Vacinação contra a COVID-19 no Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Vacinação contra a COVID-19 no Brasil
Logotipo da campanha de vacinação do Ministério da Saúde.
Duração 1 ano, 6 meses e 28 dias
Data 17 de janeiro de 2021 (2021-01-17)
Em curso
Localização Brasil
Tipo campanha de vacinação
Causa Pandemia de COVID-19
Organizado por Governo Federal
Ministério da Saúde
Governos Estaduais e Distrital
Prefeituras Municipais
Participantes 178 893 276 pessoas (1.ª dose)
167 065 686 pessoas (2.ª dose ou única)
98 572 582 pessoas (Dose de reforço)
Resultado 89,38% da população vacinada (1.ª dose)
83,47% da população imunizada
(2.ª dose ou única)
56,16% da população reforçada (Dose de reforço)
Vacinas utilizadas CoronaVac (Sinovac Biotech)
Covishield (AstraZeneca e Universidade de Oxford)
Tozinameran (Pfizer e BioNTech)
Ad26.COV2.S (Janssen Farmacêutica)
Website qsprod.saude.gov.br/extensions/DEMAS_C19Vacina/DEMAS_C19Vacina.html
Atualizado em 23h58min, segunda-feira, 20 de junho de 2022 (UTC-3)

A vacinação contra COVID-19 no Brasil foi iniciada no dia 17 de janeiro de 2021, em uma coletiva de imprensa, onde estavam o Governador do Estado de São Paulo, João Doria (PSDB);[1] a enfermeira Mônica Calazans, primeira vacinada no Brasil; e a aplicadora da primeira dose, a também enfermeira Jéssica Pires. A aplicação ocorreu quando o país já contava 210 mil mortos pela doença.[2] As primeiras seis milhões de doses foram da vacina CoronaVac, importadas pelo Instituto Butantan em uma colaboração com a empresa chinesa Sinovac Biotech.[3]

Até o dia 14 de agosto de 2022, 178 893 276 pessoas, equivalente a 89,38% da população brasileira, foram vacinadas com a 1.ª dose de uma das vacinas; a 2.ª dose ou a dose única foi aplicada em 167 065 686 pessoas, equivalente a 83,47% da população. Já a dose de reforço, foi dada a 98 572 582 pessoas, o que equivale a 56,16%.

Não há previsões de prazo para imunizar toda a população do país devido à carência de insumos para produção da vacina[4] e também à demora na compra de vacina pelo governo Jair Bolsonaro.[5][6][7]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Antes da vacina do Butantan, a Fiocruz buscava obter a permissão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a importação da vacina. Seriam mais de dois milhões de doses das vacinas desenvolvidas pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca.[8] A Anvisa aprovou, no dia 17 de janeiro de 2021, o uso emergencial da vacina no Brasil.[9] Em 22 de janeiro de 2021, após um entrave entre o governo da Índia e o brasileiro, o Brasil recebeu mais duas milhões de doses da vacina AstraZeneca.[10] No mesmo dia, a Anvisa aprovou mais 4,8 milhões de doses da vacina CoronaVac para uso emergencial.[11]

Início da vacinação[editar | editar código-fonte]

A enfermeira Mônica Calazans recebendo a primeira dose da vacina coronavac, minutos após a sua aprovação na Anvisa. Ao lado esquerdo, o governador de São Paulo, João Dória.

Logo após a aprovação das vacinas para uso emergencial, o governo de São Paulo realizou uma coletiva de imprensa para realizar a primeira aplicação. A enfermeira Mônica Calazans foi a primeira pessoa fora dos estudos clínicos a ser vacinada contra a COVID no país.[12]

Momento do início da vacinação contra a COVID-19 no Rio de Janeiro, aos pés do Cristo Redentor. A esquerda, a aposentada Teresinha da Conceição (de calça rosa) e a sua direita, a técnica de enfermagem Dulcineia da Silva Lopes (de calça preta) como as primeiras vacinadas no estado.
Idoso recebendo a segunda dose da vacina CoronaVac em Canoas, no Rio Grande do Sul.

A campanha de vacinação em todo o território nacional teria início no dia 18 de janeiro de 2021 às 17 horas, porém, por problemas de logística, parte dos estados adiaram para o dia 19, já que as vacinas chegariam apenas à noite. Os estados que iniciaram a vacinação no dia 18 foram São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Amazonas, Mato Grosso, Paraná, Pernambuco, Minas Gerais, Espírito Santo, Maranhão, Tocantins, Mato Grosso do Sul, Ceará, Goiás, Piauí e Santa Catarina.[13] Em sua maioria, técnicos de enfermagem, enfermeiros, negros e mulheres foram os responsáveis por abrirem a campanha de vacinação nos estados.[14][15][16][17][18][19]

No meio artístico, as atrizes Zezé Motta e Solange Couto se tornaram as primeiras personalidades nesse meio a serem vacinadas.[20] A assistente social e técnica de enfermagem Vanuzia Costa, da aldeia multiética Filhos dessa Terra, foi a primeira vacinada entre os indígenas.[21]

No dia 23 de janeiro de 2021 foi iniciada, em um ato simbólico, a vacinação no Brasil com o imunizante de Oxford. A primeira pessoa a receber a vacina foi o infectologista Estevão Portela.[22] Na mesma ocasião, também foi vacinada a pneumologista Margareth Dalcolmo. A médica Sarah Ananda Gomes foi a terceira a ser vacinada. Logo depois, mais sete profissionais da saúde foram imunizados.[23][24]

Vacinação em massa[editar | editar código-fonte]

Serrana[editar | editar código-fonte]

A cidade de Serrana, no interior de São Paulo, se tornou o primeiro município brasileiro a realizar a vacinação em massa com a população acima de 18 anos, divididos em quatro grupos. A campanha iniciou no dia 17 de fevereiro de 2021 e faz parte de um estudo do Instituto Butantan, intitulado "Projeto S", usando a vacina Coronavac. A participação da população, no entanto, não é obrigatória, já que é um trabalho de pesquisa voluntário. Serrana foi escolhida devido a sua proximidade com Ribeirão Preto, outra cidade importante de São Paulo.[25] Segundo um balanço divulgado no dia 14 de março, 97% da população já havia sido vacinada.[26] Em 17 de março, é iniciada a aplicação da segunda dose no público alvo.[27] O projeto chegou ao fim no dia 11 de abril em uma cerimônia virtual.[28] Durante a campanha, houve uma grande redução na internação de casos graves da Covid, além do baixo número de mortes com apenas seis óbitos, totalizando uma mortalidade de 0,004% e a ausência de filas de espera por um leito de UTI.[29][30]

Em 30 de maio de 2021, o programa jornalístico Fantástico, exibido pela TV Globo, mostrou os dados finais dos estudos, com uma queda expressiva no número de casos em 95%, passando de 699 em março para 251 em abril. As mortes caíram de 20 para 6 no mesmo período. Além disso, a pesquisa também mostra que a doença pode ser controlada se a vacinação chegar a um patamar de até 75% da população imunizada.[31]

Botucatu[editar | editar código-fonte]

Em 27 de abril de 2021, a cidade de Botucatu, interior de São Paulo, é escolhida pelo Ministério da Saúde para iniciar a fase de vacinação em massa na população acima de 18 anos. A vacina usada é a AZD1222, tendo a parceria da Universidade de Oxford, o laboratório AstraZeneca, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Fundação Gates, Universidade Estadual Paulista (Unesp) e a própria Prefeitura do Município. A campanha tem como objetivo testar a eficácia da Vacina de Oxford e a sua eficiência em relação a vacinação em massa. Assim como o Projeto S do Instituto Butantan, realizado em Serrana, a participação da população não é obrigatória e também não irá interferir no Plano Nacional de Imunização, já que quem já se vacinou na localidade, não precisa participar do projeto.[32] A escolha de Botucatu se deve pelo projeto abranger mais pessoas e por ser o polo regional do Hospital de Clínicas que atende sessenta municípios e a mesma já realizou uma campanha de vacinação em massa em 2009 durante a campanha contra a febre amarela, usando crianças, além de ser a cidade com o segundo menor índice de letalidade contra a covid com 1,60% entre os municípios com 100 mil habitantes. Os estudos tem duração de oito meses.[33] A campanha teve início no dia 16 de maio.[34]

