Vacheron Constantin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vacheron Constantin
Slogan "Faire mieux si possible, ce qui est toujours possible" - F. Constantin (1819)
Tipo Banco
Fundação 1755
Fundador(es) Jean-Marc Vacheron
Sede Flag of Canton of Geneva.svg Genebra <small(Suíça)
Áreas servidas Relojoaria
Empregados cerca de 79 000
Produtos Relógios
Lucro 400
Página oficial vacheron-constantin.com

Vacheron Constantin é um dos mais antigos fabricantes de relógios de alta gama da Suíça [1] paralelamente com Blancpain. A marca pertence hoje ao grupo Richemont e foi a primeira a ter recebido o selo de qualidade Poinçon de Genève.

História[editar | editar código-fonte]

A Vacheron Constantin foi fundado em 1755 por Jean-Marc Vacheron, mestre relojoeiro com 24 anos de idade, e é a relojoaria mais antiga do mundo com o mesmo nome [2] [nota 1]

Efemérides[editar | editar código-fonte]

  • 1819 - F. Constantin, o neto de Jean-Marc lança o logo: "Faire mieux si possible, ce qui est toujours possible"
  • 1839 - entra em serviço Georges-Auguste Leschot
  • 1844 - Georges-Auguste Leschot é recompensado com a medalha de ouro da cidade pelo seu sistema pantografico
  • 1877 - recompensada com a medalha de ouro na Exposição nacional suíça e recebe nesse ano o Poinçon de Genève [3]
  • 1970 - Supressão do "&" ao nome Vacheron & Constantin
  • 1996 - a firma é comprada pelo grupo Richemont
  • 2004 - nova fábrica em Plan-les-Ouates
  • 2005 - para festejar os 250 anos foram criados sete exemplares do relógio Tour de l'Ile [2]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bertrand Fraysse, « Paris à l'heure de Genève », fr:Challenges, no 325,‎ 13 décembre 2012, p. 98 à 100 (ISSN 0751-4417)

Notas

  1. A sociedade Blancpain foi fundada em 1735, mas mudou de nome porque se chamava em 1930 Rayville, razão porque Vacheron Constantin é a mais antiga e contínua [1]

Referências

  1. a b Histoire de Blancpain (em francês) Visitado:Fev. 2014
  2. a b Joyeux anniversaire! (em francês) Visitado:Fev. 2014
  3. Bertrand Fraysse, op. cit.