Vernáculo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde novembro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Wikcionário
O Wikcionário tem o verbete Vernáculo.

Vernáculo é o nome que se dá ao idioma próprio de um país, de uma nação ou região; é a língua nacional. Vernáculo é utilizado sempre para designar o idioma puro, utilizado tanto no falar, como no escrever; sem utilizar palavras de idiomas estrangeiros (estrangeirismos).

Esse termo – oriundo do latim vernaculum – era utilizado para designar os escravos que nasciam na casa do seu patrão, isto é, pertenciam a uma região específica.

O termo vernáculo é também utilizado na área jurídica e do Direito para designar os termos corretos a serem utilizados, por exemplo, na elaboração de petições.

A origem do verbete vernáculo é muito antiga, tendo sido mencionado em há séculos, quando estudos científicos, filosófico ou religioso eram publicados na Europa Ocidental

Língua vernacular e língua litúrgica

Pode-se entender uma uma língua vernacular contrastando-a à uma língua litúrgica. Como exemplo, até o início da década de 1960 os católicos romanos de rito latino assistiam às suas celebrações religiosas (missas) em latim, ao invés do idioma de seus países ou regiões. Até hoje, a igreja copta celebra suas liturgias em língua copta. Já a Igreja Ortodoxa Etíope celebra liturgias na língua ge'ez.

A Reforma Protestante pregava a leitura vernacular da Bíblia e de outros escritos religiosos em detrimento da leitura ortodoxa da Igreja. Já a igreja católica romana só permitiu o uso de línguas vernáculas em suas liturgias a partir da década de 1960, com o Concílio Vaticano II.

Atualmente, a expressão vernacular tem sido usada em publicações nas quais se busca reproduzir a linguagem coloquial da classe média ou trabalhadora. Em alguns casos, isto significa a inclusão de gírias ou de expressões coloquiais regionais.

No Direito brasileiro, em todos os termos e atos de processo é obrigatório o uso do vernáculo.