Viana[editar | editar código-fonte]

Em 5 de junho de 2021, o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), anunciou a realização de vacinação em massa na cidade de Viana, Região Metropolitana de Vitória, usando a vacina AZD1222, em quantidade de 0,5ml em duas doses com o mesmo intervalo de três meses, abaixo do padrão que é de 0,25 ml. A faixa escolhida é de 18 a 49 anos, que não façam parte do Programa Nacional de Imunização (PNI). A etapa é realizada nos dias 12 e 13 de junho em 34 pontos de vacinação e os estudos tem previsão de duração estimados em um ano.[35][36]

Ilha de Paquetá[editar | editar código-fonte]

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD), anunciou a realização de uma campanha de vacinação em massa usando a Ilha de Paquetá como local de estudos a partir de 20 de junho de 2021, com adultos acima de 18 anos. A pesquisa é conduzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em parceria com a Prefeitura do Rio de Janeiro, tendo também coleta de sangue para monitoramento com as pessoas já vacinadas a partir do dia 18. O plano é criar um carnaval fora de época em setembro na região para analisar o andamento do vírus com a população imunizada, podendo se estender para a cidade se atingir a mesma porcentagem de vacinados, além de analisar se a vacinação em massa alcança a proteção total da população com a primeira dose, ou se é necessário tomar a segunda. A vacina usada é a AZD1222.[37][38]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Acusações de fura-fila e suspensão da vacinação em Manaus[editar | editar código-fonte]

O Ministério Público recebeu denúncias de pessoas acusadas de furar a fila da vacinação em pelo menos oito estados brasileiros, através de vídeos e fotos publicadas nas redes sociais. De acordo com o Plano Nacional de Imunização (PNI), a primeira fase corresponde aos profissionais de saúde, idosos acima de sessenta anos que vivem em casas de repouso e a população indígena.[39] No Distrito Federal, a Secretaria de Saúde anunciou que vai apurar as irregularidades após grupos fora da primeira fase tomarem a vacina.[40] No Amazonas, a capital Manaus anunciou a suspensão temporária da vacinação no dia 21 de janeiro, para reavaliar a prioridade do primeiro grupo, uma vez que as doses da vacina são consideradas insuficientes, além de houver uma denúncia de desvio de 60 mil doses da vacina coronavac e de filhos de empresários tomando as doses sem fazer parte dos grupos prioritários.[41][42]

Na Bahia, através da cidade de Candiba, o prefeito Reginaldo Martins Prado (PSD) postou uma foto recebendo a dose da vacina contra a COVID-19, sem ainda fazer parte do grupo prioritário, levando a abertura de processos no MP e MPF impedindo a aplicação da segunda dose, além da aplicação de multas.[43] Em Sergipe, pela cidade de Itabi, o prefeito Júnior de Amintas (DEM) foi o primeiro a se vacinar, gerando uma revolta da população, já que o mesmo tem 45 anos, ficando abaixo da faixa etária da primeira fase.[44] Em Pernambuco, na cidade de Jupi, a secretária de Saúde Maria Nadir Ferro e um fotógrafo que trabalha na prefeitura, conhecido como Guilherme JG, que tomaram a vacina, mesmo sem fazer parte do grupo prioritário. Os dois servidores públicos foram afastados.[45] Na capital do Rio Grande do Norte, a cidade de Natal, o Ministério Público estadual apura denúncias de que funcionários da prefeitura, fora do grupo prioritário para a vacinação, foram imunizados. De acordo com os relatos, apresentados ao MP pelo Sindicato dos Servidores Públicos do Município de Natal, funcionários que detêm cargos comissionados na Secretaria Municipal de Assistência Social receberam a Coronavac em um dos locais de vacinação da cidade. Entre eles está o chefe do setor de informática da secretaria, que compartilhou nas redes sociais o registro do momento em que foi imunizado.[46]

Na cidade de Pombal na Paraíba, o prefeito Abmael de Sousa Lacerda (MDB), mais conhecido como Dr. Verissinho, foi a primeira pessoa a tomar a vacina na cidade, mesmo sem fazer parte dos grupos prioritários, segundo denúncia que chegou ao MPF.[47] No Ceará, na cidade de Juazeiro do Norte, o vice-prefeito Giovanni Sampaio (Podemos) foi o primeiro vacinado na cidade. Ele é médico obstetra e, segundo a prefeitura, atua como voluntário em unidades de saúde do município. Em nota, o Ministério Público do Ceará diz que instaurou notícia de fato para apurar "suposta violação das regras de vacinação por um agente público municipal" e que decidirá, após averiguação, qual é a medida cabível no caso. O MP também investiga a vacinação de Benedita Oliveira, secretária de saúde de Quixadá.[48] Em Castanhal no Pará, o diretor administrativo do Hospital Municipal foi demitido pela prefeitura após ser acusado de furar a fila da vacina Coronavac. O agente público Laureno Lemos, de 38 anos, se apresentou para a vacinação no início da noite de terça-feira, 19, logo após a primeira dose ter sido aplicada na servidora Nivalda Pestana, de 58 anos, que trabalha há quase 20 anos na lavanderia do hospital e está na linha de frente da covid-19.[49]

Polêmicas sobre desvios de vacinas e caso das "vacinas de vento"[editar | editar código-fonte]

No decorrer da vacinação, surgiram várias denúncias envolvendo desvio de doses de vacinas por profissionais de saúde e lideranças políticas em várias localidades pelo país.[50][51][52]

Em vários municípios pelo país, houve flagrantes de profissionais de saúde fingindo vacinar idosos, usando seringas vazias ou não apertando o êmbolo da seringa. Houve casos em que foram encontradas seringas descartadas com líquido dentro. Nos casos relatados, os profissionais foram afastados e os idosos voltaram posteriormente para tomar a dose da vacina corretamente.[53] As autoridades de saúde consideram os casos "isolados". O Conselho Federal de Enfermagem (COFEN), Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) e polícia investigam se as falsas aplicações estão relacionadas ao desvio de frascos de vacinas.[54] Os casos têm sido chamados pela mídia de "vacinas de vento".[54][55][56][57]

Interrupção da vacinação em algumas cidades brasileiras[editar | editar código-fonte]

Logo depois de se aproximar de um mês do início da campanha de vacinação no país, diversas cidades brasileiras, incluindo capitais como Salvador, Rio de Janeiro e Curitiba começaram a restringir os grupos prioritários e em seguida anunciar a interrupção da campanha de vacinação até a chegada de novas doses aos estados. A ação gerou um movimento por parte dos governos estaduais em iniciar as negociações por contra própria com os laboratórios, com um grupo unindo dezesseis estados, liderado pelo governador Wellington Dias (PT-PI).[58][59] Com a chegada de novas doses da Coronavac e da Covishield no dia 24, o calendário de vacinação é retomado nas cidades onde houve a pausa.[60][61]

Em 23 de fevereiro de 2021, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu por maioria simples que governos estaduais e prefeituras tenham autonomia para adquirir vacinas por conta própria, caso o governo federal não cumpra o calendário de vacinação. Também foi aprovado a liberação de vacinas aprovadas por agências estrangeiras, no caso de a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não deliberar o tema em até 72 horas. As agências autorizadas são Food and Drug Administration (FDA), dos Estados Unidos; a European Medicines Agency (EMA), da União Europeia; a Pharmaceuticals and Medical Devices Agency (PMDA), do Japão; e a National Medical Products Administration (NMPA), da China.[62][63] No dia 24, o senado aprova a PL que autoriza a compra de vacinas pelo setor privado, desde que 50% das doses sejam doadas ao Sistema Único de Saúde (SUS).[64]

Erros de logística[editar | editar código-fonte]

No dia 13 de fevereiro de 2021, o governador do Pará, Helder Barbalho, disse que o Ministério da Saúde entregou uma quantidade reduzida de vacinas no estado, o que estaria abaixo da proporção populacional.[65] Após a contestação do erro, o Ministério anunciou que irá enviar doses extras para o estado, mas disse que não houve erro algum e sim que algumas doses ficaram retidas para análise.[66]

Em 24 de fevereiro, o estado do Amazonas recebeu apenas 2 mil doses da Vacina de Oxford, ao invés das 78 mil doses previstas, inclusive as 76 mil doses que seriam destinadas ao estado amazonense, foram entregues por engano ao Amapá. Após ver o erro, o Ministério da Saúde anunciou uma troca das doses entre os dois estados e o restante das doses serão entregues nos próximos dias.[67] As doses no entanto, chegaram no Amazonas com dois dias de atraso.[68]

Uso de vacinas diferentes[editar | editar código-fonte]

Em Natal, uma fisioterapeuta recebeu a primeira dose da AstraZeneca, porém a segunda dose que ela recebeu, foi da Sinovac Biotech. A secretaria de saúde do Rio Grande do Norte reconheceu o erro e disse que a profissional será monitorada.[69]

Já no Distrito Federal, um idoso de 93 anos recebeu duas doses de vacinas diferentes. Segundo o G1, ele primeiro se vacinou com a da AstraZeneca, mas a neta agendou para apenas 1 mês a segunda dose, e acabou recebendo a da Sinovac Biotech. Em nota, a secretaria de saúde do Distrito Federal disse que o idoso terá acompanhamento mensal e verificação do estado clínico.[70]

Em Rondônia, 35 profissionais de saúde de um hospital, receberam doses de laboratórios diferentes. Em nota, a secretaria de saúde do estado informou que está apurando o caso.[71]

Em 16 de abril de 2021, o ministério da Saúde informou em comunicado, que caso hajam relatos de pessoas com trombose por causa da vacina de Oxford/AstraZeneca, haverá a aplicação de uma outra vacina que não seja de vetor viral. As únicas, de vetor não viral, compradas pelo Governo são as vacinas da Pfizer/BioNTech e a CoronaVac. O Brasil foi o primeiro país a ter esta iniciativa.[72]

Imunização clandestina em Minas Gerais[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: CPI dos Fura-Filas

Segundo a Revista Piauí, em 24 de março de 2021, um grupo de empresários de Minas Gerais importaram ilegalmente doses da vacina da Pfizer para se vacinarem numa garagem. Nenhum deles era do grupo prioritário.[73] Uma funcionária de um hospital, que é vizinha desta garagem, filmou o momento que houve a imunização clandestina.[74] Um dia depois da denúncia, houve uma operação da Polícia Federal no estado para cumprir mandados de busca e apreensão e ela foi autorizada pela 35a Vara Criminal de Belo Horizonte.[75] A ANVISA enviou um ofício à polícia para que investigasse esta importação ilegal por pessoas físicas.[76]

Na segunda fase da operação, uma cuidadora de idosos e dois grandes empresários de ônibus foram detidos pela Polícia Federal. Na casa dela, foram encontradas ampolas de cloreto de sódio e vacinas contra a gripe. Em nota divulgada a imprensa, a Pfizer negou que tenha vendido doses ao Brasil para pessoas físicas e reafirmou, junto com a BioNTech, que entregará 100 milhões de doses ao Governo Federal ao longo de 2021. Outras 57 pessoas também são investigadas.[77]

Em 18 de março de 2021, a Assembleia Legislativa de Minas Gerais instalou uma CPI para investigar irregularidades na vacinação além das acusações de "fura-fila".[78]

Superfaturamento na compra de doses da vacina Covaxin[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Caso Covaxin

O Ministério Público Federal (MPF) identificou indícios de irregularidades na compra de 20 milhões de doses da vacina indiana Covaxin, fato este que levou o ministro da saúde Marcelo Queiroga a entrar na lista de investigados pela CPI da COVID-19, após documentos do Ministério das Relações Exteriores mostrarem que o governo federal pagou pelas vacinas um valor 1000% maior do que a primeira oferta apresentada seis meses antes. Além disso, houve alguns alertas vindo de pessoas ligadas ao governo como o servidor Luiz Ricardo Miranda e o seu irmão, o deputado federal Luís Miranda (DEM-DF) sobre irregularidades na compra da vacina, mas o aviso ficou em vão.[79] Após a apresentação das denúncias, o governo nega irregularidades e fala em "indícios de adulteração" em documento apresentado pelo deputado.[80] Em 29 de junho, o Ministério da Saúde anuncia a suspensão da importação das vacinas devido a "polêmicas" com o contrato.[81] Em 23 de julho de 2021, o ministério da Saúde anunciou o cancelamento do contrato das 20 milhões de doses para a vacina. O dinheiro reservado, vai ser destinado para comprar outras vacinas já existentes.[82]

Aplicação ilegal de doses extras[editar | editar código-fonte]

No estado de São Paulo, seis pessoas são investigadas por serem imunizadas com a terceira dose ilegalmente.

Os casos ocorreram em Guarulhos, São Caetano do Sul e em São Paulo.[83]

Lotes de CoronaVac não vistoriados pela ANVISA[editar | editar código-fonte]

Pelo menos 21 milhões de vacinas CoronaVac estiveram armazenadas num depósito do ministério da Saúde porque os lotes vieram de um laboratório que não foi vistoriado pela ANVISA. Pelo menos, 4 milhões de pessoas em São Paulo foram vacinadas com estas vacinas não inspecionadas.[84] O Instituto Butantan, em nota a imprensa, disse que não deve haver alarmismos, pois a própria instituição informou a ANVISA sobre o erro ao visar "transparência" e "compromisso" para garantir a segurança dos imunizantes. O instituto ainda ratificou dizendo que irá substituir os lotes entregues, porém não deu detalhes sobre o destino das doses lacradas.[85]

Interrupção da vacinação para adolescentes sem comorbidades[editar | editar código-fonte]

Em 16 de setembro, o ministério da Saúde anunciou a suspensão da vacinação para adolescentes sem nenhuma comorbidade.

Em discurso, Marcelo Queiroga disse que estados e municípios "passaram a frente das recomendações" do ministério e ainda deu uma declaração polêmica: "O que nós observamos, além de antecipar a aplicação doses em adolescentes, é a aplicação de outras vacinas para adolescentes em comorbidades. Por isso, o Ministério da Saúde emitiu uma nota informativa restringindo a vacinação para adolescentes com comorbidades e com o imunizante autorizado", disse o ministro.

Apesar de esta declaração ser feita, a única vacina autorizada no Brasil para uso em adolescentes na época era a vacina Tozinameran, da Pfizer/BioNTech. Mesmo com a decisão de Queiroga, a maioria dos estados não aderiram e mantiveram a imunização deste grupo.[86] Um caso de morte suspeita de uma adolescente em São Bernardo do Campo que, supostamente, morreu depois de receber uma dose de Tozinameran está sendo investigado pelo Centro de Vigilância Epidemiológica do Estado de São Paulo.[87]

Aplicação de doses vencidas em crianças[editar | editar código-fonte]

Em Lucena, na Paraíba cerca de 60 crianças receberam doses vencidas de adulto da Pfizer por engano numa Unidade de Saúde. Segundo a secretaria de Saúde do estado, elas estiveram com sintomas leves como dor de cabeça e febre.[88] A enfermeira que aplicou as doses vencidas foi ouvida e o processo está sendo investigado pelo Ministério Público Federal (MPF) e pela ANVISA.[89]

Aplicação de doses da Janssen em crianças[editar | editar código-fonte]

No município de Afogados de Ingazeira (PE), 41 crianças receberam a vacina da Janssen, exclusiva para maiores de 18 anos. Ao menos 6 delas tiveram reações graves depois da aplicação, como náuseas e diarreias. A secretaria de Saúde de Pernambuco informou em comunicado à imprensa que monitora durante 30 dias as crianças e num prazo de 60 dias, os pais poderiam optar por imunizá-las com a dose de reforço da Pfizer ou não. Um inquérito administrativo foi aberto para apurar o caso. [90]

Cronogramas e metas[editar | editar código-fonte]

