Vela (náutica)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Vela é qualquer tipo de superfície que gere trabalho quando exposta ao vento. Geralmente são usadas em embarcações chamadas veleiros. A forma depende estruturalmente da função e os dois casos extremos são o da Vela grande que é quase plana e serve para navegar próximo do vento e a do Spinnake ou Balão que tem uma concavidade importante e só pode ser usada com vento de trás (popa).

Velame é o nome dado ao conjunto das velas de uma embarcação. Tradicionalmente não se fala de velas mas sim de panos e assim diz-se que a Sagres dispõe de 23 velas, 10 de pano redondo e 13 de pano latinos.

Vento e vela[editar | editar código-fonte]

Como o vento é o motor de um veleiro há que reter esta ideia

Vento ligeiro, vela cheia.
Vento forte, vela lisa.

Ângulos e lados[editar | editar código-fonte]

Vela grande

Uma vela é caracterizada principalmente pela sua forma, pela sua gramatura e do material de que é feita.

Punho, é o nome dado ao pano junto aos ângulos da vela, que se chamam  :

  • Punho da pena ou de adriça - punho por onde a vela é içada (1)
  • Punho da amura - punho junto ao mastro (10)
  • Punho da escota - punho onde se prendem os cabos de manobra (12) (junto à escota da vela grande)

Cada extremidade da vela recebe normalmente um reforço (3) de várias espessuras de tecido para fortalecer os punhos.

Os lados de uma vela triangular são a :

Para reduzir a área vélica utilizam-se os rizes (9) a fin de diminuir a sua superfície quando o vento se levanta (9) .

A valuma da vela é actualmente ligeiramente arredondada e fortificada com talas (4) de madeira ou plástico para a enrijecer. Para se fazer variar a sua tensão do bordo de fuga (5) usa-se a bicha (8) A testa da vela é presa ao mastro por um reforço cilíndrico que entra na calha do mastro ou utilizando garrunchos (2) directamente presas à vela [1] .

Funcionamento[editar | editar código-fonte]

As asas de um avião apoiam-se no ar para voar porque elas não são iguais por cima e por baixo. Enquanto por baixo elas são quase planas e o vento relativo - aquele que vem bater no bordo frontal da asa - continua quase sem modificação por baixo da asa enquanto que o que passa por cima, onde as asas são convexas, têm que efectuar um percurso maior e esse movimento do ar provoca o mesmo efeito de sucção do que acontece quando se tem um guarda-chuva aberto com forte vento, ele voa. [2] - [nota 1]

Propulsão[editar | editar código-fonte]

A velas geram força de propulsão de dois modos diferentes: o primeiro simplesmente capturando o vento que passa e seguindo na mesma direção dele, funcionando mais como um pára-quedas; no outro modo a propulsão ocorre com a vela percorrendo uma trajetória transversal à direção do vento e, devido a seu perfil aerodinâmico, o ar percorre uma trajetória maior em um dos lados da vela, no mesmo intervalo de tempo, gerando uma diferença de pressão entre os lados (maior no lado côncavo) que força a vela em uma direção, de um modo parecido a uma asa (Princípio de Bernoulli). É este pressão para cima que permite os aviões voarem.

Os barcos de competição e recreio, atualmente os maiores utilizadores de velas como sistema de propulsão, costumam levar dois tipos diferentes de vela, a balão (spinnaker), parecida com um pára-quedas, para velejar na mesma direção do vento, e velas latinas (genoas), triangulares, o mais altas e estreitas possíveis para com sua forma aerodinâmica gerar propulsão, e seguir nas direções transversais ao vento.

