Upanema

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para a praia, veja Praia de Upanema. Para o time de futebol, veja Upanema Futebol Clube.
Upanema
  Município do Brasil  
Símbolos
Bandeira de Upanema
Bandeira
Hino
Gentílico upanemense
Localização
Localização de Upanema no Rio Grande do Norte
Localização de Upanema no Rio Grande do Norte
Mapa de Upanema
Coordenadas 5° 38' 31" S 37° 15' 28" O
País Brasil
Unidade federativa Rio Grande do Norte
Região intermediária[1] Mossoró
Região imediata[1] Mossoró
Municípios limítrofes Mossoró, Assu, Paraú, Campo Grande, Caraúbas e Governador Dix-Sept Rosado
Distância até a capital 268 km
Administração
Prefeito(a) Renan Mendonça Fernandes (PL, 2021 – 2024)
Características geográficas
Área total [2] 873,14 km²
População total (estimativa 2020[2]) 14 800 hab.
 • Posição RN: 40º
Densidade 17 hab./km²
Clima Semiárido (Bsh)
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[3]) 0,596 baixo
PIB (2018[4]) R$ 179 736,99 mil
PIB per capita (2018[4]) R$ 12 381,99

Upanema é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Norte.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

O nome é de origem tupi, admitindo duas interpretações semânticas:

  • "água ruim, rio sem peixes", através da junção dos termos 'y ("água") e panema ("imprestável").[5][6]
  • "lago fedorento", através da junção dos termos upaba ("lago") e nem ("fedorento")[7].

História[editar | editar código-fonte]

Os primeiros habitantes da região conhecida como Curral da Várzea foram os índios Pegas. Em 1867, o padre Francisco Adelino de Brito, natural do município de Campo Grande, deu início ao povoado utilizando faixas de terras doadas por fazendeiros das redondezas. Logo, a fama das terras férteis e do clima úmido da localidade atraiu inúmeras famílias de agricultores, vindas de várias partes da região, com o objetivo de fixarem moradia.

Entusiasmado com o crescimento do núcleo populacional, o padre Francisco Adelino decidiu construir, em conjunto com os moradores locais, a Capela de Nossa Senhora da Conceição. Além de prestar importantes serviços no campo religioso, a capela estimulava a movimentação popular dentro dos limites do Curral da Várzea.

O povoado ganhou contornos próprios e uma organização espontânea com casas humildes que se alinhavam formando uma rua que foi chamada de Rua da Palha, porque as casas eram feitas, basicamente, com folhas de carnaubeira. Em 1874, o arruado ganhou sua primeira escola. Foi nessa época de maior aglutinação de residências que o padre Adelino teve a ideia de dar um novo nome ao povoado, passando a chamar-se Conceição de Upanema, o que foi bem aceita pela comunidade.

A passagem do padre Adelino pelas terras da região foi de fundamental importância para o nascimento da povoação de Curral da Várzea e posteriormente Conceição de Upanema. O padre Adelino, falecido em Triunfo Potiguar (anteriormente Campo Grande), entrou para a história como principal articulador do crescimento da comunidade, como animador popular, como entusiasta da fé e também como extraordinário e afamado cavaleiro, promotor de vaquejadas, sempre firme no pulso, na sela e nos domínios dos cavalos mais difíceis.

No dia 16 de setembro de 1953, pela Lei Estadual 874, Upanema desmembrou-se de Campo Grande, tornando-se mais um município do Rio Grande do Norte.

Geografia[editar | editar código-fonte]

A área de Upanema é de 873,14 km²[2] (1,6534% da superfície estadual), posicionando-o como o décimo-primeiro maior município do Rio Grande do Norte em tamanho territorial. É limitado a norte por Governador Dix-Sept Rosado e Mossoró, a sul por Campo Grande e Paraú, a leste apenas por Assu e, a oeste, Caraúbas e Governador Dix-Sept Rosado. Está a 278 km de Natal,[8] capital do estado, e a 2 241 km de Brasília,[9] a capital do Brasil.