Vacinação no dia 5 de janeiro de 2022

No dia 17 de fevereiro de 2021, o então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, em reunião com governadores, apresentou um cronograma sobre a vacinação no Brasil. Ele afirmou que entre fevereiro e julho de 2021, seriam distribuídas mais 230,7 milhões de doses de vacinas contra a COVID-19.[91][92]

No dia 3 de março de 2021 o Ministério da Saúde publicou no Diário Oficial portarias mencionando dispensa de licitação na aquisição de 38 milhões de vacinas da empresa Janssen (ramo farmacêutico do grupo Johnson & Johnson) e 100 milhões de doses da vacina da Pfizer. Até o momento, as vacinas aprovadas para uso definitivo no país são: a vacina da Pfizer/BioNTech, a da Janssen e a de Oxford/AstraZeneca[93]. Já a vacina do Butantan/Sinovac está autorizada somente para uso emergencial e são destinadas a grupos prioritários. No segundo semestre de 2020 foi iniciada negociação entre o Brasil e Pfizer/BioNtech, mas não foi levada adiante diante da recusa do governo brasileiro em não aceitar uma cláusula contratual dispensando a farmacêutica de arcar com os custos de[94] eventuais efeitos colaterais da vacina.[95][96]

No dia 4 de março de 2021 em reunião final para acertos contratuais com a Pfizer o Ministério da Saúde acabou cedendo e aceitou as cláusulas impostas pela farmacêutica e que travaram as negociações para que o Brasil adquirisse as vacinas da Pfizer. Entre as cláusulas está a que a Pfizer não seja responsabilizada pelos custos de eventuais efeitos colaterais de seu imunizante. Ou seja: "que seja assinado um termo de responsabilidade por eventuais efeitos colaterais da vacina". O Ministério da Saúde afirmou que essa assinatura foi possível graças ao projeto 534 de 2021 que menciona o seguinte:

“ficam a União, os Estados, o Distrito Federal e os municípios autorizados a adquirir vacinas e a assumir os riscos referentes à responsabilidade civil, nos termos do instrumento de aquisição ou fornecimento de vacinas celebrado, em relação a eventos adversos pós-vacinação”.

O contrato já foi assinado e analisado pelo departamento jurídico do Ministério da Saúde.[97]

Em cronograma divulgado, no dia 5 de março de 2021 pelo Ministério da Saúde, as vacinas CoronaVac do Instituto Butantan serão entregues semanalmente ao longo de março aos Estados e ao Distrito Federal. Ao todo são esperadas a distribuição de 22,7 milhões de doses da CoronaVac. Segundo o Ministério da Saúde também serão entregues:

  • 3,7 milhões de doses do imunizante AstraZeneca/Oxford na segunda quinzena de março;
  • 2,9 milhões de doses pela aliança Covax Facility, de Organização Mundial da Saúde (OMS);
  • 8 milhões da Covaxin – vacina indiana ainda não aprovada pela Anvisa. Com isso haverá uma distribuição total aos Estados e ao DF de 38 milhões de doses em março, número abaixo do estimado pelo Ministério da Saúde no mês de fevereiro para o mês seguinte: 46 milhões de doses. Ou seja uma redução de 7,8 milhões de doses de vacinas para o mês de março.[98]

Em 16 de abril de 2021, o ministro Marcelo Queiroga anunciou a antecipação da entrega de 1 milhão de doses prontas da vacina da Pfizer.

O que era para ser em junho, agora será em 29 de abril. A carga com as vacinas chegou ao aeroporto de Viracopos, Campinas (SP) vinda da Bélgica.[99][100]

Também em 16 de abril, a Organização das Nações Unidas anunciou que pretende antecipar a entrega de 8 milhões doses do consórcio Covax Facility ao Brasil. As doses entregues foram da vacina Oxford/AstraZeneca.[101]

Em 11 de maio de 2021, o ministério da Saúde anunciou a compra de mais 100 milhões de doses da vacina Tozinameran, da Pfizer/BioNTech.

Com isso, a empresa deve entregar ao longo de 2021, mais 199 milhões de doses. Duas semanas atrás, 1 milhão já foram entregues.[102]

Também em 11 de maio, o ministério vetou o uso da vacina de Oxford/AstraZeneca em grávidas por conta de casos de trombose registrados em outros países. As gestantes que já se vacinaram com vacinas deste laboratório devem ser acompanhadas.[103]

Em 1 de junho de 2021, a AstraZeneca e a FIOCRUZ, assinaram um acordo para a transferência do ingrediente farmacêutico ativo para produção no Brasil. O contrato tinha que ser assinado em 2020, mas por causa de atrasos só houve a transferência meses depois.[104]

Em 4 de junho, a Anvisa aprova a importação de 4 milhões de doses da vacina indiana Covaxin e 928 mil doses da russa Sputnik V, sendo a última com uma quantidade reduzida em 1% pelo Consórcio de Governadores do Nordeste. Ambas as vacinas foram aprovadas com uso restrito.[105]

Grupos prioritários[editar | editar código-fonte]

Dados ainda em atualização conforme a campanha de vacinação, podendo haver mudança no período.[106]

Etapa Prioridades Período
I Profissionais da linha de frente; idosos com 60 anos ou mais que vivem em instituições de longa permanência; pessoas a partir de 18 anos de idade com deficiência em Residências Inclusivas; população indígena vivendo em terras indígenas; população ribeirinha Após a aprovação do uso emergencial na Anvisa
II Idosos acima de 60 anos, mesmo que não vivam em instituições de longa permanência Primeiro mês após o início da Etapa I
III Pessoas com comorbidades, sendo elas com diabetes, hipertensão arterial grave, doença pulmonar obstrutiva crônica, doença renal, doenças cardiovasculares, cerebrovasculares e neurológicas, indivíduos transplantados de órgão sólido, anemia falciforme, câncer, obesidade grave, HIV positivo Segundo ou terceiro mês após o início da Etapa II
IV Pessoas em situação de rua; População privada de liberdade; Funcionários do sistema de privação de liberdade; Trabalhadores da educação do ensino básico (creche, pré-escolas, ensino fundamental, ensino médio, profissionalizantes e EJA); Trabalhadores da educação do ensino superior; Forças de segurança e salvamento; Forças Armadas; Trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros; Trabalhadores de transporte metroviário e ferroviário; Trabalhadores de transporte aéreo; Trabalhadores de transporte aquaviário; Caminhoneiros; Trabalhadores portuários; Trabalhadores industriais; Gestantes e puérperas 45 dias após o nascimento da criança Conforme forem restando as doses, os grupos vão sendo incluídos nas primeiras etapas
V Pessoas acima de 18 anos sem comorbidades; Adolescentes entre 12 e 17 anos Após a conclusão das quatro primeiras etapas e dependendo da quantidade de doses
VI Crianças entre 5 e 11 anos A depender da quantidade de doses disponíveis e utilização de doses específicas

Vacinas em uso ou negociadas no Brasil[editar | editar código-fonte]

