Vespa (gênero)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaVespão
Vespa orientalis
Vespa orientalis
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Classe: Insecta
Ordem: Hymenoptera
Família: Vespidae
Subfamília: Vespinae
Gênero: Vespa
Linnaeus, 1758
Espécie-tipo
Vespa crabro
Espécies
Ver texto

As vespas verdadeiras ou vespões[1] (insetos do gênero Vespa) são as maiores vespas eusociais e têm aparência semelhante aos seus parentes próximos, as vespas-amarelas (Dolichovespula arenaria). Algumas espécies podem atingir até 5,5 cm de comprimento.[2] Elas se distinguem de outras Vespinae pela margem superior relativamente grande da cabeça e pelo segmento arredondado do abdômen, logo atrás da cintura. Em todo o mundo, 22 espécies de Vespa são reconhecidas.[3][4] A maioria das espécies ocorre apenas nos trópicos da Ásia, embora o vespão europeu (V. crabro) seja amplamente distribuído pela Europa, Rússia, América do Norte e Nordeste da Ásia.

Assim como outras vespas sociais, as vespas verdadeiras constroem ninhos comunitários, geralmente compostos por madeira mastigada e expostos em árvores e arbustos; algumas espécies, como a Vespa orientalis, constroem seus ninhos no subsolo ou em outras cavidades. Cada ninho tem uma rainha, que põe ovos e é assistida pelas operárias que, embora sejam fêmeas, são inférteis. Nos trópicos, esses ninhos podem durar o ano todo, mas em áreas temperadas, os ninhos morrem, com rainhas solitárias hibernando em serapilheira ou outro material isolante até a primavera. Os vespões machos são dóceis e não têm ferrões.[5]

As vespas verdadeiras são frequentemente considerados pragas, pois protegem agressivamente seus locais de nidificação quando ameaçados e suas picadas podem ser mais perigosas do que as das abelhas.[6]

Classificação[editar | editar código-fonte]

Embora taxonomicamente bem definido, alguma confusão pode permanecer sobre as diferenças entre os vespões e outras vespas da família Vespidae, especificamente as vespas-amarelas, que são membros da mesma subfamília. Além disso, na língua portuguesa, vespa é também o nome comum para todos os himenópteros da subordem Apocrita, que não são abelhas nem formigas, o que pode causar confusão com o gênero taxonômico Vespa, já que nem todas as vespas (como nome popular) são, de fato, do gênero Vespa (como nomenclatura científica).

Distribuição[editar | editar código-fonte]

Vespa crabro

Os vespões são encontrados principalmente no hemisfério norte. Vespa crabro é a espécie mais conhecida, amplamente distribuída na Europa (exceto nas áreas do extremo norte). Em Portugal, V. crabro é autóctone e desempenha um importante papel no controle das populações de outros insetos.[7]

No leste, a área de distribuição da espécie se estende ao longo dos Montes Urais até o oeste da Sibéria (encontrada nas proximidades de Khanty-Mansiysk). Na Ásia, o vespão europeu comum é encontrado no sul da Sibéria, bem como no leste da China. O vespão europeu comum foi introduzido acidentalmente no leste da América do Norte em meados do século XIX e vive lá desde então, nas mesmas latitudes da Europa. No entanto, nunca foi encontrado no oeste da América do Norte.

A vespa-mandarina (V. mandarinia) é encontrada na China, Coreia, Taiwan, Camboja, Laos, Vietnã, Indochina, Índia, Nepal, Sri Lanka, Tailândia, Japão e também no extremo oriente russo. O vespão oriental (V. orientalis) ocorre em áreas semiáridas, subtropicais da Ásia Central (Armênia, Daguestão na Rússia, Irã, Afeganistão, Omã, Paquistão, Turcomenistão, Uzbequistão, Tajiquistão, Quirguistão, sul do Cazaquistão), sul da Europa (Itália, Malta, Albânia, Romênia, Turquia, Grécia, Bulgária, Chipre), Norte da África (Argélia, Líbia, Egito, Sudão, Eritreia, Somália) e ao longo das costas do Golfo de Aden e no Oriente Médio. Foi introduzido em Madagascar.[8] A vespa asiática (V. velutina) foi introduzida na França, Itália, Espanha e Portugal.

Picada[editar | editar código-fonte]

Os vespões têm ferrões usados para matar presas e defender ninhos. As picadas de vespões são mais dolorosas para os humanos do que as picadas de vespas típicas porque o veneno de vespões contém uma grande quantidade (5%) de acetilcolina.[9][10] As vespas individuais podem picar repetidamente; ao contrário das abelhas melíferas, as vespas não morrem após serem picadas porque seus ferrões são muito finamente farpados (visíveis apenas em alta ampliação) e podem ser facilmente retirados, portanto não são puxados para fora de seus corpos ao se soltar. A toxicidade das picadas de vespas varia de acordo com as espécies de vespas; alguns entregam apenas uma picada de inseto típica, enquanto outros estão entre os insetos mais venenosos conhecidos. [11]

Picadas de vespões isoladas não são fatais em si mesmas, exceto às vezes para vítimas alérgicas.[11]

Feromônio de alerta[editar | editar código-fonte]

Vespa mandarinia é predadora de abelhas e libera feromônios de ataque para atrair outras vespas-mandarinas para a colmeia encontrada.

