Vera Nunes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Abril de 2013).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Vera Nunes
Nome completo Isaura Nunes Martins Henriques
Nascimento 12 de agosto de 1928 (89 anos)
Rio de Janeiro,  Rio de Janeiro
Ocupação Atriz
Atividade 1947-2007
Cônjuge Altamiro (1955-2005)
IMDb: (inglês)

Isaura Nunes Martins Henriques (cidade do Rio de Janeiro, 12 de agosto de 1928), mais conhecida como Vera Nunes, é uma atriz brasileira.

Biografia[editar | editar código-fonte]

A jovem Isaura estudou contabilidade, para satisfazer ao pai, mas sempre desejou ser "artista".

Aos 13 anos, e favorecida em parte por sua beleza, começou como radioatriz na rádio do Ministério da Educação, Cultura e Saúde — ao lado de futuras estrelas como José Vasconcelos e Fernanda Montenegro, entre outros — e logo foi para as grandes produtoras de cinema da época, como Cinelândia e a Atlântica. Seus papéis em Beijos roubados e Pinguinho de gente lhe renderam os apelidos de "Bonequinha do Cinema" e "Namoradinha do Brasil".

Após rápida passagem pela Argentina (onde fez No me digas adiós), voltou a filmar no Brasil. Foi quando fez Falta alguém no manicômio (1948), do qual foi também figurinista.

No Teatro Copacabana encenou textos importantes, como Um deus dormiu lá em casa, Helena fechou a porta, Don Juan, etc. Em São Paulo, abriu sua própria companhia teatral, com a qual encenou, no Teatro Cultura Artística, Presença de Anita.

Em 1951, a televisão dava seus primeiros passos, e Vera foi contratada pela TV Paulista, recém-inaugurada, para atuar em Helena. Lá conheceu o ator Altamiro Martins, com quem se casou em 1955 — amadrinhada por Bibi Ferreira.

Após Helena (1952), decidiu se dedicar ao cinema. Em 1957, fez seu último filme, Dorinha no soçaite, com Geraldo Vietri, que já a dirigira em Custa pouco a felicidade. Depois, voltou à televisão.

Em 2005, morreu Altamiro, seu marido, selando um convívio de 50 anos que lhe deu um casal de filhos.

Trabalhos no cinema[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel
2007 Autofagia
2004 Tal Pai Tal Filho
2003 A Quarta Parada
1957 Dorinha no Soçaite Dorinha
1955 Armas da Vingança
1952 Custa Pouco a Felicidade Telma
1951 Presença de Anita Diana[1]
Suzana e o Presidente Suzana
1950 Um Beijo Roubado Vera
Garota Mineira
1949 Pinguinho de Gente Maria Lúcia [2]
Também Somos Irmãos Marta
1948 Mãe
Uma Luz na Estrada
Falta Alguém no Manicômio Maria Luísa
Não Me Digas Adeus

Trabalhos na televisão[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel
1985 Jogo do Amor
1982 Avenida Paulista
1980 O Meu Pé de Laranja-Lima Leonor
1975 Um Dia, o Amor Arlinda
1970 O Meu Pé de Laranja Lima Diana
1969 Dez Vidas Viscondessa de Barbacena
Os Estranhos Mimi
A Menina do Veleiro Azul Drª Olga[3]
1968 Legião dos Esquecidos Maria Luísa
1967 Os Fantoches Julieta
1966 As Minas de Prata Ismênia
1964 O Pintor e a Florista Estela
1959 A Ponte de Waterloo
1954 As Aventuras de Suzana
1952 Helena Helena

Referências

  1. «Presença de Anita». Cinemateca Brasileira. Consultado em 25 de janeiro de 2017 
  2. Cinemateca Brasileira Pinguinho de Gente [em linha]
  3. «A Menina do Veleiro Azul». Teledramaturgia. Consultado em 25 de janeiro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um ator é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.