Usuário(a):Tetraktys/Menos demagogia, por favor!

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Crystal Clear mimetype txt.png Este ensaio contém conselhos ou opiniões de um ou mais contribuidores da Wikipédia. Ensaios não são políticas nem recomendações, mas podem representar práticas já bem difundidas na comunidade ou ainda pontos de vista de minorias. Sinta-se livre e até encorajado para melhorar a página ou discutir na página de discussão, mas tenha prudência ao considerar esses pontos de vista já previamente trabalhados.


Uma das coisas mais notáveis da Wikipédia é o seu estrondoso sucesso. A começar pelo seu volume de artigos: milhões em todas as línguas! E também pela afluência de leitores: é um dos websites mais acessados do mundo! É algo a comemorar, com toda certeza. Na verdade, a Wikipédia é um marco na história da cultura universal. É a primeira vez que a sociedade leiga assume a responsabilidade pela sua própria instrução de uma forma que se aproxima muito de uma democracia, em uma escala global e sem objetivo comercial. Sua imensa popularidade a torna um poderoso formador de opinião pública e importantíssimo instrumento educativo, seja para o bem, seja para o mal.

Mas para além de seus méritos e por debaixo desse sucesso todo corre uma sombra de sedução e engano, e suas contradições internas criam uma falsa imagem pública. Em primeiro lugar vem seu caráter "oficialmente" leigo: como é apregoado publicamente e como está definido nos Cinco Pilares, "a Wikipédia é uma enciclopédia que qualquer pessoa pode editar". Coloca-se de imediato um paradoxo: por "qualquer pessoa" presume-se a multidão de leigos, mas como leigos podem pretender instruir seus semelhantes, que dirá educá-los? Como um cego pode guiar outro cego? Dificilmente poderá, pois, pela definição, o leigo não conhece o assunto, ou o conhece superficialmente, e se pretender dar uma de professor com toda a probabilidade cairá no ridículo e seus alunos sairão da aula mais confusos do que quando entraram. É um fato incontestável: o leigo não tem preparo, não tem competência, e quem não tem competência, diz o ditado, não se estabelece.

Mas a Wikipédia se estabeleceu. Como se explica esse milagre? Só se explica, primeiro, porque a retórica da Wikipédia como uma enciclopédia de edição livre é sedutora, atraindo chusmas de gente de todo tipo para cá, e segundo, porque o seu público também é leigo e não tem competência para avaliar a qualidade da instrução que recebe, mas entrando numa página que se autointitula "enciclopédia" fica imediatamente hipnotizado e passa a acreditar que o que lê é uma fonte fidedigna.

A Wikipédia tenta sê-lo, mas nem sempre o é. A despeito de todas as políticas oficiais e normas complementares, das exigências por referências sólidas na construção dos artigos, muitas e muitas vezes elas são postas de lado, tanto por pura ignorância como deliberadamente, e tudo por nossa própria culpa, já que até mesmo declara-se, em Políticas e Recomendações, que "não há necessidade de ler qualquer página de política ou recomendação antes de começar a editar"! Ser um editor de uma enciclopédia não é brincadeira, ou não deveria sê-lo, mas aqui não se requer credenciais acadêmicas para o ingresso e não foi instituída oficialmente nenhuma "escolinha de editores", e na prática qualquer um pode editar e de fato edita como bem entende, produzindo-se textos sobre textos sem pé nem cabeça que podem permanecer publicados sabe-se lá por quanto tempo como parte do "conteúdo oficial" que oferecemos para nossos leitores. Em termos educativos, isso é desastroso, e é um vexame para um projeto com tão altas metas como este. Mas considerando o seu perfil ideológico atual, não se poderia esperar outra coisa.

