Vestido branco de Marilyn Monroe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Marilyn Monroe Lexington Subway Image (14551832204).jpg

O vestido branco de Marilyn Monroe foi usado pela atriz no filme de 1955 O Pecado Mora ao Lado, dirigido por Billy Wilder.[1] Foi criado pelo estilista William Travilla e usado em uma das cenas mais conhecidas do cinema do século XX. Nela, o vestido cor de marfim de Monroe é levantado pelo vento provocado com a passagem dos trens do metrô de Nova Iorque.

Antecedentes e história[editar | editar código-fonte]

O vestido em questão foi desenhado pelo estilista William Travilla que já havia criado modelos para o filme Os Homens Preferem as Loiras (1953), e ganhando um Oscar por seu trabalho em As Aventuras de Don Juan, em 1948. Travilla, que conhecia como ninguém as preferências da 20th Century Fox, o estúdio responsável por O Pecado Mora ao Lado, desenhou um vestido cujo tecido teria que ser tão leve a ponto de ter sua saia levantada pela corrente de ar do metrô.

A cena mais famosa do filme, em que o vestido cor de marfim de Monroe é levantado na rua pelo jato do respiradouro do metrô na calçada foi filmado nas primeiras horas da manhã de 15 de setembro de 1954, em frente de uma multidão de mais de 1.000 espectadores, o tumulto gerado pela presença de Monroe durante as filmagens fez com que o diretor Billy Wilder fosse forçado a refazer a cena nos estúdios da 20th Century Fox. A famosa cena foi comparada a um evento semelhante no curta-metragem de 1901 O Que Aconteceu na Rua 23, Nova Iorque.

Após a estreia do filme, o vestido branco ficou com o estúdio que o vendeu para Debbie Reynolds. No final dos anos 50, Travilla conseguiu que Reynolds lhe emprestasse a peça para que ele pudesse fazer uma cópia exata, com os mesmos materiais e medidas. Foi a primeira e única vez que o estilista fez duas vezes a mesma peça. Já o vestido original usando por Monroe foi a leilão em junho de 2011 e acabou sendo arrematado por 4,6 milhões de dólares.[2]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

De acordo com o livro Hollywood Costume: Glamour! Glitter! Romance! de Dale McConathy e Diana Vreeland, Travilla não desenhou o vestido, mas na verdade o comprou feito (embora o figurinista sempre negasse esta afirmação).[3]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Vestido de Marilyn Monroe é vendido por US$ 4,6 milhões». Revista Veja. Consultado em 23 de março de 2016 
  2. Mais caro do mundo, vestido de Monroe é vendido por R$ 8,9 mi
  3. «William Travilla». Golden Hollywood Era (em inglês). Consultado em 12 de agosto de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]