Usuário:L'Astorina/Matis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Matis
Falado em:  Brasil (AM)
Região: Terra Indígena do Vale do Javari
Total de falantes: 846 (2010)[1]
Família: Pano
 Mayoruna
  Mayo
   Grupo Matis
    Matis
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: mpq

A língua Matis é falada pelos indígenas do povo Matis, os quais vivem na Terra Indígena do Vale do Javari, localizada no estado brasileiro do Amazonas, na fronteira com o Peru. Nessa TI, encontram-se 7 povos conhecidos: Marubo, Matis, Matsés (Mayoruna), Kulina Pano, Kanamari, Korubo e Tsohom-dyapa, sendo os 2 últimos de recente contato, além de um conjunto significativo de grupos isolados.[2]

Segundo o Censo demográfico de 2010, feito pelo IBGE, existiam 1013 pessoas matis, das quais 846 são falantes da língua.[1] Pelos dados do Siasi/Sesai (SIASI:  Sistema  de  Informação da Atenção à Saúde Indígena; SESAI: Secretaria Especial de Saúde Indígena), em 2014, o número era de 457 indígenas matis.[3]

A língua Matis faz parte da família Pano, a qual é formada por aproximadamente 30 línguas faladas no Brasil, no Peru e na Bolívia. Pertence ao ramo Mayoruna, juntamente das línguas Matsés, Korubo e Kulina.[4] Ela é considerada em risco, visto que o número de falantes não é alto.[5]

Escrita[editar | editar código-fonte]

A língua Matis não possui tradição de escrita. Assim, os dados foram montados a partir da transcrição fonética, segundo a notação do Alfabeto Fonético Internacional (IPA).[6]

Fonologia e Fonética[editar | editar código-fonte]

Inventário fonético[editar | editar código-fonte]

Consoantes[editar | editar código-fonte]

Fonemas consonantais do Matis[7]
Ponto→

Modo↓

Bilabial Alveolar Pós-alveolar Retroflexo Palatal Velar
Oclusiva p

b

t

d

k
Nasal m n
Fricativa s ʃ ʂ
Africada ts
Aproximante w* j*

*Os fonemas /w/ e /j/ são considerados realizações fonéticas das vogais /u/ e /i/, respectivamente.[8]

Vogais[editar | editar código-fonte]

Fonemas vocálicos do Matis[7]
Anterior Central Posterior
Fechada i ɨ u
Meio fechada e o
Aberta a

Processos fonológicos[editar | editar código-fonte]

A língua Matis apresenta como processos fonológicos: a fusão, a assimilação da nasalidade, a lenição, o apagamento vocálico, o tapping, a assimilação da fricativa e a assimilação e dissimilação de /d/.[7][9]

Morfologia[editar | editar código-fonte]

A língua Matis possui uma morfologia complexa, assim como as outras línguas da família Pano. Ela é descrita predominantemente como uma língua aglutinante, com a presença de morfemas simples e complexos. Os primeiros estão associados a um único significado, e os outros, a mais de um. Na língua, ocorrem principalmente os processos morfológicos de sufixação e reduplicação, mas há também a prefixação, a nominalização, a verbalização, a adverbialização e a clitização.[10]

Em Matis, a prefixação não é muito comum, ocorrendo em apenas dois casos. Um deles é o uso de prefixos de partes do corpo, que ocorrem com nomes, verbos e adjetivos. Esse processo também ocorre em outras línguas da família Pano. O outro uso é o acompanhamento do morfema {-paʂ} no verbo, indicando "ligeiramente" ou "rapidamente". A sufixação, por sua vez, possui várias funções. Alguns sufixos podem ser usados em mais de uma classe gramatical, como o morfema {-kimo}, que pode ser usado como itensificador (sentido de "muito") em advérbios, adjetivos e verbos. Já outros sufixos são exclusivos de uma classe, como o morfema {-bo}, um coletivizador só encontrado nos nomes (mais especificamente nos de traço "humano").[10]

Em Matis, as palavras estão divididas entre as classes abertas e as fechadas. As abertas são os nomes, verbos, adjetivos e advérbios, e as fechadas são os pronomes, posposições, quantificadores e interjeições.

