Valdir Espinosa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Valdir Espinosa
Informações pessoais
Nome completo Valdir Atahualpa Ramirez Espinosa
Data de nasc. 17 de outubro de 1947
Local de nasc. Porto Alegre (RS), Brasil
Nacionalidade brasileiro
Falecido em 27 de fevereiro de 2020 (72 anos)
Local da morte Rio de Janeiro, Brasil
Informações profissionais
Período em atividade como jogador: 1970–1978 (8 anos)
como treinador: 1979–2020 (41 anos)
Posição ex-lateral-direito
Função treinador
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1970–1973
1974
1975-1976
1976
1977–1978
Grêmio
CSA
CRB
Esportivo
Vitória
Times/Equipas que treinou
1979
1980
1981
1982–1984
1984
1984–1985
1986
1987–1988
1989
1989–1990
1990–1991
1992–1994
1994
1995
1996
1996
1997
1997
1998
1998–1999
2000–2001
2001
2002
2004
2005
2005
2005
2006
2006
2007
2007
2007
2008
2009
2011
2014
2016
2016
2016–2017
2020
Esportivo
Ceará
Londrina
Grêmio
Cascavel Esporte Clube
Al-Hilal
Grêmio
Cerro Porteño
Botafogo
Flamengo
Botafogo
Cerro Porteño
Atlético Mineiro
Palmeiras
Portuguesa
Corinthians
Fluminense
Tokyo Verdy
Coritiba
Botafogo
Fluminense
Vitória
Atlético Paranaense
Fluminense
Brasiliense
Ceará
Fortaleza
Flamengo
Santa Cruz
Cerro Porteño
Vasco da Gama (auxiliar técnico)
Vasco da Gama
Portuguesa
Fluminense (auxiliar técnico)
Duque de Caxias
Esportivo (coordenador técnico)
Metropolitano
Las Vegas City
Grêmio (coordenador técnico)
Botafogo (gerente de futebol)












Valdir Atahualpa Ramirez Espinosa, mais conhecido como Valdir Espinosa (Porto Alegre, 17 de outubro de 1947 - Rio de Janeiro, 27 de fevereiro de 2020) foi um treinador e ex-futebolista brasileiro que atuava como lateral-direito.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Entre as maiores conquistas de Valdir Espinosa estão a Taça Libertadores da América e a Taça Intercontinental com a equipe do Grêmio (ambos em 1983), além do Campeonato Carioca de 1989 pelo Botafogo.

Trabalhou como auxiliar de Renato Gaúcho no Vasco da Gama, quando este assumiu o comando da equipe em 2005. Permaneceu no clube até o treinador principal ser demitido, em maio de 2007.

No mesmo ano regressou ao Vasco da Gama, que, após um bom começo no Campeonato Brasileiro, passava por um período de poucas vitórias. Agora como treinador principal, Espinosa encontrou pela frente o desafio de recuperar a equipe, afastando de vez as possibilidades de ser rebaixada e conseguir uma vaga na Copa Sul-Americana do ano seguinte. Nas seis partidas que esteve no comando da equipe, venceu três, empatou duas e perdeu uma. O desempenho foi suficiente para garantir a vaga para a Sul-Americana, terminando a competição em 10º. Após o fim do campeonato o treinador decidiu não renovar o contrato e pôs fim nas especulações de que poderia continuar para 2008.[1]

Em 2009, Espinosa foi auxiliar técnico de Renato Gaúcho no Fluminense. No dia 12 de fevereiro de 2010, Espinosa anunciou sua aposentadoria como treinador e também no ramo do futebol mas desistiu, retornando como novo comandante do Duque de Caxias[2]. mas devido a péssima campanha na série B, foi demitido em julho do mesmo ano [3].

Fora das quatro linhas, Espinosa trabalhou como comentarista nos canais Sportv e PFC, entre 2008 e 2009. Em 2010 foi comentarista na Rádio Manchete e foi candidato a deputado estadual no Rio de Janeiro, pelo PDT. Em 2012, voltou a ser comentarista, dessa vez na Rádio Globo[4].

Foi coordenador técnico do Grêmio desde a volta de Renato Portaluppi como técnico da equipe em 2016 até sua demissão em 10 de agosto de 2017.

Em 12 de dezembro de 2019, foi anunciado como gerente de futebol do Botafogo do Rio.[5]

Morte[editar | editar código-fonte]

Morreu em 27 de fevereiro de 2020, devido a complicações de uma cirurgia no abdômen.[6] Consagrado treinador, campeão mundial e da Libertadores com o Grêmio em 1983, Espinosa foi submetido a uma cirurgia no abdômen no último dia 17. Depois de não se recuperar, foi internado novamente no dia 20, mas não resistiu. Seu último trabalho foi no Botafogo, como gerente de futebol

Títulos[editar | editar código-fonte]

Esportivo
Ceará
Londrina
Grêmio
Al-Hilal
Cerro Porteño
Botafogo
Flamengo
  • Torneio de Verão de Nova Friburgo: 1990
Portuguesa
Atlético Paranaense
Brasiliense

Referências

  1. «Espinosa anuncia saída do Vasco». 4 de Dezembro de 2007. Consultado em 22 de Dezembro de 2007 
  2. Terra (1 de julho de 2011). «Valdir Espinosa é o novo técnico do Duque de Caxias». Consultado em 2 de julho de 2011 
  3. Futebolinterior. «Na lanterna, Valdir Espinosa pede demissão do Duque de Caxias». Consultado em 31 de julho de 2011 
  4. Esporte & Mídia. «Rádio Globo anuncia Valdir Espinosa como novo comentarista». Consultado em 17 de maio de 2012 
  5. globoesporte.com. «Botafogo anuncia a contratação de Valdir Espinosa para a gerência de futebol». Consultado em 12 de dezembro de 2019 
  6. Siqueira, Igor (27 de fevereiro de 2020). «Técnico Valdir Espinosa morre aos 72 anos». O Globo. Consultado em 27 de fevereiro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Ênio Andrade
Treinador do Grêmio
1983
Sucedido por
Carlos Froner
Precedido por
Jair Pereira
Joel Martins
Paulo Autuori
Treinador do Botafogo
1989
1990–1991
1998–1999
Sucedido por
Edu Coimbra
Gil
Gílson Nunes
Precedido por
João Carlos Costa (interino)
Adílio
Treinador do Flamengo
1989–1990
2006
Sucedido por
Jair Pereira
Waldemar Lemos
Precedido por
Levir Culpi
Treinador do Internacional
1990
Sucedido por
Orlando Bianchini
Precedido por
Geninho
Treinador do Atlético Paranaense
2002
Sucedido por
Gílson Nunes
Precedido por
Romário
Treinador do Vasco da Gama
2007
Sucedido por
Romário
Precedido por
Alfredo Sampaio
Treinador do Duque de Caxias
2011
Sucedido por
Paulo Campos