Usuário:Sturm/Criminosos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Wikipédia, por ser uma enciclopédia, e desta maneira almejar tornar-se um projeto de referência para praticamente qualquer assunto do domínio humano, não deve deixar de abarcar nem mesmo os assuntos mais espúrios e hediondos do ponto de vista da ética, como por exemplo as facções criminosas, tais como as brasileiras Amigos dos Amigos e Primeiro Comando da Capital, por exemplo. Contudo, ao contemplar tais temas, a Wikipédia pode, ainda que involuntariamente, transformar-se numa espécie de "outdoor" para os criminosos que atuam nessas facções e indiretamente enaltecê-los, uma vez que se assume que eles possuam valor enciclopédico. Assim, deparamo-nos com um dilema: contemplar tais informações e correr o risco de transformá-las numa vitrine de marginais ou as omitir? Telejornais brasileiros já evitam nomear tais facções, noticiando, por exemplo: "A facção criminosa que atua nos presídios de São Paulo atacou mais uma vez..."

Proposta[editar | editar código-fonte]

Uma possibilidade para lidar com a questão é uma maior preocupação em remeter as informações ali presentes aos princípios da ética e do contrato social (e, claro, averiguando sempre a verificabilidade e as fontes), ainda que assim ferindo um pouco o princípio da imparcialidade. Essa seria uma possibilidade de abarcar tais informações sem fazer delas um agente promotor do crime.

Concretamente, para que não seja feita essa promoção do crime, os artigos devem ser criados de maneira que seu texto não mencione as ações destes grupos como conquistas ou glórias da determinada facção. Além disso, em artigos de localidades que estão sob comando ou influência destes criminosos, devem se evitadas citações aos mesmos, à exemplo do que ocorre no artigo Complexo da Maré.

Sim, devemos falar sempre o que é notório e histórico, colocando-os (criminosos) na Wikipédia como e, o que, eles são para as normas gerais e normais de civilidade jurisdicional e ética. Nada mais. Apenas o que é.