Via para veículos com alta ocupação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Uma via para veículos com alta ocupação na Interestadual 5 em Seattle, Washington, Estados Unidos da América.

Uma via para veículos com alta ocupação (VAO) ou via reservada para veículos com ocupação múltipla (VOM) (também conhecida como via VAO, via VOM, via de veículo compartilhado, via de losango, via 2+ ou via T2 ou T3 na Austrália e Nova Zelândia) (em inglês: high-occupancy vehicle lane) é uma via de trânsito restrita e reservada em períodos da hora de ponta ou mais longos para o uso exclusivo de veículos com motorista e um ou mais passageiros, incluindo carrinhas e carros compartilhados e ônibus (autocarros) de transporte público. O nível mínimo de ocupação normal é de 2 ou 3 ocupantes. Vários municípios aceitam também a circulação de outros veículos, incluindo motociclos, ônibus (autocarros) fretados, veículos de emergência e policiais, veículos de baixa emissão e outros veículos verdes, e/ou obrigam os veículos ocupados apenas com o condutor ao pagamento de pedágio (portagem) para circularem nas vias VAO. As vias VAO são normalmente criadas para incrementar a ocupação média do veículo e as pessoas que nele viajam com o objetivo de reduzir o congestionamento automóvel e a poluição atmosférica,[1][2][3] embora a sua eficácia seja questionável.[4]

Comunidades de carrinhas e carros compartilhados, criadas localmente ou patrocinadas pelo empregador, conferem aos condutores uma forma de aumentar a ocupação. Em locais sem estes serviços, as comunidades online de veículos compartilhados (online rideshare, em inglês) podem servir com um propósito semelhante. Linhas de veículos compartilhados ocasionalmente (slugging, em inglês) são comuns em alguns locais, onde condutores solitários recolhem um passageiro para compartilhar a viagem e permitir o uso da via VAO. As vias de pedágio (portagem) de alta ocupação (vias PAO) foram introduzidas nos Estados Unidos da América para permitir aos veículos ocupados apenas com o condutor usar a via VAO mediante o pagamento de uma taxa variável, que geralmente varia de acordo com a procura.[2]

Desenho e operações[editar | editar código-fonte]

Uma via "semi-VAO" na Interestadual 24 em Nashville, Tennessee, E.U.A.. Estas vias funcionam como uma via VAO apenas durante os dias de semana nas horas de ponta, e como vias regulares no resto do tempo.

As vias VAO podem ser uma única via de trânsito dentro da faixa principal com marcações distintivas; ou uma faixa separada com uma ou mais vias de trânsito paralelas às vias gerais; ou com passagens desniveladas, acima ou abaixo das vias gerais. Por exemplo, a Interestadual 110 na Califórnia tem quatro vias VAO num andar superior.

As vias VAO permitem ao trânsito de veículos compartilhados ultrapassar áreas de congestionamento habitual em muitos locais, e uma via VAO pode operar como uma via reversível, funcionando no sentido do fluxo de tráfego dominante tanto de manhã quanto à tarde. Todas as vias de uma secção de 16 km (10 milhas) da Interestadual 66 nos subúrbios de Washington, D.C., funcionam como uma via VAO reversível durante a hora de ponta no sentido dominante do fluxo automóvel.[5]

O diferencial de velocidade do trânsito entre as vias VAO e as vias de uso geral cria uma situação potencialmente perigosa se as vias VAO não estiverem separadas por uma barreira. Um estudo do Instituto de Transporte do Texas descobriu que as vias VAO que não possuem separações com barreira causaram um incremento de 50% nos acidentes com ferimentos.[6]

Variantes[editar | editar código-fonte]

Via de acesso comercial e trânsito[editar | editar código-fonte]

Uma via de acesso comercial e trânsito (ACT) (business access and transit (BAT) lane, em inglês) é um tipo de via VAO que permite que todo o trânsito entre na via por uma pequena distância, a fim de permitir o acesso a outras ruas e entradas comerciais.[7]

Via de pedágio (portagem) de alta ocupação[editar | editar código-fonte]

Como algumas vias VAO não foram utilizadas na sua total capacidade, os utilizadores de veículos de baixa ou única ocupação podem ser autorizados a usar uma via VAO se pagarem um pedágio (portagem). Este esquema é conhecido como via de pedágio (portagem) de alta ocupação (ou vias PAO) e foi introduzido principalmente nos Estados Unidos. A primeira implementação prática foi o antigo pedágio (portagem) privado das 91 Express Lanes, em Orange County, Califórnia, em 1995, seguido em 1996 pela Interestadual 15, a norte de San Diego.[8][9] De acordo com o Texas A & M Transportation Institute, até 2012 havia 294 milhas de vias VAO / Expressas e 163 milhas de vias VAO / Expressas em construção nos Estados Unidos.[10]

Pórtico de pedágio (portagem) RFID FasTrak numa via VAO em Orange County, Califórnia.