O problema básico do modelo amadorístico da Wikipédia, erigido como política oficial, é que quando se descarta, dissimula ou minimiza a importância da contribuição erudita, cai-se na anarquia cultural e gera-se um conhecimento folclórico, não científico. O folclore, que é sinônimo de cultura popular, tem seus méritos como uma visão de mundo específica, mas não pode pretender possuir um conhecimento baseado em fatos comprovados, que constituem a base de todo conteúdo verdadeiramente enciclopédico. O folclore explica o fogo-fátuo como a manifestação de uma alma penada ou de alguma outra criatura mítica, porque assim parece ou porque a tradição assim o diz, mas não tem capacidade para testar objetivamente essa aparência e essa tradição, o que só a cultura erudita derivada das academias pode proporcionar. Mesmo que um dado fato possa não ter sido a rigor comprovado — entrando aqui desde teorias científicas até os próprios fatos do folclore —, sua inclusão numa enciclopédia só pode acontecer numa abordagem cujo caráter não pode ter nada do que tipifica o conhecimento leigo, mas deve produzir artigos equilibrados, objetivos, completos e baseados em fontes reputadas. Ora, a Wikipédia, em que pese seu desejo de ser uma referência qualificada, ou seja, erudita, contradiz a si mesma não só aceitando como incentivando a contribuição leiga, e com isso se torna, automaticamente e por definição, uma enciclopédia folclórica. Os leigos podem efetivamente ajudar compilando informações bem credenciadas, mas de novo o perigo, mesmo neste papel aparentemente simples, é o seu desconhecimento do campo em profundidade, podendo reunir dados ultrapassados ou fazê-lo desordenadamente, ou descrevê-los de forma enganosa.

Mas existe um outro lado nessa moeda. É bem provável, a partir de algumas evidências, que a maior parte dos melhores artigos da Wiki sejam criados não por leigos, mas por especialistas que desejaram dar uma contribuição espontânea. Uma pesquisa informal em dez artigos destacados escolhidos aleatoriamente na Wikipédia em inglês indicou que oito deles tiveram uma participação majoritária ou importante de especialistas, e são bem estruturados, completos e bem referenciados, ao passo que, de dez artigos não-destacados escolhidos aleatoriamente pelo mecanismo de busca automática, nenhum deles tem uma qualidade sequer mínima e seus editores não disseram nada sobre seu preparo. Mesmo que este silêncio não signifique necessariamente a ausência de qualificação superior, a simples leitura do seu conteúdo atesta, sem margem para dúvidas, serem fruto de amadorismo, o que não transparece na alta qualidade dos dois artigos destacados cujos editores principais não forneceram credenciais em suas páginas de usuário (vide nota [1]). Se os destacados formassem o grosso do conteúdo o problema dos não-destacados seria negligenciável, mas a verdade é o contrário: os artigos destacados são a ínfima minoria no conjunto da Wikipédia, e por isso não podem ser considerados representativos da qualidade do projeto como um todo, sendo em vez exceções notáveis e louváveis e um modelo do que o resto deveria ser mas não é. Dos quase 4 milhões de verbetes da Wikipédia em inglês, a maior de todas as Wikis, apenas pouco mais de 3.500 foram destacados. Pouco vale lembrarmos os estudos que comparam positivamente a Wikipédia com outras publicações prestigiadas — como o famoso caso da Nature, usado por nós como um cavalo de batalha a despeito de ele ser controverso — pois assim como existem esses, muitos outros afirmaram o contrário. (vide nota [2])

O que se disse até aqui aponta para duas coisas: somente reforça a constatação de que o leigo de modo geral não tem capacidade de editar com qualidade, e esvazia um dos preceitos basilares da Wikipédia — o de que qualquer um pode editar. Poder, pode, pois nós mesmos o autorizamos, mas definitivamente não deve. Assim, caímos em outro dos espantosos paradoxos da Wikipédia: de facto privilegiamos a contribuição erudita, tanto que elaboramos um extenso elenco de normas para garantí-la, mas de jure, como está consagrado como cláusula pétrea em nossos Cinco Pilares, alardeamos festivamente que a contribuição leiga é bem-vinda, repetindo esse slogan em todas as oportunidades possíveis e fazendo de conta que ele não se encontra já completamente erodido pela realidade prática, expondo a nudez do rei.