Na divisão territorial do país feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2017, Upanema pertence às regiões geográficas intermediária e imediata de Mossoró.[1] Até então, na divisão em mesorregiões e microrregiões que vigorava desde 1989, o município eram um dos seis que compunham a microrregião do Médio Oeste, por sua vez uma das sete subdivisões da mesorregião do Oeste Potiguar.[10]

O relevo de Upanema é baixo, com altitudes menores que cem metros, formado por terras planas e sedimentares com baixa declividade que formam a Chapada do Apodi e a Depressão Sertaneja, esta de transição entre a primeira e as áreas mais altas do Planalto da Borborema. A maior parte do território upanemense pertence à Formação Açu, caracterizada pela presença de arenitos provenientes do período Cretáceo Inferior, há cerca de 120 milhões de anos. A norte estão rochas calcárias e carbonárias da Formação Jandaíra, formadas há cerca de oitenta milhões de anos, durante o período Cretácea Superior. As áreas próximas ao leito do rio do Carmo formam uma planície fluvial, constituída por areia e cascalho. Esses solos são cobertos por uma vegetação hiperxerófila, a caatinga, cujas folhas desaparecem na estação seca.[11]

Existem quatro tipos de solos no município. O cambissolo e a rendzina, esta chamada de chernossolo na nova classificação brasileira de solos,[12] são argilosos e altamente férteis, porém se diferem na drenagem, sendo o primeiro melhor drenado que o segundo. Os latossolos possuem textura média e são mais drenados que os anteriores, possuem fertilidade entre média e alta.[11] Há ainda os vertissolos,[13] de baixa permeabilidade, que ocupam as áreas de planície fluvial.

Maiores acumulados de chuva em 24 horas por meses
registrados em Upanema (ANA/EMPARN)[14][15]
Mês Acumulado Data Mês Acumulado Data
Janeiro 91,7 mm 09/01/2020 Julho 68 mm 17/07/2011
Fevereiro 124,4 mm 13/02/1994 Agosto 68,8 mm 02/08/2000
Março 144 mm 11/03/1961 Setembro 42,3 mm 03/09/1964
Abril 198,7 mm 20/04/2013 Outubro 47,1 mm 22/10/1971
Maio 142 mm 05/05/1984 Novembro 73,8 mm 25/11/1947
Junho 91 mm 01/06/1972 Dezembro 64,8 mm 18/12/2016
Período: 1931-presente

Atravessado pelo rio do Carmo, Upanema possui 96% do seu território localizado na bacia hidrográfica do rio Apodi–Mossoró e os 4% restantes na bacia do Rio Piranhas–Açu. Também cortam o território municipal os riachos da Baixa Grande, Baixa Fechada, das Carnaúbas e das Pombas.[11] A oito quilômetros do perímetro urbano, no meio do curso do rio do Carmo, localiza-se a Barragem de Umari, oficialmente Barragem Jessé Filho, inaugurada em 22 de março de 2001 e vertendo pela primeira vez em maio de 2008.[16][17] Possui capacidade para armazenar 292 813 650  de água, sendo o terceiro maior reservatório do Rio Grande do Norte, depois das barragens Armando Ribeiro Gonçalves e Santa Cruz.[18]

O clima é quente e semiárido, típico do sertão, com chuvas irregulares e concentradas no primeiro semestre do ano.[11] O monitoramento pluviométrico em Upanema teve início em 1931, ainda quando distrito de Campo Grande, e hoje é de responsabilidade da Agência Nacional de Águas (ANA) e também da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), que possui um pluviômetro na cidade desde 1992. Desde então, o maior acumulado de chuva registrado alcançou 198,7 mm em 20 de abril de 2013. Abril de 1985 detém o recorde de mês mais chuvoso, com acumulado de 572,8 mm. O ano de 1985 é também o mais chuvoso da série histórica,[14] com 1 992,3 mm, cerca de três vezes a média anual.

Dados climatológicos para Upanema (1931-1990)
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 33,6 32,9 32,2 31,9 31,7 31,4 31,6 32,7 33,6 34,2 34,2 34,1 32,8
Temperatura média (°C) 28,2 27,7 27,3 27 26,7 26,1 26 26,6 27,3 27,9 28,2 28,4 27,3
Temperatura mínima média (°C) 23 22,9 22,6 22,4 22 21,1 20,6 20,5 21,3 21,9 22,3 22,8 21,9
Precipitação (mm) 42,6 78 176,5 167,4 94,3 44,7 21,6 7,3 3 2,4 6,9 14,7 661,5
Fonte: UFCG[19]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional
Censo Pop.
19604 981
19706 53031,1%
19807 46014,2%
19918 64215,8%
200010 99127,2%
201012 92217,6%
Est. 202014 800[2]14,5%
Fonte: IBGE[20]

