Victor Ramos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Victor Ramos Ferreira)
Ir para: navegação, pesquisa
Victor Ramos
Informações pessoais
Nome completo Victor Ramos Ferreira
Data de nasc. 05 de maio de 1989 (28 anos)
Local de nasc. Salvador (BA), Brasil
Altura 1,92 m[1]
Ambidestro
Apelido Tufão[2] VR3
Informações profissionais
Clube atual Chapecoense
Número 80
Posição Zagueiro
Clubes de juventude
19992008 Vitória
Clubes profissionais2
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
20082009
20092011
2011
20122013
20142017
2015
2016
2017
Vitória
Standard de Liège
Vasco da Gama (emp.)
Vitória
Monterrey
Palmeiras (emp.)
Vitória (emp.)
Chapecoense
0024 0000(1)
0034 0000(0)
0007 0000(0)
0095 0000(6)
0032 0000(1)
0027 0000(3)
0038 0000(2)
0015 0000(1)
Seleção nacional3
2009 Brasil Sub-20 0003 0000(0)


2 Partidas e gols totais pelo
clube, atualizados até 27 de julho de 2017.
3 Partidas e gols da seleção nacional estão atualizados
até 12 de novembro de 2009.

Victor Ramos Ferreira,[1] ou simplesmente Victor Ramos (Salvador, 5 de maio de 1989), é um futebolista brasileiro que atua como zagueiro. Atualmente joga pela Chapecoense.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Vitória[editar | editar código-fonte]

Após alguns anos jogando nas categorias de base do rubro-negro baiano, estreou pelo time principal em 2008, mas só se firmou como titular com a chegada de Paulo César Carpeggiani ao Leão, em 2009.[3] No primeiro semestre da temporada e nos primeiros jogos do Brasileirão 2009, formou trio de zaga ao lado de Anderson Martins e Wallace, companheiros desde os tempos da base.[3]

Em 30 de agosto de 2009, foi contratado pelo Standard de Liège para a disputa da Liga dos Campeões da UEFA pelo clube belga.[4] A negociação girou em torno de um milhão e duzentos mil euros (cerca de três milhões e duzentos mil reais), e Victor Ramos assinou um contrato com duração até dezembro de 2014.

Standard Liége[editar | editar código-fonte]

Estreou pela Campeonato Belga em novembro de 2009. Sua estreia pela Liga dos Campeões 2009/10 ocorreu na vitória do Liège por 2 a 0 sobre o Olympiacos, em 4 de novembro de 2009, no Estádio Maurice Dufrasne. Foi titular no resto da temporada, mas passou a alternar entre o banco e os onze iniciais a partir da temporada seguinte.

No início de 2011, aparentemente insatisfeito por ter perdido um lugar na equipe titular e com saudades do seu país,[5] atrasou no seu retorno de férias no Brasil.[6] Especulações começaram a ser criadas sobre a possível saída do jogador.[7] Apenas retornou no dia 17 de janeiro,[8] e, como punição, a diretoria do clube belga colocou-o para jogar pela equipe reserva.

Vasco da Gama[editar | editar código-fonte]

Em 20 de julho de 2011, o Standard de Liège emprestou-o ao Vasco da Gama para a disputa do Campeonato Brasileiro e da Copa Libertadores da América.[9] No Clube da Colina, reencontrou o antigo parceiro de Vitória, Anderson Martins, mas não conseguiu emplacar, permanecendo no banco de reservas durante a maior parte de sua passagem no cruzmaltino.

Retorno ao Vitória[editar | editar código-fonte]

No dia 31 de janeiro de 2012, foi anunciado como novo reforço do Vitória, num empréstimo que inicialmente duraria até o final da temporada. Conquistou sua vaga na equipe no decorrer do Campeonato Baiano e não a perdeu mais, mantendo-se como titular absoluto durante a Copa do Brasil e Série B, marcando os únicos gols do time nos jogos contra Vitória da Conquista (1 a 1), Guarani (1 a 0) e ABC (1 a 0, este, aos 50 minutos do segundo tempo, decretando a vitória da equipe na casa do adversário). Também marcou nas vitórias por 3 a 2 e 4 a 3, sobre Paraná e ASA, respectivamente. Com estes gols, Victor se fixou como um dos artilheiros da equipe, além de um dos principais destaques na boa campanha do Vitória nesta temporada, em que o clube se manteve invicto nos jogos realizados na sua casa, o Barradão, durante os sete primeiros meses do ano. Na Série B, obteve um aproveitamento superior a 70% no primeiro turno, alcançando a liderança do campeonato na 18ª rodada. Tal feito animou o zagueiro, que chegou a afirmar que a boa campanha no ano faria a equipe "lutar para ser campeã" do torneio.[10] O Vitória terminou o campeonato na 4ª colocação, conquistando o acesso à Série A do ano seguinte.