Menos demagogia, por favor!

Todas essas inconsistências não contribuem para a qualificação da Wikipédia, nem para que sua imagem pública se fortaleça, ao contrário, criam uma bela e atraente vitrine mas com um conteúdo geral pobre, mal organizado e de valor duvidoso, e tornam suas políticas fundamentais nada mais nada menos do que uma grande propaganda proselitista e demagógica. Por que será que tantos editores experientes acabam cansando do projeto e o abandonam? E por que será que o número de novos editores vem declinando? Será que o público não começou a perceber a natureza ilusória dessa propaganda enganosa? De acordo com os estudos Attrition Pipeline e Decline Theories, parece evidente que sim.

Essa queda na participação é uma tendência constante nos últimos anos. A Wikimedia Foundation, mantenedora da Wikipédia, já está preocupada com isso e desenvolve uma estratégia para reverter a tendência, mas por mais que se divulgue as qualidades do projeto, pouco adiantará se ele permanecer cristalizado na forma como foi fundado e não se adaptar às novas realidades, ou será que nos veremos obrigados a empregar uma propaganda ainda mais sedutora e capciosa para atrair novatos a todo custo? Isso seria apenas um paliativo de eficiência e ética questionáveis, pois na realidade da evolução interna da Wiki, logo os novatos desqualificados serão sumariamente ejetados ou sairão por conta própria...

O que parece estar sendo esquecido, de propósito ou não, é que o verdadeiro e mais duradouro prestígio cresce silenciosamente por virtude da própria qualidade do produto, e não pelas boas graças dos holofotes da mídia, que iluminam uma coisa agora e no instante seguinte a votam ao esquecimento ao sabor das modas passageiras, e nem pelo retorno massivo das entradas da Wikipédia no Google e outros mecanismos de busca, que não podem ser levados em conta como evidência de relevância educativa pois são dirigidos por interesses de mercado. O esforço publicitário se torna ainda mais contraditório considerando que o próprio Jimmy Wales, fundador da Wiki, admitiu que a grande maioria das edições são realizadas por um escasso número de editores, sobrando para a "multidão", um participante na verdade apenas ocasional, o trabalho pífio de corrigir pequenos erros de digitação ou acrescentar uma ou duas linhas aos artigos, quando não se entrega à diversão de vandalizar o que há de bom por aqui. Mais valeria fazer campanhas para atrair especialistas e gastar os enormes fundos de publicidade na contratação de um corpo estável de peer reviewers.

É perfeitamente compreensível - e não deveria causar surpresa nenhuma — que os leigos se afastem diante do crescente número de regras de edição que se criam e que impõem um nível de qualidade elevado na contribuição. Não poderia ser diferente, pois tudo indica que a comunidade como um todo pretende que a Wikipédia seja realmente um projeto cultural sério e erudito, e está se movendo a passos largos nessa direção. Por isso não podemos adiar mais o reconhecimento oficial da verdade: a Wikipédia não é uma enciclopédia que todos podem editar. E nem seus editores querem que seja!, a despeito de todos os inflamados discursos que se ouvem aqui e ali a cada vez que o tema vem à tona, venerando os Cinco Pilares como se fossem os arcanos invioláveis de alguma religião fanática e colocando os seus defensores na lamentável posição de vacas de presépio, quando deveriam ser imutáveis apenas enquanto o contexto assim o permitisse, pelo bem do próprio projeto! Como disse Vinícius, seja eterno enquanto dure, apenas isso. Temos que ser realistas e honestos conosco mesmos e com nosso público, e só nos resta uma única atitude digna: reformarmos nossas políticas fundamentais para que espelhem a realidade atual da Wiki, uma necessidade cultural-editorial óbvia e intrínseca ao caráter de uma verdadeira enciclopédia, e também o desejo da comunidade, um desejo que a prática cotidiana vem atestando com sobejas evidências. A Wikipédia não vai morrer por isso, pode até se tornar menor e menos dinâmica, mais "elitista" em seu corpo de editores, mas isso não é o mais importante, e nada leva a crer que por isso deixará de ser menos consultada pelo público não-editor, que é o maior beneficiário do projeto e aquele que deveria ser o motivo de nossas primeiras preocupações. É possível até que seu prestígio cresça e ela seja ainda mais consultada! (vide nota [3]) E mesmo se morrer, será pelo menos uma morte honrosa, sem ilusões utópicas e sem demagogia, mas com humildade e boa fé.