Nomes[editar | editar código-fonte]

Os nomes em Matis constituem uma classe aberta. Eles podem ser modificados por elementos vindos pospostos a eles, como numerais e quantificadores, ou por pronomes possessivos vindos antepostos a eles.[10]

Categorias semânticas[editar | editar código-fonte]

Os nomes em Matis podem ser agrupados, de acordo com o léxico, em:[10]

  • "Entidade": sobre coisas abstratas, como tsusin "espírito ou alma".
  • "Temporal": relacionado à existência no tempo, como nɨtɨ "hoje".
  • "Concreto": relacionado à existência no tempo e espaço. Pode ser inanimado, como ʂubu "casa", ou animado, como atsaban "garça". Além disso, os nomes animados são divididos entre humanos, como mama "papai", e não-humanos, como tʃapa "peixe".

Sufixos nos nomes[editar | editar código-fonte]

Os sufixos são muito usados nos nomes, podendo indicar:[10]

  • Caso ergativo: {-n}, quando o nome termina em vogal ou {-ɨn}, quando o nome termina em consoante.
  • Caso absolutivo: {-ø}, ou seja, não há marcação.
  • Caso comitativo: {-bɨd}, com sujeito da intransitiva (S), {-bɨtan}, com sujeito da transitiva (A) e {-bɨta}, com objeto da transitiva (O).
  • Função de instrumento: {-ɨn} ou o alomorfe {-n}.
  • Função de locativo: {-no}, {-n} e {-mi}.
  • Função de possessivo: {-n} ou o alomorfe {-ɨn}, usados entre dois nomes ou entre um nome e um pronome.
  • Coletivo: {-bo}, usado apenas com nomes de traço semântico [humano].
  • Coletivo para termos de parentesco: {-adbo}.
  • Ênfase: {-dapa} ou os alomorfmes {-ɾapa} e {-tapa}.
  • Diminutivo: {-bakuɨ}.
  • Aumentativo: {-amɨ}.
  • Quantificador: {-dapenpa}, usado principalmente com [não-humanos] e significa "muitos".
  • Restrição: {-wid}, que significa "só, somente", e {-epapa}, que significa "1, só, sozinho".

Pronomes[editar | editar código-fonte]

Em Matis, os pronomes formam uma classe fechada e são divididos em pessoais, possessivos, demonstrativos e interrogativos.[10]

Pronomes pessoais[editar | editar código-fonte]

Pronomes pessoais em Matis[10][nota 1]
Ergativo Absolutivo Dativo
1 sg, 1 + 3 (exclusivo) ɨnbi ɨbi ɨbi
2 sg minbi mibi mibi
3 sg ø ø ø
1 + 2 (inclusivo) nuki nuki nuki
2 pl mikui mikui mitso
3 pl ø ø ø
co-referentes 3 sg anbi abi
co-referentes 3 pl ankuibi akuibi

Na língua Matis, os pronomes pessoais não apresentam distinção de gênero. Existe, no entanto, uma divisão dos pronomes singulares entre marcação de caso absolutivo e ergativo, na qual apenas os de caso ergativo possuem a marca {-n}. Essa diferença não ocorre nos pronomes no plural.[10]

Nota-se que, no caso dativo, apenas o pronome de segunda pessoa do plural é diferente daquele do caso absolutivo. Além disso, os pronomes da terceira pessoa só aparecem quando há co-referência.[10]

Verbos[editar | editar código-fonte]

Os verbos em Matis formam uma classe aberta, possuindo um extenso número de morfemas morfossintáticos. Existem, por exemplo, morfemas que indicam negação, aspecto, tempo, modo, pluralidade, "direção", entre outros.[10]

Tempo[editar | editar código-fonte]

Em Matis, existem dois tempos: passado e não-passado, diferentemente da divisão absoluta em passado, presente e futuro. Cada marcação temporal está relacionada a um ponto específico na referência temporal, entre não-passado (presente e futuro) e passado (de vários tipos). Esses morfemas temporais são:[10]

  • {-e}: indica "não-passado", ou seja, presente e futuro.
  • {-nda} ou {-nɨda}: indica "passado indeterminado", sem uma referência específica no tempo. Nota-se que {-nɨda} ocorre após consoante e {-nda} após vogal.
  • {-a}: indica "passado recente", quando o evento ocorreu no dia da enunciação.
  • {-bo}: indica "passado não recente", ou seja, o intervalo entre o dia da enunciação e no máximo 3 dias anteriores.
  • {-bonda}: indica "passado distante", que pode ser um intervalo de dias, meses ou anos.
  • {-anpi}: indica "passado remoto experiencial". É usado quando alguém tenha participado do evento relatado ou tenha certeza de que ele ocorreu, pois foi um registro histórico.

