Vítor Emanuel III da Itália

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Victor Emmanuel III)
Ir para: navegação, pesquisa
Wiki letter w.svg
Por favor, melhore este artigo ou secção, expandindo-o(a). Mais informações podem ser encontradas na página de discussão. Considere também a possibilidade de traduzir o texto das interwikis.
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Vítor Emanuel III
Rei da Itália
Reinado 29 de julho de 1900
a 9 de maio de 1946
Antecessor(a) Humberto I
Sucessor(a) Humberto II
Imperador da Etiópia
Reinado 9 de maio de 1936
a 5 de maio de 1941
Predecessor Haile Selassie
Sucessor Haile Selassie
Rei da Albânia
Reinado 16 de abril de 1939
a 8 de setembro de 1943
Predecessor Zog I
Sucessor Zog I
 
Esposa Helena de Montenegro
Descendência Iolanda de Saboia
Mafalda de Saboia
Humberto II da Itália
Joana de Saboia
Maria Francisca de Saboia
Casa Real Saboia
Nome completo
Vítor Emanuel Fernando Maria Januário
Nascimento 11 de novembro de 1869
Nápoles, Itália
Morte 28 de dezembro de 1947 (78 anos)
Alexandria, Egito
Sepultamento Catedral de Santa Catarina, Alexandria, Egito
Pai Humberto I da Itália
Mãe Margarida de Saboia
Assinatura Assinatura de Vítor Emanuel III

Vítor Emanuel III (Nápoles, 11 de novembro de 1869Alexandria, 28 de dezembro de 1947) foi o Rei da Itália de 1900 até sua abdicação em 1946. Além disso, ele também reivindicou ser Imperador da Etiópia[1] entre 1936 e 1941, e também Rei da Albânia de 1939 até 1943, porém esses títulos e domínios nunca foram reconhecidos internacionalmente. Era o único filho do rei Humberto I da Itália e sua esposa Margarida de Saboia.[2]

Membro da Casa de Saboia, ascendeu ao trono italiano após o assassinato de seu pai.[3] Numa primeira fase, desempenhou unicamente funções constitucionais, mas, durante a crise que se seguiu à Primeira Guerra Mundial, teve um importante papel nas decisões políticas.

Em 29 de outubro de 1922, encarregou Benito Mussolini, depois da sua marcha sobre Roma, da formação do novo governo e, nos anos seguintes, apoiou plenamente o regime fascista.[4] Durante seu reinado, foi assinado o Tratado de Latrão.

Após a derrota militar da Itália na Segunda Guerra Mundial, participou em 1943 na destituição de Mussolini por parte do Grande Conselho Fascista e assumiu o comando do exército.[5]

Em 12 de abril de 1944, renunciou a favor de seu filho Humberto II[6] e, em 1946, abdicou e exilou-se no Egito. Pouco depois, foi proclamada a República Italiana.

Referências

  1. Havas (10 de maio de 1936). «O rei da Itália foi ontem proclamado imperador da Etiópia». Folha da manhã, ano XI,edição 3724, página 1. Consultado em 1 de maio de 2014. 
  2. United Press (30 de dezembro de 1947). «Mais um membro da Casa di Savóia que desaparece». Jornal do Brasil, Ano LVII, edição 306, página 5. Consultado em 1 de maio de 2014. 
  3. «O rei Umberto I- Regicídio». Jornal do Brasil, Ano X, número 212/Biblioteca Nacional-Hemeroteca digital brasileira. 31 de julho de 1900. Consultado em 1 de maio de 2014. 
  4. Dirk Kaufmann. «1922: Chega ao fim a Marcha sobre Roma». Deutsche Welle. Consultado em 1 de maio de 2014. 
  5. United Press (26 de julho de 1943). «Cae Mussolini. Lo sucede Badoglio-El Rey asume el mando del ejército». El Tiempo, Ano, edição, página 1. Consultado em 1 de maio de 2014. 
  6. United Press (13 de abril de 1944). «Abdiciou ao trono da Itália o rei Victor Emanuel». Folha da manhã, AnoXIX, edição 6161, página 1. Consultado em 1 de maio de 2014. 
Ícone de esboço Este artigo sobre Genealogia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.