Viação Oeste Ocidental

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde julho de 2015). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Privada
Fundação 01 de abril de 1994

Encerrou suas atividades em 29 de Outubro de 2010

Sede Av. Santa Cruz, 11.120, Senador Vasconcelos Rio de Janeiro
Empregados 322
Produtos Transporte urbano de passageiros

Viação Oeste Ocidental foi uma empresa de ônibus brasileira, com atuação no transporte coletivo urbano da cidade do Rio de Janeiro.

História[editar | editar código-fonte]

A Ocidental foi criada a partir da cisão que correspondia a parte das ações que pertencia a Transportes Amigos Unidos na sociedade da Transportes Oriental, ficando a Ocidental com a maioria das linhas. A garagem e sede da empresa ficou no mesmo endereço, sendo apenas desmembrada uma parte menor para a Oriental.

O grupo TAU se fortaleceu a partir de 2000, quando passou a administrar também a Viação Santa Sofia. Entretanto, com o decorrer do tempo o grupo TAU foi deixando desassistidas as suas afiliadas, acarretando a falência da Transportes Mosa do RJ e da empresa Santa Rita de Itaguaí, além do sucateamento (quase falência) da Santa Sofia e o inchamento da Ocidental (a empresa absorveu grande quantidade de linhas, e não deu conta sequer de suas linhas originais).

Em Setembro de 2009 a empresa teve sua garagem lacrada pelo Mininstério Público pela falta de manutenção/conservação e comprometimento da segurança de seus veículos, sendo apenas 40 de 180 veículos liberados para circulação. Em maio de 2009, a empresa sofreu intervenção da Prefeitura do Rio e do Ministério Público diante de centenas de denúncias sobre o péssimo serviço prestado à população da Zona Oeste. Sendo assim, a Secretaria Municipal de Transportes decidiu distribuir parte das suas linhas a outras empresas da região.

Em 04/01/2010 a empresa entrou em processo de cassação de suas linhas pela Prefeitura do Rio de Janeiro. Em março do mesmo ano, a SMTR indeferiu o pedido da Ocidental para reintegração de suas linhas embargadas, o mesmo ocorrendo com sua empresa originária, a tradicional, Transportes Oriental. Em 2010, a empresa deixou de operar, não tendo sido incluída em nenhum dos consórcios que se formaram naquele ano.[1]

Em dezembro de 2012, o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro reconheceu que a Rio Rotas não poderia ser considerada sucessora da Ocidental.[2]

Em 12/09/2013 a antiga garagem da empresa sofreu o principio de incêndio, atingindo 20 ônibus que estavam estacionados no local.[3]

Referências

  1. «Novos ônibus padronizados começam rodar no Rio a partir do dia 30». Revista do Ônibus. 24 de outubro de 2010. Consultado em 3 de abril de 2012.. Arquivado do original em 24 de julho de 2015 
  2. Elisabete Filizzola (12 de dezembro de 2012.). «Agravo de Instrumento nº.: 0062395-09.2012.8.19.0000». Consultado em 25 de julho de 2015.. Cópia arquivada em 25 de julho de 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  3. «Incêndio destrói cerca de 20 ônibus estacionados na zona oeste do Rio». R7 Noticias. Consultado em 12 de setembro de 2013.