O morfema {-a}, por indicar algo que aconteceu no dia da enunciação, não pode estar acompanhado de advérbios como uʂto "ontem", que indicam um período anterior ao dia da enunciação. De maneira semelhante, {-bo} e {-bonda} não podem estar acompanhados de advérbios como nɨbi kimo "agora".[10]

Aspecto[editar | editar código-fonte]

Em Matis, existem várias marcações de aspecto. Nota-se que algumas delas também marcam tempo. Os morfemas aspectuais são:[10]

  • {-wa}: indica "aspecto reiterativo", ou seja, que uma ação realizada irá se repetir.
  • {-dene} ou {-tene}: indica "aspecto habitual passado", ou seja, que uma ação foi realizada repetidas vezes (diferente de "contínuo"). Sozinho, se refere a "passado não recente habitual", mas pode aparecer combinado com as marcas temporais {-nda}, {-bonda} ou {-anpi}, cada uma indicando o tipo de passado correspondente. O alomorfe {-tene} ocorre depois de consoantes não nasais.
  • {-kid}: indica "aspecto habitual presente", ou seja, que uma ação acontece quase diariamente. Se opõe a {-e}, que indica algo eventual.
  • {-tsen}: indica "aspecto inconclusivo frustrativo", ou seja, que uma ação foi quase concluída e isso trouxe frustração ao informante.
  • {-tʂakan}: indica "aspecto inconclusivo involuntário", ou seja, que uma ação foi quase concluída, mas sem a ideia de frustração, como em {-tsen}.
  • {-wid}: indica "aspecto incompletivo", ou seja, que a ação foi incompleta. Ele só ocorre com formas distintas do verbo "matar", como se "matar com flecha" e tonka "matar com arma de fogo", então indica que o alvo foi atingido, mas não morreu. Também pode estar relacionado ao sentimento de frustração pelo indivíduo por causa dessa ação incompleta.
  • {-bud}: indica "aspecto durativo", ou seja, a durabilidade da ação. Quando se associa ao marcador de imperativo {-ta}, indica que quem recebe a ordem deve permanecer no lugar ou continuar realizando a ação.
  • {-do} ou {-to}: indica "aspecto inceptivo", ou seja, que a ação começou. O alomorfe {-to} ocorre depois de consoantes não nasais.
  • {-an}: indica "aspecto incoativo", ou seja, que algo começa a se tornar certa coisa.
  • {-bene} e {-kene}: indicam "aspecto ininterrupto/intermitente", ou seja, que a ação está sendo realizada sem interrupção ou intermitentemente durante um percurso. Ambos significam "indo ou vindo sem parar", porém {-bene} é usado em verbos transitivos e {-kene} em intransitivos.
  • {-tɨd}: indica um propósito e é marcado no verbo da oração principal.

Modo[editar | editar código-fonte]

Em Matis, os modos verbais são: imperativo, declarativo, desiderativo e negativo.[10]

  • Imperativo: pode ser marcado por ø, {-ta}, {-enda} ou {-ta} mais o verbo ka- "dizer".
    1. ø ou {-ta}: no contexto: “Mená ordena que o Iba passe veneno na seta utilizada na zarabatana", se quem detém a seta é o Mená, usa-se ø; se a seta estiver na posse do Iba, usa-se o {-ta}.
    2. {-ta} ou {-enda}: {-ta} indica imperativo afirmativo e {-enda} imperativo negativo.
    3. {-ta} mais ka-: funciona como ordentaivo/mandativo, ou seja, "aquele que delega algo".
  • Declarativo: marcado por {-k}.
  • Desiderativo: marcado por {-nu}, que significa "ter vontade de, querer". Frases especulativas de futuro como "amanhã vou caçar um porco" são agramaticais para os falantes, pois eles não têm certeza se irão mesmo caçar um porco. Assim, o uso do desiderativo traz essa ideia de "futuro", mas indica um desejo e não uma certeza. Portanto, em vez de usar sedkeaʂ ɨnbi unkin tonkaek kapoek “amanhã vou caçar um porco”, os falantes usam sedkeaʂ ɨnbi tonkanu kapoek “amanhã eu desejo caçar um porco”.
  • Negativo: marcado por {-emen} no tempo não-passado, ou {-ama} no tempo passado recente. Para indicar outro tipo de passado (não-recente, distante ou remoto), é necessário utilizar o verbo auxiliar ik- antes das marcas de tempo.

Transitividade[editar | editar código-fonte]

Os verbos em Matis são divididos em:

  • Intransitivos: possuem sujeito (S), marcado pelo caso absolutivo ø.
  • Transitivos: possuem sujeito (A), marcado pelo caso ergativo {-n} ou {-ɨn}, e objeto (O) marcado pelo absolutivo ø.
  • Bitransitivos: possuem sujeito (A) e dois objetos (O)
  • Copulares: raízes que funcionam como "verbos genéricos"
    • bama- "partícula de negação"
    • abi- "partícula de afirmação"
    • ik- "cópula": quando usado em orações possessivas no passado, é por onde as marcas de tempo são expressas. Quando é usado depois de verbos acompanhados do morfema de negação {-ama}, é por onde as marcas de tempo e aspecto são expressas.

Sintaxe[editar | editar código-fonte]

Matis é uma língua do tipo ergativo/absolutivo, assim como outras línguas da família Pano. Em línguas desse tipo, apenas o sujeito da transitiva (A) recebe marcação do caso ergativo, enquanto o sujeito da intransitiva (S) e o objeto da transitiva (O) são marcados pelo caso absolutivo. Em contraste, nas línguas do tipo nominativo/acusativo, A e S recebem a mesma marcação de caso nominativo, enquanto O é marcado pelo caso acusativo. Em Matis, o caso ergativo é marcado pelos alomorfes {ɨn} e {-n}, e o absolutivo ocorre sem marcação morfológica (representado por ø).[10]

Em Matis, as ordens mais encontradas são AOV (sujeito-objeto-verbo) nas frases transitivas e SV (sujeito-objeto) nas intransitivas.

Vocabulário[editar | editar código-fonte]

Lista de Swadesh[editar | editar código-fonte]

Nesta lista de Swadesh, são encontradas 200 palavras em ordem alfabética Português-Matis.[nota 2]

Lista de Swadesh
Português Matis
Água waka
Amarelo ʃin
Amolado ʃeka-
Andar/Caminhar kapo-
Animal nɨiʃ
Ano badi
Aquele akit
Aqui
Arder/Queimar kuk-
Areia masi
Árvore iwi
Asa pɨi
Atrás ukɨ
Barriga puku
Bater kues
Beber ak-
Boca ɨʃak
Bom bɨda
Branco wasa
Brincar tʃukewa-
Cabeça maʃo
Cabelo maʃakete
Caçar kapo-
Cachorro wapa
Cair do alto pakat-
Cair estando no chão tunki-
Caminho bai
Cantar noman-
Carapanã (pernilongo) biuʃ
Carne nami
Casca mɨi
Cavar menan-
Certo bɨda
Céu abuk
Cheio (estar cheio) kubut-
Cheiro piʃi
Chifre país
Chupar tʃiʃ-
Chuva we
Cinco mikɨn atʃɨwɨʃ tet
Cinza (resto de fogueira) tsismapuk
Coçar ʃɨkɨtka-
Com bɨtan ~ bɨta ~ bɨt-
Comer pe-
Contar misteta
Coração winte
Corda de rede ditebete
Corda de arco buku
Corda em geral nai
Correr (singular) abat-
Correr (plural) tʃabad-
Cortar de-/te-/nakte-/dɨr-/kapɨʃ-
Costurar kɨkun-
Cozinhar kodoka-
Criança/Menino papi
Curto tuku
Dançar munut-
Dar men-
Deitar (na rede) duk-
Deitar (no chão) sukuat-
Dente ʃita
Dentro et-
Dez mɨkɨn atʃɨwɨʃ dabɨtpa
Dia nɨtɨn
Dizer tʃuwi-
Dois dabɨtpa
Dormir uʃ-
Empurrar com a mão mɨama-
Enrolado ʃuin-
Escovar anmakudek
Espetar toʃka-
Esposa awin
Esse nekit
Esses nekitbo
Este/isto nɨkit
Estrela wispa
Eu (erg./abs.) ɨnbi/ɨbi
Falar onk-
Ficar em pé nidek/nita
Fígado takua
Flecha pia
Flor iwiwa
Floresta nawɨ
Fogo muʃte
Folha iwi podo
Frio (ter frio) iken-
Fruto tʃitʃo
Fumaça puʃute
Furar toska-
Gelado waduʃ
Gente mates
Gordura pobɨt
Grama wesin
Grande ʃunu
Gritar/Chamar tʃuk-
Grosso noa
Homem dada/papi
Inchar bidiskai
Ir kuan-
Irmã (mais nova) tʃibi
Irmã (mais velha) tʃutʃu
Irmão (mais novo) makʃu
Irmão (mais velho) butʃi
Joelho danbɨdu
Jogar ne-
Lá/ali u
Lago tʃan
Lavar ʃik-
Ligar (aparelho) kuɨtmeta
Limpar bidiskai
Língua ana
Longe mɨdu
Longo/Comprido ʃunu
Lua uʃɨ
Lutar amai
Mãe ani/tita
Mão mɨkɨn
Marido bɨnɨ
Matar ak-
Mau bɨda pemen
Medo dakut-
Montanha ukumuduk
Morder pe-
Morrer nan-
Muito (intensidade) kimo
Muito (quantidade) dadenpa
Mulher tʃidabo
Nadar nun-
Não pemen
Não (existir) bama
Nariz (ponta/ estremidade) dɨʃan
Negro/Preto wisu
Noite/Escuro imɨt
Nome anɨ
Nós nuki
Novo paʃa
Nuvem kuɨin
Olho bɨdu
Onde mira
Orelha papuʃan
Osso wispo
Outro wɨtsi
Ouvir kuak-
Ovo tu
Pai mama
Para -n ~-an
Pássaro tʃididiʃ
Pau/Vara kueste
taɨ
Pedra maʃaʃ
Peixe tʃapa
Pele bittsi
Pena ʃakete
Pequeno tuku
Perna pudunte
Perto nɨtsɨk
Pesado iwɨdap
Pescoço tetun
Podre pisidap
Poeira duduk
Por quê natsikek
Pouco papitsɨk/dabɨtsɨk
Quatro mɨkɨn antantet
Quê?/O quê? awɨda
Quem? tsuntsi
Quente itis
Rabo ina
Rachar pos-
Raiz ibisunku
Respirar anpuʃut-
Rio tʃɨʃɨ
Rir den-
Saber tanawa-
Sal bata
Saliva ektʃun
Sangue imi
Secar kudu-
Segurar ne/beta
Seio ʃuma
Semente uʃɨ
Sentar tsat-
Serpente dunu
Sol tanu
Soprar buʃka-
Sujo wisudap
Terra tʃot
Todos atʃɨwɨʃ
Trabalhar tʃonot-
Três mɨkɨn tet
Tripa puku
Úmido waka podkodak
Veia punu
Velha matʃo
Velho dadasibo
Velho (coisa) ʃini
Vento aiun
Verde ɨmu
Vermelho pɨt
Vestuário (camisa) datonkete
Viver (não está morto) amaimen
Voar kapo-
Você (erg./abs.) minbi/mibi
Voltar tʃo-
Vomitar uk-