Os motoristas solitários apenas são autorizados a usar as vias VAO mediante o pagamento de uma taxa que varia de acordo com a procura. Os pedágios (portagens) mudam ao longo do dia de acordo com as condições do trânsito em tempo real, sendo que a intenção desta variação é gerir o número de carros nas vias de modo a manter bons tempos de viagem.[11][12]

Os proponentes afirmam que todos os motoristas beneficiam com as vias VAO, mesmo aqueles que optam por não usá-las. Este argumento aplica-se apenas a projetos que aumentam o número total de vias. Os proponentes também afirmam que as vias VAO fornecem um incentivo para o compartilhamento de viagens. Houve controvérsia sobre este conceito, e os esquemas das vias VAO foram chamados de vias "Lexus", já que os críticos vêem este novo esquema de preços como um privilégio para o rico.[13]

Os pedágios (portagens) das vias VAO são recolhidos por cabines manuais, reconhecimento automático de matrículas ou sistemas de cobrança eletrónica de pedágios (portagens). Alguns sistemas usam transmissores RFID para monitorizar a entrada e saída da via e cobrar os motoristas dependendo da procura. Normalmente, os pedágios (portagem) aumentam à medida que a densidade do tráfego e o congestionamento dentro das vias com pedágio (portagem) aumentam, uma política conhecida como preços de congestionamento. O objetivo deste esquema de preços é minimizar o congestionamento de trânsito dentro das vias.[14][15]

Veículos permitidos[editar | editar código-fonte]

Uma área de slugging, onde os motoristas solitários procuram um passageiro para usar a via VAO.

A permissão para a utilização da via VAO varia de acordo com o esquema de cada município, mas os seguintes veículos podem ser incluídos:

  • Automóveis particulares e táxis com um número mínimo de ocupantes humanos (geralmente dois ou três), incluindo bebés de qualquer idade (mas somente após o nascimento).[16]
  • Veículos verdes com um único ocupante, tais como veículos elétricos híbridos, híbridos plug-in e veículos elétricos com bateria.[17]
  • Veículos de ocupação individual mediante o pagamento de uma taxa variável (só com pedágio (portagem) de alta ocupação).
  • Motociclos[18] - motociclos são permitidos através da lei federal das vias VAO dos Estados Unidos (Título 23, Secção 166).[19] Eles não podem usar vias VAO em Ontário, a menos que tenham dois passageiros.[20]
  • Ônibus (autocarros) projetados para transportar dezasseis ou mais passageiros, incluindo o motorista.[16]
  • Veículos utilitários públicos quando respondem a chamadas de emergência.[16]
  • Bicicletas.[18]

Os regulamentos das vias VAO da cidade de Nova Iorque anteriores a 2008 não permitiam a emissão de cartões de utilizador de via VAO para motociclistas, o que levou a várias reclamações da American Motorcyclist Association. No entanto os regulamentos foram revistos para cumprir as regulamentações federais indicadas acima.[19][21][22]

Em alguns municípios como Ontário, no Canadá, os táxis e as limusines do aeroporto podem usar vias VAO mesmo quando não houver passageiros presentes porque o veículo "poderá retornar ao serviço mais rapidamente depois de deixar os passageiros ou chegar mais cedo para recolher passageiros, movendo assim mais pessoas para seus destinos em menos veículos".[23]

Na Virgínia, os passageiros formam "filas de lesma" (sluglines, em inglês), onde os motoristas recolhem um ou mais passageiros de uma das "filas de slug" designadas para conduzir nas vias do tipo VAO pela Interestadual 95/395; o motorista estaciona perto das sluglines e grita o seu destino, e as pessoas na fila que vão para aquele destino entram no carro por ordem de chegada.[24]

Galeria[editar | editar código-fonte]


Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. "High Occupancy Vehicle Lanes in Canada – Overview". Transport Canada. 26 de agosto de 2010. Arquivado do original em 19 de abril de 2012.
  2. a b Federal Highway Administration (27 de julho de 2009). "A Review of HOV Lane Performance and Policy Options in the United States – Section 1: Introduction". FHWA Tolling and Pricing Program. Consultado em 25 de abril de 2012.
  3. "Transit Lanes". Roads and Traffic Authority, NSW. Consultado em 25 de abril de 2012. Budapeste 29–31 de outubro de 2003.
  4. Sharon Shewmake (Novembro de 2012). "Can Carpooling Clear the Road and Clean the Air? Evidence on the Impact of HOV Lanes on VMT and air pollution". Journal of Planning Literature.
  5. "High Occupancy Vehicle (HOV) Systems". Virginia Department of Transportation (VDOT). 4 de dezembro de 2017.
  6. "CRASH ANALYSIS OF SELECTED HIGH-OCCUPANCY VEHICLE FACILITIES IN TEXAS: METHODOLOGY, FINDINGS, AND RECOMMENDATIONS". Texas Transportation Institute. Setembro de 2004. Dallas corridors with buffer-separated concurrent flow HOV lanes did show a change in crash occurrence with an increase in injury crash rate. The IH-35E North corridor experienced a 56 percent increase in the injury crash rate. The IH-635 corridor experienced a 41 percent increase in the injury crash rate. A closer look at the crash data indicates that the higher injury crash rates were primarily due to the crashes occurring on the HOV lane and on the inside general-purpose lane which is adjacent to the HOV lane.
  7. October 17, kery_murakami on; PM, 2008 at 1:30 (17 de outubro de 2008). «Answers to BAT lane questions». Seattle's Big Blog (em inglês). Consultado em 3 de julho de 2019 
  8. «North County». San Diego Union-Tribune (em inglês). Consultado em 3 de julho de 2019 
  9. «MTC -- Planning -- HOV/HOT Lanes». web.archive.org. 3 de junho de 2008. Consultado em 3 de julho de 2019 
  10. «When the Road Price Is Right. Land Use, Tolls, and Congestion Pricing» (PDF). Urban Land Institute 
  11. «The Capital Beltway (I-495)». web.archive.org. Consultado em 3 de julho de 2019 
  12. «Variable Toll May Replace Flat Golden Gate Bridge Toll». Planetizen - Urban Planning News, Jobs, and Education (em inglês). Consultado em 3 de julho de 2019 
  13. Hugman, Bob (8 de abril de 2007). «"Not Such a HOT Idea: 'Lexus Lanes' Could Ruin Virginia's Highly Successful HOV System"». The Washington Post 
  14. «FAQs». Express Lanes (em inglês). Consultado em 3 de julho de 2019 
  15. «Some Like It HOT: High-occupancy toll lanes work best on high-traffic roads. - Brookings Institution». web.archive.org. 28 de agosto de 2008. Consultado em 3 de julho de 2019 
  16. a b c «High Occupancy Vehicle (HOV) Lanes - Rules and FAQs - Travel | Virginia Department of Transportation». www.virginiadot.org. Consultado em 3 de julho de 2019 
  17. «Carpool (HOV) Lanes | Hybrid Cars». web.archive.org. 28 de fevereiro de 2012. Consultado em 3 de julho de 2019 
  18. a b «SAFETEA-LU - Fact Sheets - Tolling Programs». www.fhwa.dot.gov. Consultado em 3 de julho de 2019 
  19. a b «NY Daily News - We are currently unavailable in your region». www.tribpub.com. Consultado em 3 de julho de 2019 
  20. Government of Ontario, Ministry of Transportation. «High Occupancy Vehicle (HOV) Lanes». www.mto.gov.on.ca (em inglês). Consultado em 3 de julho de 2019 
  21. «AMA Statement On Motorcycles in HOV Lanes in NYC | Dealernews». web.archive.org. 2 de maio de 2014. Consultado em 3 de julho de 2019 
  22. «NYC DOT - HOV Lanes». www.nyc.gov. Consultado em 3 de julho de 2019 
  23. Government of Ontario, Ministry of Transportation. «High Occupancy Vehicle (HOV) Lanes». www.mto.gov.on.ca (em inglês). Consultado em 3 de julho de 2019 
  24. «Slug Lines - Connecting drivers and riders to Slug». Sluglines (em inglês). Consultado em 3 de julho de 2019