Valérie Trierweiler

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Valérie Trierweiler
24.ª Primeira-dama da França
Período 15 de maio de 2012
até 25 de janeiro de 2014
Presidente François Hollande
Antecessor Carla Bruni-Sarkozy
Sucessor Brigitte Macron
Dados pessoais
Nome completo Valérie Massonneau
Nascimento 16 de fevereiro de 1965 (55 anos)
Angers, França
Nacionalidade francesa
Cônjuge Franck Thurieau (c. 1989; div. 1992)
Denis Trierweiler (c. 1995; div. 2010)
François Hollande (r. 2007; sep. 2014)
Filhos 3
Profissão Jornalista
Assinatura Assinatura de Valérie Trierweiler

Valérie Massonneau Trierweiler (Angers, 16 de fevereiro de 1965) é uma jornalista e autora francesa.[1] Ela já apresentou talk shows políticos e contribuiu para a revista francesa Paris Match. Ela é mais conhecida por ter sido parceira do presidente da França, François Hollande, até janeiro de 2014, período em que exerceu a função de primeira-dama de seu país.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Valérie nasceu em Angers, a quinto filha de seis crianças.[3] Seu pai, Jean-Noël Massonneau, havia perdido uma perna em uma mina terrestre durante a Segunda Guerra Mundial, quando tinha 13 anos,[4] e morreu aos 53 anos, quando sua filha tinha 21 anos. Sua mãe trabalhou na recepção da pista de gelo de Angers após a morte de seu pai.[3]

Ela estudou História e Ciência Política e obteve um DESS em ciência política na Universidade de Paris 1 Pantheon-Sorbonne.[1]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Em 2005, ela começou a apresentar talk shows políticos, especialmente entrevistas, no canal de televisão Direct 8. Ela liderou o programa semanal de entrevistas políticas Le Grand 8 até 2007 e, com Mikaël Guedj, é co-apresentadora do programa semanal Politiquement Parlant ("politicamente falando") desde setembro daquele ano.

Em 2012, ela anunciou que manteria seu contrato como jornalista na revista Paris Match, apesar de seu namorado ter sido eleito presidente da França.

Em 12 de junho de 2012, ela causou polêmica generalizada ao twittar em apoio a Olivier Falorni, que estava nas eleições como candidato socialista dissidente em La Rochelle, contra Ségolène Royal, ex-parceira de François Hollande. Hollande já havia tornado público seu próprio apoio à campanha de Royal.[5][6]

Em 2017, Trierweiler publicou seu primeiro romance, Le secret d'Adèle. O livro é sobre a vida de Adele Bloch-Bauer, mais conhecida pelo Retrato de Adele Bloch-Bauer I, de Gustav Klimt.[7]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Seu primeiro casamento, com o amigo de infância Franck Thurieau, terminou em divórcio sem filhos.[8] Seu segundo casamento foi com Denis Trierweiler, subeditor da revista Paris Match, além de escritor e acadêmico. Esse casamento gerou três filhos e o processo de divórcio levou três anos (2007–2010).[9]

Ela conheceu François Hollande durante as eleições parlamentares de 1988 enquanto ele morava com Ségolène Royal. Eles começaram o relacionamento em 2007, enquanto ela ainda era casada, e a tornou pública em outubro de 2010 após a divulgação do divórcio.[4]

Em janeiro de 2014, uma matéria da revista Closer contou com sete páginas de supostas revelações e fotos sobre um caso entre Hollande e a atriz francesa Julie Gayet.[10][11] Valérie foi posteriormente internada no hospital em 10 de janeiro "para descanso e alguns testes".[12][13] Em 17 de janeiro, Hollande fez sua primeira visita particular para vê-la no hospital.[14] Em 25 de janeiro, foi anunciado que seu relacionamento com Hollande havia terminado.[15]

Em setembro de 2014, foi publicado um livro escrito por Valérie, Merci pour ce moment (Obrigado por este momento). Ela detalha seu relacionamento com Hollande e sua separação.[16]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b magazine, Le Point (24 de fevereiro de 2011). «Valérie Trierweiler, la femme discrète». Le Point (em francês). Consultado em 26 de maio de 2020 
  2. «François Hollande officialise sa séparation avec Valérie Trierweiler». Le Monde.fr (em francês). 25 de janeiro de 2014 
  3. a b «Valérie Trierweiler sort de l'ombre». Le Monde.fr (em francês). 21 de outubro de 2011 
  4. a b Marie Guichoux (20–26 October 2011). "De l'ombre à la lumière". Le Nouvel Observateur (2450). pp. 68–69.
  5. «Hollande's partner in Twitter row». BBC News (em inglês). 12 de junho de 2012 
  6. Erlanger, Steven (12 de junho de 2012). «An Endorsement From France's First Lady Causes a Stir». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  7. Montety, Etienne de (17 de maio de 2017). «Le secret d'Adèle, femme libérée». Le Figaro.fr (em francês). Consultado em 26 de maio de 2020 
  8. BOURMAUD, Alain; BRUN, Nadia LE (4 de outubro de 2012). Valérie Trierweiler, la dame de pique (em francês). [S.l.]: edi8 
  9. «François, Ségolène et Valérie». L'Obs (em francês). Consultado em 26 de maio de 2020 
  10. «Hollande et Gayet : « Closer » va retirer les informations de son site». Le Monde.fr (em francês). 10 de janeiro de 2014 
  11. Figaro, Le (10 de janeiro de 2014). «Rumeur Hollande-Gayet : Closer va retirer l'information de son site». Le Figaro.fr (em francês). Consultado em 26 de maio de 2020 
  12. «French first lady in Paris hospital». BBC News (em inglês). 13 de janeiro de 2014 
  13. «Francois Hollande 'affair' latest: French first lady Valerie». The Independent (em inglês). 13 de janeiro de 2014. Consultado em 26 de maio de 2020 
  14. "French President visits Hospitalized First Lady". Weekly Times. Retrieved 17 January 2014.
  15. «Hollande confirms Trierweiler split». BBC News (em inglês). 25 de janeiro de 2014 
  16. Willsher, Kim (3 de setembro de 2014). «Valérie Trierweiler tells of suicide bid after Hollande admitted affair». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  17. Trierweiler, Valérie. Le secret d'Adèle : roman. Paris: [s.n.] OCLC 993497846 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.