___________

Nota ao leitor: Este ensaio foi escrito em abril de 2012. Como a Wikipédia está em estado de fluxo permanente, é possível que ao longo do tempo as políticas mudem e as ideias aqui apresentadas se tornem ultrapassadas.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Os artigos destacados foram os seguintes:
    1. Confirmation bias, editado majoritariamente por um BA em psicologia e PhD em filosofia
    2. Music of Athens, Georgia, o principal editor não apresentou currículo
    3. Hurricane Carmen, os principais editores não apresentaram currículo
    4. Ode on Indolence, o principal editor afirmou possuir significant amount of scholarship
    5. Irish phonology foi editado majoritariamente por um universitário de linguística
    6. Tibet during the Ming Dynasty, editado majoritariamente por um bacharel
    7. Acute myeloid leukemia, teve uma participação importante de pelo menos dois médicos (um deles professor universitário) e um estudante de medicina
    8. Craters of the Moon National Monument and Preserve, editado majoritariamente por um bacharel em biologia e geologia
    9. Actuary, editado majoritariamente por um matemático e estatístico
    10. Aldol reaction teve participação importante de um bioquímico, um professor universitário autor de artigos e um PhD em química
    Os artigos não-destacados foram os seguintes:
    1. Beowülf, não apresenta fontes, e seu principal editor é um jornalista
    2. Biraja Sankar Guha, não apresenta fontes, e seu principal editor não apresentou currículo
    3. Treaty of Villafáfila, não apresenta fontes, e seu principal editor não apresentou currículo
    4. J.A. Martin Photographer é mínimo, e seu principal editor não apresentou currículo
    5. Evelyn Baronets é mínimo, e seu principal editor não apresentou currículo
    6. Cornwall Air Ambulance só apresenta fontes primárias e não é todo referenciado, e seu principal editor é um meteorologista!
    7. Oličko Lake tem apenas sete palavras além do título, sem qualquer fonte, e seu principal editor não apresentou currículo
    8. Louis the Child é mal referenciado e não há um editor principal
    9. Nathan Cornwall é mínimo e mal referenciado, e seu principal editor não apresentou currículo
    10.Julia de Asensi tem apenas uma frase sem referência e seu editor não apresentou currículo, além de reconhecer que não domina o inglês!
  2. É de assinalar também que o artigo Críticas à Wikipédia na Wiki inglesa, depois de ter sido destacado, teve seu conteúdo esvaziado e disperso arbitrariamente, sob a absurda justificativa de que o consenso foi definido pela última pessoa a opinar - e ela opinou pelo esvaziamento -, ignorando todas as opiniões em contrário antes expressas! Ou seja, venceu quem gritou por último....
  3. Na verdade, é mais do que possível, é bastante provável, pois na pesquisa dos índices de acesso de três artigos destacados da Wiki em português depois de eles serem reformados e tornados aptos para destaque, revelou-se um crescimento dramático em relação ao mesmo período do ano anterior à sua qualificação. Foram eles: Questão religiosa, Torres (Rio Grande do Sul) e Wolfgang Amadeus Mozart. Enquanto isso, três artigos não destacados escolhidos aleatoriamente revelaram queda em seus índices de acesso: Nino Pršeš, Jacinto José Gomes e Oncinotis, o que não admira, pois são mínimos e sem qualquer qualidade

Ligações externas[editar | editar código-fonte]