Morningside Heights estão listados no Registro Nacional de Lugares Históricos. A Low Memorial Library, um Marco Histórico Nacional e que localiza-se no centro do complexo universitário, é listada por sua "significância arquitetônica".[40] O Philosophy Hall, que sedia os departamentos de idiomas e a Escola de Artes e Ciências da universidade, é citado como o local da invenção da modulação em frequência.[41][42] O Pupin Hall, que sedia os departamentos de Física e Astronomia, também está incluída na lista, especial por ter sediado os primeiros experimentos de fissão de urânio por Enrico Fermi.[43][44] O átomo de urânio foi dividido dez dias após a primeira divisão de átomos do mundo em Copenhague, Dinamarca.[45]

Vista Panorâmica do Campus em Morningside Heights visto da Butler Library.

Alunos[editar | editar código-fonte]

Ex-alunos notáveis[editar | editar código-fonte]

Em dados de 2011, a Universidade Columbia havia formado três presidentes dos Estados Unidos, 26 chefes de Estado estrangeiros, dez Juízes da Suprema Corte dos Estados Unidos e 39 vencedores do Prémio Nobel.[46][47] No mesmo ano, foi registrado que pessoas formadas na universidade somavam 35 vitórias do Prêmio Nacional do Livro e 123 vitórias do Prémio Pulitzer, este último organizado pela própria instituição.[48] Atualmente, dois senadores dos Estados Unidos; 16 CEO listados na Fortune 500; três dos 25 norte-americanos mais ricos e 20 bilionários estudaram na universidade.[49] Nos seus primórdios, Columbia abrigou cinco dos Pais Fundadores.[50][51]

Os presidentes Theodore Roosevelt e Franklin Delano Roosevelt frequentaram a Escola de Direito. Outras figuras políticas, mais recentes, que estiveram relacionadas à universidade incluem o ex-presidente Barack Obama,[52] a Juíza Associada Ruth Bader Ginsburg,[53] a ex-Secretária de Estado Madeleine Albright,[54] o ex-presidente da Reserva Federal Alan Greenspan e o Procurador-geral Eric Holder.[55] O presidente Dwight D. Eisenhower foi também presidente da universidade de 1948 a 1953.[56] Columbia foi também local de formação de diversos chefes de Estado, incluindo Mikheil Saakashvili, José Ramos-Horta, Toomas Hendrik Ilves e outras figuras históricas como Wellington Koo, Radovan Karadžic, Gaston Eyskens e T. V. Soong.[57][58][59] B. R. Ambedkar, líder dalit e um dos autores da Constituição da Índia, foi também aluno de Columbia.[60]

Ao longo da história, ex-alunos de Columbia têm ocupado cargos de destaque em Wall Street e no mundo corporativo em geral. Membros notáveis da família Astor estudaram em Columbia,[61] sendo que alguns investidores recentes também foram alunos da universidade, como Warren Buffet,[62] Larry Grossman e S. Robson Walton.[63] Outros empresários reconhecidos no mundo corporativo que tiveram sua formação acadêmica em Columbia incluem James P. Gorman (da Morgan Stanley),[64] Robert J. Stevens (da Lockheed Martin), Philippe Dauman (da Viacom), Ursula Burns (da Xerox) e Vikram Pandit (da Citigroup).

No campo das ciências e tecnologia, Columbia formou os seguintes profissionais: o fundador da IBM, Herman Hollerith; o inventor da rádio FM, Edwin Armstrong; Francis Mechner; Hyman G. Rickover, um dos desenvolvedores do submarino nuclear; Kai-Fu Lee, o fundador da Google China; e os cientistas Stephen Jay Gould, Robert Millikan, Ali Javan e Mihajlo Pupin; os filósofos Irwin Edman e Robert Nozick; o economista Milton Friedman; e a psicóloga Harriet Babcock.


Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Universitas Columbiae Neo Eboracensis image». Universidade de Miami 
  2. «Columbia University at a Glance» 
  3. «President Bollinger's Statement about President Mahmoud Ahmadinejad's Scheduled Appearance at Columbia». Columbia News. 19 de setembro de 2007 
  4. «U.S. and Canadian Institutions Listed by Fiscal Year (FY) 2016 Endowment Market Value and Change in Endowment Market Value from FY 2015 to FY 2016» (PDF). National Association of College and University Business Officers and Commonfund Institute. 30 de junho de 2016 
  5. «The Course of the History». Universidade Columbia. 2004 
  6. Stoeckel, Althea (1976). «Presidents, professors, and politics: the colonial colleges and the American revolution». Conspectus of History 
  7. «CC and SEAS admit 5.8 percent of applicants - Columbia Daily Spectator». columbiaspectator.com. 30 de março de 2017 
  8. «Brief History of Columbia». Universidade Columbia 
  9. «Residential Life» 
  10. Dorf C., Michael. «Two Centuries of "Columbian" Constitutionalism». Universidade Columbia 
  11. Thibault, Marie (11 de agosto de 2010). «In Pictures: Billionaire University». Forbes 
  12. «Columbia Arts Alumni». Universidade Columbia 
  13. «The Presidents of the United States – Biographical Sketches». Serviço Nacional de Parques. 30 de junho de 2007 
  14. a b Chernow, Ron (2004). Alexander Hamilton. [S.l.]: Penguin Books. p. 51. ISBN 978-1-59420-009-0 
  15. McCaughey, Robert (2003). Columbia : A History of Columbia University in the City of New York. [S.l.]: Columbia University Press. ISBN 0-231-13008-2 
  16. Keppel, Fredrick Paul (1914). Columbia. [S.l.]: Oxford University Press. p. 26 
  17. Matthews, Brander; John Pine; Harry Peck; Munroe Smith (1904). A History of Columbia University: 1754–1904. [S.l.]: Macmillan Company. p. 8–10 
  18. Butler, Nicholas Murray (1912). An Official Guide to Columbia University. [S.l.]: Columbia University Press. p. 3 
  19. «King's College». George Washington's Mount Vernom 
  20. McCullough, David (2005). 1776. [S.l.]: Simon & Schuster. ISBN 978-0-7432-2671-4 
  21. «No. 12910». The London Gazette. 7 de agosto de 1787 
  22. «National University Rankings». US News. Consultado em 29 de setembro de 2016 
  23. «THE World Reputation Ranking». Times Higher Education. Consultado em 29 de setembro de 2016 
  24. «Schools, Columbia University». Universidade Columbia 
  25. «Universidade de Columbia abre centro de intercâmbio e pesquisa no Rio». Jornal Nacional. 18 de março de 2016 
  26. Kurland, Gerald (1971). «Seth Low: the Reformer in an Urban and Industrial Age». Ardent Media 
  27. a b c Hughes, C.J. (5 de julho de 2015). «Morningside Heights, more than a 'college town'». The New York Times 
  28. Gopinathan, Nishanth. «Morningside Heights, Manhattan New York City». NYC Tourist Guide 
  29. «Morningside Heights». NYC.com 
  30. Duncan, Steve (20 de julho de 2005). «Old Coal Hoppers, Columbia University». Undercity.org 
  31. Duncan, Steve (31 de março de 2006). «Finding History In Radioactive Storage Rooms». Undercity.org 
  32. «The Most Beautiful College Libraries». The Huffington Post. 11 de setembro de 2010. Consultado em 29 de setembro de 2016 
  33. «Butler Library» 
  34. «Nation's Largest Libraryes By Volumes Held». ala.org 
  35. «Fast Facts About Columbia Libraries». Universidade Columbia 
  36. «Butler Library: Self-Guided Tour» (PDF). Universidade Columbia. 2011 
  37. «Libraries and Collections: Fast Facts». Universidade Columbia 
  38. «Association of Research Libraries Statistics 2007-08». Association of Research Libraries 
  39. Jacobs, Peter (10 de abril de 2014). «Coolest College Libraries In The Country». Business Insider 
  40. «87002599 (Low Memorial Library, Columbia University)». Serviço Nacional de Parques 
  41. «Philosophy Hall» (PDF). Serviço Nacional de Parques 
  42. De Bary, William Theodore (2006). «Living Legacies of Columbia». Columbia University Press. p. 304 
  43. «Pupin Physics Laboratory, Columbia University». National Historic Landmark. 11 de setembro de 2007 
  44. «Enrico Fermi Dead at 53; Architect of Atomic Bomb». The New York Times. 29 de novembro de 1954 
  45. Colburn, Rober D. (Julho de 2002). «National Historic Landmark Nomination: Philosophy Hall» (PDF). Serviço Nacional de Parques 
  46. «Columbia 250 - Nobel Laureates» 
  47. «Columbia History - Columbia Nobel Laureates». Universidade Columbia 
  48. «Columbia University». The Best Colleges 
  49. «The 400 Richest Americans». Forbes. 2006 
  50. «A Brief Biography of John Jay». The Papers of John Jay 
  51. «Egbert Benson». Congresso dos Estados Unidos 
  52. Boss-Bicak, Shira (Janeiro de 2005). «Barack Obama '83». Columbia College Today 
  53. «Tribute: The Legacy of Ruth Bader Ginsburg and WRP Staff». American Civil Liberties Union  Texto "7 de março de 2006" ignorado (ajuda)
  54. Albright, Madeleine (2003). Madam Secretary: A Memoir. [S.l.]: Miramax. p. 71. ISBN 0-7868-6843-0 
  55. Tucker-Hamilton, Racine; Hickey, Matthew (17 de dezembro de 2004). «Interiew with Eric Holder Jr.». The History Makers 
  56. «Columbia 250: Dwight D. Eisenhower» 
  57. Muhammad Fadhel al-Jamali. «Experiences in Arab Affairs». Universidade Harvard 
  58. «An Interview with Giuliano Amato». The Florentine. 29 de novembro de 2007 
  59. «Namibia PM educated in the USA». Newsday. 13 de outubro de 2009 
  60. «Author of Indian Constitution Honored» 
  61. «Letters To The Editor; The Interesting Career Of John Jacob Astor Ii. A Man Of Broad And Generous Sympathies Who Appreciated The Responsibilities Of Wealth». The New York Times. 24 de agosto de 1890 
  62. «World Billionaires: Warren Buffet». Forbes 
  63. «The Waltons: Inside America's Richest Family». Fortune. 15 de novembro de 2004  Parâmetro desconhecido |auto= ignorado (ajuda)
  64. «Melbourne-raised Gorman new chief of Morgan Stanley». The Age. 13 de setembro de 2009 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]