Vicente Feola

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Vicente Feola
Vicente Feola
Vicente Feola em 1958
Informações pessoais
Nome completo Vicente Ítalo Feola
Data de nasc. 1 de novembro de 1909
Local de nasc. São Paulo (SP), Brasil
Nacionalidade brasileiro
Falecido em 6 de novembro de 1975 (66 anos)
Local da morte São Paulo (SP), Brasil
Informações profissionais
Função técnico
Times/Equipas que treinou
1937
1938–1939
1941–1942
1944
1945
1947–1950
1951–1953
1955–1957
1958
1961
1964–1966
São Paulo
São Paulo
São Paulo
São Paulo
São Paulo
São Paulo
São Paulo
São Paulo
Brasil
Boca Juniors
Brasil
0
0
0
0
0
0
0
524 (290V - 105E - 129D)
022 (18V - 04E - 00D)
068 (37V - 17E - 14D)
044 (32V - 07E - 05D)

Vicente Ítalo Feola (São Paulo, 1 de novembro de 1909São Paulo, 6 de novembro de 1975)[1] foi um futebolista e treinador brasileiro.[2][3]

Filho de imigrantes italianos de Castellabate[4] (126 quilômetros ao sul de Nápoles), como jogador profissional defendeu o São Paulo, o Auto Sport Club e o Americano, de São Paulo.

Iniciou a atividade de treinador na Portuguesa Santista e comandou o São Paulo por diversas vezes. Muito ligado ao clube, foi o treinador que mais vezes ocupou esse cargo, em oito oportunidades. Até hoje, permanece como o recordista em número de partidas à frente do Tricolor.

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

Gilmar, Vicente Feola e Bellini com a taça da Copa do Mundo (1958).

1958–1960[editar | editar código-fonte]

Feola foi escolhido em fevereiro de 1958 como treinador da Seleção Brasileira para a Copa do Mundo daquele ano.[5] A equipe sagrou-se campeã do torneio pela primeira vez. Feola seria o treinador para a Copa do Mundo de 1962, mas adoeceu e foi substituído por Aymoré Moreira.

1966[editar | editar código-fonte]

Foi novamente chamado para treinar a seleção brasileira na Copa do Mundo de 1966. A preparação da equipe, no entanto, foi atribulada: a Seleção chegou a ter quatro equipes treinando juntas, o que resultou em eliminação precoce na Copa.

Durante o ano de 1961, comandou o Boca Juniors.[6] Feola fazia o tipo bonachão e amigo dos jogadores, mas não era bem visto pela crônica esportiva que acompanhava a Seleção. Em alguns jogos, foi acusado de cochilar no banco, o que seria possível, já que tomava muitos remédios, por conta de sua saúde problemática em decorrência da obesidade.[carece de fontes?]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Clubes Jogos Vitórias Empates Derrotas
São Paulo 532 299 106 127
Boca Juniors 68 37 17 14
Seleção Brasileira 66 50 11 5

Títulos[editar | editar código-fonte]

São Paulo[editar | editar código-fonte]

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Perfil Vicente Feola (Treinador)». Transfermarkt. Consultado em 13 de fevereiro de 2020 
  2. «BIOGRAFIA: Vicente Feola Esportista brasileiro». Educação UOL. 6 de janeiro de 2006. Consultado em 13 de fevereiro de 2020 
  3. «Dados de Vicente Feola» (em russo). Grande Enciclopédia Russa. Consultado em 13 de fevereiro de 2020 
  4. Il Cilento nascosto Arquivado em 19 de dezembro de 2014, no Wayback Machine., jornal Il Mattino, 12 de agosto de 2006
  5. «Não quero surpreender ninguém com a apresentação de "bombas"». Folha da Manha. 12 de fevereiro de 1958 
  6. «Vicente Italo Feola - Trayectoria e Boca Juniors» (em espanhol). La Historia de BOCA JUNIORS. Consultado em 13 de fevereiro de 2020 
  7. «VICENTE FEOLA... Técnico campeão do mundo em 58». Terceiro Tempo. Consultado em 13 de fevereiro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Del Debbio
Tito Rodrigues
Ramón Platero
Zarzur
Leônidas da Silva
Leônidas da Silva
Leônidas da Silva
Renganeschi
Técnico do São Paulo
1937
1938–1939
1941–1942
1947–1950
1950–1951
1952–1953
1955–1957
1959–1960
Sucedido por
Tito Rodrigues
Ignác Amsel
Conrado Ross
Leônidas da Silva
Leônidas da Silva
Jim Lopes
Caxambu
Remo Januzzi