Os vespões, como muitas vespas sociais, podem mobilizar todo o ninho para se defender, o que é altamente perigoso para humanos e outros animais. O feromônio de alerta é geralmente liberado em caso de ameaça ao ninho. No caso da vespa-mandarina (V. mandarinia), cujas presas principais são as abelhas, o rastro de feromônios serve para atrair outras vespas-mandarinas para a colmeia de abelhas encontrada.[12][13] Três produtos químicos biologicamente ativos, 2-pentanol, 3-metil-1-butanol e 1-metilbutil 3-metilbutanoato, foram identificados para esta espécie. Em testes de campo, o 2-pentanol sozinho desencadeou um leve alarme e comportamento defensivo, mas a adição dos outros dois compostos aumentou a agressividade em um efeito sinérgico.[12] No vespão europeu (Vespa crabro), o principal composto do feromônio de alerta é 2-metil-3-buteno-2-ol.[14] Se uma vespa for morta perto de um ninho, ela pode liberar feromônios que podem fazer com que as outras vespas ataquem. Materiais que entram em contato com esses feromônios, como roupas, pele e presas mortas ou vespas também podem desencadear um ataque, assim como certos aromas alimentares, como aromas de banana e maçã, e fragrâncias que contêm álcoois C5 e ésteres C10.[12]

Espécies[editar | editar código-fonte]

Vespa velutina

Embora exista uma história de reconhecimento de subespécies em muitas espécies do gênero Vespa , a revisão taxonômica mais recente do gênero trata todos os nomes subespecíficos do gênero Vespa como sinônimos, efetivamente relegando-os a não mais do que nomes informais para formas de cores regionais.[4]

Referências

  1. «Vespões (género Vespa. BioDiversity4All. 3 de julho de 2020. Consultado em 21 de outubro de 2020 
  2. Zach Barth; Thomas Kearns; Elizabeth Wason. «Vespa mandarinia». Animal Diversity. Consultado em 21 de outubro de 2020 
  3. Archer, M.E. (2012). Penney, D., ed. Vespine wasps of the world: behaviour, ecology and taxonomy of the Vespinae. 4 de Monograph series. [S.l.]: Siri Scientific Press. ISBN 9780956779571. OCLC 827754341 
  4. a b A.H. Smith-Pardo, J.M. Carpenter, L. Kimsey (9 de maio de 2020). «The diversity of hornets in the genus Vespa (Hymenoptera: Vespidae; Vespinae), their importance and interceptions in the United States». Insect Systematics and Diversity. 4 (3). doi:10.1093/isd/ixaa006. Consultado em 21 de outubro de 2020 
  5. Plant Biosecurity and Product Integrity (2015). «Hornets» 
  6. Vetter, Richard S.; Visscher, P. Kirk; Camazine, Scott (1999). «Mass Envenomations by Honey Bees and Wasps». Western Journal of Medicine. 170 (4): 223–227. PMC 1305553Acessível livremente. PMID 10344177. Consultado em 21 de outubro de 2020 
  7. Albano Soares (6 de setembro de 2019). «Há vespas portuguesas que estão a ser confundidas com a vespa asiática». Wilder. Consultado em 21 de outubro de 2020 
  8. «Oriental Hornet» 
  9. Bhoola, K. D., Calle, J. D., & Schachter, M. (1961). «Identification of acetylcholine, 5-hydroxytryptamine, histamine, and a new kinin in hornet venom (V. crabro)». The Journal of physiology. 159 (1): 167–182. PMC 1359584Acessível livremente. PMID 13868844. doi:10.1113/jphysiol.1961.sp006799. Consultado em 21 de outubro de 2020 
  10. Herrera, Cayetano; Leza, Mar; Martínez-López, Emma (23 de julho de 2020). «Diversity of compounds in Vespa spp. venom and the epidemiology of its sting: a global appraisal». Archives of Toxicology. PMID 32700166. doi:10.1007/s00204-020-02859-3 
  11. a b Schmidt, Justin O.; Yamane, Soichi; Matsuura Makoto; Starr, Christopher K. (1986). «Hornet venoms: lethalities and lethal capacities». Toxicon. 24 (9): 950-954. ISSN 0041-0101. doi:10.1016/0041-0101(86)90096-6. Consultado em 21 de outubro de 2020 
  12. a b c Melody Voith (15 de setembro de 2003). «Volatile fragrance chemicals may attract unwanted attention from hornets and bees». Chemical & Engineering News. ISSN 0009-2347. Consultado em 21 de outubro de 2020 
  13. Equipe eCycle. «Vespa gigante é ameaça para humanos e abelhas» 
  14. El-Sayed AM (2019). «Semiochemicals of Genus Vespa». The Pherobase: Database of Pheromones and Semiochemicals. Consultado em 21 de outubro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Vespa (gênero)
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Vespa (gênero)