Urbit

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Urbit
Lançamento 2013
Endereço eletrônico urbit.org

A Urbit é uma plataforma de servidor pessoal descentralizada [1] com o objetivo de "reinicializar a computação" [2] e "construir uma nova Internet em cima da internet antiga". [3] A plataforma procura desconstruir o modelo cliente-servidor em favor de uma rede federada de servidores pessoais em uma rede peer-to-peer com uma identidade digital consistente. [4]

A pilha de software da Urbit consiste em um conjunto de linguagens de programação ("Hoon," uma linguagem de programação funcional, e "Nock," sua linguagem compilada de baixo nível); um sistema operacional de funcão única construído sobre estas linguagens ("Arvo"); um endereço de espaço pessoal, construído na blockchain do Ethereum, para cada instância do sistema operacional participar na rede decentralizada ("Azimuth"); e a própria rede decentralizada, um protocolo criptografado , peer-to-peer rodando sobre o User Datagram Protocol.[5]

A plataforma Urbit foi concebida e desenvolvida pela primeira vez em 2002 por Curtis Yarvin . [3] É um projeto de código aberto que está sendo desenvolvido pela Tlon Corporation, que Yarvin fundou com John Burnham, um Thiel Fellow, em 2013, apesar de Burnham retirar-se em 2014. [1] A empresa recebeu sementes de financiamento de vários investidores desde a sua criação, o mais notavel foi o Peter Thiel, cujo Founders Fund, com empresa de capital de risco Andreessen Horowitz, investiu US$ 1,1 milhões em 2013. [6]

A plataforma é conhecida por ser complicada e obscura [2] [3], como consequência de suas abordagens. Também está enterrada em controvérsia devido às opiniões de seu criador, Curtis Yarvin, e sua associação com o Iluminismo das Trevas . [3]

Política e controvérsia[editar | editar código-fonte]

A reputação de Yarvin resultou na considerável controvérsia da Urbit em eventos públicos e conferências, mais notavelmente no LambdaConf 2016, quando a inclusão de Yarvin no evento resultou em cinco oradores e três patrocinadores retirando sua participação em resposta. [7] Yarvin já havia rescindido seu convite para a conferência Strange Loop 2015, com o organizador da conferência observando que "sua mera inclusão e/ou presença ofuscaria o conteúdo de sua palestra". [8]

O código-fonte e os esboços de projeto do projeto fizeram várias alusões que correspondem às visões de Yarvin, incluindo a classificação inicial dos usuários como "lordes", "duques" e "condes". Yarvin e Tlon rejeitam quaisquer associações ideológicas para o projeto, com o CEO da Tlon, Galen Wolfe-Pauly, respondendo que "os princípios de Urbit são muito palatáveis ... estamos interessados em dar às pessoas sua liberdade". [3] Andrea O'Sullivan, da Reason, comentou que "quando você analisa os valores subjacentes que guiam o sistema, um ethos bastante libertário começa a emergir". [2]

Depois de dezessete anos de trabalho no projeto Urbit, Yarvin deixou a Tlon em 2019. [9]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Wolfe, Alexandra. Valley of the Gods: A Silicon Valley Story. [S.l.: s.n.] ISBN 9781476778945 
  2. a b c «Can Urbit Reboot Computing?». Reason.com (em inglês) 
  3. a b c d e «Alt-right darling Mencius Moldbug wanted to destroy democracy. Now he wants to sell you web services». The Verge 
  4. (Podcast)  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  5. «Urbit: A Solid-State Interpreter» (PDF). Tlon Corporation 
  6. Pein, Corey. «Poor Winners». Live Work Work Work Die: A Journey into the Savage Heart of Silicon Valley. [S.l.: s.n.] ISBN 9781627794862 
  7. «Controversy Rages Over 'Pro-Slavery' Tech Speaker Curtis Yarvin». Inc.com 
  8. «When All It Takes to Be Booted From a Tech Conference Is Being a "Distraction," We Have a Problem». Slate Magazine (em inglês) 
  9. «A Founder's Farewell». Urbit.org 

Links externos[editar | editar código-fonte]