Dicionário Matis-Português[editar | editar código-fonte]

Em sua tese, Vitória Regina Spanghero Ferreira desenvolveu um dicionário Matis-Português de 1547 entradas, que contêm informações semânticas, gramaticais e pragmáticas.[11]

Uso na mídia[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Abreviaturas: 1- primeira pessoa, 2- segunda pessoa, 3- terceira pessoa, sg- singular, pl- plural, ø- sem marcação
  2. Esta é a versão descrita por Ferreira (2001) em Língua Matis: aspectos descritivos da morfossintaxe (p. 135 a 144). Ela possui algumas divergências em relação à transcrição fonológica de Spanghero (2000) em Língua Matis (Pano): uma análise fonológica (p. 113 a 122).

Referências

  1. a b Características gerais dos indígenas - Censo Demográfico de 2010, do IBGE (p. 164)
  2. Programa Javari - Centro de Trabalho Indigenista (CTI)
  3. Matis - Instituto Socioambiental. Consultado em 21 de abril de 2021
  4. Fleck, David W. (2013). Panoan Languages and Linguistics. Anthropological papers of the American Museum of Natural History, no. 99
  5. Matís - Endangered Languages Project. Consultado em 22 de abril de 2021
  6. Ferreira, Vitória R. Spanghero (2005). Estudo lexical da Língua Matis: subsídios para um dicionário bilíngue (p. 75 e 83)
  7. a b c Ferreira, Rogério Vicente (2005). Língua Matis (Pano): uma descrição gramatical (cap. III)
  8. Ferreira, Vitória R. Spanghero (2000). Língua Matis (Pano): uma análise fonológica (p. 59 a 68)
  9. Ferreira, Vitória R. Spanghero (2000). Língua Matis (Pano): uma análise fonológica (cap. V)
  10. a b c d e f g h i j k l m n o Ferreira, Rogério Vicente (2005). Língua Matis (Pano): uma descrição gramatical
  11. Ferreira, Vitória R. Spanghero (2005). Estudo lexical da Língua Matis: subsídios para um dicionário bilíngue (cap. VIII)