A população de Upanema no censo demográfico de 2010 era de 12 922 habitantes (51,52% rural e 48,48% urbana), sendo o 40° município em população do Rio Grande do Norte e o 2 467° do Brasil, apresentando uma densidade demográfica de 14,87 hab./km².[2] De acordo com o mesmo censo, 51,72% da população eram do sexo masculino e 48,28% do sexo feminino,[21] resultando em uma razão de sexo aproximada de 107 homens para cada cem mulheres.[22] Quanto à faixa etária, 65,99% da população tinham entre 15 e 64 anos, 26,12% menos de quinze anos e 7,89% 65 anos ou mais.[23]

Na pesquisa de autodeclaração, 56,98% dos habitantes eram pardos, 38,03% brancos, 4,61% pretos e 0,38% amarelos.[24] Todos os habitantes eram brasileiros natos,[25] sendo 70,26% naturais do município (dos 97,47% nascidos no estado).[26] Dentre os 2,53% naturais de outras unidades da federação, os estados com o maior percentual de residentes eram a Paraíba (1,69%), o Ceará (0,38%) e São Paulo (0,14%), existindo ainda naturais de outros cinco estados e do Distrito Federal.[27]

Ainda segundo o mesmo censo, 69,11% dos habitantes eram católicos apostólicos romanos, 19,73% protestantes, 0,09% católicos ortodoxos e 0,05% católicos apostólicos brasileiros. Outros 10,92% não tinham religião e 0,06% seguiam outras religiosidades cristãs.[28] Upanema possui como padroeira Nossa Senhora da Conceição, cuja paróquia foi criada em 8 de dezembro de 2008.[29] Dentre os credos protestantes/reformados, a Assembleia de Deus era a maior denominação e abrangia 16,42% dos habitantes (mais de 80% dos evangélicos do município), existindo pequenas comunidades da Congregação Cristã, Deus é Amor, Igreja Batista e Igreja Universal do Reino de Deus.[28]

O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M) do município é considerado baixo, de acordo com dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Segundo dados do relatório de 2010, divulgados em 2013, seu valor era 0,596, estando na 103ª posição a nível estadual e na 4 238ª colocação a nível nacional. Considerando-se apenas o índice de longevidade, seu valor é 0,758, o valor do índice de renda é 0,542 e o de educação 0,516.[3] No período de 2000 a 2010, a proporção de pessoas com renda domiciliar per capita de até R$ 140 mensais apresentou redução de 30,69%. Apesar disso, em 2010, 33,03% dos habitantes viviam abaixo da linha de indigência e 13,75% entre as linhas de indigência e de pobreza, enquanto os 53,22% restantes acima da linha da pobreza. No mesmo ano, os 20% mais ricos acumulavam 54,82% do rendimento total municipal, enquanto os 20% mais pobres detinham apenas 1,77%, ao passo que o índice de Gini, que mede a desigualdade social, tinha valor igual a 0,547.[30][31]

Política[editar | editar código-fonte]

A administração municipal se dá por dois poderes, o executivo, exercido pelo prefeito e seu secretariado, e o legislativo, representado pela câmara municipal, que funciona no Palácio Arlindo Pereira de Oliveira e possui nove vereadores eleitos pelo voto direto para legislaturas de quatro anos. Dentre as atribuições da casa legislativa estão elaborar e votar leis fundamentais à administração e ao executivo, especialmente o orçamento municipal, a chamada lei de diretrizes orçamentárias. O município se rege por sua lei orgânica, promulgada pela câmara em 30 de março de 1990 e alterada por emendas posteriores.[32]

O atual chefe do executivo upanemense é Renan Mendonça Fernandes, do Partido Liberal (PL), e o vice Carlos Alberto Costa Medeiros, do Partido Social Cristão (PSC), eleitos em novembro de 2020 com 54,82% dos votos válidos e empossados em 1 de janeiro de 2021.[33][34] Upanema possui uma comarca do poder judiciário estadual, de entrância inicial,[35] e pertence à 49ª zona eleitoral do Rio Grande do Norte, possuindo, em dezembro de 2020, 10 298 eleitores aptos a votar, de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), equivalente a 0,438% do eleitorado potiguar.[36]

Infraestrutura básica[editar | editar código-fonte]

