Valentim Magalhães

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Valentim Magalhães Academia Brasileira de Letras
Nome completo Antônio Valentim da Costa Magalhães
Nascimento 16 de janeiro de 1859
Rio de Janeiro
Morte 17 de maio de 1903 (44 anos)
Rio de Janeiro
Nacionalidade  Brasileiro
Ocupação Jornalista, contista, romancista e poeta

Antônio Valentim da Costa Magalhães (Rio de Janeiro, 16 de janeiro de 1859 — Rio de Janeiro, 17 de maio de 1903) foi um jornalista e escritor brasileiro, um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho homônimo de Antônio Valentim da Costa Magalhães e de D. Maria Custódia Alves Meira. Formou-se em Direito pela Faculdade do Largo de São Francisco, em São Paulo, onde ingressara em 1877. Ali colabora para os periódicos acadêmicos "Revista de Direito e Letras", "Labarum" e "República", este último de Lúcio de Mendonça. Ainda nesta cidade publicou três obras: "Idéias de Moço", "Grito na Terra" e "General Osório", este último em parceria com Antônio da Silva Jardim, além de seu primeiro livro, intitulado "Cantos e Lutas". Ali também casou-se, em 1880.

Voltando para o Rio, dedica-se ao jornalismo, dirigindo o periódico "A Semana" (fundado em 1885), que torna-se o veículo dos jovens escritores da época, além da propaganda abolicionista e republicana, sendo um período de marcadas agitações culturais e políticas, estando Valentim Magalhães no proscênio dessas lutas todas. Sobre sua participação, registrou Euclides da Cunha,[1] que o sucedeu na Academia: "A geração de que ele foi a figura mais representativa, devia ser o que foi: fecunda, inquieta, brilhantemente anárquica, tonteando no desequilíbrio de um progresso mental precipitado a destoar de um estado emocional que não poderia mudar com a mesma rapidez".

Também se encontra colaboração da sua autoria nas revistas Galeria republicana[2] (1882-1883), Branco e Negro[3] (1896-1898), Brasil-Portugal[4] (1899-1914) e ainda no Jornal dos Cegos [5] (1895-1920).

Seu grande envolvimento com as causas que defendia não lhe permitiram uma maior produção literária, sendo comum entre os críticos[6] que seu papel foi o de divulgar os demais escritores nacionais.

Ficou célebre pelas inúmeras polêmicas criadas, que redundaram em ataques e desafetos, bem como pelas defesas que dele faziam os amigos.

Durante o Encilhamento, falsa prosperidade econômica que se seguiu à Proclamação da República por obra do seu confrade Rui Barbosa, então feito Ministro das Finanças, Valentim dedicou-se ao lucro rápido, fundando uma companhia e, logo mais, como todos, vindo à falência.

Sobre seu papel na memória futura, então ainda presenciando os reveses, declarou:

"A princípio fui gênio; mais tarde cousa nenhuma. Hoje César, amanhã João Fernandes…"

Poesia[editar | editar código-fonte]

Registra Manuel Bandeira[7] que o autor participara, ao lado de Teófilo Dias, Artur Azevedo, Fontoura Xavier e outros, da chamada "Batalha do Parnaso", uma reação ao romantismo, iniciada ainda na década de 1860, e que ganhou força com a agitação promovida por Artur de Oliveira. Este misto de boêmio e intelectual conhecera em Paris os intelectuais parnasianos, e influenciara os autores brasileiros.

Versos[editar | editar código-fonte]

Íntimo
(domínio público)
Esta alegria loura, corajosa,
Que é como um grande escudo, de ouro feito,
E faz que à Vida a escada pedregosa
Eu suba sem pavor, calmo e direito,
Me vem da tua boca perfumosa,
Arqueada, como um céu, sobre o meu peito:
Constelando-o de beijos cor de rosa,
Ungindo-o de um sorriso satisfeito…
A imaculada pomba da Ventura
Espreita-nos, o verde olhar abrindo,
Aninhada em teu cesto de costura;
Trina um canário na gaiola, inquieto;
A cambraia sutil feres, sorrindo,
E eu, sorrindo, desenho este soneto.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Sua obra, considerada menor no contexto da literatura brasileira, regista, entretanto, uma curiosidade, por conta de uma errata:

1896 – Concluído o romance "Flor de Sangue", de Valentim Magalhães, que seria publicado pela Laemmert com a mais inusitada das erratas "…à página 285, 4a. linha, em vez de "estourar os miolos", leia-se "cortar o pescoço".[8] Seus livros:
  • Cantos e Lutas, poesia (1897);
  • Quadros e Contos (1882);
  • Vinte Contos e Fantasias (1888);
  • Inácia do Couto, comédia (1889);
  • Escritores e Escritos (1894);
  • Bric-à-brac, contos (1896);
  • Flor de Sangue, romance (1897);
  • Alma, crônicas (1899);
  • Rimário, poesia (1899)

Lorbeerkranz.png Academia Brasileira de Letras[editar | editar código-fonte]

Quando da fundação da Academia Brasileira de Letras, foi convidado para ocupar a cadeira 7, que tem por patrono Castro Alves, cujo nome foi por ele escolhido para o patronato.

A Biblioteca da Academia iniciou o seu acervo com a doação feita por Valentim, de seu livro Flor de Sangue, em janeiro de 1897.[9]

Referências

  1. CUNHA, Euclides da. "Discurso de Posse na Academia Brasileira de Letras", texto em domínio público[1]
  2. Galeria republicana (1882-1883) [cópia digital, Hemeroteca Digital]
  3. Branco e Negro : semanario illustrado (1896-1898) [cópia digital, Hemeroteca Digital]
  4. Rita Correia (29 de Abril de 2009). «Ficha histórica: Brasil-Portugal : revista quinzenal illustrada (1899-1914).» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 26 de Junho de 2014 
  5. Alda Anastácio. «Ficha histórica: Jornal dos cegos (1895-1920)» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 17 de fevereiro de 2017 
  6. Vide, neste sentido, a biografia do autor no Sítio da Academia Brasileira, o discurso de posse de Euclides da Cunha, dentre outros
  7. BANDEIRA, Manuel. Apresentação da Poesia Brasileira, Ediouro, Rio de Janeiro
  8. Trecho encontrado apenas no google, com o cache ativado
  9. O próprio sítio da Academia trata com desdém esse ato inaugural do seu acervo: "Cem anos depois, essa obra só é lembrada pela circunstância de ter sido o marco inicial da biblioteca da academia." (vide link para a ABL)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Valentim Magalhães


Precedido por
Castro Alves
(patrono)
Lorbeerkranz.png ABL - fundador da cadeira 7
1897 — 1903
Sucedido por
Euclides da Cunha


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikisource Textos originais no Wikisource
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.