O bom desempenho da equipe e as excelentes atuações do zagueiro despertaram o interesse do Vitória na renovação do empréstimo por mais uma temporada, já que o valor cobrado pelo clube belga na compra em definitivo do jogador era muito alto.[11]

Monterrey[editar | editar código-fonte]

Assinou um contrato com o Club de Fútbol Monterrey do México no dia 16 de dezembro de 2013 depois de uma boa temporada no Vitória, onde ajudou a colocar o time na quinta colocação na Série A. Entretanto após alguns jogos no clube mexicano, especulou-se a volta do beque ao Vitória em 2014. Foi até anunciado pelo clube, mas o Monterrey que detém os direitos federativos do jogador, desistiu do empréstimo e solicitou seu retorno imediato ao México.[12]

Palmeiras[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2015, Victor foi negociado com o Palmeiras por um ano de empréstimo. No clube, ele jogou com a camisa 3, que pertencia anteriormente ao zagueiro Lúcio.[13]

Chegou a fazer bons jogos no primeiro semestre, mas depois perdeu a condição de titular no segundo semestre. Em dezembro de 2015, sagrou-se campeão da Copa do Brasil de 2015 pela equipe na decisão contra o Santos que representou a primeira finalíssima da história disputada no Allianz Parque.[14]

Vitória: 3ª passagem e o "Caso Victor Ramos"[editar | editar código-fonte]

No dia 15 de fevereiro de 2016, Victor Ramos retornou ao Vitória, por empréstimo de um ano ao clube baiano onde não teve uma boa regularidade e assim saiu do clube baiano[15].

Contudo, o destaque de sua terceira passagem foi fora dos gramados, pois Victor Ramos fora o pivô de uma suposta escalação irregular por parte do Vitória, que ficou conhecida na mídia como o "Caso Victor Ramos". No dia 1º de dezembro de 2016, o Internacional, que disputava a permanência na Série A do Brasileirão com o Vitória, ingressou no STJD, na qualidade de terceiro interessado, requerendo a reabertura de um processo iniciado pelo Bahia, ainda na final do Campeonato Baiano, que estava arquivado.

No processo, o Internacional pedia a perda dos pontos do Vitória, pela escalação irregular de Victor Ramos, correspondentes a todas as 26 partidas que em que o jogador havia atuado no Campeonato Brasileiro, mais três pontos por cada partida, o que deixaria o Vitória com 33 pontos negativos na tabela, e manteria o Internacional na Série A.

A alegação do Internacional e do Bahia era a seguinte: Victor Ramos esteve emprestado ao Palmeiras no ano de 2015, e foi contratado pelo Vitória no dia 14 de fevereiro por empréstimo junto ao Monterrey; ocorre que a transferência do atleta, ao invés de ter sido feita através dos trâmites de uma transferência internacional regulados pela FIFA, foi feita nos moldes de uma transferência nacional, e que se fosse observado o regulamento internacional, a inscrição do jogador teria sido feita fora do prazo. A defesa do Vitória foi de que a transferência era nacional, pois ao fim do empréstimo de Victor Ramos com o Palmeiras, o seu ITC (Certificado de Transferência Internacional) não saiu do Brasil, tanto a CBF quanto a FBF tinham a mesma visão sobre o caso.[16]

Para comprovar a má-fé do Vitória na transferência, o Internacional anexou ao processo uma suposta troca de e-mails entre a diretoria do Vitória e Reynaldo Buzzoni (Diretor de Registros da CBF), na qual este recomendava que a transferência de Victor Ramos fosse feita de acordo com as regras de uma transferência internacional[17]. Posteriormente, descobriu-se que os e-mails não eram originais, pois tinham sido modificados pelo próprio empresário de Victor Ramos, na época, Francisco Godoy, com o objetivo de facilitar a compreensão dos dirigentes do clube mexicano.