Vacina Farmacéutica ou Instituto País de origem Instituto responsável no Brasil Doses necessárias Compras pelo governo Data de aprovação na Anvisa Situação Estados em teste
CoronaVac Sinovac Biotech Flag of the People's Republic of China.svg China Instituto Butantan Duas doses Sim 17 de janeiro de 2021[nota 1] Em uso em todos os estados, uso emergencial.[107] SP
22 de janeiro de 2021[nota 2]
Covishield Universidade de Oxford e AstraZeneca Flag of the United Kingdom.svg Reino Unido / Flag of Sweden.svg Suécia Fundação Oswaldo Cruz Duas doses (em intervalos de 3 meses) [nota 3] Sim 17 de janeiro de 2021 Em uso em todos os estados, uso definitivo.[108] RJ
12 de março de 2021[nota 4]
9 de fevereiro de 2021[nota 5]
Skbio Flag of South Korea.svg Coreia do Sul 15 de fevereiro de 2021[nota 6]
Instituto Serum Flag of India.svg Índia
Tozinameran Pfizer e BioNTech Flag of the United States.svg Estados Unidos / Alemanha Alemanha / Israel Israel Eurofarma Duas doses Sim[109] 23 de fevereiro de 2021[nota 7] Em uso em todos os estados, uso definitivo.[110] SP e BA
Ad26.COV2.S Janssen Farmacêutica Flag of Belgium.svg Bélgica / Flag of the United States.svg Estados Unidos Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas Uma dose Sim[109] 31 de março de 2021[nota 8] Em uso em todos os estados, uso emergencial.[111] BA, DF, MT, MG, PR, RJ, RN, RS, SC e SP
Gam-COVID-Vac Gamaleya Flag of Russia.svg Rússia União Química [nota 9][112] Duas doses Sim 4 de junho de 2021[nota 10] Uso com restrições, podendo ser suspensa pela ANVISA em alguma ocasião.[113]
16 de junho de 2021[nota 11]
COVAXIN Bharat Biotech Flag of India.svg Índia TBA[114] Duas doses Não[115] Aprovada para uso emergencial pela OMS (RDC) 465/2021)[116] Suspenso[117]
MRNA-1273 Moderna Therapeutics Estados Unidos Estados Unidos TBA Duas doses Não Aprovada para uso emergencial pela OMS (RDC) 465/2021)[116] Em negociações[118]
BBIBP-CorV Sinopharm Group China China Blau Farmacêutica Duas doses Não Pediu o uso emergencial a ANVISA em 26 de julho de 2021[119] Aprovada para uso emergencial pela OMS.[116] Em negociações.[120]
Convidicea Ad5-nCoV CanSino Biologics China China Biomm Biofarmacêutica[121] Uma dose Não Pediu o uso emergencial a ANVISA em 10 de novembro de 2021[122] Em negociações.[123]
Abdala Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia de Cuba Cuba Cuba TBA Duas doses Não Não há pedido de autorização. Em negociações pela prefeitura de Belém.[124]
SOBERANA 02 Instituto Finlay Cuba Cuba TBA Duas doses Não Não há pedido de autorização. Em negociações pelas prefeituras de São Paulo e Belém.[125][126]

Vacinas sendo fabricadas por instituições de pesquisa brasileiras[editar | editar código-fonte]

Buscando oferecer vacinas contra a COVID-19 mais acessíveis ao país, diversas instituições de pesquisa do Brasil também estão criando e desenvolvendo suas próprias vacinas.[127]

COVID‑19: Vacinas brasileiras candidatas (Novembro/2021)
Candidato vacinal

(instituição de pesquisa desenvolvedora)

Situação atual Tecnologia Fase de teste

(número de participantes)

Efeitos adversos Resposta imune Duração Referências e notas
Butanvac

(Instituto Butantan)

Estudo iniciado Vírus inativado (Doença de Newcastle) Fase I e II

Entre 1.000 e 9.000 pessoas

[128][129]
Spintec

(CT Vacinas no BHTec da Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG)

Ensaios pré-clínicos Combinação de proteínas [130][131]
Versamune

(Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - FMUSP)

Ensaios pré-clínicos Proteína recombiante [132][133]
Unnamed (UFPR) Ensaios pré-clinicos, Polímero bacteriano [134]
S-UFRJVac

(Laboratório de Virologia Molecular da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ)

Ensasios pré-clinicos RNA mensageiro [127][135]
Unnamed

(Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos da FIOCRUZ - Bio-Manguinhos)

Ensasios pré-clinicos. [136]
Unnamed

(Instituto do Coração da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo - INCOR)

Ensaios pré-clínicos [137]
Unnamed

(Laboratório de Imunologia da Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC)

Ensaios pré-clínicos.

Vacinas estrangeiras ou em testes que obtiveram autorização da ANVISA para ensaios clínicos[editar | editar código-fonte]

COVID‑19: Vacinas estrangeiras candidatas (Novembro/2021)
Candidato vacinal

(instituição de pesquisa desenvolvedora)

Situação atual Tecnologia Fase de teste

(número de participantes)

Locais de teste Resposta imune Intervalo entre as doses Referências e notas
SCB-2019

(Sichuan Clover Biopharmaceuticals)

Fase 3 Subunidade protéica Fase 3

(De 8 mil a 12 mil voluntários)

RS, RN, RJ. 79% de eficácia Contra a variante Delta[138] Intervalo de 22 dias entre 2 doses [139]
CoVLP

(Medicago Inc. em parceria com a GSK)

Fase 3 Partícula semelhante ao SARS-COV-2 ou CoVLP (Coronavírus-Like-Particle) Fase 3

(3,5 mil voluntários)

SP, RJ, RS, MG, PR e DF 75,3 de eficácia contra a variante Delta[140] Intervalo de 21 dias entre 2 doses [141]
Unnamed (Vacina da Academia Chinesa de Ciências Médicas) Fase 3 Vírus inativado Fase 3 (7.992 voluntários) SP, GO, RJ e SC Intervalo de 2 semanas entre 2 doses. [142]
INO-4800 Fase 3 Vacina de DNA com eletroporação Fase 3 (350 Voluntarios) SP, RJ, RS e SC A definir. [143]
Vacina AstraZeneca AZD2816   Fase 2/3 Vetor viral não replicante Fase 2/3 (800 Voluntarios) BA, RN, RS, SP, PR e DF Intervalo de 12 semanas entre 2 doses. [144]
Vacina MCTI Cimatec HDT Biocorp Fase 1 RNA autorreplicante Fase 1 (90 Voluntarios) BA A definir. [145]
MRT1500 RNAm (Sanofi Pasteur) Abandonado.[146] RNA encapsulado dentro de uma nanoarticulação lipídica Fase 1 (150 Voluntarios) BA, MG, MS e RJ A definir. [147]
COVAXIN

(Bharat Biotech em parceria com a Precisa Medicamentos)

Cancelado. Vírus inativado Fase 3

(5 mil voluntários)

SP. RJ e MS, 77,8% de eficácia intervalo de 3 semanas entre 2 doses [148]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. uso emergencial de 6 milhões de doses
  2. uso emergencial de 4 milhões de doses
  3. O ministério da Saúde anunciou em 16 de abril de 2021 que caso haja relatos de trombose, seja aplicada outra vacina de outro laboratório cuja tecnologia não seja de vetor viral
  4. registro de uso definitivo
  5. doses referentes ao consórcio Covax Facility
  6. doses referentes ao Covax Facility, aprovadas na OMS
  7. registro de uso definitivo
  8. registro de uso emergencial
  9. Em 19 de maio de 2021, a União Química desistiu de fazer os testes clínicos com a vacina Sputnik V no Brasil
  10. Pedido de importação pelos estados da região nordeste
  11. Pedido de importação para os estados do Rio Grande do Norte, Mato Grosso, Rondônia, Pará, Amapá, Paraíba e Goiás

