Usina Cambahyba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Usina Cambahyba
Tipo engenho de açúcar
Geografia
Coordenadas 21° 47' 9.6" S 41° 14' 0.2" O
Localização Campos dos Goytacazes
País Brasil

A Usina Cambahyba foi uma usina de açúcar localizada no município de Campos dos Goytacazes, no norte do estado do Rio de Janeiro.[1] O local se tornou notório pelo fato de que, durante o período da ditadura militar no Brasil, ter sido utilizado para incinerar os corpos de opositores do regime.[1] A usina foi administrada por Heli Ribeiro Gomes.

Pessoas incineradas[editar | editar código-fonte]

O ex-delegado do DOPS do Espírito Santo, Cláudio Guerra, acompanhado da Comissão Nacional da Verdade, foi à Usina Cambahyba, em Campos dos Goitacazes (RJ), e explica como o local foi utilizado para incinerar corpos de presos políticos mortos sob tortura na Casa da Morte.

Há muito relata-se que a usina teria servido para incinerar corpos de opositores do regime militar durante o período ditatorial no Brasil. Os relatos apontam para ocultação e destruição de 12 cadáveres entre os anos 1973 e 1975.[2] O caso chegou ao Ministério Público Federal, e de acordo com o procurador Guilherme Virgílio, a investigação foi especificamente sobre a incineração dos corpos e, consequentemente, desaparecimento forçado das vítimas e não sobre como elas foram mortas.[3]

Dentre as pessoas que teriam sido incineradas nos fornos da usina, constam:

Referências

  1. a b «Entidades homenageiam desaparecidos na usina Cambahyba». Carta Maior. Consultado em 29 de setembro de 2019 
  2. «MPF denuncia ex-DOPS por queimar 12 cadáveres durante a ditadura». Metrópoles. 1 de agosto de 2019. Consultado em 29 de setembro de 2019 
  3. a b «MPF conclui investigação sobre incineração de corpos na Usina de Cambaíba na ditadura militar». G1. Consultado em 29 de setembro de 2019 
  4. a b c d Brasília, Tales Faria, iG (2 de maio de 2012). «"Militantes de esquerda foram incinerados em usina de açúcar" - Política - iG». Último Segundo. Consultado em 29 de setembro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]