O STJD acabou decidindo não desarquivar o processo contra o Vitória pela escalação irregular. Inconformado, o Internacional recorreu ao TAS (Tribunal Arbitral do Esporte, na Suíça), mas também teve o seu pedido de julgamento rejeitado. Além disso, o Internacional acabou punido, posteriormente, pelo STJD, pelo uso do e-mail falso no processo, com uma multa de R$ 720 mil; o seu presidente na época, Vitório Piffero, também foi punido com uma multa de R$ 90 mil e afastamento do futebol por 555 dias. Já o ex-empresário de Victor Ramos, Francisco Godoy, autor da alteração do e-mail, foi denunciado pelo Ministério Público pelo crime de falsificação[18].

Chapecoense[editar | editar código-fonte]

No dia 6 de março de 2017, Victor Ramos foi contratado até o final do ano pela Chapecoense[19], após rescisão com o Monterrey.[20]

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

Em julho de 2009, o zagueiro foi convocado pela Seleção Brasileira Sub-20 para a disputa do Mundial no Egito.[21] Porém, a pedido do Standard de Liège, clube que o contrataria antes do campeonato ter início, acabou sendo liberado.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Victor é filho de Emanuel Rodrigues Ferreira, ex-prefeito de Rodelas, município com cerca de oito mil habitantes localizado no nordeste da Bahia, e de Andréa Ramos. Sua família é proveniente desta cidade, mas mudou-se para Salvador, onde Victor nasceu no ano de 1989.

Manteve por muito tempo um relacionamento com a modelo e ex-panicat Nicole Bahls,[22][23][24] mas o namoro dos dois acabou no final de 2012.[25]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

O Caso Victor Ramos é o nome dado ao imbróglio jurídico envolvendo o Flamengo de Guanambi, o Esporte Clube Bahia, o Sport Club Internacional, o Esporte Clube Vitória, a CBF e vários outros atores, acerca da suposta escalação irregular do jogador, enquanto esteve defendendo o Vitória no ano de 2016. O caso gerou grande polêmica no Campeonato Baiano e, principalmente, no Campeonato Brasileiro da Série A, além de grande repercussão na mídia esportiva.

A contratação de Victor Ramos pelo Vitória[editar | editar código-fonte]

Victor Ramos esteve emprestado ao Palmeiras no ano de 2015, enquanto seus direitos pertenciam ao Monterrey, do México. Ocorre que, mesmo com o término do empréstimo, o zagueiro continuou registrado no TMS (sistema de transferências da FIFA) como jogador com contrato ativo com o Palmeiras. Isso se deu porque, ao fim do contrato de empréstimo de Victor Ramos, o Monterrey não requereu o ITC (Certificado de Transferência Internacional) do jogador de volta para o México, ou seja, o registro do jogador permaneceu no Brasil.

Aproveitando-se dessa situação, o Vitória contratou Victor Ramos no dia 14 de fevereiro de 2016, também por empréstimo. Porém, ao invés de formalizar a transferência do atleta de acordo com as orientações para uma transferência internacional, recomendadas pela FIFA, o Vitória efetuou a transferência do zagueiro como sendo nacional.

Com o cadastro da transferência feito como nacional, o jogador pôde atuar no Campeonato Baiano daquele ano, já que fora inscrito no BID (sistema da CBF que publica os jogadores inscritos nos clubes brasileiros) no dia 18 de março, enquanto se a transferência seguisse os moldes internacionais, o prazo para inscrições teria vencido no dia 16 de março.[26]

O processo movido pelo Flamengo de Guanambi[editar | editar código-fonte]

No dia 26 de março, Victor Ramos jogou pelo Vitória contra o Flamengo de Guanambi, pelas quartas-de-final do Campeonato Baiano. o Vitória venceu o jogo por 3x0 e eliminou a equipe de Guanambi que, sabendo da polêmica em torno da inscrição de Victor Ramos, entrou com um processo no TJD-BA, pedindo a eliminação do Vitória. O Bahia participou do processo como terceiro interessado.

A defesa do Vitória alegou que a transferência de Victor Ramos fora nacional, já que o Monterrey não havia solicitado o retorno do ITC do jogador quando terminou o seu empréstimo com o Palmeiras, portanto o seu registro ainda estava no Brasil e isso caracterizaria a transferência como nacional. Ouvida no processo, a CBF, por meio de seu Diretor de Registros, Reynaldo Buzzoni, posicionou-se de acordo com os argumentos do Vitória, defendendo o caráter nacional da transferência.[27]

Diante disso, o processo movido pelo Flamengo de Guanambi fora arquivado pelo TJD-BA. O Bahia ainda recorreu ao STJD que, por meio do auditor Ronaldo Botelho, manteve o arquivamento, ressaltando que a transferência fora nacional: “o atleta Victor Ramos Ferreira não retornou para seu clube de origem, o Rayados de Monterrey, do México, e mesmo considerando que o atleta estava registrado no clube mexicano, este não completou a instrução de retorno de empréstimo no TMS, tendo como resultado que o ITC não foi pedido e entregue para a Federação Mexicana de Futebol, portanto forçoso concluir que a transferência foi nacional.[28]