Referências

  1. «1 ano da vacinação: como foi, como está e para onde vai». Nexo Jornal. Consultado em 14 de fevereiro de 2022 
  2. Phillips, Tom (18 de janeiro de 2021). «Bolsonaro rival hails Covid vaccinations as 'triumph of science against denialists'» [O rival de Bolsonaro elogia as vacinações da Covid como "triunfo da ciência contra os negadores"]. The Guardian (em inglês). Consultado em 18 de janeiro de 2021 
  3. «A parceria tecnológica que fez da CoronaVac a vacina do Brasil». Instituto Butantan. 15 de janeiro de 2021. Consultado em 16 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2021 
  4. Cruz, Valdo (18 de janeiro de 2021). «São Paulo vai negociar com China para acelerar importação de princípio ativo da CoronaVac». G1. Grupo Globo. Consultado em 16 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2021 
  5. Zanini, Fábio (17 de janeiro de 2021). «Painel: Vacinação adiantada de Doria divide governadores e gera mal-estar em grupo de WhatsApp». Folha de São Paulo. Grupo Folha. Consultado em 16 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2021 
  6. Lopes, Nathan (18 de janeiro de 2021). «Saiba como será a distribuição de doses da CoronaVac para os estados». UOL. Grupo Folha. Consultado em 18 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2021 
  7. Silva, Zileide. «Interesse do governo pela CoronaVac aponta mudança radical de posicionamento sobre a vacina». Jornal Nacional. TV Globo. Consultado em 18 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2021 – via G1 
  8. Vargas, Mateus (2 de janeiro de 2021). «Fiocruz busca importar 2 mi de doses e antecipar vacinação». Terra. Consultado em 18 de janeiro de 2021 
  9. Sabóia, Gabriel; Mazieiro, Guilherme; Andrade, Hanrrikson; Adorno, Luís (17 de janeiro de 2021). «Anvisa aprova uso emergencial das vacinas CoronaVac e AstraZeneca no Brasil». UOL. Grupo Folha. Consultado em 17 de janeiro de 2021 
  10. «Avião com 2 milhões de doses da vacina de Oxford importadas da Índia chega a SP». G1. Grupo Globo. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  11. Garcia, Gustavo; Rodrigues, Paloma; Barbiéri, Luiz Felipe. «Anvisa aprova por unanimidade uso emergencial de mais 4,8 milhões de doses da CoronaVac». Jornal Nacional. TV Globo. Consultado em 23 de janeiro de 2021 – via G1 
  12. Machado, Lívia; Junior, Alessandro Feitosa; Paulo, Paula Paiva; Rodrigues, Rodrigo (17 de janeiro de 2021). «Logo após aprovação da Anvisa, governo de SP aplica em enfermeira a 1ª dose de vacina contra Covid-19 no Brasil». G1. Grupo Globo. Consultado em 17 de janeiro de 2021 
  13. «Estados iniciam vacinação após atraso na entrega de doses; veja quem já começou». G1. Grupo Globo. 18 de janeiro de 2021. Consultado em 21 de janeiro de 2021 
  14. Bergamo, Mônica (17 de janeiro de 2021). «Mônica Bergamo: Primeira a ser vacinada é mulher, negra e enfermeira do Emílio Ribas em SP». Folha de São Paulo. Grupo Folha. Consultado em 21 de janeiro de 2021. (pede subscrição (ajuda)) 
  15. «Técnico de enfermagem que dormia no terraço para proteger a mãe é vacinado». Catraca Livre. 20 de janeiro de 2021. Consultado em 21 de janeiro de 2021 
  16. «Técnica de enfermagem de 55 anos é a primeira a receber a vacina contra a covid-19 no ES». Folha Vitória. Grupo Buaiz. 18 de janeiro de 2021. Consultado em 21 de janeiro de 2021 
  17. França, Andréa. «Enfermeiras do Hospital de Campanha recebem as primeiras doses da vacina contra Covid-19 em Belém». G1. Grupo Globo. Consultado em 21 de janeiro de 2021 
  18. Monteiro, Marcelo. «Técnica de enfermagem recebe primeira vacina contra Covid-19 no Ceará e comemora: 'é muita emoção'». Diário do Nordeste. Sistema Verdes Mares. Consultado em 21 de janeiro de 2021 
  19. «Enfermeira é a primeira pessoa a receber a vacina contra a Covid-19 na Bahia: 'Me sinto honrada'». Jornal da Manhã. TV Bahia. 21 de janeiro de 2021. Consultado em 21 de janeiro de 2021 – via G1 
  20. «Zezé Motta e Solange Couto são vacinadas contra Covid-19 no Retiro dos Artistas». O Globo. Infoglobo. 20 de janeiro de 2021. Consultado em 22 de janeiro de 2021. (pede subscrição (ajuda)) 
  21. «Primeira indígena vacinada no Brasil: 'Sou defensora da vida'». iG. 17 de janeiro de 2021. Consultado em 22 de janeiro de 2021 
  22. «Infectologista é o primeiro a receber vacina de Oxford no Brasil». IstoÉ. ANSA. 23 de janeiro de 2021. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 – via Terra 
  23. Arrais, Amauri. «Fiocruz aplica primeiras doses da vacina de Oxford no Brasil». CNN Brasil. Consultado em 29 de janeiro de 2021 
  24. «Médicos são os primeiros vacinados com a dose de Oxford no Brasil». Folha de Pernambuco. Folhapress. Consultado em 29 de janeiro de 2021 
  25. «Serrana, SP, vai ter vacinação em massa contra Covid-19 em projeto do Butantan, diz Dimas Covas». G1. Consultado em 22 de março de 2021 
  26. EPTV. «Serrana vacina 97% de todo público-alvo de estudo do Butantan». ACidade ON Ribeirão. Consultado em 22 de março de 2021 
  27. «Serrana (SP) inicia aplicação de segunda dose da vacina contra o coronavírus». R7.com. 17 de março de 2021. Consultado em 22 de março de 2021 
  28. «Serrana está há 13 dias sem intubar; vacinação em massa contra o coronavírus termina hoje - Saúde». Estadão. Consultado em 14 de abril de 2021 
  29. «Serrana registrou uma morte em toda população imunizada na vacinação em massa». CNN Brasil. Consultado em 14 de abril de 2021 
  30. «Com quase 100% da população vacinada, Serrana zera busca por UTI». Metrópoles. 10 de abril de 2021. Consultado em 14 de abril de 2021 
  31. «Exclusivo: estudo em Serrana (SP) indica que, com 75% de vacinados, pandemia pode ser controlada». G1. Consultado em 31 de maio de 2021 
  32. «Botucatu participa de pesquisa inédita de vacinação em massa contra a Covid-19». G1. Consultado em 29 de abril de 2021 
  33. «Botucatu fará vacinação em massa com doses da AstraZeneca». Terra. Consultado em 29 de abril de 2021 
  34. «Botucatu faz vacinação em massa contra a Covid-19 neste domingo». G1. Consultado em 16 de maio de 2021 
  35. «Cidade do Espírito Santo terá vacinação em massa com vacina da AstraZeneca». CNN Brasil. Consultado em 6 de junho de 2021 
  36. «Cidade do Espírito Santo terá vacinação em massa com meia dose da vacina da AstraZeneca». www.band.uol.com.br. Consultado em 6 de junho de 2021 
  37. «RJ: experimento de vacinação em massa em Paquetá começa nesta sexta». Metrópoles. 14 de junho de 2021. Consultado em 15 de junho de 2021 
  38. «Ilha de Paquetá (RJ) terá vacinação em massa contra Covid-19». Folha de S.Paulo. 8 de junho de 2021. Consultado em 15 de junho de 2021 
  39. Tomazela, José Maria; Aloísio, Daniel (21 de janeiro de 2021). «MP apura denúncias de 'fura-filas' da vacina contra covid-19». Terra. Consultado em 22 de janeiro de 2021 
  40. Schwingel, Samara; Diogo, Darcianne (20 de janeiro de 2021). «Vacinação contra covid-19: denúncias de fura-filas levam MP a questionar GDF». Correio Braziliense. Diários Associados. Consultado em 22 de janeiro de 2021 
  41. Barros, Michelle. «Vacinação contra Covid-19 em Manaus é suspensa em meio a investigação sobre irregularidade na aplicação das doses». Jornal Hoje. TV Globo. Consultado em 22 de janeiro de 2021 – via G1 
  42. Bittencourt, Julinho (21 de janeiro de 2021). «Jornal local da Globo em Manaus aponta desaparecimento de 60 mil doses da Coronavac». Fórum. Consultado em 22 de janeiro de 2021 
  43. «Prefeito 'fura fila' não deve tomar segunda dose da vacina agora, pedem MP e MPF». Correio. Rede Bahia. 21 de janeiro de 2021. Consultado em 22 de janeiro de 2021 
  44. Schneider, João Paulo. «Vídeo: prefeito de Itabi diz que tomou vacina para encorajar o povo». Infonet. Consultado em 22 de janeiro de 2021 