Perfil[editar | editar código-fonte]

Como quando se utiliza uma vela ela gera arrasto, uma força contraria e indesejável que aumenta com a velocidade, com a curvatura e com o formato da vela, procura-se variar o perfil com o uso de tracção na retranca e tracção transversal no mastro. De um modo geral, quanto mais forte está o vento, mais plana (lisa) deverá estar a vela com tração aplicada na retranca (caçar a escota). Se o vento estiver fraco, pode-se relaxar o cabo da retranca (folgar), assumindo a vela um perfil mais curvo e logo aumentando a potencia, já que não é importando o arrasto em ventos fracos. Quando a vela fica mais curva diz-se que ela fica com mais saco, assim se a vela tem muito saco fica com muita potência. Quando o saco está bem atrás a entrada é dita fina e autoriza apenas uma estreita faixa eficiente de ar, o que permite trabalhar com um ângulo mais fechado com o vento e o barco pode orçar mais [3] .

No interior da vela o vento cria uma depressão, que enche a vela, mas no exterior o ar circula mais depressa e a vela "agarra-se" a essa depressão que ela mesmo criou para avançar. Pelo efeito dessa força os veleiros derrapariam se não tivessem a quilha que em parte compensa esse movimento e o transforma em movimento longitudinal [2] .

O perfil da vela pode ser modificado actuando sobre as escotas, modificando o caimento do mastro e mesmo da regulação do burro da retranca.

Força vélica[editar | editar código-fonte]

Em cada ponto da vela exercem-se forças de alta pressão (lado do vento) e de baixas pressões (do lado de fora). A vela segue a direcção da alta para a baixa pressão. Do conjunto destas formas aerodinâmicas resulta a força vélica. Como esta força é sensivelmente perpendicular ao plano da vela, quanto mais folgada - aberta, afastada do bordo - estiver a vela mais a força vélica actua no mesmo sentido da nave [4] .

A força vélica aumenta com a superfície da vela, a superfície vélica, e essa força localiza-se num ponto chamado o centro vélico.

Voo à vela[editar | editar código-fonte]

O termo voo à(a) vela deveria englobar todos os desportos onde uma vela permite deslocar-se no ar mas está tradicionalmente relacionado com o voo em planador. Além deste, os outros mais conhecidos são o asa-delta com uma asa semi-rígida e os de asas flexíveis como o próprio pára-quedas para descida direta ou o parapente, que trabalhando na transversal da corrente de ar com seu perfil aerodinâmico, gera propulsão avante.

Nomenclatura das velas[editar | editar código-fonte]

Nome das velas numa nau de três mastros e sua localização AN Cruzeiros - Outubro 2011.

Velas: Formato[editar | editar código-fonte]

As velas, ou panos, dos veleiros são classificadas em três grupos segundo a sua forma (tipo):

  • Vela quadrada ou redonda - o tipo de vela mais antigo na Europa que monta muito pouco ao vento;
  • Vela aúrica - de forma quadrangular não simétrica apresenta sempre a mesma face ao vento.
  • Vela latina - vela triangular que permite navegar contra-vento

Um tipo de velas não está restrito a um veleiro pois que no caso da Sagres ela dispõe de 23 velas, 10 de pano redondo e 13 de pano latino sendo destas ultimas 11 do tipo triangular e 2 do tipo quadrangular. [5]

Velas: Posição[editar | editar código-fonte]

Nome das três velas de base de um veleiro.

1. Vela grande, 2. Vela de estai ou genoa

Termos[editar | editar código-fonte]

Termos relacionados com a vela

  • Abrir - a retranca sobe porque o burro está pouco caçado, e abre a valuma da vela.
  • Saco - a curvatura, a "barriga" da vela.
  • Entrada fina - a passagem do ar entre a VG e o estai é pequena porque o saco se encontra atrás e autoriza apenas uma estreita faixa eficiente de ar entre as duas velas.
  • Saia da vela - o bordo inferior de uma vela junto à esteira.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Marina de Cascais - Agosto 2010
  2. a b La mécanique des Fluides - Setembro 2011
  3. Conhecimento náutico - Outubro 2011
  4. Virtual Skipper Online - Setembro 2011
  5. Navio-Escola "Sagres -Setembro 2011

Notas

  1. Muito bom artigo em fr:Effort_sur_une_voile

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Prática da vela[editar | editar código-fonte]



Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons