Vela (satélite)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Os satélites Vela-5A/B na sala limpa. Os dois satélites, A e B, se separavam pouco antes de entrar em órbita.

Vela (do espanhol vela: vigília) é uma família de satélites de reconhecimento desenvolvidos pelos Estados Unidos no âmbito do projeto Vela, cujo objetivo era controlar a aplicação do Tratado de Interdição Parcial de Testes Nucleares, assinado em 1963 com a antiga URSS e vários outros países que dispunham de um programa de armas nucleares. O primeiro satélite da série foi lançado em 1963 e os últimos foram colocados em órbita em 1970, tendo sido desativados em 1984. Para cumprir seus objetivos, os satélites eram equipados de instrumentos que permitiam detectar raios gama, raios X e nêutrons emitidos por explosões nucleares. Os instrumentos desses satélites possibilitavam captar erupções de raios gama gamma - esses eventos astronômicos violentíssimos que acompanham o nascimento de buracos negros que segue a morte de uma estrela ou uma colisão de galáxias.

Os satélites Vela eram 12, sendo seis do tipo Vela Hotel e seis do tipo Advanced Vela. Os satélites da série Vela Hotel foram concebidos para detectar explosões nucleares no espaço, enquanto que os satélites Advanced Vela detectavam explosões produzidas no espaço e também na atmosfera.[1][2][3]

Todos os satélites Vela foram fabricados pela TRW. Lançados em pares, em propulsores Atlas-Agena ou Titan IIIC, eram colocados em pontos diametralmente opostos em uma órbita circular situadas entre 100.000 km e 113.000 km de altitude, bastante acima dos cinturões de Van Allen.

Referências

  1. New York Times. South Africa Stops Short Of Denying Nuclear Test, The Ledger, Lakeland, Florida, originally from The New York Times, 27 October 1979
  2. Lightning Superbolts Detected By Satellites, Science Frontiers, September 1977, No. 1, which in turn cites:
    Turman, B. N (1977). «Detection of lightning superbolts». Journal of Geophysical Research. 82 (18): 2566–2568. Bibcode:1977JGR....82.2566T. doi:10.1029/JC082i018p02566 .
    Retrieved from Science-Frontiers.com website July 24, 2010.
  3. Dunning, Brian. "Skeptoid #190: The Bell Island Boom". Skeptoid. Retrieved June 19, 2017. quote (emphasis added): "They also picked up large lightning flashes, and it was in part from the Vela satellites that we learned about lightning superbolts. About five of every ten million bolts of lightning is classified as a superbolt, which is just what it sounds like: An unusually large bolt of lightning, lasting an unusually long time: About a thousandth of a second. Superbolts are almost always in the upper atmosphere, and usually over the oceans."