O serviço de abastecimento de água de Upanema é feito pela Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (CAERN), que possui um escritório local na cidade,[37] e a concessionária responsável pelo fornecimento de energia elétrica é a Companhia Energética do Rio Grande do Norte (COSERN), do Grupo Neoenergia, que atende a todos os 167 municípios do estado do Rio Grande do Norte.[38] A voltagem nominal da rede é de 220 volts.[39] Em 2010, o município possuía 81,89% dos seus 3 709 domicílios com água encanada,[40] 97,73% com eletricidade[41] e 54,23% com coleta de lixo.[42]

O código de área (DDD) de Upanema é 084[43] e o Código de Endereçamento Postal (CEP) é 59670-000.[44] Há cobertura de duas operadoras de telefonia, a TIM (4G)[45] e a Vivo (3G).[46] Em 2010, de acordo com o IBGE, 62,81% dos domicílios do município tinham apenas telefone celular, 4,6% celular e telefone fixo, 0,86% apenas o fixo e 31,74% não possuíam nenhum.[47]

A frota municipal no ano de 2020 era de 1 939 motocicletas, 1 074 automóveis, 346 motonetas, 262 caminhonetes, 115 caminhões, 54 ciclomotores, 34 reboques, 22 camionetas e dezesseis ônibus, além de micro-ônibus, semirreboques e caminhões trator com doze unidades cada e seis utilitários, totalizando 3 904 veículos.[48] A cidade é atravessada pela rodovia federal BR-110, cujo trecho urbano compreende a Avenida 16 de Setembro.[49] Também existe a RN-405,[50] que passa apenas pela zona rural e permite um acesso mais rápido entre a BR-110 e a BR-304, encurtando o caminho entre Upanema e outros municípios.

Referências

  1. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  2. a b c d e IBGE. «Brasil / Rio Grande do Norte / Upanema». Consultado em 5 de julho de 2021 
  3. a b Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano do Brasil. Consultado em 4 de setembro de 2013 
  4. a b IBGE. «Produto Interno Bruto dos Municípios». Consultado em 5 de julho de 2021 
  5. http://www.fflch.usp.br/dlcv/tupi/vocabulario.htm
  6. «Cópia arquivada». Consultado em 14 de janeiro de 2012. Arquivado do original em 6 de setembro de 2008 
  7. http://www.fflch.usp.br/dlcv/tupi/vocabulario.htm
  8. «Distância de Upanema a Natal». Consultado em 5 de julho de 2021 
  9. «Distância de Upanema a Brasília». Consultado em 5 de julho de 2021 
  10. IBGE (1990). «Divisão regional do Brasil em mesorregiões e microrregiões geográficas» (PDF). Biblioteca IBGE. 1: 44–45. Consultado em 5 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 25 de setembro de 2017 
  11. a b c d Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte (IDEMA-RN) (2008). «Upanema» (PDF). Consultado em 5 de julho de 2021 
  12. JACOMINE, Paulo Klinger Tito (2006). «A NOVA CLASSIFICAÇÃO BRASILEIRA DE SOLOS» (PDF). EMBRAPA. Consultado em 5 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 1 de julho de 2014 
  13. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) (1971). «Mapa Exploratório-Reconhecimento de solos do município de Upanema, RN» (PDF). Consultado em 5 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 5 de julho de 2021 
  14. a b Agência Nacional de Águas (ANA). «Código da Estação: 00537019». Consultado em 5 de julho de 2021 
  15. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN). «Monitoramento pluviométrico». Consultado em 5 de julho de 2021 
  16. Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte (FEMURN) (2008). «Barragem Umari está prestes a sangrar em Upanema». Consultado em 5 de julho de 2021. Cópia arquivada em 5 de julho de 2021 
  17. SANTOS, Carlos (12 de maio de 2008). «Umari transborda pela primeira vez». Consultado em 5 de julho de 2021. Cópia arquivada em 5 de julho de 2021 
  18. Tribuna do Norte (29 de junho de 2021). «RN encerra primeiro semestre com 49,54% da capacidade das reservas hídricas». Consultado em 5 de julho de 2021. Cópia arquivada em 29 de junho de 2021 
  19. UFCG. «Dados Climatológicos do Estado do Rio Grande do Norte». Consultado em 5 de julho de 2021 
  20. IBGE. «Evolução da população, segundo os municípios» (PDF). Consultado em 6 de julho de 2021 
  21. IBGE (2010). «Tabela 608 - População residente, por situação do domicílio e sexo». Consultado em 6 de julho de 2021 
  22. IBGE (2010). «Razão de sexo, população de homens e mulheres, segundo os municípios – 2010». Consultado em 6 de julho de 2021 
  23. «Upanema, RN». Consultado em 6 de julho de 2021 
  24. IBGE (2010). «Tabela 2093 - População residente por cor ou raça, sexo, situação do domicílio e grupos de idade - Características Gerais da População». Consultado em 6 de julho de 2021 
  25. IBGE (2010). «Tabela 1497 - População residente, por nacionalidade». Consultado em 6 de julho de 2021 
  26. IBGE (2010). «Tabela 1505 - População residente, por naturalidade em relação ao município e à unidade da federação». Consultado em 6 de julho de 2021 
  27. IBGE (2010). «Tabela 631 - População residente, por sexo e lugar de nascimento». Consultado em 6 de julho de 2021 
  28. a b IBGE (2010). «Tabela 2094 - População residente por cor ou raça e religião». Consultado em 6 de julho de 2021 
  29. BULCÃO et al (2014), p. 53.
  30. «ODS 01 Erradicação da pobreza». Consultado em 6 de julho de 2021 
  31. «ODS 10 Redução de desigualdades». Consultado em 6 de julho de 2021 
  32. «Lei orgânica». Consultado em 5 de julho de 2021. Cópia arquivada em 5 de julho de 2021 
  33. «Upanema (RN): Renan Mendonça (PL) é eleito prefeito». 15 de novembro de 2020. Consultado em 5 de julho de 2021 
  34. «Prefeito e vereadores de Upanema tomam posse; veja lista de eleitos». 1 de janeiro de 2021. Consultado em 5 de julho de 2021 
  35. «LEI COMPLEMENTAR Nº 643, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2018». Consultado em 5 de julho de 2021 
  36. Tribunal Superior Eleitoral (TSE). «Estatísticas do eleitorado – Consulta por município/zona eleitoral». Consultado em 5 de julho de 2021 
  37. Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (CAERN). «Carta de serviços ao cidadão» (PDF). Consultado em 5 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 5 de julho de 2021 
  38. «COSERN». Consultado em 5 de julho de 2021. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2021 
  39. Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) (11 de março de 2016). «Tensões Nominais». Consultado em 5 de julho de 2021 
  40. IBGE (2010). «Tabela 2065 - Domicílios particulares permanentes, por existência de água canalizada e forma de abastecimento de água». Consultado em 5 de julho de 2021 
  41. IBGE (2010). «Tabela 3217 - Domicílios particulares permanentes e Moradores em domicílios particulares permanentes, por situação do domicílio, segundo a forma de abastecimento de água, o destino do lixo e a existência de energia elétrica». Consultado em 5 de julho de 2021 
  42. IBGE (2010). «Tabela 3503 - Domicílios particulares permanentes, por tipo de material das paredes externas, segundo o número de cômodos, a existência de água canalizada e forma de abastecimento de água, o destino do lixo, a existência de energia elétrica e a existência de alguns bens duráveis». Consultado em 5 de julho de 2021 
  43. «Listas de códigos DDD da região Rio Grande do Norte (RN)». Consultado em 5 de julho de 2021. Cópia arquivada em 23 de janeiro de 2012 
  44. «CEP 59670-000». Consultado em 5 de julho de 2021 
  45. «Mapa de Cobertura». Consultado em 5 de julho de 2021 
  46. «Área de cobertura». Consultado em 5 de julho de 2021 
  47. IBGE (2010). «Tabela 3516 - Domicílios particulares permanentes, por existência de telefone, segundo a situação do domicílio e as classes de rendimento nominal mensal domiciliar per capita». Consultado em 5 de julho de 2021 
  48. IBGE (2020). «Frota». Consultado em 5 de julho de 2021 
  49. «Prefeito Luiz Jairo recebe superintendente do DNIT». 18 de abril de 2017. Consultado em 5 de julho de 2021. Cópia arquivada em 5 de julho de 2021 
  50. «Programa de Conservação de Estradas Estaduais recuperou cerca de 1.200 km no RN». 3 de outubro de 2020. Consultado em 5 de julho de 2021 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

 • BULCÃO, Valéria; et al. (2014). 80 anos da diocese de Santa Luzia: Fé e Evangelização. Mossoró: [s.n.] 110 páginas 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]