Victor Campbell

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2018). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Victor Campbell
Nascimento 20 de agosto de 1875
Brighton
Morte 19 de novembro de 1956 (81 anos)
Corner Brook
Cidadania Reino Unido
Ocupação explorador
Prêmios Oficial da Ordem do Império Britânico

Victor Lindsay Arbuthnot Campbell DSO, OBE (Brighton, 20 de agosto de 1875Corner Brook, Domínio de Terra Nova, 19 de novembro de 1956), foi um marinheiro e explorador inglês.

Expedição Terra Nova[editar | editar código-fonte]

Em 1910 Campbell era o Primeiro Oficial da Expedição Terra Nova liderada por Robert Falcon Scott. Depois de chegar à Antártida em janeiro de 1911, a sua função levar um grupo de seis homens para explorar a Terra do Rei Eduardo VII, a leste da Barreira. A 26 de Janeiro de 1911, o grupo de Campbell iniciou a sua viagem. Depois de não conseguirem encontrar um local para desembarcar na costa do Rei Eduardo VII, Campbell decidiu navegar para a Terra de Vitória. No seu regresso, o Terra Nova encontrou a expedição de Roald Amundsen acampada na Baía das Baleias, uma enseada na Barreira.

À deriva na Terra de Vitória[editar | editar código-fonte]

Depois de voltar ao Cabo Evans e de informar Scott sobre a posição de Amundsen, o grupo de Campbell passou a designar-se de Grupo Norte e partiram de novo, para norte, para a Baía Robertson perto do Cabo Adare. Construíram uma cabana e lá passaram o Inverno mas, devido à condições do gelo do mar, não conseguiram realizar as explorações planeadas do Verão de 1912. Em Janeiro de 1912, o Terra Nova regressou à Nova Zelândia, e transferiu o grupo de Campbell, Raymond Priestley, G.M. Levick, G.P. Abbott, H. Dickason, e F.V. Browning para Evans Coves, um local a 402 km a sul de Cabo Adare, e a 322 km a noroeste de Cabo Evans. No entanto, apenas tinham mantimentos para seis semanas e a intenção de realizar explorações geológicas em duas semanas. Depois do trabalho realizado, ficaram com rações para cerca de quatro semanas. No entanto, não foi previsto que o navio tivesse problemas em recolhê-los tal como planeado em Fevereiro; o Terra Nova tinha ficado preso no gelo. Incapazes de contactar o navio, o Grupo Norte foi forçado a passar o Inverno na Antártida de novo. O grupo construiu um buraco no gelo na Ilha Inexpressível onde passaram o Inverno em condições muito difíceis, complementado as suas rações com carne de foca e de pinguim. Em 30 de setembro de 1912, partiram para o Cabo Evans, chegando a 7 de novembro, depois de um percurso de 322 km no gelo do mar. Depois de serem informados da morte de Scott e do Grupo Polar, Campbell assumiu o comando da expedição até ao seu final.

Anos seguintes e honras[editar | editar código-fonte]

Durante a Primeira Grande Guerra, Campbell lutou como Comandante no Batalhão Drake Gallipoli e em Dardanelles, onde recebeu a Ordem de Serviços Distintos (DSO), na Batalha da Jutlândia, e fez parte do Ataque a Zeebrugge a bordo do HMS Warwick, em 1918. Campbell serviu na Patrulha Dover e afundou um U-Boot, recebendo por isso a barra da DSO. Na sua carreira naval, atingiu o posto de Capitão da Marinha Real. Por ter executado uma operação especial em Arcangel, recebeu o título de Oficial da Ordem do Império Britânico (OBE).

Campbell emigrou para o Domínio da Terra Nova em 1922 e morreu em Corner Brook em 1956.[1]

Livros[editar | editar código-fonte]

  • The Wicked Mate – O Diário da Antártida de Campbell

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]