  45. Lima, Ísis (19 de janeiro de 2021). «Vídeo de fotógrafo "furando fila" da vacina contra covid-19 em Jupi, Pernambuco, viraliza; SES pede investigação». Rádio Jornal. Sistema Jornal do Commercio de Comunicação. Consultado em 22 de janeiro de 2021 – via UOL 
  46. Jácome, Igor. «Servidores fora do grupo prioritário furam fila de vacinação contra Covid-19 em Natal, diz sindicato». G1. Grupo Globo. Consultado em 22 de janeiro de 2021 
  47. «Prefeito da PB 'fura fila' e é o primeiro a tomar vacina contra a covid-19». UOL. Grupo Folha. 20 de janeiro de 2021. Consultado em 22 de janeiro de 2021 
  48. Pinusa, Samuel (20 de janeiro de 2021). «Ministério Público apura se gestores municipais 'furaram a fila' da vacina contra Covid-19 no Ceará». G1. Grupo Globo. Consultado em 22 de janeiro de 2021 
  49. Magalhães, Noriel (20 de janeiro de 2021). «Após criticar vacina, diretor de hospital no PA divulga foto sendo imunizado contra a Covid-19 e é demitido». Jornal Liberal 1.ª edição. Rede Liberal. Consultado em 22 de janeiro de 2021 – via G1 
  50. Brasil, Cristina Indio (26 de janeiro de 2021). «Polícia investiga desvio de vacinas e desrespeito a prioridades no Rio». EBC. Agência Brasil. Consultado em 26 de janeiro de 2021 
  51. Resende, Leandro (4 de fevereiro de 2021). «Investigação sobre desvios de vacina contra Covid-19 no Amazonas está parada». CNN Brasil. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 
  52. Maisonnave, Fabiano (24 de janeiro de 2021). «Ministério questiona Rondônia sobre desvio de 8.805 doses de vacina». Folha de São Paulo. Grupo Folha. Consultado em 16 de fevereiro de 2021. (pede subscrição (ajuda)) 
  53. Beltrão, Maria (15 de fevereiro de 2021). Edição de segunda-feira, 15/02/2021. Estúdio i. GloboNews. Em cena em 12:05. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 – via G1 
  54. a b Lucchese, Bette (16 de fevereiro de 2021). «Denúncias de aplicação incorreta da vacina contra Covid são investigadas». Jornal Nacional. TV Globo. Consultado em 17 de fevereiro de 2021 – via G1 
  55. Sartori, Caio (16 de fevereiro de 2021). «Polícia do Rio investiga aplicação de 'vacina de vento' em três cidades». UOL. Grupo Folha. Estadão. Consultado em 17 de fevereiro de 2021 
  56. «Após 'vacina de vento', Saúde do Rio muda protocolo». O Antagonista. 16 de fevereiro de 2021. Consultado em 17 de fevereiro de 2021 
  57. «'Vacinas de vento' são investigadas pela Polícia no Rio de Janeiro». Jornal da Manhã. Jovem Pan News. 16 de fevereiro de 2021. Consultado em 17 de fevereiro de 2021 – via YouTube 
  58. Biernath, André. «Falta de vacinas contra a covid-19: os riscos da interrupção da campanha de vacinação no Brasil». UOL. Grupo Folha. BBC News. Consultado em 22 de fevereiro de 2021 
  59. «Prefeito do Rio anuncia interrupção da vacinação contra a COVID-19». Estado de Minas. 15 de fevereiro de 2021. Consultado em 22 de fevereiro de 2021 
  60. Brasil, Cristina Índio (26 de fevereiro de 2021). «Rio tem calendário para vacinação, mas aguarda novas remessas». EBC. Agência Brasil. Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  61. «Avião com 2 milhões de doses da vacina de Oxford chega ao Brasil». Veja. Editora Abril. Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  62. Farias, Victor (23 de fevereiro de 2021). «STF tem maioria para liberar compra de vacinas da Covid-19 por estados e municípios caso União descumpra plano de imunização». O Globo. Infoglobo. Consultado em 26 de fevereiro de 2021. (pede subscrição (ajuda)) 
  63. Vivas, Fernanda; Falcão, Márcio. «STF autoriza estados e municípios a comprar vacinas contra Covid se União descumprir plano». G1. Grupo Globo. TV Globo. Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  64. Brandão, Marcelo (24 de fevereiro de 2021). «Senado aprova projeto para ampliar oferta de vacinas no Brasil». EB. Agência Brasil. Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  65. «Governo do Pará diz que estado foi o que menos recebeu vacinas contra Covid-19». G1. Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  66. «Hélder Barbalho diz que Ministério reconheceu erro na entrega de vacinas». noticias.uol.com.br. Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  67. «Ministério da Saúde admite que errou e trocou número de doses entre o Amazonas e o Amapá; situação será corrigida, diz pasta». G1. Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  68. «Amazonas recebe 2 mil doses de vacina contra Covid, após lote de 78 mil ser entregue por engano no Amapá». G1. Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  69. «Profissional de saúde recebe doses de vacinas diferentes contra COVID-19 em Natal. Secretaria reconhece erro». G1. Grupo Globo. 17 de fevereiro de 2021. Consultado em 7 de março de 2021 
  70. «Idoso recebe doses de vacinas contra COVID-19 de fabricantes diferentes». G1. Grupo Globo. 2 de março de 2021. Consultado em 7 de março de 2021 
  71. «Servidores de hospital em RO receberam doses de vacinas diferentes». Universo Online. Grupo Folha. 23 de fevereiro de 2021. Consultado em 7 de março de 2021 
  72. «Pessoas que tiverem trombose, receberão 2a dose de outra vacina». CNN Brasil. WarnerMedia. 16 de abril de 2021 
  73. «Vacina clandestina para empresários mineiros». O Antagonista. 24 de março de 2021. Consultado em 29 de março de 2021 
  74. «Vídeo mostra vacinação clandestina em BH». O Antagonista. 24 de março de 2021. Consultado em 29 de março de 2021 
  75. «PF mira vacinação clandestina de empresários em Minas Gerais». O Antagonista. 25 de março de 2021. Consultado em 29 de março de 2021 
  76. «ANVISA envia ofício sobre vacinação clandestina». O Antagonista. 25 de março de 2021. Consultado em 29 de março de 2021 
  77. «PF cumpre mandados de busca e apreensão na casa de mulher suspeita de vacinar empresários do setor de transporte em BH». G1. Grupo Globo. 30 de março de 2021. Consultado em 30 de março de 2021 
  78. «Governo de Minas é alvo de CPI por 'fura-fila' na vacinação». Exame. 18 de março de 2021. Consultado em 22 de maio de 2021 
  79. Globo, Agência O. (24 de junho de 2021). «Entenda a cronologia da compra superfaturada da Covaxin pelo Governo Bolsonaro». iG. Consultado em 26 de junho de 2021 
  80. «Governo fala em 'indícios de adulteração' em documento de deputado sobre Covaxin». CNN Brasil. Consultado em 26 de junho de 2021 
  81. «Ministério da Saúde suspende contrato de compra da vacina Covaxin». CNN Brasil. Consultado em 29 de junho de 2021 
  82. Caio Junqueira (23 de julho de 2021). «Ministério da Saúde vai rescindir contrato com a Precisa Medicamentos». CNN Brasil. WarnerMedia. Consultado em 23 de julho de 2021 
  83. «Seis pessoas burlam sistema da saúde na Grande SP e tomam terceira dose da vacina contra a COVID-19». G1. Grupo Globo. 2 de julho de 2021. Consultado em 10 de julho de 2021 
  84. [1]
  85. [2]
  86. [3]
  87. [4]
  88. [5]
  89. [6]
  90. Diego Barros (10 de abril de 2022). «Crianças recebem vacina errada contra a Covid-19 em Pernambuco». CNN Brasil. WarnerMedia. Consultado em 10 de abril de 2022 
  91. «Brasil chega a 6,7 milhões de vacinados contra covid, 3,2% da população». UOL. Grupo Folha. Consultado em 3 de março de 2021 
  92. «Pazuello apresenta cronograma para entregar 230,7 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 até julho». Ministério da Saúde. Consultado em 3 de março de 2021 
  93. «ANVISA aprova registro definitivo de vacina contra a Covid-19 da Janssen». Universo Online. Grupo Folha. 5 de abril de 2022. Consultado em 10 de abril de 2022 – via Reuters 
  94. «SAÚDE III: Ministério assina intenção de compra de vacinas da Pfizer e da Janssen». www.paranacooperativo.coop.br. Consultado em 4 de março de 2021 
  95. «Governo dispensa licitação para compra de vacinas da Janssen e da Pfizer». CNN Brasil. Consultado em 4 de março de 2021 
  96. «Governo decide comprar 'todas as vacinas disponíveis' da Pfizer e da Janssen». CNN Brasil. Consultado em 4 de março de 2021 
  97. «Governo cede e aceita cláusulas 'abusivas' da Pfizer». CNN Brasil. Consultado em 5 de março de 2021 
  98. «Ministério da Saúde fará entregas semanais de vacinas em março». G1. Consultado em 6 de março de 2021 
  99. «Primeiro milhão de doses de vacinas da Pfizer tem chegada prevista para o próximo dia 29». G1. Grupo Globo. 16 de abril de 2021. Consultado em 16 de abril de 2021 
  100. TEMPO, O. (29 de abril de 2021). «Chega ao Brasil o primeiro lote de vacinas da Pfizer, com 1 milhão de doses». O Tempo. Consultado em 30 de abril de 2021 
  101. «ONU anuncia antecipação de 8 milhões de doses de vacinas contra COVID-19». CNN Brasil. WarnerMedia. 16 de abril de 2021. Consultado em 16 de abril de 2021 
  102. Basília Rodrigues (10 de maio de 2021). «Saúde já assinou contrato com Pfizer». CNN Brasil. WarnerMedia. Consultado em 11 de maio de 2021 
  103. «Governo decide que vacinação de grávidas será apenas para mulheres com comorbidades e com a aplicação das vacinas CoronaVac e Pfizer». G1. Grupo Globo. 11 de maio de 2021. Consultado em 11 de maio de 2021 
  104. «Fiocruz e AstraZeneca assinam contrato par produzir insumo da vacina contra COVID no Brasil». Folha de S.Paulo. Grupo Folha. 1 de junho de 2021. Consultado em 1 de junho de 2021 – via Universo Online 
  105. «Entenda decisão da Anvisa sobre Sputnik V e Covaxin». G1. Consultado em 6 de junho de 2021 
  106. «Sem doses para todos, vacinação contra a covid-19 deve entrar em 2022». noticias.uol.com.br. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  107. «Coronavac (Butantan)». Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. Consultado em 17 de julho de 2021 
  108. «Oxford/Covishield (Fiocruz e Astrazeneca)». Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. Consultado em 17 de julho de 2021 
  109. a b «Governo decide comprar vacinas contra a Covid-19 dos laboratórios Pfizer e Janssen». G1. Consultado em 3 de março de 2021 
  110. «Comirnaty (Pfizer/Wyeth)». Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. Consultado em 17 de julho de 2021 
  111. «Janssen Vaccine (Janssen-Cilag)». Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. Consultado em 17 de julho de 2021 
  112. «União Química desiste de ensaio clínico da Sputnik V no Brasil». O Antagonista. 19 de maio de 2021 
  113. «Entenda decisão da Anvisa sobre Sputnik V e Covaxin». G1. Consultado em 23 de junho de 2021 
  114. «Anvisa confirma rescisão de contrato entre Bharat Biotech e Precisa». Valor Econômico. Consultado em 24 de julho de 2021 
  115. «Governo rescinde contrato com fabricante da Covaxin». G1. Consultado em 27 de agosto de 2021 
  116. a b c «Covax Facility». Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. Consultado em 13 de novembro de 2021 
  117. «Anvisa suspende cautelarmente a autorização de importação da vacina Covaxin». Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. Consultado em 4 de setembro de 2021 
  118. «Ministério da Saúde confirma acordo com a Moderna para compra de doses». CNN Brasil. Consultado em 10 de março de 2021 
  119. «Anvisa recebe pedido de uso emergencial de vacina da Sinopharm contra a Covid-19». G1. Consultado em 18 de agosto de 2021 
  120. «Ministério da Saúde pede 30 milhões de vacinas da Sinopharm à China». Valor Econômico. Consultado em 10 de março de 2021 
  121. «Biomm assina acordo para fornecer vacina da CanSino contra Covid no Brasil». CNN Brasil. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  122. «Anvisa recebe pedido de uso emergencial da vacina da CanSino». Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  123. «Brasil inicia diálogo com China para produção de nova vacina contra covid-19 - Política». Estadão. Consultado em 12 de maio de 2021 
  124. «Prefeito de Belém vai a Brasília e se reúne com embaixador de Cuba para tratar de aquisição de vacinas do país». Revista Fórum. 7 de maio de 2021. Consultado em 12 de maio de 2021 
  125. «Desejada pela prefeitura de São Paulo, vacina cubana está na última fase de estudos clínicos». O Globo. 29 de abril de 2021. Consultado em 12 de maio de 2021 
  126. «Prefeitura de Belém (PA) negocia compra de vacina contra a covid-19 com Cuba e China». Brasil de Fato. Consultado em 12 de maio de 2021 
  127. a b «Cientistas da UFRJ desenvolvem vacina com técnica inovadora». sintufrj.org.br. Consultado em 14 de janeiro de 2021 
  128. «Butantan cria vacina contra Covid e pedirá início de testes». Folha de S.Paulo. 25 de março de 2021. Consultado em 26 de março de 2021 
  129. «Butanvac (Butantan) *». Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. Consultado em 4 de agosto de 2021 
  130. Minas, Estado de; Minas, Estado de (26 de maio de 2021). «Kalil assina termo de patrocínio para financiar vacina desenvolvida na UFMG». Estado de Minas. Consultado em 27 de maio de 2021 
  131. «Anvisa recebe pedido para autorização de estudo da vacina da UFMG». Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. Consultado em 4 de agosto de 2021 
  132. «Após Doria anunciar Butanvac, ministro diz que Anvisa já recebeu pedido de testes de vacina apoiada pelo governo federal». G1. Consultado em 26 de março de 2021 
  133. «Anvisa recebe pedido para autorização de estudo da vacina Versamune®️-CoV-2FC». Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. Consultado em 4 de agosto de 2021 
  134. «Vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela UFPR deve ficar pronta em 2022, diz reitor». G1. Consultado em 27 de abril de 2021 
  135. Lucas Janone; Isabelle Resende (10 de agosto de 2021). «UFRJ deve começar testes de vacina em humanos até o fim do ano». CNN Brasil. WarnerMedia. Consultado em 10 de agosto de 2021 
  136. «Bio-Manguinhos pesquisa vacinas sintéticas para covid». Valor Econômico. Consultado em 26 de janeiro de 2021 
  137. «Potencial vacina brasileira contra covid-19 começa a ser testada em animais». VivaBem UOL. Consultado em 26 de janeiro de 2021 
  138. Brown, Miguel (27 de setembro de 2021). «New COVID-19 Vaccine from China 79% Effective Against the Delta Variant». Nature World News (em inglês). Consultado em 26 de outubro de 2021 
  139. «SCB-2019 (Clover)». Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. Consultado em 18 de agosto de 2021 
  140. «Medicago and GSK announce positive Phase 3 efficacy and safety results for adjuvanted plant-based COVID-19 vaccine candidate». Medicago. Consultado em 3 de janeiro de 2022 
  141. «COVLP (Medicago)». Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. Consultado em 18 de agosto de 2021 
  142. «Inativada contra Sars-CoV-2 (IMBCAMS)». Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. Consultado em 18 de agosto de 2021 
  143. «INO-4800 (Icon plc)». Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. Consultado em 6 de setembro de 2021 
  144. «AZD2816 (AstraZeneca)». Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. Consultado em 18 de agosto de 2021 
  145. «Vacina de RNA MCTI Cimatec HDT (HDT Biocorp/Cimatec-BA)». Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. Consultado em 6 de setembro de 2021 
  146. «Sanofi to focus its COVID-19 development efforts on the recombinant vaccine candidate» (em inglês). 28 de setembro de 2021. Consultado em 19 de fevereiro de 2022 
  147. «Vacina de RNAm para Sars-CoV-2 (Sanofi Pasteur)». Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. Consultado em 18 de agosto de 2021 
  148. «Covaxin (Precisa) - Estudo cancelado». Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. Consultado em 18 de agosto de 2021 
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "jn vacina" definido em <references> não é utilizado no texto da página.