O processo movido pelo Internacional[editar | editar código-fonte]

Nas últimas rodadas do Campeonato Brasileiro de 2016, Internacional e Vitória disputavam ponto a ponto a permanência na Série A; em razão disso, o Internacional, com o objetivo de tirar pontos do Vitória, no dia 1 de dezembro de 2016, ingressou no processo movido pelo Flamengo de Guanambi como terceiro interessado, requerendo o seu desarquivamento.[29]

Para sustentar o seu pedido, o Internacional anexou uma suposta troca de e-mails entre a diretoria do Vitória e o Diretor de Registros da CBF, Reynaldo Buzzoni, na qual o Diretor da CBF orienta o Vitória a realizar a transferência internacional do atleta. O próprio Reynaldo afirmou, em entrevista, que o modo ideal para a transferência seria o internacional, embora o meio usado pelo Vitória não seja irregular. Os advogados do Internacional, ao anexar esta troca de e-mails no processo, estariam tentando demonstrar a má-fé do Vitória ao registrar a transferência como nacional.[30] Outro documento trazido pelo Internacional demonstrava que o Vitória chegou a iniciar o procedimento da transferência internacional de Victor Ramos, mas desistiu e acabou registrando a transferência como nacional.[31]

Em que pese a documentação trazida pelo Internacional, o Procurador-Geral do STJD, Felipe Bevilacqua, entendeu que não havia elementos suficientes para comprovar a violação às regras e, por isso, manteve o arquivamento do inquérito.[32]

Inconformado, o Internacional recorreu ao TAS (Tribunal Arbitral do Esporte, na Suíça) da decisão do STJD. No dia 4 de abril de 2017, foi realizada a audiência, o Vitória e a CBF alegaram a incompetência do TAS para julgar a matéria, já que a sua competência é apenas recursal, e a decisão que embasou o recurso não foi um julgamento, mas sim uma decisão de arquivamento de inquérito do Procurador do STJD, e o caso sequer foi julgado no Brasil. No dia 6 de abril, o TAS entendeu pela sua incompetência e o Caso Victor Ramos foi encerrado.[33]

O caso dos e-mails falsificados[editar | editar código-fonte]

O caso dos e-mails falsificados foi um desdobramento do Caso Victor Ramos que envolveu o Internacional, a CBF e o ex-empresário de Victor Ramos, Francisco Godoy. Quando o Internacional anexou os e-mails que mostravam a troca de mensagens entre o Vitória e Reynaldo Buzzoni no processo que movia contra o Vitória, a CBF alegou que os e-mails foram adulterados.

Posteriormente, a investigação do STJD demonstrou que o conteúdo dos e-mails foi modificado pelo ex-empresário de Victor Ramos, Francisco Godoy, com o objetivo de facilitar a compreensão dos dirigentes mexicanos. Ocorre que a modificação suprimiu algumas partes importantes do e-mail, que tornavam o seu conteúdo diferente do original, e foi esse e-mail falso que foi anexado no processo pelo Internacional. A pena para a equipe poderia ir desde multa até exclusão do Campeonato Brasileiro da Série B.[34]

O Internacional foi julgado e condenado pelo STJD pelo uso do e-mail falso no processo, foi aplicada a pena de multa no valor de R$ 720 mil, a maior da história do tribunal, o ex-presidente do Internacional, Vitório Piffero, também foi condenado a pagar multa no valor de R$ 90 mil e de afastamento do futebol por 555 dias.[35]

Pela adulteração do e-mail, o empresário Francisco Godoy foi denunciado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro pelo crime de falsificação, cuja pena é de reclusão de um a cinco anos e multa.[36]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Vitória
Standard de Liège
Palmeiras
Chapecoense

Referências

  1. a b «Victor Ramos». ogol.com.br. Consultado em 10 de abril de 2013 
  2. Namorado de Nicole Bahls, Victor Ramos ganha apelido de Tufão em Salvador
  3. a b «Victor Ramos não treina e deve deixar o Vitória». esportes.terra.com.br. 28 de agosto de 2009. Consultado em 10 de abril de 2011 
  4. «Standard Liége tira revelação Victor Ramos do Vitória». estadao.com.br. 31 de agosto de 2009. Consultado em 10 de abril de 2011 
  5. «Grozav weer terecht, van Victor Ramos nog geen spoor» (em holandês). 7sur7.be. 7 de janeiro de 2011. Consultado em 10 de abril de 2011 
  6. «Les jours de Victor Ramos au Standard sont-ils comptés?» (em francês). 7sur7.be. 6 de janeiro de 2011. Consultado em 10 de abril de 2011 
  7. «Victor Ramos va-t-il quitter le Standard ?» (em francês). footgoal.net. 6 de janeiro de 2011. Consultado em 10 de abril de 2011 
  8. «Le retour du "déserteur" Victor Ramos (Standard) lundi?» (em francês). 7sur7.be. 17 de janeiro de 2011. Consultado em 10 de abril de 2011 
  9. «Victor Ramos é confirmado e vai reforçar a defesa vascaína». globoesporte.com. 20 de julho de 2011. Consultado em 20 de julho de 2011 
  10. «Após triunfo, Victor Ramos decreta: 'Vamos lutar para ser campeões'». globoesporte.com. 17 de agosto de 2012. Consultado em 18 de agosto de 2012 
  11. Lucas Serra (4 de fevereiro de 2013). «Zagueiro Victor Ramos fica no Vitória em 2013». ecvitorianoticias.com. Consultado em 18 de março de 2013 
  12. «Vitória anuncia desistência do Monterrey, e Victor Ramos não fica». globoesporte.com. 7 de julho de 2014 
  13. «Victor Ramos ganha camisa 3 e projeta vida longa no Palmeiras». globoesporte.com. 15 de janeiro de 2015. Consultado em 15 de janeiro de 2015 
  14. "Prass converte pênalti decisivo,Palmeiras vence Santos e é tri da Copa do Brasil", ESPN, 3/12/2015
  15. Vitória anuncia contratação de Victor Ramos por empréstimo, Terra, 15/02/2016
  16. «GaúchaZH». gauchazh.clicrbs.com.br. Consultado em 6 de novembro de 2017 
  17. «Inter diz que Vitória conhecia regras e agiu de "má-fé" no caso Victor Ramos». globoesporte.com 
  18. «STJD pune Internacional e ex-presidente pelo Caso Victor Ramos | FOX Sports». FOX Sports 
  19. Chapecoense acerta a contratação de Victor Ramos, ex-Palmeiras e Vitória
  20. «Victor Ramos rescinde com Monterrey e está livre no mercado». esportes.terra.com.br. 4 de fevereiro de 2017. Consultado em 27 de fevereiro de 2017 
  21. «Victor Ramos é convocado para Seleção Sub-20». bahianoticias.com.br. 11 de agosto de 2008. Consultado em 10 de abril de 2011 
  22. Fernanda Figueiredo (21 de abril de 2012). «Vai-e-vem: Nicole Bahls volta com Victor Ramos». bahianoticias.com. Consultado em 2 de agosto de 2012 
  23. Mariana Riscala (23 de abril de 2012). «Nicole Bahls volta a namorar jogador Victor Ramos». jovempan.uol.com. Consultado em 2 de agosto de 2012 
  24. «Nicole Bahls reata namoro com Victor Ramos». ospaparazzi.com. 22 de abril de 2012. Consultado em 2 de agosto de 2012 
  25. [1]
  26. «Flamengo de Guanambi aciona Vitória no TJD-BA por escalação de VR3» 
  27. «Em documento, CBF atesta que Victor Ramos teve transferência nacional» 
  28. «Auditor do STJD decide arquivar inquérito sobre o caso Victor Ramos» 
  29. «Ameaçado de degola, Inter entra no STJD para tirar pontos do Vitória - Esportes - Estadão» 
  30. «E-mails sugerem que a CBF orientou o Vitória no 'caso Victor Ramos' - Esportes - Estadão» 
  31. «Inter diz que Vitória conhecia regras e agiu de "má-fé" no caso Victor Ramos» 
  32. «STJD volta a arquivar pedido do Inter de reexame em caso Victor Ramos» 
  33. «Caso Victor Ramos é encerrado por tribunal, Inter terá de pagar custos e jogar a Série B» 
  34. «STJD confirma que Internacional-RS falsificou documentos no caso Victor Ramos». 30 de março de 2017 
  35. «STJD pune Internacional e ex-presidente pelo Caso Victor Ramos - FOX Sports» 
  36. «MPRJ denuncia empresário do jogador de futebol Victor Ramos por falsificação» 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]